Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Por favor, não perca mais tempo, inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Nós teremos o maior prazer em recebê-lo no fórum e se precisar de qualquer ajuda, temos muitos membros e nossa equipe para ajudá-lo! Lembrando que você pode postar sua fanfic, seus desenhos ou edição de imagens, seu vídeo-detonado ou gameplay, participar de um RPG, postar e ler notícias do mundo Pokémon, tirar todas as suas dúvidas sobres todos os jogos de Pokémon, comentar sobre o desenho do momento ou apenas jogar um papo fora. Além de fazer amigos!
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Aguardo.
Feliz Natal e Ano novo!

Pokémon Project Retype

Página 4 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Rush em Sab 24 Out 2015 - 1:24

-Ice!

Esse capítulo foi no mínimo chocante e marcante. Pra ser honesto, de todos os acontecimentos do capítulo, o que eu mais curti mesmo, foi o Pokémon de Emma. Sério, eu achei ótima a escolha desse Pokémon, principalmente por ele ser ofuscado da área. Eu gosto muito da linha evolutiva do Whismur, e fiquei muito animado quando eu vi que a garota teria um. Não sei se ele vai evoluir, mas eu realmente espero que sim. Imagina um Exploud na fic, que épico?

Eu também me surpreendi bastante com o Titan de Água. Mesmo que seu nome estivesse no título, eu estava tão entretido com os protagonistas ficando confortáveis na caverna que eu acabei me esquecendo completamente. E falando nisso, eu tenho que dizer, como eu fiquei com vontade de ficar na caverna naquela hora. Você descreveu um clima tão agradável que eu queria fazer parte desse grupinho. :c UAHEUAHE' Só de imaginar ficar na entrada da caverna, protegido da chuva mas ainda sim a vendo despencar no chão.

E quando os Pokémons do Natt começaram a brincar na chuva? AEUHAUE' Achei bastante interessante, já que todos são Pokémons aquáticos. Pra ser honesto, nem tinha me caído a ficha disso até eles irem brincar na chuva. AUHUAEHAUE' Eu ri demais quando o Swaddle tentou ir brincar também, mas no final fiquei com pena. Achei muito fofo da parte da Cyndaquill reconfortá-lo.

Agora sobre o Titan de Água, bem... Eu não sei. AUHAUEH' Achava que seria um Magmortar de Água, mas ficou explícito no capítulo que ele não usa golpes de fogo, o que havia acontecido foi o Scald que queimou as paradas lá. Mas... O bicho falou! Como não é a primeira vez que vejo Pokémons falando - Minha fic, a fic do Kirkos... - não iria me surpreender muito, mas e se ele for um humano? AH ICE, EU JURAVA QUE TINHA DESCOBERTO, DAI VOCÊ FAZ ISSO!!

Fiquei muito feliz em ver o Munchlax salvando Natt no final, sinceramente, achei que você tinha esquecido dele. Ainda me pergunto se ele irá ingressar à equipe de Natt, e por mais que eu queira que isso aconteça, acho que não iria combinar com os outros Pokémons aquáticos do protagonista... O que é uma pena. E PORRA! O Titan pretendia matar Natt?? Não achei que seria tão pesado assim!

Gostei bastante de Micau, Wings e Mud se unirem para proteger seu treinador, foi muito legal vê-los usando um ataque em conjunto. Isso me deixa ainda mais ansioso para a próxima batalha de ginásio. :c

Gostei pra caramba do capítulo, como de costume. Aguardo ansiosamente o proximo cap e espero que você continue postando os capítulos nessa frequência, pois estou adorando ver esses montes de capítulos! <3

É isso cara, continue assim. Um abraço!

avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por -Ice em Ter 27 Out 2015 - 19:54

Foi mal pela demora, eu geralmente posto os capítulos mais cedo, mas eu dediquei a tarde de hoje a ler algumas fics, e só consegui postar agora. Enfim, vamos aos, quer dizer, ao

Comentário:
Rush: Hey! Obrigado por gostar do capítulo! Na verdade, eu achei que não ficaria legal eu colocar assim o pokémon de Emma, pois ia parecer meio... jogado na trama, mas na verdade esse Whismur vai ter uma importância maior no futuro, eu adoro essa linha evolutiva, e eles sempre estavam presentes na minha equipe de R/S/E, será que veremos um Exploud na fic? Seria épico mesmo.

Auehae, sério, se você se surpreendeu com o titã de água na parte um, quero só ver na parte dois, haha. Essa cena da caverna realmente foi bem gostosa, estar sentados na entrada da caverna, vendo a água cair e sentindo o friozinho da chuva, eu sempre imagino cenas como essa no lado bom das jornadas.

O Sewaddle ir brincar na chuva foi uma demonstração de como ele é inocente e ainda não sabe do seu "problema", acho que haverão mais momentos como esse. Sobre o titã, como eu disse, as "respostas" virão nesse capítulo (respostas entre aspas porque isso só vai aumentar as dúvidas de vocês, creio eu). Ele foi feito pra ser interpretado como um Blastoise, e, depois da aparição do Sewaddle e introdução dos retypes, eu imaginei que o principal suspeito seria mesmo o Magmortar.

Não, eu nunca me esqueceria do Munchlax, ele foi bastante desenvolvido no começo para que, depois desse tempo sem ele dando as caras, sua aparição fosse algo inesperado, acho que consegui =P

A mistura de ataque entre Mikau, Muddy e Wings ainda acontecerá mais vezes, já que o Natt é do tipo que gosta de improvisar, e nessa parte dois veremos isso claramente.

Enfim, obrigado pelo comentário e por ter gostado, eu andei vendo que a área de fanfics está meio parada ultimamente, talvez seja semana de provas geral ou algo assim, então é bom ainda ver alguém por aqui c: Até mais ^^

Então, essa é a parte dois de o poder do titã, não tem muito o que falar, apenas que, no meio do capítulo, tem uma reviravolta tão inesperada que eu fiquei com medo que alguém fique puto, sério, apesar de parecer uma desculpinha besta ou algo do tipo, entendam que tudo o que acontece é importante para o plot, e temos pelo menos duas revelações importantíssimas aqui.

Natt sentia como se sua respiração estivesse pesada, seus braços e pernas doíam como se estivessem sendo moídos por uma marreta, e o corte em sua sobrancelha ardia como se alguém passasse uma lâmina na região.

De tão ruim que estava, já não sabia se realmente estava vendo coisa com coisa, mas, no momento, um Munchlax estava em sua frente, encarando uma criatura de quase dois metros coberta por uma capa, o titã de água.

- Você… - disse o pescador, olhando para o pokémon azul-escuro, não era a primeira vez que seus caminhos se cruzavam, eles já se conheciam.
- Natt! - Gray estava no topo do morro que Natt tinha descido, segurando na mão um celular vermelho com detalhes laranjas. O cozinheiro pulou, descendo o morro em pé, como se surfasse. Atrás dele, Emma descia cuidadosamente e Carlie tinha escorregado, descendo rolando, mas sem se machucar - Pegue!

Ele jogou o celular ao pescador, que pegou o objeto ainda no ar, usando toda a energia que tinha para se levantar. Ele desbloqueou o aparelho, entrando no aplicativo pokédex.

Gray terminou de descer a ladeira, segurando Natt com os braços ao chegar no chão, o pescador se apoiou no amigo.

- Você está machucado - disse o cozinheiro - Vem, eu vou te colocar longe daqui.
- Não. - Natt se afastou de Gray, mancando até perto de uma árvore e se apoiando nela. Ele apontou a câmera do celular para o titã de água, o reconhecimento de imagem escaneou o pokémon e entrou em uma página da pokédex.



Capítulo dezoito:
O poder do Titã - Parte 2

A página da pokédex era igual à que aparecia para todos os pokémon, um fundo preto com vários retângulos brancos onde ficam as informações. No lugar onde devia ficar o nome, haviam três pontos de interrogação, e, onde devia ficar a imagem de referência da espécie, um círculo negro com duas interrogações. Os outros campos estavam vazios, então o pescador apertou o botão de play.

"Erro de conhecimento, tente aproximar-se mais do pokémon, verifique se não há nada atrapalhando a imagem ou teste o seu sinal com a internet e depois tente novamente."

Ao ver que a pokédex não estava do seu lado, Natt guardou o celular no bolso.

O titã e Munchlax ainda se encaravam, nenhum dos dois dizia nada ou sequer se movia, era como se ambos se conhecessem.

Natt olhou para trás ao ver alguém se aproximando, era Emma, que colocou a mão no seu ombro, preocupada.

- Ei, sai daqui, esse lugar está perigoso!

O pescador olhou para ela e sorriu, fazendo com que o seu lábio formigasse de dor graças ao corte aberto nele. Não tinha nada a perder, tinha que dizer logo a ela.

- Ei, Emma…

Antes que pudesse terminar, ele sentiu uma rajada de ar que quase o jogou para o lado, tirando o seu boné de sua cabeça e jogando os cabelos louros de Emma para o lado, a garota caiu no chão, mas sem se machucar.

O titã de água soltava em direção ao Munchlax uma forte rajada de água pelo canhão de seu braço, mas que parava no ar, se chocando com um raio amarelo que saía da boca do seu oponente. O choque entre os dois poderes liberava uma forte rajada de vento que balançava as árvores e quase arremessava os que estavam no raio de alcance.

- Prime, Leaf, juntos! - Gray arremessou duas pokébolas, que ainda no ar se abriram, soltando um raio de luz vermelho que liberou dois pokémon, enquanto os objetos esféricos voltavam para a mão do treinador - Vamos acabar com isso!

Natt ajudou Emma a se levantar com cuidado ao ver o que iria acontecer no lugar.

- Vá com Carlie para longe - disse - Volte para a caverna, se escondam, vão para qualquer lugar, mas não voltem a menos que esteja tudo bem… E proteja os pokémon - acrescentou, ao ver que a garota iria contestar.

Ela assentiu, sem muitas opções. Eles ficaram um tempo olhando um para o outro, Natt sentiu que devia beijá-la, mas algo o impediu e ele não conseguiu fazer nada, e a garota saiu de lá, pegando Carlie pelo braço e indo juntas para um lugar que o pescador não conseguiu ver, o que o fez pensar que talvez nunca mais fosse vê-las.

Com algum esforço, ele se levantou, parando de apoiar na árvore e dando passos lentos em direção ao seu amigo.

O choque entre os ataques do titã e de Munchlax parou, fazendo com que a ventania também cessasse. O pokémon normal ficou parado, respirando fundo, teria que recuperar a energia gasta usando o ataque. O titã riu ao ver isso, levantando o seu canhão em direção ao pequeno pokémon.

- Thunder Punch e Leaf Blade!

Natt olhou para os pokémon de Grayson. Prime bateu um punho contra o outro, liberando uma faísca que eletrizou ambos. Em seguida, o lutador pulou em direção ao titã de água, dando um soco no rosto da criatura. O golpe foi tão forte que o som que ele produziu foi o equivalente ao de uma trovoada.

Ao receber o golpe, o titã de água cambaleou para trás, mas logo recuperou o equilíbrio, mostrando o quanto era resistente. O que ele não esperava, entretanto, era Leaf.

O pokémon vegetal chegou com uma velocidade incrível, ele havia arrancado a pequena folha de sua cabeça, e a mesma tinha se transformado em uma espada gigante que emanava uma luz esverdeada. Leaf passou do lado do titã, dando-lhe um corte no lado esquerdo do corpo, e depois voltou, dando um corte do outro lado, fazendo com que se abrissem rasgos na capa da criatura, e mostrassem uma pele azul na região do abdômen.

Munchlax se recuperou do tempo de recarga do Hyper Beam, olhando para os dois pokémon de Gray e abrindo um sorriso para ambos. Os três se juntaram na frente do titã, que deu uma risada irônica.

- É só isso que têm? - perguntou, com uma voz grossa.
- Não. - disse Natt. Ele levantou sua camisa, mostrando três pokébolas presas ao cinto, elas se abriram e soltaram com um raio de luz vermelho seus pokémon, que já estavam prontos para batalhar.

O titã levantou o braço direito. Natt achou que sairia da capa mais um canhão, mas viu uma mão azul saindo da manga direita. O pokémon puxou a própria capa, rasgando-a e a jogando para o lado. Apenas uma parte do pano sobrou, e ficou presa à parte inferior de seu corpo como um shorts.

Ele não se parecia nada com nenhum pokémon que Natt já tinha visto. Ele tinha uma aparência humanoide, na verdade humanoide até demais. Ele se parecia com um homem de idade, mas musculoso e alto, ele era azul no corpo todo, tirando na parte onde um canhão de ferro se fundia ao seu corpo, perto do peitoral e ficava no lugar de seu braço esquerdo.

No ombro direito da criatura, um objeto esférico de vidro estava cheio de água, com várias tubulações que levavam a água do vidro até o começo da parte metálica do seu corpo, onde ficava o canhão. O seu rosto era parecido com o de um homem idoso, com um pouco de cabelo grisalho. A parte inferior da sua face, onde deveria ficar a sua boca, tinha uma cor bege.




Natt e Gray se entreolharam. Tinham milhões de perguntas mas sabiam que não teriam as respostas, então apenas concordaram que tinham que acabar com aquilo logo.


~//~


- E se eles estiverem em perigo?
- Carlie, eles estão bem.

As duas garotas estavam paradas na entrada de uma caverna, Emma estava sentada no chão, tentando se concentrar para pensar em algo, mas não conseguindo pois Carlie estava do seu lado, resmungando com os braços cruzados.

- Ainda não acredito que você aceitou essa ideia machista de que não podemos ajudar, parece até que não se importa! - disse, batendo o pé no chão.
- Carlie, não há muito o que possamos fazer, não temos pokémon tão bons quanto os dos garotos.

Emma apontou para os pokémon que estavam parados na caverna, um Whismur e uma Cyndaquil sentados entediados.

- Eu acho que o Sewaddle poderia dar uma surra naquele pokémon estranho. - disse a garota, cruzando os braços novamente.
- Carlie, olha para o que você está dizendo, o Sewaddle é um recém nascido de fogo, você acha mesmo que ele… Cadê ele?

Carlie olhou para os lados, desesperada.

- Caramba! Será que ele… - ela não precisou completar, pois Emma se levantou, olhando para fora. Ainda chovia bastante lá, mas um rastro negro de grama queimada podia ser visto.


~//~


O titã de água rugiu, furioso, fazendo com que seus músculos saltassem e ele parecesse muito mais ameaçador. Em seguida, ele esticou o seu canhão, soltando água para todas as direções que podia, enquanto os pokémon faziam o possível para conseguir desviar.

- Prime, use o Karate Chop!

O pokémon lutador pulou, dando no canhão do titã um golpe com a palma da mão. A criatura apenas jogou o Primeape para o lado, mas o golpe tinha sido interrompido.

- Agora, Leaf, Grass Knot!

O titã pisou no chão, fazendo um barulho estrondoso que pareceu balançar o solo. O que ele não esperava, entretanto, era que raízes fossem sair da terra, se prendendo em uma de suas pernas e o derrubando no chão.

- Nossa deixa! Mud Bomb e Wing Attack! - gritou Natt.

Antes que o titã conseguisse se levantar completamente, Muddy lançou para cima uma bola de lama, que Wings arremessou usando um ataque de asas em forma de X, cortando-a em quatro partes. Todas as partes atingiram em cheio o rosto da criatura, e, antes que ele terminasse de limpar, um corte em forma de X foi feito pelas asas de Wings em seu peito.

Munchlax e Mikau se entreolharam, acenando com a cabeça um para o outro. Ambos se posicionaram lado a lado e estufaram o peito, soltando ao mesmo tempo os seus poderes. Da boca de Mikau saiu uma grossa rajada de água que se fundiu ao hiper raio que saía da boca de Munchlax, acertando o titã. Os dois ataques unidos arremessaram a criatura.

Gray pegou o celular de Natt, abrindo a câmera e tirando uma foto do titã de água enquanto ele se levantava lentamente.

- Konshe vai gostar de ver isso. - disse.
- Acho que é melhor sairmos daqui!

O titã rugiu, fazendo com que o som estrondoso pudesse ser ouvido pela rota inteira, talvez até nas cidades mais próximas. As gotas de chuva tocavam seu corpo e pareciam ser absorvidas por ele, deixando-o mais poderoso. Ele levantou o seu canhão, atirando para cima uma bolha gigante que estourou e arremessou água para todos os lados, apenas para mostrar o seu poder.

Ele olhou para os seis pokémon em volta dele. Primeape bateu os seu punhos um contra o outro, produzindo um som de estática. Ao lado dele, Nuzleaf arrancava a folha do topo de sua cabeça, transformando-a em uma espada pronta para atacar. Mikau estava próximo deles, cruzando os braços de uma maneira confiante. Wings esticava as asas, aparentando ser muito maior do que era, e, ao seu lado, Muddy estava apoiando-se no chão com sua cauda. Por último, Munchlax também cruzou os braços, dando um sorriso como se desafiasse o titã.

- Acha que pode contra tudo isso? - perguntou Natt.
- Não tenho medo de seus escravos de bolso.
- Pois devia ter - disse Gray.

O titã deu uma volta, analisando os pokémon que o rodeavam, sem fazer nada.

- Responde, qual é a sua? - perguntou o pescador - Não queremos briga, realmente não queremos.
- Acha que eu quero? - indagou o titã, olhando para o próprio canhão - Acha que gosto de ser o que sou?
- Por que você roubou o Museu de Relical? - perguntou Gray.
- Roubou o quê?

Os dois treinadores se entreolharam.

- Sabemos que foi você, nós o vimos! - disse Natt, mentindo para ver se conseguia a verdade.
- Não faço ideia do que estão falando.
- Natt, o roubo do museu aconteceu praticamente ao mesmo tempo que a invasão selvagem de Knothole… Se ele realmente for o responsável pela invasão como Konshe disse, então… - cochichou Gray - Retornem.
- Vocês também. - disse Natt.

Os pokémon dos dois treinadores voltaram às suas pokébolas, sobrando apenas o Munchlax. Sem que ninguém esperasse, o titã de água bateu no pokémon com o seu canhão, arremessando-o longe.

- Não! - disse Gray, indo socorrer o pequeno pokémon que estava caído perto de uma árvore.
- Então não foi você? - perguntou Natt, alto o suficiente para que o titã ouvisse.
- EU… NÃO… FIZ… NADA!!

A criatura correu de modo descontrolado em direção ao pescador, atingindo-o no rosto com a ponta do canhão, e também o arremessando para longe.

Se Natt já estava quebrado, isso só piorou a situação. Seu corpo todo latejava, e, ao bater contra o chão, ele pôde ouvir o barulho de ossos se quebrando. Mesmo com toda a dor, ele se esforçou para levantar novamente, mas o máximo que conseguiu foi ficar ajoelhado e apoiado com o braço no chão. O titã de água agora andava lentamente em direção à ele, com o braço direito segurando o canhão que estava apontado para o pescador.

- Eu não sei o que você é… - disse Natt, vendo que sangue saía de sua boca. O titã de água se aproximou dele, encostando o canhão na ponta do nariz do garoto, que tirou de seu bolso uma pokébola vazia e mostrou para ele - … Mas venha comigo. Sei que podemos resolver o seu problema, seja ele qual for.

O titã olhou para o objeto, sem reação. Em seguida, ele bateu com o canhão na esfera de captura, quebrando-a e arremessando os milhões de pedaços para longe. Ele voltou a encostar o canhão no rosto de Natt.

- Quer atirar? - perguntou o pescador - Vai, eu já estou todo fodido mesmo… Só se certifique de que isso vai acabar logo… E eu não acho que foi você que roubou o museu, ok?

Natt sentiu algo quente passando por suas costas. No começo, ele achou que era a sensação de morrer, mas viu que esse calor subiu para o topo de sua cabeça. Era o Sewaddle de fogo. O inseto, mesmo na chuva, parecia não apagar. Na verdade, o fogo de sua costa parecia estar ainda mais intenso, porém não machucava Natt, apenas fazia o garoto se sentir confortável.

- Waddle! - gritou o inseto.

O titã olhou para o pequeno pokémon, sem entender muito bem.

- Natt! - gritou uma voz feminina.

O pescador viu Emma e Carlie correndo em sua direção, mas apenas estendeu a mão para elas, fazendo um sinal para pararem.

- Waddle! Waddle!

O titã de água abaixou o canhão, virando-se de costas.

- Não quero vê-los mais. - disse, colocando novamente a sua capa, que estava no chão - Não voltem a cruzar o meu caminho, não terei pena da próxima vez.

A chuva estava muito intensa, e, somada ao escuro da madrugada, logo não foi mais possível ver o titã, nem ao menos ouvir os seus passos pesados.

O Sewaddle que estava na cabeça de Natt desceu novamente para o chão, olhando para o treinador com um sorriso sincero no rosto. Logo depois, Carlie chegou lá correndo e o retornou à pokébola para que o seu fogo não se apagasse. Logo atrás dela, Emma chegou dizendo alguma coisa, mas Natt não pôde ouvir, pois desabou no chão, exausto e quebrado.


Enfim, nesses dois últimos capítulos eu tentei responder algumas coisas, mas acabou que eu deixei ainda mais perguntas -q No próximo capítulo: Natt vs. Carlie, uma batalha de despedida!


Última edição por -Ice em Dom 12 Mar 2017 - 13:08, editado 1 vez(es)
avatar
-Ice
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 03/02/2010

Frase pessoal : </∆>


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Rush em Ter 27 Out 2015 - 20:58

Eu errei feeeiiio, errei ruuuude. AEAYAUEHUAE' Sério, então o Titan de Água foi oficialmente introduzido. 

Eu gostei pra caramba do capítulo. Foi muito intenso mesmo. Por alguns momentos, eu fiquei em dúvida se o Titan de Água era bonzinho ou não. No início, desde o cap passado, deu a impressão que ele era um cara mau. Depois ele mostrou não saber de nada sobre o roubo, e eu pensei que ele fosse bom mas mal compreendido. Então Natt e Grey recuaram seus Pokémons e o cara ataca o Natt!!

No final, ele não foi tããão mau assim. Provavelmente porque ele viu que o Swaddle sofre do mesmo mau que ele, sendo uma cobaia desse Project Re-Type, por isso deve ter ficado com o coração mais mole... Mas porra..

Agora a minha teoria é a seguinte... Ele deve ser um dos caras que estava por trás de algum projeto que mudasse o elemento das coisas - incluindo o Swaddle - mas ele acabou sendo usado como cobaia e virou um humano do tipo Steel/Water, agora ele ta buscando vingança. AUEHAUE' Fala sério, sei que tu não vai contar a verdade, mas essa é uma teoria maneira. Eu me pergunto de verdade em como você pensou nisso. O Titan de Água é algo que realmente me surpreendeu e eu não esperava. Esse cara deformado com um puta canhão no lugar do braço... Nossa, eu senti pena dele, e pelo visto, ele ta bem bolado com isso também.

Admito que eu ri quando o Nate ofereceu a chance para ele ser capturado. Ele deve ter se sentido ofendido pra caralho. AEUAUEHUA'

Pelo nome do próximo capítulo, a Carlie irá ir embora do grupo por enquanto. Pra ser honesto, eu fico contente. Carlie é bem legal e engraçada, mas acho que ela não serve pra ficar entre os Main Characters, pois a aparição dela em cap após cap acabaria enjoando, pois acho que ela não tem muita harmônia com o grupo - além de Natt. 

Já a Emma... Eu pensei que Natt iria tentar beijar ela. Mas tenho certeza que ela iria dar um tapa nele ou simplesmente recusar, porque pow, ainda é muito cedo. Eles praticamente acabaram de se conhecer. Ainda bem que o Natt não tentou nada, se não ele iria se decepcionar. Afinal, posso estar errado, mas a Emma parece ser aquele tipo de garota que é bem fechada pra esses assuntos.

Agora que o Munchlax está com os protagonistas, finalmente iremos ver onde será o seu paradeiro. Provavelmente ele vai se juntar aos protagonistas para encontrar o Titan de Água no futuro, mas existe possibilidades dele ficar com Carlie por algum motivo, ou simplesmente seguir seu próprio caminho para procurar o monstrão. E falando nisso, me pergunto com quem Swaddle ficará. Provavelmente ele vai ficar com Carlie para ser examinado e tal... Mas seria legal se ele continuasse no grupo. 

É isso. Mais uma vez fico feliz com o cap ser postado antes do que eu esperava. O cap foi como de costume muito bom. 

Mal posso esperar para ler o próximo, estou muito ansioso para ver o desenvolvimento do plot!

Um abraço cara, ansiosamente aguardando o próximo cap!
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por xKai em Sab 31 Out 2015 - 12:47

Meu Deus... Quanta informação, acabei de ler uns três capítulos de uma só vez -q Rapaz você tem que postar um pouco mais devagar, assim não acompanho -q Bom vamos lá ao que interessa né... Cara você me surpreendeu muuuito! A cada vez que o titã de água era citado eu ficava mais convicto d que se tratava de um Mega Blastoise, mas aí começou o assunto de mutação, daí essa minha teoria foi se esvaindo, comecei a imaginar então que ainda seria um blastoise, mas um blastoise geneticamente alterado e também não era... (MEU DEUS É O CHUCK!!) Achei algo muito diferente, é meio bizarro imaginar como uma nova espécie é criada... Sei lá, a gente pensa que é um tipo de chimera ou coisa do tipo... Não é atoa que o titã parece ter uma mágoa profunda para com si próprio... Ele deve detestar a própria existência, se achar diferente de tudo, odiar o próprio mundo que fora tão cruel com ele... Me pergunto o que ele faria caso se depare com o seu criador... Ou vai ver estou enganado, mas foi esta a ideia que tive dele nesta primeira vez... Bom, acredito que a história vai ter um time skip de pelo menos um ou dois meses, né? Fazia tempo que não via alguém apanhar tanto assim quanto o Natt... Nossa, parecia até a Alemanha kkk Estou repleto de curiosidades desta vez... Sewaddle parece estar gostando muito de Natt... Digo o mesmo deste Munchlax, mas acho que ainda não deve ser a hora de Natt capturá-lo, ainda mais quebrado assim. Wings pelo visto está gostando muito da Carlie... Pensei em uma troca, mas como o pokémon mutado não é dela pra início de conversa... É uma situação difícil... Bem, vou continuar com essa pulga atrás da orelha...

________________

avatar
xKai
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/05/2013


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por -Ice em Sex 6 Nov 2015 - 19:57

Hey gente, eu já queria começar pedindo desculpas pelo atraso, de acordo com o cronograma, o capítulo 19 era pra ser postado domingo passado e, hoje, o 20, mas quinta passada eu derrubei o meu notebook no chão e quebrei o HD, e aí já viram. Eu tive sorte e consegui outro HD para mim, mas perdi todos os sprites que tinha feito, alguns de personagens que ainda nem apareceram e outros de futuras insígnias, mas ok, pelo menos eu tinha todos os capítulos no google docs c: Já falei demais, vamos aos

Comentários:
Rush: E aí o/ Tu achava que era um Magmortar de água mesmo então? auehauhae Mas foi o que eu dei a entender mesmo. Esse capítulo foi escrito para passar uma epicidade de todos contra o titã, e eu não sei se deu certo mas o resultado ficou bem legal do mesmo jeito.

Sobre o titã ser bom ou mau, eu diria que não é nenhum dos dois, já que tudo se trata de pontos de vista. Os que se opõem ao titã vêem ele como mau, mas, no ponto de vista dele, ele só está seguindo a vida da maneira que pode e existem algumas pedras no caminho, e veremos no futuro que realmente a vida não tem sido fácil com o titã, mas isso será mais para frente ao vermos a sua origem. Será que você acertou?

Sim, a Carlie irá embora do grupo, mas não será agora, por mais que não pareça, esse título (que na verdade não é um título, é só uma preview) fala de outra coisa. Na verdade ela tem harmonia com o resto do grupo, mas é algo que não foi explorado porque eu achei meio desnecessário, já que se passaram alguns dias desde que eles começaram a andar juntos.

A Emma ainda é uma incógnita, eu na verdade já sei o que vou fazer com ela, mas tem mil possibilidades para vocês pensarem sobre o destino dela na história, e eles já estão chegando em Ciatteil, a cidade que era o destino dela inicialmente. Será que esse destino mudou?

Sem querer spoilar, o Munchlax já fez a sua parte e não será tão importante na trama que irá se desenvolver a seguir, mas ele já é presença garantida nas próximas temporadas e, ainda sem querer spoilar, onde tem Munchlax tem titã de água. E o Sewaddle, bom... É um puta spoiler cara (na verdade nem é, mas eu já spoilei de mais por hoje).

Obrigado por comentar e espero que continue gostando ^^

xKai: Kai o/ Eu bem que queria demorar mais pra postar, mas eu não consigo -q É muita coisa e um atraso maior de capítulos faria a fic demorar mais do que deveria. O titã de água foi criado com o intuito de trazer mistério à fic, e é bom que ele surpreenda, pois terão mais surpresas desse tipo ao longo da história.

Auheuhae, eu usei o sprite do Chuck como base, mas ele não tem nada a ver com o líder -q Sim, ele é tipo um lobo solitário, ainda está se acostumando com sua nova forma e está procurando o seu próprio rumo, sem saber o que o destino o aguarda, e ainda se conhecendo, por isso tantas intrigas, nessa reflexão sobre a vida ele não tem tempo para se preocupar com coisas como o Natt o atrapalhando.

A história vai ter sim um skip, mas não será tanto tempo assim, porque o Natt apanhou pra caralho e precisa de um tempo para se recuperar. Vamos ver o destino de Munchlax, de Sewaddle e de Natt.

Obrigado por comentar e espero que continue gostando ^^

Enfim, não tem muito o que falar sobre esse capítulo, apenas ressaltar que essa temporada está acabando e que ela vai terminar com chave de ouro. A partir de agora, eu começarei a reviver alguns assuntos antigos, então lembrem-se de coisas citadas nos capítulos nove e dez principalmente.

Natt olhava para a mesma sala escura com a mesma pedra rosa iluminando-a. Não era a primeira vez que via aquilo, e sabia que não seria a última. O objeto era muito bonito, não se parecia com nenhuma pedra preciosa que ele já tinha visto por ser rosa e extremamente redonda, além de emitir luz própria, o que era extremamente estranho de se ver. Por um momento, ele quis tocá-la, vê-la em suas próprias mãos, mas sentiu que não devia.

- O que é isso? - perguntou-se.

Olhando fascinado para a joia, ele ouviu uma voz ecoar pela sala, como se fosse uma resposta.

“Aqueles que a tocaram nunca mais conseguiram dormir em paz, como se a mistura entre o bem e o mal os atormentasse eternamente.”

Então ele acordou, assustado. Tudo o que via era o céu azul da tarde, até que uma cabeça entrou no seu campo de visão.

- Gray? - perguntou o pescador, olhando para o homem de cabelo louro que sorriu ao vê-lo.
- Então você se lembra? - disse, ajudando Natt a se sentar no chão. O pescador percebeu que estava deitado em um pano branco posto sobre a grama da rota três.
- Do que você está falando?
- Bom, Natt… - o cozinheiro desfez o sorriso, como se fosse tocar em um assunto delicado - Você está dormindo há quase quatro semanas, cara.



Capítulo dezenove:
Uma batalha de despedida

O pescador se assustou ao ouvir aquilo, ele olhou em volta, apenas os dois estavam na rota. Ele tentou se levantar, mas todo o seu tórax estava imobilizado.

- Cadê todo mundo? - perguntou - Carlie, Emma…
- Elas estão procurando por frutas, está difícil te manter alimentado, você consegue comer dormindo, ao menos. - o cozinheiro abriu um largo sorriso - É bom ter você de volta.
- E os meus pokémon? Onde estão?

Gray pegou três pokébolas e colocou do lado de Natt.

- Nenhum deles quis sair da pokébola durante esse tempo. Devem estar morrendo de saudades.
- Muddy, Wings, Mikau… - Natt apertou o botão das pokébolas, fazendo com que elas se abrissem e liberassem os pokémon.

Muddy olhou encantado para o seu treinador, pulando em cima dele logo em seguida, Wings fez o mesmo, bicando carinhosamente a sua orelha. Mikau, porém, apenas se sentou no chão, cruzando os braços. Mesmo tentando disfarçar, os olhos do pokémon mostravam que ele estava feliz, Natt o pegou nos braços.

- A gente já se atrasou demais - disse o pescador - Vamos sair dessa rota hoje e ir para o melhor Centro Pokémon de Ciatteil, que tal?
- Não, não. - Gray cruzou os braços em forma de reprovação - Você está muito machucado, vai precisar de pelo menos mais duas semanas para se recuperar totalmente.

Natt se lembrou do que tinha acontecido, o encontro com o titã de água. Ele tinha apanhado muito, e realmente não estava em condições de andar, mas já tinha passado mais tempo do que o planejado, e ele ainda estava com apenas uma insígnia.

- Que droga. - disse ele, se levantando. Ele estava sem camisa e com o tronco enfaixado, assim como o braço direito que estava engessado e uma das pernas que estava com um ferro da base da cabana amarrado a ela. Ele colocou sua camiseta e sua jaqueta vermelha com dificuldade, assim como seu boné e sorriu para seus pokémon.
- Natt? Caramba, você acordou?

Ele se virou para trás, aquela voz definitivamente era a de Carlie. O que ele não esperava, porém, era que a garota pulasse em cima dele, abraçando-o com força, fazendo com que sua costa estralasse.

- É bom te ver também, Carlie. - disse ele, colocando a mão nas costas da amiga - Mas isso tá doendo um pouquinho.
- Ah, desculpe. - ela se afastou dele, sorrindo. A Cyndaquil em seu ombro cumprimentou o pescador também.

Atrás de Carlie estava Emma, que acenou para Natt, mas, quando o pescador foi retribuir, ele sentiu algo pulando em sua direção e grudando em sua camisa.

- Waddle!

As chamas da costa do pokémon estavam mais altas do que o habitual, mas elas não machucavam Natt, apenas chamuscavam sua camisa levemente. Ele o acariciou.

- Lax!

Natt olhou, ao lado de Carlie estava um pokémon pequeno e peludo, o Munchlax da última vez. O pescador se agachou para falar com ele.

- Ei, você salvou minha vida. - ele colocou a mão na cabeça do pokémon - Você é aquele cara da rota dois não é? O da Oran Berry.
- Ele ficou com nós ajudando a te curar - disse Emma, enquanto o pokémon coçava a nuca, sem graça - Mas eu acho que a comida do Gray também ajudou na estadia.
- Falando nisso eu tô com fome. - disse Natt - Gray, você…

Ele não precisou terminou de falar, o cozinheiro já estava com a sua habitual panela fazendo algo com as berrys que as garotas colheram. Natt não pôde deixar de perceber como as coisas tinham mudado. Mesmo que para ele não tivesse passado mais do que uma noite, quatro semanas já tinham ido. Estavam todos mais próximos, mas também mais acabados, com as roupas sujas e os rostos com fortes olheiras, provavelmente tinham ficado muitas noites em claro o vigiando.


~//~


Algumas horas depois, todos já tinham comido e estavam bem. Natt não conseguiu convencê-los a voltar a andar, então teve que aceitar ficar pelo menos mais um dia em repouso.

Agora, ele estava na beira de um rio, com os pés na água gelada enquanto pescava um pouco. Já tinha achado um ou dois Tentacools, mas nada de interessante. Seus pokémon dormiam ao seu lado, enquanto Munchlax olhava para o treinador pescando, interessado.

- Faz um tempo que a gente se viu, né? - disse Natt, olhando para o pokémon - Foi na rota dois, eu estava só começando naquela época… - ele se lembrou de estar deitado na grama relaxando quando o pokémon apareceu. Ele tinha sido extremamente arrogante naquela época - Por que você está aqui?

Natt sentiu algo mexendo na vara de pesca, então a puxou com força, levantando no ar mais um Tentacool, que ele colocou de volta na água. Então ele viu um Huntail se aproximando sorrateiramente da vara de pesca para comer a berry.

- Ei, Natt!

O pokémon se afastou da berry, fazendo com que Natt largasse a vara de pesca no chão, nervoso. Ele olhou para trás, Gray o chamava para uma espécie de piquenique que eles tinham feito.

- Vamos lá - disse para seus pokémon - Vem também, Munch-

Ele olhou para o lugar onde Munchlax que estava para falar com o pokémon, mas ele não estava lá. O pokémon já estava sentado ao lado de Gray e Emma olhando para os lanches que o cozinheiro tinha feito.


~//~


- Ei, Natt, já pensou qual vai ser a sua próxima insígnia? - perguntou Gray - Nico já pode estar com a segunda dele agora, acho que você não vai gostar muito de estar atrás dele.

Eles estavam todos em volta de uma cesta com vários sanduíches, frutas e sucos comendo quando todos olharam para o pescador após a pergunta ser feita. Natt parou para pensar em Nico batalhando contra Joel Nivans. O garoto não poderia ganhar a insígnia de Blue Coast, não contra o seu tio.

- Bom, a próxima parada é Ciatteil. - disse - Mas não tem um ginásio lá, então qual é a cidade mais próxima com um?
- Tem Sparklage, que é logo do lado. - disse Emma - Mas é um ginásio do tipo elétrico, não sei se você vai se dar bem lá.
- Qual é, uma simples desvantagem não pode me deter. - disse o pescador. Ele pegou o seu celular do bolso, entrando no aplicativo mapas. Ele pesquisou Sparklage e um mapa simples de Eyarn apareceu, mostrando, com um ponto vermelho, onde eles estavam e a cidade de Sparklage da mesma cor, mostrando a distância de onde estavam até a cidade.




- Caramba, já estamos chegando em Ciatteil… - disse Carlie, olhando para o celular.

Natt olhou para o mapa, aquilo significava que logo ele e Gray se separariam de Emma e Carlie, o que era muito ruim, talvez ele conseguisse convencê-las a ficar.


~//~


Já era noite, e estavam todos deitados no lugar onde tinham feito o piquenique mais cedo. Gray e Emma já tinham dormido há bastante tempo, mas Natt e Carlie estavam acordados, olhando para as estrelas enquanto conversavam sobre coisas aleatórias.

- Sabe, eu vi que o Sewaddle está gostando muito de você ultimamente. - disse ela - Já faz um tempo, mas, hoje quando você acordou, eu vi a felicidade dele ao te ver.
- Sim, ele é bem legal comigo. - disse o pescador, olhando para o pokémon lagarta, que dormia no chão. Esse era o único momento onde as chamas da costa dele se apagavam - Mas ele também gosta de você.

Ela se sentou em seu saco de dormir, apoiando-se com os braços no chão e olhando para Natt.

- Mas não é sobre isso que eu estou falando - ela arrumou um fio de cabelo solto na frente de seu rosto enquanto olhava para Sewaddle dormindo - Logo nós vamos nos separar… E talvez nunca mais nos veremos… Eu tenho um emprego, você sabe.
- Sim, mas eu não sei onde você quer chegar, Carlie.
- Wings também esteve muito próximo de mim… - ela olhou para os olhos de Natt, fazendo com que o pescador soubesse onde ela queria chegar - Eu não queria me separar dele.
- Carlie, você não quer-
- Sim, eu gostaria de trocar Wings por Sewaddle! - disse ela.

Natt pegou do seu bolso a pokébola do pokémon voador. Já fazia um tempo que ele tinha capturado Wings, não queria se despedir dele agora. Mesmo que ele adorasse Sewaddle, o pokémon não era aquático, portanto não seria útil no time que o pescador estava tentando montar. Mas uma coisa era certa, o pokémon gaivota estava muito próximo de Carlie.

- Carlie, mas… O Sewaddle nem é seu, como podemos fazer isso?
- Sim, ele é meu, Natt. O meu trabalho era levar o ovo dele até o professor Nutwood, e o ovo rachou no meio do caminho, e eu capturei o Sewaddle, logo, ele é meu.
- Mas e se o professor ainda quiser ele?
- Eu já conversei com Emma a respeito, ela disse que pode falar com o avô.

Natt sentiu um peso em seu coração. Ele gostaria de continuar ao lado de Sewaddle, mas não se isso significasse trocá-lo por um dos seus, afinal ele também queria continuar ao lado de Wings, ensinar o pokémon a voar e participar de outras conquistas de sua vida, mas ele não seria justo se tomasse essa decisão sem consultá-lo primeiro.

- Ei, Wings, saia.

Ele apontou a pokébola do pokémon para o chão, soltando o voador, que estava ainda meio dormindo, mas pareceu disposto ao ver o seu treinador.

- Ei, amigo, eu estava conversando com a Carlie… E ela queria saber se você não quer, tipo, ficar com ela. - disse Natt, fazendo com que o seu pokémon o olhasse com uma cara de interrogação - Eu não queria tomar essa decisão sem te consultar, então… E aí?

O pokémon olhava para Carlie e para Natt, pensando. Naquele momento, o pescador percebeu que o pássaro queria ficar com a garota, mas não queria magoá-lo.

- Não precisa ficar assim… - disse, sentindo um nó em sua garganta e uma única lágrima caindo do seu olho esquerdo, estava diante de uma situação difícil - Você vai continuar sendo o meu pokémon, com quem quer que esteja. - ele tirou a insígnia do herbívoro de sua jaqueta, mostrando-a para o pokémon - Pode fazer o que quiser, eu sempre vou ter essa lembrança sua.

Os olhos do pokémon encheram-se de lágrimas e ele pulou em cima de seu treinador, envolvendo-o com as suas asas. Natt retribuiu o abraço com um sorriso no rosto.

- Eu respeito a sua opinião, mas, antes de tudo, eu quero uma última batalha ao seu lado, uma batalha de despedida, ok?

O pokémon assentiu, olhando confiante para seu treinador.

- Que fofo. - disse Carlie, limpando uma lágrima - Essa batalha só pode ser contra mim!


~//~


Eles estavam de pé um olhando para o outro. Não se preocuparam em acordar os outros dois, por isso decidiram fazer a batalha no meio da noite, ainda usavam os seus pijamas, Natt um shorts e uma camiseta azul listrada e Carlie uma camisa regata rosa e shorts da mesma cor.

- Wings, vai lá. - disse o pescador, estendendo o braço para que seu pokémon entrasse em campo.
- Cindy, me ajuda nessa! - disse Carlie, soltando a sua Cyndaquil da pokébola. - Primeiro as damas, use o Attract!

A Cyndaquil piscou o olho de uma forma charmosa, tentando conquistar Wings, mas o pokémon bateu as asas com força, se levantando por alguns segundos.

- Isso aí, Wing Attack!

O pokémon esticou suas asas que começaram a brilhar, então ele mergulhou em direção à Cyndaquil, atingindo-a com as duas asas em forma de X.

- Legal, Natt, mas não precisa pegar leve comigo - disse Carlie, arrumando o seu óculos - Vá com seus ataques de água que nós aguentamos.

Cindy assentiu e sua costa começou a queimar em chamas, reforçando o que sua treinadora pediu.

- Agora vai, Rollout!
- Water Gun!

Cindy segurou suas pernas com seus bracinhos, assumindo uma forma esférica e começando a girar em direção à Wings, que não conseguiu evitar o ataque e foi arremessado, interrompendo o seu jato de água.

- É isso aí, amiga, agora use o Ember!

Natt sorriu, estralando os dedos enquanto a Cyndaquil arremessava pequenas esferas de fogo em direção à Wings.

- Agora, parceiro, Break Dance Water Gun!
- O quê?

Wings sorriu, deitando-se de costa no chão. Ele soltou pelo bico um jato de água e então começou a girar horizontalmente no chão, fazendo com que o jato se transformasse em um redemoinho em cima dele que apagou as brasas lançadas pela Cyndaquil.

- E agora, atacar!

O pokémon parou de girar, lançando o redemoinho de água em direção à Cindy, que foi engolida pela correnteza, caindo no chão, desmaiada. Carlie ficou olhando para a cena por alguns segundos antes de retornar sua pokémon.

- Incrível… - disse, olhando para o pescador - Eu nunca vi um treinador ousado o suficiente para customizar ataques… você é demais, Natt. Tem certeza que aceita a troca? Você e Wings são demais juntos.

O pescador olhou para o pokémon pássaro e um sorriu para o outro.

- Vocês também serão demais juntos.

Por mais difícil que fosse, Natt aceitava a decisão de seu pokémon, e sabia que ele gostava de Carlie e não se arrependeria de sua escolha. Em seguida, ele olhou para Sewaddle, treinar o pokémon lagarta já fazia ele se alegrar, e ele continuaria vendo Wings por algum tempo.

- Ei, o que aconteceu?

Gray se levantou assustado, olhando para a área onde a batalha tinha acontecido, tentando entender porque a grama estava molhada e um pouco queimada.

- Nada. - disseram Natt e Carlie, sorrindo um para o outro.


~//~


Na madrugada, o museu de Relical ficava ainda mais sombrio do que o habitual. Dois seguranças estavam de braços cruzados no salão principal.

Um deles tinha um corpo atlético e cabelos castanhos escorridos, apesar de sua posição intimidadora, ele parecia ser bem simpático. Já o outro era um sujeito mal encarado alto e extremamente musculoso, com um cabelo louro em corte militar e olhos cor de âmbar.

- Ei, o que você acha do roubo? - perguntou o segurança de cabelos castanhos, tentando puxar algum assunto, afinal os dois estavam juntos há uns dias mas não costumavam conversar.
- Ele foi roubado. - respondeu o louro, rispidamente, fazendo com que o outro se calasse.
- Sabe, você podia ser mais gentil. Não consigo me esquecer daquele dia em que um pescador entrou aqui para falar com o líder do ginásio e você quase o matou.
- Não seja exagerado. - disse o louro - Só não quero conversar agora, ok?

O de cabelo castanho caminhou pelo saguão, entediado.

- Então eu vou tirar uma folga, certo? Vou ali na esquina comer um lanche e já volto, você consegue ficar sozinho?
- Espero que isso não seja uma ofensa. Vá.

O outro segurança saiu do museu, deixando o louro sozinho lá. Após o seu colega sair, ele olhou para a porta que levava à sala onde os dois administradores do museu ficavam, eles estavam com uma visita nesse momento, e pareciam conversar sobre algo bastante sério.

A seguir: Os quatro protagonistas finalmente chegaram em Ciatteil, e parece que nessa cidade está a resposta para o fenômeno visto apenas no Sewaddle de Natt! Mas... o que o titã de água tem haver com isso? E onde o professor Nutwood entra nessa história? Parece que Emma está escondendo algo... E mais, a investigação do roubo do museu de Relical continua, e isso levou Alpha até a cidade de Ciatteil também! Parece que todas as respostas estão nessa cidade... Não percam os próximos capítulos de Pokémon Project Retype, rumo ao Season Finale!
avatar
-Ice
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 03/02/2010

Frase pessoal : </∆>


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Rush em Dom 8 Nov 2015 - 2:11

Eai, Ice!


Esse cap demorou, ein? Acho que fiquei mal acostumado, senti bastante a falta de capítulos novos na tua fic. :c Bem, tenho que admitir que fiquei um pouco triste ao ver que ele ficou pequeno comparado aos demais, pelo menos ao meu ver. Pode ter sido impressão também, já que ele ficou bem variado e teve vários acontecimentos.


Agora começando sobre o capítulo em si... Como sempre, nem preciso dizer que foi muito bom, né? Adoro a simplicidade em que como você descreve o ambiente, que mesmo sendo detalhado, não chega a cansar nossa mente imaginando coisinha por coisinha. Como sempre também, os diálogos me deixam bastante interessado, já que são muito realistas e fluem perfeitamente. Porém, me assustei bastante no início da fic. Primeiro... Que pedra era aquela? Imediatamente pensei em Darkrai e Cresselia, mas quando falaram que "quem tocasse na pedra" seria "amaldiçoado", mesmo que no sonho, eu lembrei de Madoka. AUEHAUE' 


E PORRA, o Natt ficou desmaiado por um mês? Que loucura cara. Isso realmente me pegou de surpresa. No início achei que tinha relação com a pedra, mas pelo visto foi pelas sequelas causadas pelo Titan. MANO, quase um mês desmaiado... Isso foi bastante intenso. Só não entendi uma coisa... A Carlie não tava com pressa? Pensei que ela precisava chegar na cidade de Ciatteill em no máximo dois dias... Mas sei lá. 


Em seguida, temos a aparição do Munchlax no grupo. Aquela cena em que o Natt estava pescando foi a zona de conforto do capítulo, como quase sempre está presente nos capítulos. (Cena caverna, por exemplo) Pode parecer idiota, mas ao ver o Natt se recuperando dos ferimentos enquanto pescava no rio, com o Munchlax ao seu lado, me fez sorrir quenem um bobo, imaginando o alívio do pescador ter um tempinho para relaxar nessa viagem. Sei lá, depois de ter apanhado do Titan, o mínimo que Natt merecia é alguns minutos de pesca. AUEHAUE'


Outra coisa que eu achei interessante, é o fato do Natt ir desafiar o ginásio elétrico que o Nico havia vencido. Não quero adivinhar nada para não influenciar nas suas escolhas, mas se pudesse chutar, eu diria que o Muddy vai evoluir para obter o Ground typing, adquirindo a imunidade ao elemento elétrico, mas espero que minha teoria não influencie na história. 


E BEM, uma batalha de despedida acabou me pegando de surpresa no final. Eu estava achando que a despedida seria de Carlie, mas não, não foi... Eu não vou comentar aqui nesse comentário mais informações sobre essa despedida pra não spoilar pra ninguém que acabe lendo meu comentário primeiro, antes da fic, mas porra... Por essa eu não esperava. Eu fiquei bastante triste pra ser honesto, mais do que feliz. Não acredito que por ora, tal personagem tenha se desprendido do Natt. :'(


Well, irei encerrar o comentário por aqui, de maneira melancólica. Não entenda mal, o capítulo foi excelente. Estou muito ansioso pelo próximo capitulo, e estou MUITO ansioso para a batalha de ginásio. Você fez um trabalho impecável no primeiro gym, sei que não irá me decepcionar na batalha do segundo.


É isso cara, parabéns, como sempre. Tá tudo ótimo, estou adorando. 


Um abraço cara, até mais!
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Black~ em Dom 8 Nov 2015 - 16:08

Bem, depois de um zilhão de anos, eu voltei (agora pra ficar, porque aqui é o meu lugar). Enfim. Não vou me prolongar muito aqui.

Perdi quatro capítulos, mas parece que tudo aconteceu de uma vez nesses capítulos. Cara, foi muita informação, então se eu fosse fazer um comentário bonitinho, ia ser do tamanho de um capítulo huahuaha, então já vou me desculpar pelo comentário meia boca que vai sair, mas espero que entenda.

Então finalmente o Natt encontrou o titã de água? Eu achei bem sinistro essa história de ser na verdade um cara, com um gigantesco canhão de água. Pelo visto ele deveria fazer parte de algum "experimento" errado, por isso ele certamente não gosta de ficar assim. E o Munchlax, qual a relação com o titã?

O nome da fic finalmente fez sentido (na verdade isso já tem umas três semanas, mas a gente releva hahuahua). Um Sewaddle de fogo? Hm... qual o sentido disso? Certamente deve ter sido por causa de alguma experiência também. E será que tem algo a ver com o titã de água também? Bem, pelo menos no próximo capítulo já teremos algumas pequenas pistas a mais.

Bem, eu achei bem interessante o fato do Sewaddle ter ido para o time do Natt, já era de se imaginar isso, visto que o Wings tinha se aproximado da Carlie e tudo já se encaminhava para isso. Apesar de ter gostado da inserção do Sewaddle fiquei triste pelo fato de o Wings ter de ir embora =/, mas né. E, pelo visto, além do Sewaddle, o Munch deve entrar no time do Natt, o que "cancelaria" a proposta inicial dele de só ter pokémons aquáticos.

Caramba, o golpe foi feio hein. O Natt ficar um mês desacordado? Caramba. Eu só não entendi porque eles não levaram ele para o hospital. Imagino que deva ser caro e tals, mas no meio da floresta não me pareceu ser o local mais adequado para cuidar de um doente -q, mas enfim.

De toda forma, gostei bastante desses capítulos e das revelações e mais mistérios adicionados. Como por exemplo, o sonho do Natt; o que será que aquilo quer dizer? Mas enfim.

Como eu disse, ia ser um comentário bem porco, mas eu li tudo sim e no próximo capítulo faço um comentário decente. É só e boa sorte com a fic.
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por -Ice em Qua 11 Nov 2015 - 14:03

Hey, chegou dia de postar um novo capítulo, então sentem-se em suas cadeiras, ajeitem a coluna e preparem-se para uma montanha-russa de emoções. Mas antes de tudo vamos ver as respostas aos

Comentários:
Rush: Hey o/ Desculpa pela demora, foram problemas ligados à minha capacidade de enroscar o fone de ouvido na cintura e derrubar o notebook no chão :/ Mas o importante é ter saúde. Na verdade o cap nem foi pequeno, ele está dentro da média de páginas, já que a média é de cerca de 7 páginas no Google Docs, que é onde eu guardo e faço a revisão dos caps, e esse deu 8, ficando até maior que as duas partes de "O poder do Titã", que tiveram 6 e 7, respectivamente, então eu acredito que você tenha achado pequeno comparado aos demais por ele não ter se focado em um assunto apenas, fazendo com que a experiência não seja igual à de ler um capítulo todo sobre uma batalha ou uma trama mais interessante. Mas don't worry que o capítulo de hoje deu 10 míseras páginas.

Foi interessante você ter falado sobre Darkrai e Cresselia, pois, ou você se lembrou do capítulo nove e começou a ligar as coisas ou é um profeta nato, apesar de eu ter achado que tinha ficado claro de onde eu estava resgatando as coisas -q O que é Madora? Laughing

É, o Natt ficou desmaiado por três semanas e dois dias, pra ser exato. O plano inicial era que ele ficasse acordado, e daí ia ter uns dois capítulos sobre esse tempo em que ele passou sem poder levantar, mas eu achei que ia ser chato e cortei isso, simplesmente inventando que ele teve um mini coma. Na verdade, um mês era mais ou menos o tempo esperado para que uma garota atravessasse uma rota sozinha, então pra Carlie foi meio que indiferente =P

Na verdade pode tentar adivinhar -q Até o final da segunda temporada eu já tenho tudo planejado, capturas, evoluções, amigos e rivais, cidades e etc, será bem difícil eu ser influenciado, no máximo quando alguém acertar algo, pois daí eu vou tentar dar várias pistas falsas para essa pessoa pensar que errou e tirar a teoria da cabeça -qq Já estava planejada essa "reviravolta" na equipe desses dois personagens, e esse personagem que se "desprendeu" de Natt nunca teve um real propósito, ele apareceu, fez o seu trabalho e eu não acho que seria interessante explorar mais ele. Em compensação, o "novo" personagem vai render alguns bons capítulos.

E a batalha de ginásio tá chegando, ein (é serio -q), então espero que continue lendo e gostando ^^

Black: Lol, Welcome B[l]ack =P Foi mal por todos os capítulos que você teve que ler, o prazo de cinco dias é muito rápido mas necessário para que a fanfic não se torne algo muito demorado.

Então né, vamos ver essa história do titã que tá meio mal-contada, mas a sua "relação" com Munchlax já foi porcamente explicada, os dois se encontraram pela primeira vez no capítulo seis, onde Munchlax apanhou e foi levado ao Centro Pokémon, e no capítulo nove vimos ele acordar no Centro, disposto a se vingar do titã, por isso ele o seguiu até a rota 3, onde, por coincidência, Natt também estava e o resto tu já sabe. Já Sewaddle e o titã ainda não foi explicado, mas será hoje, mas não tão bem ainda.

Essa troca já estava planejada desde que Wings apareceu pela primeira vez, tanto que eu o planejei de última hora para que Natt conseguisse mais um aquático antes de acabar quebrando a sua promessa... Será que ele quebrou? Sobre o hospital, pra ser sincero, eu nem pensei nisso, mas eles estavam no meio da rota, não tinham como ligar para uma ambulância e nem carregar Natt até a próxima cidade. Enfim, para mais viradas sem noção continue lendo e gostando ^^

Enfim, esse capítulo seguiu a mesma ideia que o dez e será meio que um especial não-especial por eu ter conseguido escrever mais dez capítulos, então esse ficou maior do que os outros (mas não maior do que a batalha de ginásio do Natt, aquele ficou grande pra caralho) então eu espero que gostem e consigam ler até o final. Esse capítulo resgata algumas coisas de capítulos anteriores, como os 9 e 10, o 19 e o 15 e talvez alguns outros. Espero que gostem ^^

A sala da administração do museu de Relical era bem pequena comparada aos lugares onde os artefatos históricos ficavam, isso porque ela servia apenas para os administradores Lance e Alpha discutirem sobre assuntos do museu e tomarem decisões importantes.

Era um lugar circular todo pintado de azul bebê, pois segundo o administrador Alpha a cor passava a sensação de calma e serenidade. Porém, não era essa a sensação que o local passava agora.

- Tem certeza que isso vai dar certo, Dave? - perguntou Lance. Ele era um homem baixo e gordo, com poucos cabelos e um grande bigode. Ele estava encostado em uma parede enquanto conversava com um outro homem. Este parecia ser um mecânico, que terminava de configurar um aparelho, ligando-o no monitor de um computador.
- Eu trabalho aqui há um tempo, Lance. - respondeu o mecânico - Eu já passei várias vezes pela Joia dos Sonhos, e posso te dizer que ela exala uma energia única. Se essa máquina der certo, um satélite vai procurar por essa energia em todo o continente, e nos mostrar onde ela está.
- E como tem certeza que essa energia é única, Dave? - perguntou Alpha com uma voz suave. O músico usava a mesma camisa branca e calça jeans, com o habitual óculos escuro e o violão preso à costa. Seu longo cabelo louro estava preso em um rabo de cavalo.
- Eu não tenho. - disse o mecânico.

Os dois administradores se entreolharam.

- Olhem só, essa energia eu só senti uma vez, e foi com a Joia dos Sonhos, se houver mais de uma energia espalhada por Eyarn, não acham que podem ser, sei lá, outras Joias dos Sonhos?
- Só existe uma Joia dos Sonhos no mundo todo. - disse Lance.

Dave conseguiu ligar o seu aparelho no monitor do computador, fazendo com que uma tela de carregamento aparecesse, mostrando um mapa de Eyarn ao carregar por completo.

- E lá vamos nós… - disse o mecânico, apertando um botão.

No mapa do continente, piscaram cinco pontos de cores diferentes. Eles não tiveram tempo de verem todas, pois quatro delas se apagaram, sobrando apenas um, da cor rosa, localizado na cidade de Ciatteil.

- Então a joia está aí? - perguntou Lance, Dave assentiu - Alpha, enviamos alguém?
- Não. - disse o músico - Eu vou.



Capítulo vinte!
O Projeto Retype

Exatamente doze horas antes da conversa no museu de Relical, ao meio dia, um garoto chamado Natt não deixava os seu amigos dormirem. Estava em pé na grama, já trocado e com a mochila arrumada, pronto para partir.

- Ei, logo quando estamos chegando em Ciatteil vocês vão ficar com essa moleza?
- Natt, cala a boca e volta a dormir… - disse Carlie.
- Eu acho que te preferia desmaiado. - disse Emma, se levantando - Vamos, galera, ele não vai nos deixar dormir mais mesmo.
- E eu tenho uma novidade, também! - disse o garoto, animado.

Por último, Gray acordou, olhando para o pescador. Eles viram algo flamejante subindo pela costa de Natt e indo para sua cabeça, em cima de seu boné.

- Conheçam Beedle! - disse, apontando para o Sewaddle de fogo.
- Eu já tinha visto ele… - disse o cozinheiro, limpando os olhos.
- Sim, já tinha. - disse Natt, retornando o inseto à sua pokébola - Mas com a pessoa errada.
- Ei! - disse Carlie - É a “pessoa errada” que está com Wings agora, beleza?
- Vocês… trocaram? - perguntou Emma.

Natt assentiu, sorrindo.

- Munch!

Todos olharam para o pokémon normal, que já estava um pouco longe deles, mas não como se fosse para Ciatteil, e sim como se fosse pegar um caminho para passar reto pela cidade.

- Você já vai? - perguntou Natt e o pokémon assentiu, sorrindo para ele - Nos veremos mais uma vez, ok?
- Espere! - disse Gray se levantando e pegando uma pokébola do bolso - Munchlax, venha comigo!

Ele arremessou a pokébola, que capturou o pokémon. Ela girou uma ou duas vezes antes de se quebrar com Munchlax saindo dela furioso.

- Lax! Munchlax!
- Acho que ele prefere ir sozinho… - disse Natt à Gray, enquanto viam o pokémon subir uma colina, sumindo de vista aos poucos.

A atenção de Natt se virou, então, para os seus amigos.

- Então, ontem de noite eu não vi, mas olhem só! - disse o pescador, apontando para o Norte. Todos olharam e viram algo que parecia ser a ponta de um prédio.

Emma se levantou, com um brilho nos olhos.

- Ciatteil! - disse.


~//~


A cidade de Ciatteil era a mais bonita que ele já tinha visto desde o começo de sua jornada. Era uma verdadeira Metrópole, tinha tantos prédios que as casas normais pareciam invisíveis se comparadas à beleza dos edifícios. Por todo lado era possível ver taxis azuis correndo para lá e para cá, sendo mais comuns do que os carros normais. As pessoas da cidade não pareciam ter pokémon, e, quando tinham, geralmente eram caseiros como Lilipups e Glameows, que andavam com seus donos guiados por coleiras. Essa falta de pokémon “não-caseiros” fazia com que as pessoas da cidade olhassem torto para Natt e seus amigos, que andavam com pokémon mais selvagens.

- Que lugar maneiro! - disse o pescador - Beedle, Muddy, Mikau, olhem só aquele zeppelin!

Os pokémon dele olharam para cima, vendo no céu um grande dirigível fazendo uma propaganda de uma empresa chamada Ciatteil Corps.

- O que será essa Ciatteil Corps? - perguntou.
- É o meu destino. - explicou Carlie - Vocês vêm comigo?
- Desculpa Carlie, mas não dá, eu tenho que falar com Konshe sobre o titã de água e comprar alguns alimentos. - disse Gray.
- E eu tenho que fazer algo agora que estou na minha cidade, depois nós nos encontramos. - disse Emma.

Carlie se decepcionou ao saber que não teria companhia.

- Natt, eu vou precisar do Sewaddle agora, ok? - disse ela.
- Você diz o Beedle? - perguntou o pescador, olhando para o pokémon que rastejava em seu braço esquerdo - Se ele for, eu vou junto.

A garota assentiu. Natt se virou para os outros dois amigos.

- Então façam o que têm que fazer, nos encontramos aqui cinco da tarde? - perguntou, e os dois assentiram.


~//~


Natt e Carlie estavam na frente do maior prédio da cidade, o mesmo que o garoto tinha visto ainda na rota três. Uma letreiro dourado em cima dele dizia “Ciatteil Corps.” Uma pequena escada levava a duas portas, mas não dava para entrar.

Na frente do prédio, uma multidão fazia uma espécie de protesto, gritando e balançando placas com coisas escrito nelas. Natt conseguiu ler “Não mexam com a natureza” e “Ciatteil Corps: Indo contra a vida desde sempre”. Ele percebeu que todos os que estavam no protesto eram hippies, com camisetas de paz e amor e óculos escuros de diferentes cores.

- Ei, com licença. - disse Natt, cutucando um dos hippies - O que exatamente é isso?
- Um protesto, brow, estamos fazendo um movimento contra a Ciatteil Corps que estão desrespeitando as leis do mundo pokémon, oras.
- Desrespeitando? Como? - perguntou.
- Isso não importa - disse Carlie, puxando Natt pelo braço quando o hippie ia responder. Eles passaram no meio de todos os protestantes até chegar na porta da Ciatteil Corps e entrarem.

O saguão principal era bem grande e bonito, no meio tinha uma fonte de um Dewott soltando água por sua concha, nas duas extremidades haviam bancos para pessoas se sentarem para esperar por algo e no fundo havia uma bancada com duas secretárias que conversavam assuntos aparentemente aleatórios. Perto da porta haviam dois seguranças de braços cruzados, provavelmente para impedir que hippies entrassem, mas deixaram Natt e Carlie passar ao verem que eles não estavam no protesto. Os dois se dirigiram à bancada onde estavam as duas secretárias.

- Oi! - disse Carlie sorrindo, o pescador apenas acenou para as secretárias com a cabeça, tentando não olhar para o decote de uma delas.
- Eh… oi. - disse a do decote, olhando para os dois com uma cara de reprovação, foi quando Natt percebeu como estava sujo de lama, grama, água e outras coisas por sua viagem até a cidade, além da roupa rasgada. Carlie estava mais decente do que ele, mas seu cabelo estava desgrenhado e uma das lentes de seu óculos estava rachada.

Natt olhou para os lados, tentando disfarçar a vergonha que sentia, mas viu que várias outras pessoas, todas de terno e com o cabelo bem penteado, olhavam torto para ele e tentavam passar longe.

- Queremos ir ao andar cinco, laboratório. - disse Carlie.
- Para que seria? - disse a secretária.
- Não sei exatamente, só que eu preciso entre-

A secretária riu.

- Desculpe, garota, mas não podemos deixar qualquer um ir para qualquer lugar, principalmente com esse protesto aí fora.
- Ah, tem algo que me deram para entrar - disse a garota, tirando algo do bolso do seu shorts. Ela entregou um papel à secretária, que o leu, estupefata.
- Devia ter me falado isso antes. - disse - Me desculpe por qualquer coisa, pegue aquele elevador e peça para o rapaz de lá te levar ao andar cinco.

Carlie acenou com a cabeça, obedecendo. Ela e Natt pegaram o elevador, falando ao homem que o conduzia para o levarem ao andar pedido.

- Que secretária mais arrogante… Acha que pode falar do jeito que quiser. - disse Carlie, nervosa - Como se ninguém soubesse que tem silicone .

O homem do elevador segurou uma risada.

- Andar cinco, senhores. - disse, quando a porta se abriu.

O andar era um longo corredor com portas para todos os lados, com uma única porta no final. Todas elas tinham números, exceto a última onde estava escrito “laboratório”. Os dois foram até essa porta e bateram.

A porta foi aberta por um cientista de cabelos escuros penteados e uma gravata amarela em baixo de um jaleco de laboratório.

- Sim?

Carlie apenas mostrou para ele o papel que tinha mostrado para a secretária no térreo. O homem leu o papel, olhando surpreso para Natt e Carlie e fazendo sinal para entrarem. O pescador não estava entendendo nada do que estava acontecendo, estava tudo indo automaticamente como se já esperassem Carlie, mas entrou atrás da garota.

O laboratório não era muito diferente de um laboratório normal, apesar do espaço grande, maior parte do território era de máquinas que pareciam estar processando pesquisas simultaneamente. Analisando algo por um microscópio, um homem idoso estava parado de pé no centro do laboratório.

- Professor… Eles chegaram. - disse o cientista ao idoso.
- Pro-Professor? - perguntou Natt, assustado - Não me diga que você…
- Me chamo Niels Nutwood - disse o homem, parando de analisar o que estava vendo. Ele abriu um sorriso simpático ao ver os dois adolescentes - Mas todos me chamam de Professor Pokémon.


~//~


Gray estava em um centro pokémon, usando um dos telefones disponíveis no local. Na tela do telefone, a imagem do líder de ginásio de Knothole, Konshe, podia ser vista.

- Não acredito… - disse o líder - Mas você não sabe me dizer nada sobre o titã além da aparência?
- Não ficou claro o que ele é. - disse Gray - Eu tirei uma foto, mas o celular está com Natt, então…

O líder abaixou a cabeça, frustrado. Em seguida, ele olhou para os dois lados, aproximando o rosto da câmera.

- E o que te pedi para fazer? - cochichou - Como está?
- Em andamento. - disse Gray, também baixo.
- Não deixe ninguém desconfiar, muito menos Natt. - Konshe se aproximou ainda mais da câmera ao dizer isso - Não será bom tê-lo contra nós em um momento desses, principalmente agora que você está mais perto do que nunca.
- Eu sei, não se preocupe. - disse Gray.


~//~


O professor Nutwood era um velho bem simpático, com uma aparência de cavalheiro e cortês. Ele usava um chapéu preto com uma listra verde, da mesma cor que a bengala na qual ele se apoiava e um cachecol preto em cima de um jaleco de laboratório.

Atrás dele, o cientista que atendera Natt e Carlie cochichava algo em seu ouvido.




- Então vocês são do Day-Care? - perguntou o professor, interessado - Ótimo, ótimo, posso ver a encomenda?
- Bom… - Carlie coçou a nuca, constrangida - É uma longa história, olha…

O sorriso do professor se cessou, e o cientista olhou para os dois, assustado.

- Vocês perderam o ovo? - perguntou.
- Natt, mostra pra eles.
- Eu?
- É.

O pescador pegou do bolso uma pokébola, apertando o botão no centro dela e liberando Beedle, que subiu por sua costa até ir para o topo de sua cabeça. O professor e o cientista se entreolharam várias vezes, olhando estupefatos para o pokémon.

- Olha, eu sei que ele está do tipo errado, mas eu juro que não é culpa minha. - disse Carlie, se curvando.
- Deu certo! - disse o cientista de cabelo preto - Deu certo, professor!

Ele pegou o Sewaddle da cabeça de Natt, mas o fogo do pokémon queimou sua mão, fazendo com que ele o soltasse no chão.

- Deu certo? - perguntaram Natt e Carlie, juntos.
- Magnífico, realmente funcionou… - disse o professor - O projeto Retype deu certo!
- Projeto… o quê?

O professor Nutwood deu a ponta de sua bengala para Beedle brincar, olhando orgulhoso para o inseto.

- Eu e Pines iniciamos há um tempo o projeto Retype. - disse o professor - Nós observamos que o tipo de todos os pokémon, assim como suas habilidades e os golpes que aprendem são determinados por pequenos genes localizados em duas regiões de seu corpo, e cada uma dessas regiões determinam um dos tipos do pokémon, caso ele seja de tipo duplo, ou, caso seja de tipo único, a segunda simplesmente está vazia.

Beedle espirrou, fazendo com que voassem pequenas fagulhas de chama para todos os lados do laboratório.

- Nós vimos que podíamos manipular a segunda região, que determina o tipo secundário do pokémon, e decidimos tirar genes de alguns pokémon para por em outros, mudando assim sua estrutura genética e lhes concedendo novos tipos.
- Então vocês mudaram os tipos dos pokémon? - perguntou Carlie.
- Não exatamente. - disse o cientista chamado Pines - O projeto não teve nenhuma cobaia bem sucedida até agora.
- Até agora… - repetiu o professor, olhando para Beedle.

Natt olhou para o seu pokémon também, ele brincava alegremente com a ponta da bengala do professor Nutwood, queimando-a um pouco. Por estar alegre, o fogo de suas costas estava um pouco maior do que normalmente. O pescador não conseguiu acreditar que seu pokémon era uma cobaia do avô de Emma.

- É por isso esses protestos lá fora? - perguntou - Os hippies lá disseram que vocês estão tentando alterar a natureza.
- Esses hippies são uns idiotas. - disse Pines - Estão tentando parar o avanço da ciência há mais tempo do que você imagina.
- Acalme-se, neto, eles ainda vão entender que isso é para o bem dos próprios pokémon - disse o professor, colocando a mão na costa de Pines para acalmá-lo.
- E o Beedle, como fizeram para alterá-lo? - perguntou Natt, ainda não estava gostando nem um pouco da ideia de mexerem com a biologia dos pokémon.

O professor Nutwood pegou uma pokébola, apertando o botão do centro dela e liberando um pokémon inseto coberto por um casaco de folhas. Era a última forma evoluída de Sewaddle, Leavanny. Beedle olhou para o pokémon, confuso.

- Essa Leavanny foi o teste número zero zero um. - disse o professor - Injetamos um gene do tipo fogo nela para ver se surtia algum efeito, mas nada aconteceu, então aperfeiçoamos mais o projeto, criando genes melhores e com pokémon compatíveis. Eu liberei Leavanny no jardim do Centro Pokémon e continuei testando o projeto com outros pokémon, mas sempre dando errado.
- Então, ao visitar o Centro Pokémon, eu percebi que Leavanny estava cuidando de um ovo e o trouxe até o professor, como faço com qualquer pokémon que dá a luz por aqui.
- Ao analisar o ovo, eu pude perceber que o escaneamento não conseguia reconhecer o pokémon de dentro dele, como se fosse uma nova espécie, ou pior, como se ele estivesse morto. - disse o professor - Com medo de ter causado alguma sequela ao filhote da Leavanny, eu levei o ovo até o Day-Care de Knothole para analisá-lo, e a história de vocês começa aí.

Natt olhou para o seu pokémon, que ainda brincava na bengala de madeira, e imaginou tudo o que tinha acontecido até eles dois ficarem juntos. Então, ele olhou para Leavanny.

- Aquela é a mãe de Beedle? - perguntou, e o professor assentiu. Então, Natt pegou o seu pokémon no colo para mostrá-lo à mãe.

A Leavanny, com uma cara simpática, esticou os braços para pegar seu filhote, mas os recuou ao ver que o inseto estava ardendo em chamas.

- Leav? - perguntou, assustada.
- Waddle! Waddle Waddle!

Beedle parecia estar feliz ao ver sua mãe, mas seus olhos encheram de lágrimas ao vê-la recuando os braços cobertos por um casaco de plantas. O pokémon pareceu ver, então, que era diferente de sua espécie.

- Beedle, volte. - disse, retornando o seu pokémon à pokébola antes que suas emoções fizessem o laboratório inteiro pegar fogo - Olhem o que vocês fizeram! Por que foram mexer com o que não deviam?
- O Projeto Retype tem a intuição de melhorar a capacidade dos pokémon, assim como corrigir genes defeituosos. - disse Pines.
- Espero que entenda, garoto, fazemos isso pelo futuro. - disse o professor - Mas muito obrigado por cuidar de Sewaddle até agora, ele vai ficar bem aqui.
- Não, ele vai ficar comigo. - disse o pescador colocando a pokébola no bolso.

Carlie colocou a mão no ombro do amigo, que a ignorou, encarando o professor Nutwood.

- O pokémon pertence a nós. - disse Pines - Somos os donos de Leavanny, logo esse Sewaddle é nosso.
- Na verdade, meu neto, o pokémon pertence por lei ao portador de sua pokébola, não podemos tirar esse direito dele. - disse o professor ao cientista - Eu só gostaria de saber, o que você faria com Sewaddle trabalhando no Day-Care?
- Não trabalho no Day-Care, quem trabalha é ela. - disse Natt, apontando para Carlie - Sou um treinador, e vou levar Beedle comigo em minha jornada.

Pines bufou com o nariz, cruzando os braços.

- Respeito sua opinião. - disse o professor - De qualquer modo, já sabemos que o gene não faz efeito em um pokémon, mas em seu ou seus filhos. Podemos pesquisar sobre isso.
- Também notamos que a aparência do pokémon se adapta ao seu tipo. - disse Pines, ainda de cara fechada.

Ao ouvir o cientista falando de aparência e tipo, Natt se lembrou de algo. Ele pegou o seu celular, abrindo as fotos e pegando a última tirada. O titã de água ajoelhado no chão após receber um golpe.

- Professor Nutwood, sabe o que é isso? - perguntou, mostrando para o professor, que negou com a cabeça.
- Me parece uma espécie nova… Pines, já viu algo assim?

Natt mostrou o celular para um cientista. Ao ver a imagem, Pines ficou furioso, dando um soco na mesa que estava próximo e fazendo todos olharem para ele.

- Pines?
- Esses hippies, professor!

Os outros três se entreolharam, sem entender.

- Há alguns meses sumiu uma amostra de gene de água, não foi?
- Pines…
- Um pouco depois de começarem os protestos contra o projeto, não foi?
- Pines, não podemos acusar ninguém desse jeito.

Natt e Carlie olharam um para o outro, se lembrando do dia em que encontraram o titã.

- Me desculpe intervir, professor, mas nós o chamamos de titã de água, e, quando nos encontramos, ele disse que não estava feliz com sua forma. - disse Natt.
- Viu, avô? - perguntou Pines, furioso - Eles roubaram uma amostra e usaram em um humano! Um humano!

De repente, as pelas começaram a se montar na cabeça de Natt. Por isso o titã falava, por isso tinha a aparência de um humano e por isso não estava feliz com sua “nova forma”. No final daquele dia, Beedle ficou entre Natt e o titã, que acabou tendo piedade de Natt ao ver o inseto… Isso porque o titã viu que o Sewaddle também teve seu gene alterado.

- Mas isso também funciona com humanos? - perguntou Carlie.
- Qualquer ser vivo. - disse Pines, enquanto o professor Nutwood ainda pensava - Nós também temos em nosso DNA um espaço vazio que pode ser preenchido por um gene de tipo como o que foi roubado, e esse espaço vazio fica na área que determina nossa aparência e nossas habilidades. Professor, isso está mais do que claro, podemos acabar com o protesto e ainda evitar que mais alguma coisa seja roubada!

O professor Nutwood colocou as mãos na frente dos olhos, refletindo sobre tudo o que ouvira.

- Podem me deixar sozinho? - perguntou - Eu preciso pensar, não sei o que fazer.

Os três se olharam, enquanto o professor Nutwood se sentava em uma cadeira, cabisbaixo. Natt saiu, trazendo Carlie, tentando ver o lado de professor, que criou algo para ajudar os pokémon mas que tomou essa proporção. Juntos, os dois saíram do prédio, passando pela multidão de hippies que agitavam as placas gritando contra o Projeto Retype.


~//~


Naquela noite, o museu de Relical tinha ficado mais vazio do que o habitual. Um dos seguranças tinha ido tirar uma folga para comer algo, o administrador Alpha tinha acabado de sair também, rumo à Ciatteil e o outro administrador, Lance, junto com o mecânico do museu, Dave, foram resolver algo.

O único que sobrou foi um homem alto e musculoso, de cabelo louro em corte militar e olhos cor de âmbar. Apesar de o museu ficar muito mais sinistro sozinho, ele não parecia nem um pouco com medo.

“Tenho aguardado pacientemente, mas agora finalmente chegou a hora. Depois de tanto tempo, finalmente conseguirei.”

Ele se dirigiu à porta que levava à administração e tentou abri-la, sem sucesso. Ao ver que a porta estava trancada, ele investiu contra ela, batendo o seu ombro com força fazendo com que se abrisse com um estralo.

Na sala da administração, ele começou a revirar as gavetas, olhando vários documentos de pesquisa até achar um onde, na capa, estava escrito “A pedra-chave bizarra”.

- Finalmente. - disse ele, olhando para o papel.
- Ei, o que está fazendo?

O louro, distraído olhando para a pesquisa, não notou que o outro segurança, um homem de cabelo castanho e corpo atlético, tinha voltado.

- Você não ia comer um lanche?
- Não importa, por que está mexendo na sala da administração?

O louro não respondeu, apenas dobrou o documento e o guardou no bolso.

- Me diga agora! - disse o outro segurança - Por que quer esse documento? Quem é você?

Sem paciência, o louro tirou do cinto um revolver e atirou contra a cabeça do outro segurança. A bala atravessou a região entre os dois olhos dele, logo acima do nariz, derrubando-o no chão.

- Pode me chamar de Landom. - disse o louro, passando por cima do corpo do outro segurança, que tremia involuntariamente enquanto o buraco no meio de seus olhos sangrava até ele perder a vida.

Pesado né? Talvez. Enfim, a seguir: Fuga na prisão de Relical!
avatar
-Ice
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 03/02/2010

Frase pessoal : </∆>


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Rush em Qui 12 Nov 2015 - 12:17

Ice!!

Gostei pra caramba do capítulo, acho que esse é o meu favorito até agora. Nossa, eu fiquei muito feliz ao ver o tamanho do cap. Acho que ficou perfeito, sério, não ficou nada muito rápido e breve mas também nada muito cansativo. Mesmo assim, foram tantos acontecimentos acontecendo que deu a impressão do capítulo ter ficado curto.

Começando pelo começo, já gostei dessa cidade. Gosto quando exploram cidades pequenas - interior - em fan fics, pois sempre passam a tranquilidade e conforto das mesmas, por isso é difícil encontrar cidades grandes em fan fics, por serem bastantes difíceis de serem exploradas. No caso, mesmo que você ainda não tenha explorado tanto por ser uma introdução, você conseguiu detalhar muito bem. Gostei da forma em que você descreveu a cidade ser movimentada e cheia de táxis, além da aparição de um Zeppelin. Gostei de verdade.

Agora, essa do Grey me pegou de surpresa.... Mas o que diabos ele está tramando? Eu realmente espero que não seja um backstab no Natt, porque ele e o Konshe são dois personagens que eu amei pra caramba. Seria uma horrível tragédia vê-los partindo por alguma razão. ç.ç Espero que ele não traia a confiança de Natt, porque ele é muito legal. :c

Ressaltando os detalhes de uma cidade grande, você conseguiu fazer algo bem realista ao colocar protestos sobre o tal PROJETO QUE EU PREVI NOS MEUS ULTIMOS COMENTARIOS AHAUEHUAHAHSHASUAHHEAHAHAHA Zoa, mas enfim, foi bastante legal. É algo que realmente aconteceria na vida real. Só fiquei surpreso em ver apnas hippies, achei que teriam religiosos fanáticos também, dizendo que isso é contra a vontade de Deus ou coisas do gênero.

No começo eu gostei bastante dos professores, bem carismáticos e até gentis, ao contrário da secretária siliconada, mas depois fiquei com um pé atrás ao ver Beedle chorando por sua mãe ter medo dele. Realmente, não só sequelas físicas, mas ver a mãe não reconhecendo o filhote foi algo muito triste de se ver, entendo totalmente a raiva do Natt e a depressão momentânea do professor. Mesmo assim, gostei bastante de ambos os personagens, Pines só é um pouco inocente, mas parece um bom rapaz.

Agora, sobre essa parte final... Eu fiquei chocado, sério. Achei que foi um pouco pesado demais mostrar a morte do segurança, principalmente pela fic estar indo num rumo um pouco mais suave, mas acho que ficou realista também. Então o amigo da Burnign estava lá desde O INÍCIO mesmo. Essa me pegou de surpresa, não esperava que o Landom estivesse tão... Próximo. Agora, que ele está praticamente sozinho, ele vai tentar encontrar a pedra e talvez até soltar a amiga. Agora o bicho vai pegar.

Como sempre, o capítulo ficou mara. Gostei pra caramba e esse está impecável. Já to ansioso pra caramba pra ver como a história vai se desenrolar então poste logo, menino Ice.

Um abraço, rapaz. Até mais! o/
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por xKai em Sab 14 Nov 2015 - 11:55

Eita, um assassinato de headshot... Já imaginava que esse loirinho era encrenca... Falando em loirinho, me pergunto o que será que o Gray e o Konshe estão planejando... Estariam eles, de certa forma envolvidos em algo mais sério? Os últimos capítulos foram muito interessantes, uma verdadeira enxurrada de novas informações e novos mistérios para serem desvendados. Admito que estou bastante confuso em algumas partes, mas também bastante excitado com tudo isso, este ar de mistério sem dúvidas acaba cativando o leitor a querer continuar acompanhando, para saciar sua sede de conhecimento, acredito eu. Até entendo o motivo do Natt e dos hippies não gostarem da ideia, mas a evolução é algo que intriga o ser humano, mesmo que muitas vezes a gente acabe "brincando de deus", pode ser algo um pouco imoral, mas é sim importante para a volução humana, a mudança de genes pode se tornar um processo fantástico para a evolução, como a cura para algumas doenças e até mesmo pode fazer alguma pessoa receber habilidades únicas... Mesmo que estejam usando nos pokémons é algo um pouco intrigante... Quem nunca imaginou um pokémon de um tipo diferente de seu natural? Bem, que atire a primeira pedra... O Professor Nutwood, assim como boa parte dos cientistas deve ter repúdio a palavra "perfeição", pois uma vez que a perfeição é atingida nada mais pode ser feito para melhorar... Por isso é natural que nós queiramos "buscar" pela perfeição, mesmo estes hippies de merda, s permite dizer -q Alguma vez na vida já devem ter buscado a perfeição em algo do que fazem. Bem o comentário termina por aqui, no aguardo do próximo capítulo e até lá Very Happy

________________

avatar
xKai
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/05/2013


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

A segunda temporada vem aí!

Mensagem por -Ice em Dom 12 Mar 2017 - 15:31

@Rush escreveu:Já to ansioso pra caramba pra ver como a história vai se desenrolar então poste logo, menino Ice.
heh

comentários:
Rush: Olá!! Fico feliz em ver que gostou do capítulo e de ter achado que ficou perfeito, é sério! Eu sempre fico receoso quando escrevo, pois tenho um quê de perfeccionista que sempre me diz que algo podia estar melhor, então ler esse tipo de comentário me deixa bastante feliz.
Sim, o que será que Gray e Konshe estão planejando? E eu até pretendia colocar um personagem religioso na fic, e ele apareceria ainda em Knothole, ele seria um treinador também mas que era de uma religião onde Arceus era visto não como um pokémon, mas sim como um deus supremo que está ligado ao destino das pessoas e pode intervir em acontecimentos, além de refutar a existência de lendários, alegando que estes seriam formas que as pessoas criaram para tentar diminuir Arceus. Era um personagem bem interessante, mas acabou ficando deslocado dos outros treinadores, então o descartei.
Bom, obrigado pelo comentário e até a próximo (perdoa o 1 ano de atraso e n desiste de mim -q)

Kai: Hey o/ Sim, o headshot foi uma mudança abrupta no clima da história justamente para chocar, eu tentei passar a sensação de surpresa ao perceber que tivemos um vilão entre ons mocinhos por tanto tempo. Aliás, até onde essa divisão entre vilões e mocinhos vai? Será que pode existir que alguém que atua no meio dessa linha ou o mundo é dividido entre os bons e os maus? Pretendo explorar esse tema não-tão-futuramente na fic.
Obrigado pelo comentário, parceiro, até a próxima e espero que continue acompanhando mesmo depois desse hiato! Até

Sim, eu sei que já faz um ano e quatro meses que eu não posto aqui, desculpa.. Ano passado eu comecei a trabalhar e ter uma vida socialmente ativa (ui -q), o que fez com que fosse cada vez mais difícil ser um membro presente no fórum, mas desde que consegui me organizar mais ou menos, estou planejando uma volta ao fórum, e, graças a uma MP surpresa, finalmente estou 100% motivado a continuar esse projeto. Bom, hoje não teremos exatamente um capítulo, mas sim um flashback com tudo o que aconteceu até aqui, do prólogo até o fim da primeira temporada, no capítulo vinte, esse flashback vai servir pra refrescar a memória dos que já liam a fic em 2015, para evitar que eles tenham que ler tudo de novo para se lembrar, além de apresentar o plot inicial a novos leitores, para que assim eles se interessem e comecem a ler, o próximo capítulo (21) será postado no sábado dia 18, e todos os capítulos a partir de agora serão postados aos sábados. Vamos lá



Pokémon: Project Retype!
O que houve até agora?

Natt era apenas um pescador. Sobrinho de um dos líderes de ginásio de Eyarn, sua afeição pela pescaria fez com que, desde cedo, não tivesse nenhum interesse em participar de batalhas de ginásio, até que, durante uma discussão com seu tio, o garoto decidiu que finalmente se tornaria um treinador, o melhor do tipo aquático, e venceria todos os ginásios de Eyarn, para que um dia pudesse voltar para desafiar o seu tio.

Acompanhado de Totodile, um antigo pokémon pescado que Natt deixou por dois anos guardado em uma pokébola, e que não estava nem um pouco feliz com isso, os dois saíram de Blue Coast para começar uma jornada.

Após capturar um Tympole e conhecer Nico, um jovem aspirante a treinador, o pescador foi atrás de sua primeira batalha de ginásio na cidade de Knothole, mas descobriu que o líder não estava, e tinha ido para a cidade de Relical procurar pistas sobre uma criatura que ele nomeara de “Titã de Água”

Em Relical, Natt e Nico buscavam o líder quando descobriram que o museu da cidade tinha sido roubado e a jóia dos sonhos, um importante artefato, tinha sido levado. Lá eles encontram Konshe, o líder do ginásio de Knothole, que acreditava que o roubo tinha sido ocasionado pelo Titã de Água. Também se encontram com Emma, neta do professor Nutwood, e Alpha e Lancelot, os dois chefes do museu.

Apesar da suspeita de Konshe, evidências apontaram que o roubo poderia ter sido feito por Burnign, uma dos três líderes de ginásio que haviam deixado os seus postos, junto com Landon e Coldy.

Após voltar para Knothole com Konshe, Natt e Nico têm sua batalha de ginásio, onde apenas o pescador consegue sair vitorioso, usando Tympole e o recém capturado Wingull. Após as batalhas, os dois treinadores se separam, com Natt indo em direção à Ciatteil, no norte, e seu rival para Blue Coast, no oeste.

Acompanhado de Grayson, velho amigo de Konshe e amante de jornadas pokémon, e Emma, a neta do professor Nutwood que também ia para Ciatteil, Natt vai para o norte em direção ao seu próximo destino, mas, passando pela rota três, eles se encontram com Carlie, uma garota que trabalhava no Day Care e também ia para Ciatteil para levar um ovo para a cidade, porém o encontro acaba resultando na perda do ovo.

Os três amigos, juntos de Carlie, então interrompem sua caminhada para procurar o ovo pokémon perdido, e descobrirem que ele tinha se chocado, e dele nascera um pokémon um tanto quanto peculiar, um Sewaddle de fogo que deveria ser entregue ao Professor Nutwood ainda enquanto ovo logo começa a dar alguns trabalhos ao grupo devido à sua personalidade explosiva.

No meio do caminho, Natt sofre com alguns pesadelos constantes em que vê uma pedra preciosa de cor rosa, ao mesmo tempo em que tenta aumentar a sua relação com Emma antes que cheguem ao destino na garota.

Durante uma chuva que os pegou de surpresa, os quatro se deparam com uma criatura misteriosa, que Grayson reconhece como o Titã de Água que Konshe descrevera. Após uma longa batalha onde o Titã se revela como uma criatura humanóide com poderes aquáticos, Gray e Natt ponderam sobre a possibilidade de ter sido o Titã que roubara o museu de Relical, mas a própria criatura negou o fato.

Após vários dias, onde Natt permaneceu inconsciente graças aos danos da batalha contra o titã, o garoto continua sua jornada junto com seus amigos, e acaba trocando seu Wingull pelo Sewaddle recém capturado de Carlie, não antes de ter uma batalha contra a garota, um dia antes de finalmente chegarem à Ciatteil.

Na cidade, os quatro se separaram, com Natt indo junto com Carlie até a Ciatteil Corps, onde a garota cumpriria o trabalho dado à ela. No laboratório da cidade, o professor Nutwood explica para os dois sobre o projeto Retype, que deu os poderes de fogo para Sewaddle, além de descobrirem que o Titã de Água também era uma vítima do projeto, Pines, neto e assistente do professor Nutwood, acredita que os responsáveis por injetar o gene aquático no titã são os hippies, que protestavam contra o projeto, e queriam provar que a alteração de genes era errada.

No museu de Relical, os administradores Alpha e Lance descobrem o paradeiro da jóia dos sonhos: ela está na cidade de Ciatteil. Quando o centro histórico ficara vazio, um dos seguranças aproveitou a deixa e roubou alguns documentos da sala de administração, revelando-se como Landom, um dos três líderes de ginásio traídores.

Enquanto isso, Grayson e Konshe têm, por telefone, uma conversa muito suspeita, em que o líder de ginásio diz para o chefe de cozinha cumprir o que tinha sido pedido à ele, e que Natt e nem ninguém poderia desconfiar disso.

O que Gray e Konshe estão planejando? O que é o Titã de Água e quem causou a mudança de genes nele? Quem roubou a jóia dos sonhos do Museu de Relical? E o que Landom está planejando?

Descubra tudo isso na segunda temporada de Pokémon: Project Retype!



A segunda temporada vem aí!:
avatar
-Ice
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 03/02/2010

Frase pessoal : </∆>


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Slow em Seg 13 Mar 2017 - 14:36

Eai Ice, como prometido, voltei

Primeiramente, acho que devo me desculpar com você (e outros que não estão mais por aqui). A minha atividade em fanfics é uma grande montanha russa, eu paro e volto constantemente, as vezes motivado a ler por estar escrevendo, as vezes motivado a escrever por estar lendo e por questão de preguiça e outras coisas que faço da vida (nada muito útil).

Bom, eu li a partir do capítulo que procedeu o meu último comentário aqui. Na verdade eu acho que já tinha lido aquele ou parte dele, enfim, vou tentar fazer um comentário geral. Ah, se possível, faz um sumário, eu meio que precisei disso agora :v

Eu comecei muito bem, tomando spoiler por burrice. Tinha me esquecido da aparência de Emma, nem que era loira eu lembrava (por isso não reconheci a "menina no telefone" antes de ser dito que era ela), ai eu fui nos "personagens" no main post, me esquecendo da regra mental de "só procurar algo assim de um personagem quando acabar / acompanhar". Eu soube de Carlie antes dela aparecer, da troca de Wings, de uma bolinha vermelha no ombro do Natt, mais tarde se revelando o Swaddle e acho que só. Por falar nisso, já devo ter perguntado anteriormente, mas é você que faz os sprites? Eles são bonitos e um tanto convenientes demais para a história, meio que aquele negócio de "se quer algo bom, faça você mesmo".

Eu só consegui descobrir sobre o titã de água segundos antes dele aparecer. É por isso que "Slow" cai tão bem em mim. O tempo inteiro eu estava mentalizando um Magmortar de água, por causa do Swaddle. Ai quando ele falou, eu fiquei lendo enquanto pensava sobre e pensei na possibilidade de ser um homem, rolei mais um pouquinho e vi o sprite. 

Toda essa parte da genética foi simplesmente genial e a explicação foi ótima, tirando a parte que me lembra que eu tenho que resolver umas 20 questões sobre isso daqui a pouco -q. É uma área do mundo Pokémon ainda pouco explorada, tendo apenas a parte dos "Egg groups" nos cruzamentos (Ditto que o diga) e os Egg moves. Os Pokémon Shiny lembram a história de "ovelha negra", embora provavelmente não tem nada a ver, mas nada do tipo "Tauros com ou sem chifre", "cherubis lisos ou enrugados". Isso me lembra ervilhas, eu não aguento mais saber de ervilhas então...

...mudando de assunto, achei interessante a parte do Natt sonhar com a joia e o que aquela voz disse, reforçando que provavelmente ele está com ela já que por pura coincidência do destino a joia está exatamente onde ele está, enquanto ele sonha todo dia com ela. O que mais me deixa intrigado é a descrição de que ele "está em uma sala escura com uma pedra com um brilho ofuscante", dá error 404 na mente.

Foi bom você ter feito esse último capítulo para refrescar a memória, eu mesmo não havia achado nada demais o nome do "segurança", até você me lembrar de que era um dos líderes traidores, que eu lembrava de nenhum pra falar a verdade. Só acho que faltou uma mençãozinha pro Munchlax, quando ele apareceu eu pensei "eu já vi esse carinha em algum lugar" e parei para tentar lembrar onde ele tinha aparecido. Lembrei que falei sobre o Hyper Beam dele, ai lembrei da cena, ai lembrei como ele apareceu e tal. Um detalhe, no capítulo é dito "Landon" e no anterior é dito "Landom" (pelo próprio Landoalgumacoisa), é coisa que nem na pronúncia mexe, mas eu fiquei curioso :v

É isso por enquanto, talvez eu tenha esquecido algo, se eu lembrar de alguma coisa importante, digo em comentários posteriores.
Flw ninja

EDIT: Ah, Alolan Pokémon e aqueles que mudam com o ambiente contam como fenótipo, q conta na genética :v
avatar
Slow
Membro
Membro

Masculino Idade : 17
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/01/2015

Frase pessoal : Don't go crying to your mama


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Rush em Seg 13 Mar 2017 - 18:52

Ai meu coração

Tu não imagina o quanto fiquei feliz ao ver que você ressuscitou dos mortos, -Ice. Sem brincadeiras, a sua Fan Fic foi uma das minhas preferidas desde que eu entrei no fórum, no final de 2009. Fiquei bem triste e chateado quando você sumiu, e logo acabei sumindo e a área morreu. Agora, poderemos fazer diferente. c:

Não tenho o que comentar, já que só foi uma recapitulação sobre a primeira temporada. Ao ver a imagem do titã de água, jurava que esse seria um capítulo e ele tinha se unido ao grupo de Natt. Mas foi bom sim ter esse resumão da história, pois sinceramente, faz tanto tempo que eu acabei esquecendo bastante de algumas coisas. Vou fazer uma maratona de capítulos e ler tudo novamente antes de você postar o primeiro da segunda temporada.

É isso menino -Ice, eu ainda espero termos a oportunidade de fazer um crossover entre o Natt e Kyle, mas agora vai ser um pouco mais complicado, já que a saga de Kyle foi deixada de lado pra eu dar destaque à saga da grande liga, mas enfim. Seria foda.

Não tenho mais a dizer, além de minha imensa felicidade em ter ver aqui novamente, e ver que não desistiras dessa maravilhosa fan fiction.

Aguardo ansiosamente, abraço.
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por -Ice em Sab 18 Mar 2017 - 15:20

Ah, que saudades de fazer isso. Enfim, vamos aos

Comentários:
Slow: Cara, quase que não descubro que você é o Isaac que comentava aqui, foi muito gratificante te ver de novo, seja re-bem vindo!
Sobre o comentário de fazer um sumário, eu realmente não sei. Sabe, já se passaram vinte capítulos, seria complicado fazer tudo, e sei lá, eu nunca tive interesse em fazer um pra qualquer fic minha. As imagens em cima do título do capítulo já são pra lembrar mais ou menos do que ele se trata =P

Hahah, eu tomei uma providência quanto a esse spoiler que você tomou, agora as fichas de personagens e informações adicionais sobre a fic estarão em um escritório lá na área de escritórios de FF (explicarei isso mais para baixo). Legal você também ter gostado da parte genética da fic, já que foi praticamente o alicerce para a primeira temporada e talvez para o resto da história, e o project retype ainda trará muitos problemas.

Sobre o líder traidor, realmente é com M, ficando Landom, eu acabei colocando Landon sem querer por burrice e acho que não vou nem arrumar. Até mais e espero que continue lendo <3

Rush: Olá -q  Primeiramente, obrigado por voltar a ler a fanfic mesmo depois desse tempinho, e obrigado por voltar no fórum como o belíssimo escritor que sempre foi, agora nós, junto com os outros escritores daqui, podemos fazer a PM voltar à sua época gloriosa, mesmo que seja só na área de fan fics.

Sobre o encontro entre Kyle e Natt, realmente fica mais difícil agora, mas talvez nós pudéssemos fazer um one shot não canônico para não alterar a continuidade de nenhuma das duas fanfics com explicações estranhas (tipo levar o Natt para Kanto ou o Kyle para Eyarn), mas, se fosse uma história dentro da continuidade de ambas as fics, acredito que devemos esperar um pouquinho mais, pois, já vou adiantando, até a segunda insígnia Natt vai evoluir bastante como treinador e sua equipe também melhorará para caramba, então um encontro com o Kyle de três insígnias seria um pouquinho mais justo. Sem mais devaneios, até mais Rush, e espero que goste desse capítulo!

Muito obrigado a Rush e Slow por não desistirem da fanfic, eu não consigo expressar a felicidade que sinto por ter vocês dois aqui, mesmo.

E, finalmente, chegamos à tão aguardada segunda temporada! Todo o preparo e planejamento que tive durante tanto tempo realmente valeu a pena, e eu não podia estar mais animado. Para os interessados, agora as fichas de personagens e informações adicionais da fic estão em um escritório que criei justo para isso, onde posso manter sempre atualizado e sem medo de spoilers para novos leitores. Vocês podem acessá-lo clicando aqui.
Eu também gostaria de falar que li novamente toda a primeira temporada antes de voltar a escrever, e que percebi os acertos e erros que tive no passado para tentar melhorar essa segunda temporada. Para começar, já lhes digo que teremos mais batalhas nessa temporada, já que essas sempre eram o ponto alto da primeira. Não estou dizendo que vou deixar a história e me focar apenas nas batalhas, mas sim que, aqueles que gostaram das batalhas de Natt e Nico contra Konshe podem se animar, pois essa nova temporada trará mais batalhas do que a anterior, e as batalhas serão talvez mais excitantes, então aguardem!

Ah, e apenas pra avisar, os parágrafos que estiverem em itálico serão como flashbacks, acho que vocês vão conseguir entender enquanto estiverem lendo.

- Wake up sunshine… open up your sleepy eyes for me… can’t have you hidin’...

A cantoria da prisioneira foi interrompida por um baque.
Não era sempre que Burnign ouvia um barulho assim no meio da noite, até porque os outros seis prisioneiros das outras celas do corredor tinham medo dela, e geralmente ficavam calados, deixando apenas a mulher cantar, sempre a mesma música.

Era uma madrugada gelada em Relical, mas a antiga líder de ginásio não pôde deixar de se sentir mais quente ao ver a grande silhueta de Landom indo em direção à sua cela. Então, sorriu para o parceiro.

Ele era um homem alto e musculoso, dotado de um porte físico tão exagerado que podia intimidar até mesmo um Machamp. Seu rosto redondo e carrancudo, suas sobrancelhas louras volumosas, seu corte de cabelo militar, tudo contribuía para dar ao homem uma aparência assustadora.

Suas mãos, grandes como as de um Tyranitar, envolviam a cabeça de um guarda magrelo, que tremia de medo enquanto era levado, suspenso no ar, até a última cela do corredor.

- Por que demorou tanto, idiota? - perguntou a mulher de cabelo rosa, abrindo um sorriso diabólico.



Capítulo vinte e um:
Encontro no parque de Ciatteil

- Depressa! - gritou Carlie.

Gray e Emma traziam Natt até o local onde a garota de óculos indicava, o rapaz segurando as pernas do pescador e a moça, fazendo um pouco mais de força, segurava os braços. Ainda chovia por toda a rota três, portanto os dois ficaram aliviados quando conseguiram deixar o amigo no chão da caverna em que estiveram pouco antes.

Desmaiado, Natt estava com todo o rosto inchado e sangrando, além de vários cortes no braço, cortes fundos que não paravam de sangrar e tinham que ser estancados logo. Era impossível saber tudo o que tinha acontecido com ele, mas, passando a mão pelo seu tórax, Grayson achou ter sentido alguma costela quebrada. O ideal seria levá-lo para um médico, mas estavam todos no meio do caminho entre as cidades de Knothole e Ciatteil. Natt não resistiria.

- É muito grave. - disse o ex cozinheiro - Preciso de alguns curativos para estancar os sangramentos e algumas frutas Nanab e Bluk para fazer uma vitamina e ajudar na cicatrização e em algumas fraturas.

Sem dizer nada, Emma correu para onde estava sua bolsa e começou a revirá-la. Após caírem vários objetos de seu interior, a garota finalmente conseguiu achar algumas bandagens e entregar para Gray.

- Vou procurar as frutas! - disse a loira, saindo desesperada antes mesmo de receber uma resposta.
- Eu… eu vou ajudar - disse Carlie, indo atrás da amiga.

Após enrolar todos os ferimentos de Natt em bandagens e amarrar uma das estacas de sua barraca na perna do garoto para endireitá-la, Grayson decidiu arrumar a bolsa de Emma enquanto esperava a garota voltar, já que estava tudo despejado no chão.

Mancando, ele foi até as tralhas que estavam no chão e as juntou, uma a uma. Algumas fotos da menina e de seu avô, um relógio sem bateria, um laço para prender o cabelo… O rapaz apenas empurrou tudo para dentro da bolsa de pano.

Porém, antes que terminasse, algo lhe chamou a atenção. No chão, estava um pequeno disco compacto, um TM já sem coloração, pois já havia sido usado. Ao invés de colocá-lo de volta na bolsa, Gray o guardou em um dos bolsos do seu terno, olhando para a entrada da caverna para verificar se as garotas estavam chegando.




~//~



Natt e Carlie saíam, apressados, da Ciatteil Corps, passando no meio do protesto dos hippies e de todo o cheiro de suor. O garoto na frente, irritado, e a garota logo atrás, toda desengonçada, dando passos largos para tentar acompanhar o pescador.

- Ei! Nesse ritmo vamos nos separar! - gritou ela.

O rapaz parou, assustando a garota, que se colidiu com ele.

- Qual é, Natt, seja mais razoável, você está com Beedle, não está? Deu tudo certo.

O rosto do garoto estava escondido na sombra da aba do boné, até que ele olhou diretamente nos olhos de sua amiga, que não disse mais nada, apenas inclinou a cabeça para baixo.

- Escuta, o professor provavelmente não imaginava isso. Ele mesmo disse que pretendia corrigir as imperfeições genéticas ou algo do tipo, além de que há também todo esse protesto em cima do projeto… Não deve estar sendo fácil para ele também.

O pescador ainda não disse nada.

- Ei, estamos todos sujos, que tal parar para dar uma descansada? - sugeriu Carlie, tentando mudar de assunto.
- Gray está com o nosso dinheiro, o que podemos fazer aqui, no centro do consumismo?
- Bom, acho que a minha mãe não ia ligar de deixar a gente comer e se limpar, não vejo ela desde o começo do ano.

Natt lembrou-se, então, de que Carlie tinha comentado que morava em Ciatteil. De repente, um pouco da raiva que estava sentindo do professor e do seu projeto foram substituídos por um alívio. Saber que poderia comer, e talvez até tomar banho, depois de tanto tempo dormindo na areia e na grama era algo quase que inimaginável, principalmente porque as suas costas ainda doíam graças à surra que levou do titã de água.

- É, acho que não seria uma má idéia.



~//~



A casa de Carlie era linda. Tinha mais ou menos três vezes o tamanho da cabana de madeira em que Natt morava com o seu tio, algumas das paredes da casa eram brancas, e outras pretas, causando um contraste legal que, somado ao chão brilhante dava ao lar da garota um aspecto muito chique.

A senhora Cooper também era muito calorosa, recebendo de braços abertos um estranho sujo como Natt apenas por ele ser amigo de sua filha, dando-lhe uma toalha e mandando-o para o banho, enquanto conversava com Carlie sobre o emprego da garota, orgulhosa.

Agora, Natt estava na frente do espelho do banheiro penteando com a mão o cabelo negro que tinha acabado de secar. Com dificuldade, o pescador conseguiu colocar sua calça bege surrada e seus tênis. Ele parou por uns segundos para olhar para olhar para o próprio rosto.

Alguns fios de sua barba mal desenhada cresciam aleatoriamente pelo seu maxilar e queixo, seus olhos estavam roxos, talvez por apanhar demais do titã, talvez por dormir incorretamente, mas estavam, e o lado esquerdo de sua face estava cortado, ele também devia ter apanhado nessa área, mas no momento não se lembrava.

- Natt, a comida está pronta! - gritou a mãe de Carlie. Apenas essa frase fez o estômago do pescador roncar, e ele sorriu em frente ao espelho de modo que viu todos os seus cortes se esticando.



~//~



Um carro branco cruzava as ruas de Ciatteil em direção ao centro da cidade. Seu motorista procurava algum lugar para estacionar e assim começar a sua busca à pé, mas a cidade era muito cheia, principalmente no centro, e era quase impossível achar uma vaga por aí, então o homem teve que recorrer ao estacionamento pago mais caro da cidade, já que este era o único do centro.

O motivo do alto preço era a história do lugar, que fora construído em cima do antigo ginásio de gelo da cidade, que foi abandonado depois que seu líder se tornou um criminoso.

Após descer do carro e pagar a primeira hora adiantada, o homem vai às ruas, procurando por alguma pista.

- O protesto é para lá, hippie. - disse uma criança, que passou ao lado do homem dando risadinhas.

Por sua aparência excêntrica, Alpha era comumente confundido com um hippie, e entendia o porquê. Sempre estava com suas camisas brancas com os botões de cima abertos de modo a formar uma gola V, acompanhada de uma calça jeans rasgada e um cabelo castanho comprido. Ao menos, não estava descalço e com o seu violão, como costumava ficar.






Menos de dois minutos depois, o celular do homem tocou, o identificador mostrava que a ligação vinha de um telefone público da cidade de Ciatteil. Ele levou o aparelho até o ouvido e atendeu.

- Oi?
- Alan, fico feliz em ver que está na cidade.

Alpha reconheceu a voz quase que instantâneamente. Era Grayson Gustin, um cozinheiro que conhecera enquanto estava de férias em Knothole. Os dois tinham conversado pouco, mas o suficiente para se conhecessem e se identificassem.

- Gray… como sabe?
- Eu e Konshe entramos em contato com Lance logo depois que você saiu para saber como iam as investigações sobre o roubo, e ele nos contou que você viria.
- Viria? Então também está aqui? - indagou Alpha.
- Sim, e sei o que está procurando. Eu posso te ajudar a achar a jóia.
- Como?
- Eu tenho uma pista.



~//~



Com a sua cela aberta, Burnign finalmente saía de trás das grades depois de nove anos. De todas as outras celas, os detentos ficavam balançando as grades, pedindo para que Landom os soltasse também.

- Calem a boca! - gritou Burnign, e os homens obedeceram, fazendo a ex-líder dar um sorrisinho.
- No que está pensando, Burnie? - perguntou Landom, largando no chão o corpo do guarda que estava segurando.
- Você também não acha que precisamos de uns capangas? - disse, olhando para os seis outros detentos, todos de boca calada, mas sem conseguir disfarçar o brilho que tinham nos olhos ao ponderar sobre a possibilidade de estarem livres.



~//~



A comida da mãe de Carlie também era algo de outro mundo. A cada colherada, Natt sentia sua afeição por Ammelia Cooper aumentar. Tudo bem que ela não cozinhava como Gray, estava longe disso, afinal, ela não tinha nenhum diploma em culinária ou algo do tipo, mas nessa comida era possível sentir o amor de uma mãe com saudades da filha. Era possível sentir algo que Natt nunca experimentara antes.

Aquilo tudo fazia o garoto se perguntar o porquê de Carlie não morar com a sua mãe, ao invés de trabalhar em uma cidade a quilômetros de distância.

- Ei, Carlie… - chamou Natt - Por que você começou a trabalhar no Day-Care mesmo?

A garota sorriu, quase derrubando um copo de suco de Oran Berry no processo.

- Eu já tentei ser uma treinadora assim como você, assim que fiz dez anos eu fui correndo para o professor Nutwood e ele me deu a Cindy - ela apontou para a Cyndaquil fêmea que comia a sua comida junto aos pokémon de Natt - Mas não deu muito certo, menos de um mês depois eu perdi para Kira no ginásio de Sparklage, e vi que não era bem isso que eu queria. Daí eu fiquei um tempo parada, e depois comecei a procurar alguns empregos por aí, mas nenhum dava certo, até a oportunidade do Day-Care aparecer.
- Carlie sabe como eu adoraria que ela morasse aqui por perto - disse a mãe da garota - Mas ela já está tão acostumada a trabalhar e ser independente, seria ruim voltar para Ciatteil, principalmente considerando que não está muito fácil de ter um emprego aqui.
- Entendo… - disse Natt, bebendo um gole do suco azul.

Após alguns minutos, o seu celular começou a vibrar, e o garoto pediu licença, saindo da cozinha para atendê-lo. Quando o fez, viu o rosto de Gray na chamada de vídeo, o rapaz estava um pouco pálido.

- Gray? O que houve?

O cozinheiro fechou os olhos e respirou fundo.

- Natt, eu preciso que você vá a um lugar para mim.
- Pode falar, cara. Eu estou com Carlie, garanto que em breve chegaremos.
- Não, eu preciso que vá sozinho.

Apesar de estranhar o pedido, Natt assentiu com a cabeça.

- É o parque de Ciatteil, fica no centro da cidade, não tem erro. Você vai achá-lo se procurar por uma fonte de um Seadra, é inconfundível.
- Tudo bem, você me espera lá?

O cozinheiro, novamente, demorou para responder.

- Quando chegar lá, espere um pouco. - e desligou.

Sem ter entendido nada, o garoto decidiu apenas obedecer o pedido do amigo. Se despediu de Carlie e de sua mãe, falando que voltaria para falar tchau para a garota antes que ela voltasse para Knothole. Pegou sua mochila e foi em direção ao centro da cidade.

Não foi tão fácil achar a praça como Gray disse que seria. Os edifícios gigantes da cidade dificultavam, e muito, a visão, principalmente quando o ponto de referência era uma fonte.

Ele demorou uns trinta minutos até achar o parque. Era um espaço bonito no meio de todo aquele centro urbano. Tinha o tamanho de uma quadra, e lembrava bastante um bosque, por suas árvores e seus rios, porém com alguns bancos de madeira espalhados pelos vários caminhos de cimento que cruzavam o parque e, principalmente, ao redor da grande fonte de pedra do Seadra.

Ao olhar ao seu redor, ele não viu nenhum sinal de Gray, e nem tinha nenhum telefone público por perto, fazendo com que Natt não entendesse o motivo de o cozinheiro ter marcado um ponto de encontro longe de onde eles tinham se encontrado. Ele apenas se sentou e ficou esperando.

Cinco, dez, quinze minutos se passaram e nada de Gray, e Natt estava começando a ficar irritado, quando alguém tocou o seu ombro, e ele virou-se, feliz, para cumprimentar o amigo.

Porém, a pessoa que viu atrás dele não era bem quem ele esperava, e sim um homem alto e magro, usando uma camisa e calça jeans rasgada, de cabelos castanhos e compridos, parecia um dos hippies que estava do lado de fora da Ciatteil Corps.

- Desculpe? - disse o pescador.
- Eu sou Alan Phaet. - apresentou-se o homem - E você, Nathaniel Nivans, está sendo levado sob a acusação de ter roubado a jóia dos sonhos do museu de Relical.

E no próximo capítulo: Uma traição!




Última edição por -Ice em Sab 18 Mar 2017 - 19:30, editado 1 vez(es) (Razão : obrigado, Rush (:)
avatar
-Ice
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 03/02/2010

Frase pessoal : </∆>


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Rush em Sab 18 Mar 2017 - 18:56

-Ice! o/

Nossa, que nostalgia vendo a sua fic tendo mais um capítulo postado. Não imagina como eu me sinto... Aliviado em poder ver a continuação de um dos melhores plots da área de Fics. Parece que você também começou com tudo, jogando umas tramas bem interessantes logo no primeiro capítulo da segunda temporada, mas comentarei isso por último.

Gostei de um detalhe simples, mas que me chamou bastante a atenção, sobre o TM perder a cor quanto mais é utilizado. Fiquei curioso em qual TM era, a ponto de Gray simplesmente furtá-lo. E bem... Emma ainda não ter percebido. As atitudes de Grey estão muito suspeitas, e isso está meio que me deixando preocupado, pois gosto bastante dele.

Curti bastante do sprite do Alpha, e este é um personagem que eu fico ansioso para poder conhecer melhor. O rapaz é um policial mas é quase que um hippie em questões de moda. É meio que um oposto na ditadura, um jovem hippie cujas atitudes são conservadoristas. Quero conhecê-lo melhor!

Fiquei intrigado ao ver o logo da segunda temporada, sendo que Natt aparece com outros dois personagens segurando varas de pescar. Isso despertou muito a minha curiosidade, e presumo que Natt vá se destacar pelo que faz de melhor? Isso seria muito interessante, pois imagino a felicidade do garoto em ser reconhecido pelo seu hobby predileto!

Agora sobre as tramas... Adorei a parte da Burnign, e sei que é chato dar sugestões, ainda mais pela história já estar provavelmente decidida e escrita, mas seria muito legal se você explorasse esses seis capangas, deixando-os como personagens secundários que não cheguem a ser tão invisíveis como terciários. Por mais submissos que tenham parecidos, por estarem presos numa prisão como a de Burnign, dá pra explorar bastante o passado e personalidade de cada um. E bem... Esse Landom é ainda mais monstrão do que eu pensava. O cara SOZINHO invadiu a prisão e liberou a "troféuzinha" da cadeia? Surprised

E como assim??? Espero no fundo de meu coraçãozinho quase sem esperanças que isso seja um plano mirabolante de Grey, mas mesmo se for, como ele vai explicar isso pro Natt. Ele incriminou o rapaz? Vacilo demais.

Eu to muito ansioso pro próximo capítulo. Sei que antigamente, quando a área era bem movimentada, não só eu como outros escritores davam a regrinha não obrigatória de postar cada cap com um espaço de cinco dias. Como a área está morta, eu acho até interessante postar antes.

Bem, é isso. Sua escrita continua impecável. Notei apenas dois errinhos super bobos que nem atrapalharam a leitura:


- Ei, estamos todos sujos, que tal para dar uma descançada?

E o outro erro foi tão bobinho que nem lembro mais onde estava. Mas resumidamente, você repetiu duas palavras, algo tipo isso: "Então ele parou por uns segundos para olhar para olhar para tal lugar."

Mas como eu já citei várias vezes, esses errinhos bobos são eliminados de vez com apenas uma revisada, mas não é como se eles estragassem a leitura. Um ou outro é tão insignificante que não contamina a sua escrita.

De qualquer forma, estarei aguardando o próximo cap. Um abraço cara, até mais!


avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Slow em Dom 19 Mar 2017 - 15:11

Hey -Ice o/

Cara, eu li o capítulo ontem e ainda estou processando o que aconteceu. Quer dizer, quê? Como é que a joia foi roubada pelo Natt? Mesmo que o hippie-do-museu tenha acusado sem saber sobre, os sonhos do Natt e aquela frase que ouviu durante ele é quase uma prova disso. Mas, como? O Gray "traiu" o Natt, mas eu entendo os motivos dele e ao mesmo tempo não entendo. Por aquela cena dele varrendo o ginásio, eu não sei se a intenção dele era realmente sair em jornada com o pescador ou investigá-lo. O lado bom ou ruim da prisão é que vamos ficar mais ou menos tempo com Emma e Carlie, eu realmente gostei delas e fico meio triste com elas saindo nem que seja por um tempo, mas não sei se a prisão de Natt servirá para "prendê-las" (é, trocadilho ruim) ou se se afastarão mais dele. Até pq, se Gray realmente acha que ele que roubou, pode induzi-las a pensar isso também. Resumindo, isso pode transformar a vida dele em um caos, mesmo ele sendo provavelmente inocente.

Como eu sei que você curte referências, peguei a letra da música da Burnigne joguei no google, acabei de descobrir uma nova música / banda, hehe. Estou gostando da Burnign (meu cérebro tem dificuldade de escrever o g antes do n), parece que vai nascer uma organização criminosa de 2 chefes e 6 capangas, ou quem sabe cresça bastante. Aliás, isso foi uma forma bem diferenciada do clichê de "o príncipe salvar a princesa do castelo / dragão ou qualquer lugar que esteja aprisionada", quando ela era realmente uma prisioneira e você devia ser um também.

Também gostei do detalhe da cor do TM e estou tentando entender no que um TM usado seria útil para o Gray, ainda mais quando ele está incrivelmente super muito suspeito demais. Sei lá, colocar um outro move (seja lá como isso é feito) no "refil" do TM? Saber que TM Emma usou? De qualquer forma parece ser algo importante, dificultando minhas teorias.

E eu também encontrei o erro de repetição, mas também não encontrei. Possivelmente você encontrou ele quando o Rush citou e corrigiu antes, então tudo bem.
É isso, esperarei o próximo cap, pq eu já tava ansioso pra ler esse, até  tchau
avatar
Slow
Membro
Membro

Masculino Idade : 17
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/01/2015

Frase pessoal : Don't go crying to your mama


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por meromero em Ter 21 Mar 2017 - 12:36

Oi, -Ice, prazer!!11

Já faz uns três dias que eu leio a fanfic com vício e ansiedade, e não aguentei terminar de ler tudo (estou no cap. 17), vou comentar logo já que você decidiu voltar a postar.

Primeiro de tudo, eu fiquei confusa em relação ao título, já que houve uma demora até que fosse revelado o negócio das mutações misteriosas, você poderia ter feito uma sinopse explicando o que ia acontecer, mas isso ia acabar estragando o mistério. Ainda bem que não foi assim. Mas o fato é que eu fui começando a ler e totalmente esqueci do estranhamento inicial com o título e comecei a somente ficar ansiosa pelos passos futuros do Natt (esse nome icônico, acho que entendi a referência). Depois da explicação, as coisas só ficaram ainda melhores.

Eu adorei o Natt, os Pokémons dele, Mikau principalmente. Também adorei o Nico e seu Ratatta acima do percentual. Não fui muito com a cara do Grayson (terno verde, sério?) e da adolescente de 12 anos (é 12?) que perdeu quatro empregos, ao que parece ela vai ser companheira de viagem do Natt, o que eu confesso não ter gostado muito, imaginava que o Nico ia acabar acompanhando ele ao invés de ser um rival mas ok, vida que segue.

Por hora vou ser breve mas pretendo terminar de ler e comentar de novo depois que você postar o capítulo novo.

Bye!
avatar
meromero
Membro
Membro

Feminino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 02/10/2015

Frase pessoal : ...


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por -Ice em Qua 22 Mar 2017 - 20:41

Adivinha quem já quebrou o cronograma? -q Mas foi por um bom motivo, vou tentar seguir o conselho do @Rush de postar os capítulos com um intervalo de tempo um pouco menor, e agora serão às quartas e aos sábados, pelo menos enquanto eu der conta. Antes de tudo, né, vamos aos

Comentários:
Rush: Eaew cara o/ Também foi nostálgico postar um capítulo depois de tanto tempo =P Wow, ouvir que Project Retype é um dos melhores plots da área é algo inexplicável, obrigado! Acho que vou quotar essa frase e colocar no main post ahuehau

Sim, na fic os TMs usados perderão sua coloração, mas serão os TMs de velha guarda da geração IV pra trás, ou seja, só poderão ser usados umas vez. Isso na real nem vai fazer diferença na história, já que aparecerão uns três ou quatro no máximo, mas é bom comentar. O que será que o Gray está tramando? Logo veremos

Sobre o Alpha, sim, ele é um quase que um hippie, em questões de estilo e paz e amor, mas também anda na linha, sendo responsável e respeitoso acima de tudo, tanto que discorda da manifestação que está ocorrendo contra o Projeto Retype. A única coisa é que ele não é um policial, ele é na verdade um historiador e um dos administradores do museu de Relical. No capítulo de hoje entenderemos melhor. E os outros pescadores, bom, terá um momento nessa temporada em que eles aparecerão de uma vez e vai ser por um bom motivo ^^

Bom, você está certo ao dizer que a história já está toda decidida, mas eu ainda não escrevi tudo (na verdade, eu estou só um capítulo a frente de vocês -q), portanto sugestões como essa de explorar os criminosos são extremamente bem vindas, principalmente pois você me deu uma puta ideia. Então, não se acanhe ao pensar em ideias que podem ser boas, porque eu provavelmente não pensaria nelas sozinho.
Falando em sugestões, vou tentar mudar o cronograma para postar os capítulos toda quarta e sábado ao invés de só aos sábados. Quer dizer, vou ver se consigo  Rolling Eyes

Eu corrigi o erro que você citou mas o erro de repetição eu sequer achei, eu reviso o capítulo umas duas vezes antes de postar, mas eu tenho um pequeno déficit que faz eu pular alguns termos quando estão repetidos (a psicologia diz que isso é comum -q). Mas vou tentar evitar. Um abraço e até mais!

Slow oo/ Auhuahua, se o capítulo 21 foi difícil de ser processado, você nem imagina o 22, meu amigo. E a coisa vai só ladeira abaixo. Sobre o Gray, é realmente um mistério (pra vcs, pra mim não kk), será que o rapaz está do lado do Natt ou não, afinal? E será que essa situação do Natt vai segurar as garotas por mais tempo? Como será que elas reagirão?

De nada pela música AHUHEA Pra ser sincero, eu não gosto muito da banda Chicago, mas, ironicamente, a música Wake up Sunshine é uma das minhas preferidas de todos os tempos, não pude deixá-la de fora -q Quando eu estava concebendo a Burnign, eu queria um nome que remetesse ao fogo, e Burnign foi o nome mais feminino que eu consegui, daí ficou essa bosta :/ Mais tarde, jogando Pokémon Moon, eu percebi que o nome Burnet é muito mais agradável, por isso, ao voltar a escrever, eu fiz com que o Landom (e outras pessoas posteriormente) a chame apenas de Burnie. Espero que ajude na pronuncia -q

Até o próximo capítulo, camarada, espero que continue lendo o/

meromero:Olá!! Que bom ver mais uma pessoa aqui, eu realmente achei que não ia conseguir novos leitores depois de duas dezenas de capítulos, achei que apenas os antigos leitores que não morreram com o fórum continuariam lendo, mas vejo agora que estou errado c: Bem-vinda e espero que continue curtindo.

Bom, espero que já esteja com os capítulos em dia pra ler esse em primeira mão -q Sim, apesar de o título da fic só ser explicado no último capítulo da primeira temporada, podemos perceber que o Projeto Retype estava presente na história desde o começo, com a primeira aparição do Titã de Água lá no longínquo capítulo cinco. Olha, eu adoro colocar referências na fic, mas o nome Natt não tem significado nenhum -qq O que você entendeu daí? =P

Interessante ver que você já tem os seus personagens preferidos ^^ Eu, particularmente, gosto muito do Gray (o terno verde não vai durar muito) e da Carlie, mas é bom ver como outras pessoas reagem aos personagens também. Bom, sem querer dar spoiler, mas já dando, o Nico e seu Ratatta top vão aparecer mais cedo do que vocês imaginam. Ah, e a Carlie tem 16 -q

Enfim, espero que continue lendo e até mais! o/

Bom, esse capítulo ficou meio pequeno demais ao meu gosto, mas, no final das contas, ele acabou sendo um capítulo bem denso de informações, e muito importante para o andamento dessa saga atual da fic. Espero que curtam.



Capítulo vinte e dois
O verdadeiro culpado

O sol se punha e a cidade de Knothole ia se esvaziando conforme todos voltavam para suas casas. Dentro da maior árvore da cidade, onde se localizava o ginásio de tipo inseto, o líder Konshe e seu Heracross terminavam de varrer a arquibancada suja de areia após uma excitante batalha. Depois que seu melhor amigo, Grayson, tinha saído para viver uma aventura pelo continente, tinha sido mais difícil arrumar a bagunça.

Após o término, o líder deixou todos os seus pokémon darem uma volta pela cidade, como costumavam fazer toda noite. Sozinho, o rapaz pegou o telefone e discou um número que não saía de sua cabeça desde sua última visita à cidade de Relical. Após algum tempo de espera, alguém do outro lado atendeu.

- Alô? - era a icônica voz de Lancelot, um dos administradores do museu da cidade.
- Olá, amigo! - exclamou Konshe, sorrindo. Ele e Lance se conheciam há onze anos, desde quando o garoto tinha treze anos e decidira sair de Relical, sua cidade natal, para ter a sua tão esperada jornada. Naquela época, no lugar da cidade de Knothole havia apenas um bosque.

Após um longo papo seguindo as regras de uma conversa, com os tudo bem e as novidades, Konshe finalmente conseguiu tocar no assunto que queria.

- E então, Lance, alguma novidade sobre a Joia dos Sonhos? Nenhuma pista sobre o roubo?
- Na verdade sim… Alpha saiu nesta madrugada, ele está indo para Ciatteil, descobrimos que a Joia está lá… Possivelmente junto com quem a roubou.

Konshe ficou por uns segundos sem dizer nada, olhando para o chão.


~//~


Gray se levantava no meio da madrugada. Todos ao ser redor dormiam em colchões no chão da rota três. Natt e Carlie provavelmente tinham acabado de ir deitar, já que a poucos metros dali era possível ver resquícios de uma batalha.

O motivo da parada abrupta de sono, tinha sido a audição aguçada do cozinheiro. Desde que Natt tinha sofrido o seu “acidente” com o titã e tinha ficado por semanas imobilizado, Grayson tinha adquirido o hábito de conversar com Konshe no celular durante as madrugadas, e agora podia ouvir a vibração do aparelho na mochila de Natt.

Ele decidira não contar para o líder sobre o titã de água no momento, já que a personalidade de Konshe provavelmente o faria ir andando até a rota no meio da noite, o que Gray não queria para o amigo.

- Alô? - disse, deslizando o dedo na tela touch para atender.
- Gray, sou eu. - disse o líder - É urgente, vocês já chegaram em Ciatteil?
- Estamos a menos de cem metros da cidade, eu diria. - disse o cozinheiro, vendo que já podia enxergar os prédios de Ciatteil no horizonte.
- Então está tudo confirmado.



~//~


Landom e Burnign caminhavam pelo corredor da prisão de Relical, seguidos por seis fugitivos. Na frente deles, três policiais atiravam contra eles. Todos estavam atrás de Landom, que era grande o suficiente para cobrí-los, enquanto os projéteis das armas não surtiam efeito contra ele, que ainda usava sua roupa de segurança à prova de balas, e colocava o braço na frente do rosto, repelindo também qualquer tiro contra sua face.

Ao chegar nos policiais, ele apenas pegou a cabeça de dois deles e bateu-as uma contra a outra, quebrando o pescoço do terceiro. Todos os prisioneiros fugitivos estavam quietos, com medo, mas Burnign apenas riu, como se todo aquele banho de sangue fosse comum para ela.

- Fiquei tão feliz ao saber que roubou a Joia dos Sonhos! - disse a mulher - Algumas pessoas desconfiaram de mim e vieram até aqui, foi assim que fiquei sabendo. Onde ela está?
- Não fui eu. - disse Landom, rispidamente - Eu estava me infiltrando no museu aos poucos, mas a Joia foi roubada por outra pessoa antes mesmo que eu pudesse pegá-la.
- O que!? - exclamou Burnign, parando de andar. - Seu idiota inútil!
- Mas não saí de lá de mãos vazias, ao menos. - sem olhar para trás, o grandão apenas levantou o braço mostrando alguns papéis que estavam em sua mão. Burnign apenas os puxou.
- Pedra-chave bizarra? - perguntou a mulher.


~//~


Natt estava sentado no banco de trás do carro de Alan, que dirigia, sem prestar atenção no garoto, em direção à delegacia de Ciatteil.

- Já disse que não fui eu! - exclamou o garoto - Você sequer tem provas!

O hippie apenas dirigia, sem nem olhar para o garoto, que cruzava os braços em tom de reprovação.

- Eu ao menos tenho direito a uma ligação?

Sem falar nada, Alan Phaet continuou dirigindo. Após cerca de vinte minutos, os dois chegaram à delegacia, para onde o homem levou Natt, puxando-o pela parte de trás de sua camiseta, enquanto o pescador se debatia falando que sabia andar.

Enfim, chegaram. O hall de entrada era relativamente grande, com um chão branco envernizado, paredes da mesma cor e um lustre de vidro grande iluminando todo o local. No meio, um balcão com cerca de sete secretários trabalhando em seus computadores, enquanto falavam no telefone, geralmente pedindo o local do crime para as pessoas do outro lado da linha ou pedindo para elas se acalmarem. Na parte de trás do Hall, duas escadas levavam para o andar de cima, onde ficavam duas portas de ferro negras, de onde saíam e entravam policiais. Ainda no andar de baixo, havia uma porta na parede direita, uma na parede esquerda e uma no fundo do hall.

Alan e Natt se dirigiram para o balcão central, para o único secretário que não falava no telefone, um rapaz de cabelos castanhos penteados para trás com gel e um rosto com algum problema sério de acne.

- O que desejam? - perguntou, com a animação de um Slakoth.
- Tenho uma acusação. - disse o homem de cabelo comprido, apontando para o pescador, que apenas ficou quieto, franzindo a sobrancelha.

O secretário deu para eles um papel com o número 847 e mandou eles esperarem em algum banco, apontando para a porta do fundo, onde tinha um telão com o número 812.

Alan levou Natt para aquela área, e os dois se sentaram em um dos bancos de plástico azuis, ao lado de várias outras pessoas, todas chorando ou mexendo em seus celulares, entediadas.

- Escuta, senhor Phaet, não pode ao menos me explicar o porquê chegou nessa conclusão?
- Conversaremos assim que estivermos na frente do delegado, Nathaniel.

Após ouvir aquilo, Natt apenas abaixou a cabeça, não tinha um histórico muito bom com oficiais. Passou-se cerca de uma hora e meia, e o pescador já estava quase dormindo, quando Alan Phaet o cutucou no ombro. Ao olhar para cima, o garoto viu, no telão em cima da porta, o número 847.

Os dois se dirigiram à sala, de onde tinha acabado de sair um homem com uma expressão de tristeza, e entraram.

Lá dentro, havia mais um balcão, e atrás dele uma mulher com um cabelo no estilo pixie cut da cor roxa, penteado para o lado. Estava vestindo uma roupa de oficial de alto escalão, e, apesar de seu cabelo entregar uma personalidade divertida, a mulher apresentava uma expressão durona e amedrontadora, que fez com que Natt suasse frio e tremesse de medo, mesmo sabendo não ser culpado. A mulher mandou os dois sentarem nos únicos dois bancos que ficavam na frente do balcão.

Então, começou toda a burocracia, onde Natt e Alan tiveram que entregar suas carteiras de cidadão (ou carteira de treinador, como eram popularmente conhecidas) e o homem de cabelo castanho comprido explicou tudo para a delegada, que mandava Natt ficar quieto sempre que o garoto tentava contestar.

- Interessante… - disse a delegada, digitando um pouco no computador que estava em sua frente. - Então, Nathaniel Richard Nivans - ela teve que ler o nome de Natt em sua carteira para conseguir falar - Você tem algum antecedente criminal?
- Mas é claro que não! - exclamou o treinador, ofendido.

A delegada deu um sorrisinho, devolvendo a carteira de Natt para ele.

- Engraçado, pois aqui diz que você já falsificou a sua carteira de treinador, no dia… hum… dezessete de setembro de dois mil e treze.

O pescador abaixou a cabeça, escondendo-a com a palma da mão. Já tinha se esquecido completamente do que tinha feito no mês anterior, para conseguir entrar no torneio de pesca de Blue Coast, agora estava realmente ferrado. Ao seu lado, Alan fez um sinal de reprovação com a cabeça.

- Escuta, senhora delegada, isso foi um erro meu do passado, isso não diz sobre quem sou agora, tem que acreditar em mim! Eu estive em Relical sim, mas quando cheguei lá a Joia já tinha sido roubada, eu só fui atrás de Konshe!
- Independente de tudo, senhor Nivans, terei que ligar para o seu responsável, quando ele estiver aqui, poderemos conversar.

Natt respirou fundo. Neste exato momento, estava em uma jornada para se provar para Joel Nivans, o seu tio, que dissera que o garoto não tinha responsabilidade. Agora, o mesmo seria chamado até Ciatteil graças a um suposto roubo que o garoto cometera.

A delegada pegou um papel, assinou-o e preencheu alguns campos em brancos, pedindo para Alan assinar um espaço no rodapé da folha, com um outro espaço que seria assinado por Joel Nivans.

- Entregue isso para algum dos secretários no balcão, Nathaniel ficará esperando aqui até que o responsável dele chegue.
- Mas e a Joia? - perguntou Alan.
- EU NÃO SEI ONDE ELA ESTÁ!

Natt utilizou-se de toda a força que tinha para liberar, em forma de grito, tudo o que ele mantinha dentro de si há horas. Após gritar, seus olhos encheram-se de lágrimas, e ele apoiou a cabeça com as mãos.

Devido ao desrespeito, a delegada levantou-se, provavelmente para fazer uma outra ocorrência de Natt, mas foi interrompida pelo som da porta da sala se abrindo.

O pescador levantou a sua cabeça, olhando para o lado, surpreso.

Entrando pela porta, estavam Grayson Gustin, o antigo dono do restaurante Food n’ Battle e acompanhante de jornada de Natt, usando seu habitual terno verde, todo pomposo, e, ao seu lado, Konshe, o líder de ginásio da cidade de Knothole, também com um terno, mas verde água.

- Com licença, delegada. - disse Gray, colocando a mão no ombro de Natt. - Estamos aqui para defender a vítima.

Alan fez uma cara de reprovação.

- Como pretende fazer isso, Grayson? Você mesmo o entregou para mim.
- Como assim, Gray? - Natt olhou para o amigo.
- Era o único jeito de fazê-lo acreditar em nós, cara.

A delegada bateu o punho várias vezes em sua mesa de madeira, fazendo com que todos ficassem quietos.

- O que vocês têm para falar? - disse, nervosa. Uma veia pulsava em sua testa, ela provavelmente achara que o caso seria mais fácil.

Konshe curvou-se, como o cavalheiro que era, e sorriu, tanto para Natt, quanto para Alpha, quanto para a delegada.

- Com sua licença, delegada Snow, pretendo explicar o equívoco.
- Também espero que explique como não foi Nathaniel, quando o rapaz é a única pessoa que estava em Relical no dia e hoje está em Ciatteil, no mesmo lugar que a Joia está. - disse Alpha, olhando com decepção para os dois recém chegados

Gray e Konshe se entreolharam, acenando com a cabeça um para o outro, como se concordassem em falar algo.

- É aí que está, Alpha. - disse Konshe - Natt não estava em Relical no dia do assalto, só chegou lá um dia depois, para me procurar. Mas tem sim uma pessoa que estava lá no dia, e que se encontra hoje aqui em Ciatteil, no lugar onde já sabemos que está a Joia.
- E quem é essa pessoa? - perguntou a delegada, fazendo com que Konshe desviasse o seu olhar de Alpha para ela.


~//~


Emma Nutwood estava sentada no banco de uma das praças de Ciatteil. Ela falava no celular enquanto mexia nas coisas de sua bolsa, procurando por algo que estava faltando.

- Sim, sim. - ela concordava com a cabeça sempre que dizia isso à pessoa do outro lado da linha. - Sim, já estou aqui.

Ela ficou por alguns segundos quieta, enquanto ouvia a pessoa do outro lado falar, e procurava, cada vez mais desesperada, o TM sumido. Ao seu lado, um Whismur tomava um sorvete.

Após perceber que o disco não estava em sua bolsa, ela levantou-se, colocando a mão em um dos bolsos do seu casaco, e suspirando aliviada ao sentir um pequeno objeto esférico lá dentro. Ela tirou-o do bolso, revelando uma pequena gema cor-de-rosa, que exalava um brilho da mesma cor, iluminando o rosto da garota. No núcleo da joia, era possível ver um desenho negro de uma lua minguante.

- É, está aqui comigo. - disse, segurando a joia entre seus dedos - Ninguém desconfiou de nada.




Última edição por -Ice em Sex 28 Abr 2017 - 20:07, editado 1 vez(es) (Razão : Setembro, e não fevereiro)
avatar
-Ice
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 03/02/2010

Frase pessoal : </∆>


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Rush em Qua 22 Mar 2017 - 22:31

-Ice  Shocked Shocked Shocked Shocked Shocked Shocked Shocked Shocked Shocked Shocked

Pqp


Antes de comentar o capítulo, queria só esboçar minha felicidade em vê-lo postar tão cedo. Se demorar cinco dias para postar, creio que a área continuará parada, fazendo com que as pessoas acabem desanimando. Eu acabei concertando o teclado, então o capítulo será postado mais cedo do que eu previa.

Também queria citar a música de encerramento do capítulo, de bom gosto e que combinou perfeitamente com a situação. Me lembrou bastante Breaking Bad, uma música animada numa situação extremamente tensa. Ca-ra-lho.

Ok, o capítulo foi muito curto em minha opinião. Não sei se é porque fiquei entretido do início ao fim, pois ele teve bastante conteúdo e fora MUITO bem explorado para o seu tamanho. Parabéns em relação a isso. 

Gostaria de comentar o flashback e a cena dos criminosos, mas porra, eu to boquiaberto com esse plot twist, meu amigo. Foi sensacional. 

Fiquei extremamente aliviado em ver que Grey não é um vilão, afinal das contas. Gosto muito dele, iria partir meu coração ver que ele era um vira casaca que iria incriminar o Natt para ter a joia da vida sem ninguém suspeitar dele. Fiquei feliz em ver que Natt não saiu prejudicado, além de perder uma hora e meia de sua vida em uma tediosa fila. 

Mas porra... Ainda não entendi o lance do TM, mas Emma? A neta do professor? Cara, isso foi brutal.

Não sei se suas intenções são boas, mas porra... Eu to chocado. Me pergunto com quem ela estava falando, só falta o professor Nutwood estar envolvido também. Caralho Ice

Eu amei esse ending, puta Cliff Hanger do caralho. Quero MUITO que você poste logo o próximo cap e essa música ficou PERFEITA. Não sei se ela será o ending oficial por ter sido usada no cap anterior também, mas combinou bastante, até consigo imaginar um "clipezinho" de encerramento da fic. 

Ai meu rim, -Ice. Essa fic está MUITO foda. 

Aguardo ansiosamente o próximo capítulo. Ansiosamente e urgentemente.

Só não mando um abraço porque eu to muito chocado para isso
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Slow em Qua 22 Mar 2017 - 22:38

Hey Ice o/

Eu tava ansioso pra esse cap achando que hj era o quinto, até você ter dito que não tinha cumprido o cronograma e eu me toquei que era o sexto, imagino como estaria se lembrasse.

Natt 1 x 0 Hippie-do-museu que toma conclusões precipitadas pela "suspeita" dos outros. HA, TROUSHA!

Ok. QUÊ? Emma sua grande... ta, ta, sem conclusões precipitadas. É bom ter bons motivos, sua suspeita confirmada, porque eu gosto de você. Agora as coisas se inverteram e quero ver como o Natt e os outros vão agir com ela. Não se mostrou do tipo que colocaria seja lá o seu objetivo a frente dos amigos, pois se assim fosse, teria inventado um motivo para sair antes de Natt se recuperar, para não perder tempo. Eu não tenho notado ações suspeitas dela, parando pra pensar agora somente o telefone isolado no centro Pokémon.

Pelo que disse ali nas respostas, imagino que o Nico vai voltar com o Joel Santana, mas o "pior" de tudo é que Landon e Burnie (facilita) aparentemente possuem pistas, então alguma hora, como é de se esperar, os caminhos irão se cruzar. Aliás, alguém avise para a Smogon pôr esse cara em Ubers, pq tanque assim não existe. O cara é blindado e dá OHKO -q.

Ta, mas agora falta a importância do TM usado, que ainda não consigo imaginar a importância disso. De toda forma, boa Gray, aparentemente a Emma não pode fugir sem isso, hehe. Falando nisso, o cara que tava todo suspeito na verdade estava suspeitando do suspeito que não foi suspeitado por mim antes. Inclusive, talvez Emma fosse a última que eu acharia que fosse a ladra, até mesmo o Natt era mais suspeito pra mim. ATÉ O AVÔ DELA ERA MAIS SUSPEITO PRA MIM. E O ASSISTENTE.

Eu já havia notado isso, mas agora ficou bem mais claro, a Burnie é muito bipolar. Está toda hora rindo e sorrindo, mas do nada chama o Landom de alguma coisa (não me recordo o que ela disse da outra), certamente é um personagem bem único. E eu juro que não sei pq gosto dela.

Em suas próprias palavras, foi um capítulo bem curto, mas que capítulo, hein? Talvez o mais... turbulento, com plot twists e etc.
Emma
você tem que ter
uma ótima
justificativa
obrigado

Até sábado tchau  (vc vai cumprir com o cronograma agr que eu to de olho e ansioso).


Última edição por Slow em Qua 22 Mar 2017 - 22:39, editado 1 vez(es) (Razão : ansioso com C, pqp Slow)
avatar
Slow
Membro
Membro

Masculino Idade : 17
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/01/2015

Frase pessoal : Don't go crying to your mama


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por -Ice em Sab 25 Mar 2017 - 14:34

Cheguei. Enfim, estou seguindo o cronograma que propus mas estou me perguntando se não estou postando em um intervalo talvez curto demais Laughing Bom, vou continuar com esse cronograma por um tempinho mas possivelmente depois vou voltar a postar com o intervalo de cinco dias por dois motivos: um é que está tendo cada vez mais fanfics sendo criadas (e algumas antigas sendo revividas, ainda bem) e logo será chato para um cara que acompanha todas as fanfics do fórum ter que vir à minha duas vezes por semana. O segundo motivo, bom, vocês verão mhuahahaha. Sem mais delongas, vamos aos

Comentários:
Rush:Yooo Rush.
Hahahah, cara, acho que você sabe disso, mas não tem coisa mais gratificante do que ver que a sua fanfic consegue causar diferentes sensações nas pessoas, seja surpresa, felicidade ou outra coisa. Isso deixa o escritor muito feliz e motivado a continuar, por isso fico feliz de ver o seu espanto com a culpa de Emma em toda essa história. E olha que terá mais.

Sobre a música do encerramento, sim, Silly Milly (essa música maravilhosa <3) será o tema de toda a segunda temporada, mas em algumas ocasiões específicas (como o capítulo de hoje) não teremos a música, mais pra frente você verá o porquê.

E não foi impressão sua, esse capítulo ficou muito curto, porque foi objetivo, quando eu o escrevia, eu não queria colocar enrolações tipo "daí ele encontrou um treinador e começaram a batalhar", eu me preocupei com que o capítulo contasse apenas a sua história, em que os personagens iam do ponto A ao ponto B e enfim teria o cliffhanger que levará ao capítulo de hoje. E é, o Gray não é o vilão =P O personagem ainda vai ter o seu papel na história, assim como Alpha, Konshe, prof Nutwood e afins, só nos resta saber quem estava falando com Emma no telefone né? Dando um spoiler de leve, eu já posso adiantar que não foi o professor, nesse capítulo veremos que o velhinho é bem inocente em relação à situação da garota. E sobre o TM, será explicado ainda hoje.

Bom, Rush, até mais e um abraço -q

Slow: Slow! o/
Pera, que? husahusah Não entendi muito bem o que você disse sobre quinto e sexto -q Eu também sou meio slow.

E então? HUHAUS Será que a Emma tem alguma explicação boa? Será que Gray e Konshe conseguirão realmente salvar Natt? Na verdade, eu dei várias pistas sobre a culpa de Emma ao longo da primeira temporada. Por exemplo, ela foi a primeira a incriminar Burnign, e também ficou puta quando Burnign disse que tinha sido incriminada por alguém. Ela não queria que ninguém soubesse que ela é neta do professor pois assim não chamaria atenção e seria mais fácil andar com a Joia por aí. Ela também foi a mais reclusa enquanto andava com Natt e os outros, justamente para conseguir esconder, com sucesso, a joia. Estava lá desde o começo hehe

Sim! O Nico vai voltar mais cedo do que imaginamos, e Landom e Burnie também serão um problema logo logo. Já sobre a importância do TM, como eu disse ao Rush, saberemos ainda hoje.

Bom, como eu também disse pro Rush, é muito gratificante ver a reação das pessoas durante os altos e baixos da fic, fico muito feliz de te ver aqui e espero que continue acompanhando. Até mais, abraço!

- Vocês estão tentando me dizer que Emma Nutwood, neta do Professor Pokémon e futura herdeira da Ciatteil Corps roubou uma pedra mística de um museu?

A delegada Snow parecia bastante cética em relação à denúncia que Konshe acabara de fazer. Não só ela, mas Natt e Alpha se entreolharam, também duvidando da afirmação que tinham acabado de ouvir. O pescador queria sim se livrar da situação em que estava injustamente, e aceitava a ajuda de Gray, mas não se tivesse que incriminar Emma no processo.

- Konshe, você sabe que essa é uma acusação muito séria. - disse Alpha, calmamente, como se respirasse um pouco antes de cada palavra - Vocês tem alguma prova que fortaleça essa denúncia?

Natt ainda olhava para todos presentes na sala, um de cada vez, procurando alguém que falasse algo que pudesse representar o que ele estava pensando. O que está acontecendo?

Gray revirou um dos bolsos de seu terno, tirando de lá um disco que entregou na mão de Alpha. Disfarçadamente, o pescador espiou o TM descolorado, vendo nele uma gravura a tinta, também já quase apagada. Estava escrito TM35.

- Flamethrower... - disse o hippie, como se tivesse ouvido o pescador ao seu lado perguntar mentalmente qual TM era o 35.
- Lembra-se da parede queimada? - perguntou Konshe.

O queixo de Natt caiu, lembrando-se da visita que fizeram à Burnign na prisão de Relical. Naquele dia, Konshe tinha suspeitado da mulher pois a parede do museu que levava à Joia tinha sido queimada. Mesmo após a dedução, o garoto continuou sem entender muita coisa.

- Isso foi achado na bolsa de Emma. - continuou o líder de ginásio - Gray me disse que o pokémon que Emma carrega é compatível a esse golpe.

Alpha continuou quieto, assim como a delegada, que analisava cada palavra proferida por todos minuciosamente.

- Não só isso. - disse Gray - Enquanto estávamos viajando com Emma, eu tinha sonhos constantes, e em todos eu via a Joia na minha frente. Foi com base nisso que eu e Konshe começamos a investigar ela.

Houve um minuto de silêncio entre todos, onde Natt lembrou-se dos sonhos que tinha tido na rota três, conseguindo, finalmente, ligar todos os pontos e chegar à chocante conclusão. Emma Nutwood tinha roubado a Joia dos Sonhos.



Capítulo vinte e três
A Joia dos Sonhos

Emma desligava o celular, suspirando. Em seguida, ela olhava para seu Whismur, Teddy. Inocente, ele apenas tomava o seu sorvete, sentado no banco de madeira de uma maneira desengonçada.

O pokémon não fazia ideia do que tinha feito. Para ele, tudo se resumia em obedecer as ordens da treinadora, não importava se isso incluía derrubar a parede de um museu com fogo. Para ele, eram apenas detalhes que não fariam diferença.

Apenas para ele.

Antes que Emma começasse a ficar paranoica novamente, sentiu seu celular vibrar e o atendeu. Era seu avô, Niels Nutwood. A garota deu um tapa na própria testa, esquecera-se completamente de avisar o professor que tinha chego na cidade.

- Emma, querida, você realmente já está em Ciatteil? - perguntou.
- Sim, vô… Como o senhor sabe?
- Isso são apenas detalhes… eu só liguei pois preciso que venha para a Ciatteil Corps o quanto antes possível.


~//~


“Você fica aqui até voltarmos” foi o que Alpha dissera antes de sair da delegacia, junto com a delegada Snow, e Konshe, e Gray… e mais oito policiais…
Apenas Natt ficara.

Agora, o pescador diverta-se desenhando com o dedo na mesa empoeirada da sala de espera em que foi deixado. Já tinham se passado treze minutos, e ele não aguentava mais. Não podia sequer deixar os seus pokémon fora da pokébola.

- Quer saber, dane-se. - disse, se levantando, não antes de passar a mão na mesa empoeirada para apagar os desenhos que tinha feito.

Já era oito da noite, os secretários da delegacia estavam ocupados demais fofocando e enrolando os seus clientes para perceber o garoto com roupas imundas de pescador e uma mochila verde surrada saindo de lá.

Ele procurou correr o mais rápido que podia, era cerca de dois quilômetros de caminhada até a Ciatteil Corps, mas ele tinha que ser rápido.


~//~


Emma parava na frente do prédio, retornando Teddy à sua pokébola. Para ela, era impossível olhar para o prédio sem sentir uma certa nostalgia, mas também um certo repúdio.

“Um dia, Emma, você vai ser dona de tudo isso aqui.”
Ela lembrou-se de seu avô dizendo, quinze anos atrás. Ela era apenas uma garota de três anos, e já estava destinada a ser a futura dona de uma empresa. Seu primo mais velho, Pines, conseguira fugir dessa responsabilidade, já que, ao contrário dela, o rapaz ainda tinha seus pais naquela época, não era responsabilidade de Niels Nutwood decidir o seu destino.

Em seguida, veio à sua cabeça o dia em que estava correndo pelo prédio todo, acompanhada de Teddy, fingindo que estava se aventurando dentro de um vulcão. Ninguém podia dizer nada, ninguém podia falar um “A” para a garota. Ela era mais parte da empresa do que a maioria dos funcionários, apesar de não entender isso na época.

Ela sorriu ao lembrar disso.

- Emma?

A garota olhou para trás, vendo Natt Nivans chegar, ofegante. O garoto não estava com uma cara muito boa, estava vermelho, como se tivesse feito um levantamento de peso mais pesado que o recomendado, mas sua expressão era de seriedade, seus olhos lacrimejavam enquanto ele olhava para a garota.

Era difícil para Natt. Ele sentia-se como se tivesse deixado a própria alma há uns quinhentos metros, e apenas o seu corpo estava ali, com ambas as panturrilhas doendo como se estivessem prestes a explodir. Também sentia algumas pontadas no abdômen, nada que não tivesse se acostumado após um mês e meio de jornada.

Porém, não apenas dores físicas afetavam o garoto. Tivera bastante tempo para se acostumar com a presença de Emma. Foram semanas juntos, comendo frutas, dormindo no chão, conversando… Se antes gostava dela apenas porque ela era bonita e simpática, agora estava apaixonado pela garota, queria passar o resto da jornada com ela, poderia fazer tudo por ela.

Em poucos segundos, ele teria que fazer uma escolha. O plano de Konshe e Gray era levar Emma até a Ciatteil Corps, onde a delegada Snow estaria a esperando e faria a garota confessar o roubo. Natt podia ajudar, podia entrar com ela e tornar tudo mais fácil para seus amigos.

Mas podia também ignorar tudo isso. Podia ignorar o possível roubo, podia acreditar que Emma não fizera nada e apenas não deixar a garota entrar na Ciatteil Corps, pedir pra ir tomar um sorvete com ela, para ir assistir um filme… Ele não sabia o que fazer.

- Oi? - disse a garota, tentando chamar a atenção de Natt, que apenas olhava para ela sem dizer nada.


~//~


- E daí eu falei pra ele: Eu não quero saber de você falando com outras garotas! E ele ainda me chamou de possessiva!
- Que ridículo.

A conversa das duas secretárias era interrompida pelo barulho das portas principais se abrindo abruptamente. Os dois seguranças grandes como Machamps sacaram seus tasers, armas de eletrochoque dadas a eles pelo chefe de segurança para caso algum hippie protestante decidisse entrar na empresa.

- Abaixem isso. - disse a garota loira que entrou, seguida por um pescador. Os guardas obedeceram sem falar nada.

As duas secretárias ajeitaram a postura, passando a mão no cabelo e certificando-se que estavam com a roupa devidamente abotoada. Emma passou por elas, apenas acenando a cabeça. Atrás dela, Natt foi um oi sem jeito, dando passos largos para acompanhar a menina. Os dois entraram no elevador.

- Por que você quer ver o meu avô também? - perguntou a loira, enquanto os dois esperavam o elevador chegar em seu destino.

Natt suspirou, não sabia o que responder. Ainda estava tentando se convencer de que fizera o certo ao entrar com a garota. Quando chegassem no andar quarenta e cinco, ele finalmente saberia se Emma tinha mesmo roubado a joia. Antes que soubesse a verdade, ele tinha que testar algo enquanto estava na frente da menina que ele acreditava conhecer.

- Faz tempo que eu quero te falar algo… - ao proferir essas palavras, o pescador já sabia que a garota tinha sacado onde ele queria chegar. Ele sorriu, olhando para o nada - Sem enrolações, Emma. Eu gosto muito de você.

A garota não disse nada, apenas arqueou as sobrancelhas, como se perguntasse “é sério?”. Natt não imaginou outra coisa a se fazer além de se aproximar, fechando os olhos. Nunca tinha beijado antes, então imaginou que deveria fazer um biquinho para mostrar para a garota o que estava tentando fazer.

Emma colocou a palma da mão no peito dele, apenas para afastá-lo. Quando ele abriu os olhos novamente, viu a feição de incredulidade dela.

- Natt… - ela deu um sorriso sem jeito - Não.

O pescador apenas tentou fazer uma cara de compreensão. Queria mostrar para a garota por meio de seu rosto que não tinha problema algum ela ter rejeitado o beijo. Isso ficou um pouco difícil pois ele ainda estava um pouco vermelho e suando.

A porta do elevador abriu-se, mostrando o corredor que o garoto já conhecia. Seguindo reto, a última porta ao fundo levava ao laboratório do professor. Contudo, Emma não foi para essa porta, mas sim para uma escada que levava à cobertura do prédio.

- Natt, eu não quero ser chata mas… O que está fazendo me seguindo? - disse a garota, enquanto subiam as escadas.
- O professor também me chamou. - mentiu.


~//~


Estavam todos na cobertura do prédio, em frente à escadaria que levava ao teto. Na frente, e delegada Snow, com os braços cruzados e a expressão séria de sempre.

Atrás dela, oito policiais, todos preparados para sacar suas armas se fosse necessário.

Perto do policiais, estava Pines. O rapaz tremia desde que disseram a ele que Emma tinha feito o que fez.

Por último, atrás de todos Konshe, Gray e Alpha estavam em pé, na frente do professor Nutwood, prontos para protegê-lo de qualquer coisa.

Por incrível que parecesse, eles tinham demorado vinte minutos para se organizar naquela formação.

- Vô? O senhor está aí em cima? - ouviram a voz de Emma.

Natt estava atrás da garota, ainda nervoso. Sentia cada batida do seu coração, como se todas elas fossem baques enormes, de um modo que conseguia sentir cada vez que o sangue circulava pelo seu pescoço, lhe dando náuseas. Apesar de tudo, ele manteve a postura.

Chegaram à cobertura. Nenhum dos dois soube o que dizer. O pescador ficou na entrada, apoiando-se na parede de tijolos, tentando manter o equilíbrio. Emma deu uns passos à frente, olhando para todos que a esperavam.

- Emma Nutwood.
- Delegada Snow?

A mulher de cabelo roxo também deu uns passos para frente, aproximando-se de loira.

- ...Preciso que se ajoelhe, vou revistar tudo o que você tem.

A garota encarou a mulher, com os olhos semicerrados.

- E se eu não fizer isso? - ela colocou a mão no bolso, fazendo com que todos os policiais, simultaneamente, levantassem suas armas, mas sem pôr o dedo no gatilho. Era tudo uma questão de imposição, eles queriam que Emma acreditasse que estava sendo ameaçada. A mão dela ainda estava no bolso, como se segurasse algo.
- Você não tem essa opção, Emma. - disse a delegada - Vai mesmo desafiar uma autoridade como eu, desse jeito?

- Supersonic.

Ela tirou a mão do bolso, deixando cair no chão uma pokébola que liberou um Whismur, já com o peito estufado, soltando logo em seguida uma rajada de som que afetou todos que estavam na frente da pequena criatura rosa, fazendo com que se curvassem, tapando os ouvidos.

Aproveitando a deixa, Emma deu meia volta, tentando ir para a escadaria, mas Natt, que estava atrás da garota e seu pokémon e, portanto, não tinha sido atingido pelo golpe, a segurou, parando-a.

- Me solta! - gritou a garota, tão alto quanto seu Whismur. Ela estava desesperada.
- Emma… - Natt ainda tentava segurá-la, mas ficava cada vez mais difícil conforme ela se debatia. - Você não pode fazer isso! Vamos resolver tudo isso!

Ela finalmente conseguiu se soltar, saindo dos braços de Natt, mas caindo. No chão, ela olhou nos olhos do treinador, com desdém.

- Você é um idiota mesmo. - disse - E no final, ainda veio dizer que gosta muito de mim… Gray é muito melhor que você.

Natt conseguia ver que a garota não queria falar tudo aquilo. Ela estava com raiva, estava sendo espontânea, mas ainda doía.

- X-Scissor!

Os dois olharam para ver o que tinha acontecido. A gritaria de Whismur tinha parado, e ele estava deitado no chão. Na frente dele, um Leavanny tinha acabado de usar o golpe cortante.

O professor Nutwood abria caminho em meio aos policiais, parando atrás de sua Leavanny.

- Emma… Estão dizendo que foi você quem roubou a Joia dos Sonhos de Relical. Vamos deixar tudo isso de lado, apenas nos diga se realmente foi você. Tenho certeza que a delegada Snow será razoável.

Os olhos dela encheram-se de lágrimas, e ela puxou do bolso uma gema cor-de-rosa que iluminava toda a cobertura do prédio com a sua cor. Era a mesma Joia que Natt tinha visto tantas vezes em seus sonhos.




- Sim! - gritou a garota, para que todos pudessem ouvir - Fui eu! Eu roubei a Joia… mas eu estava ajudando vocês! - ela apontou para os policiais.

Pines ainda estava nervoso, e tremia cada vez mais. Ao perceber isso, Konshe colocou a mão no ombro do rapaz.

- Ei, vai dar tudo certo.

Alpha também passou pelos policiais, para ficar de frente com Emma.

- A Joia pertence ao museu de Relical, devolva-a agora! - disse.

Antes que a garota pudesse falar qualquer coisa, algo puxou a Joia de sua mão. Ela olhou para trás, apenas para ver a gema luminosa sendo fisgada por uma teia.

- Boa, Beedle. - disse Natt, enquanto a Joia caía na frente de seu Sewaddle flamejante - Mas eu é que não vou tocar nisso.

O professor Nutwood deu mais alguns passos em direção à Emma.

- Por que fez isso?

Os olhos dela lacrimejavam cada vez mais, e era possível ouvir sua respiração pesada.

- Teddy, Flamethrower!

O Whismur estufou o peito mais uma vez, soltando uma espessa rajada de fogo pela boca, que deveria ter acertado a Leavanny do professor, mas algo se colocou no meio, impedindo que o inseto bípede fosse atingido pelas chamas.

Quando o fogaréu cessou-se, foi possível ver o pequeno pokémon que se colocara entre Whismur e Leavanny. O pequeno inseto flamejante de Natt, Beedle, estava sorrindo ao perceber que tinha conseguido proteger sua mãe. O fogo lançado pelo pokémon de Emma tinha feito um dano mínimo no Sewaddle.

Antes que alguém pudesse falar algo, as chamas do pokémon aumentaram, e ele começou a mudar de forma. Seu pequeno corpo de lagarta tomou uma forma redonda, rodeada por fogo.

- Swa! - disse.




- Agora acabou, Emma Nutwood! - disse a delegada. Todos os policiais atrás dela levantaram as suas armas, prontos para qualquer outro ataque surpresa. Natt duvidou que algum deles fosse atirar, devia ser mais uma questão de passar respeito. - Por que você pensa que nos ajudou ao roubar a Joia?

A garota hesitou, olhando para seu pokémon.

- Foi preciso, delegada… Eu precisava incriminar a Burnign.

Houve um longo minuto de silêncio, onde Alpha deu mais um passo em direção à Emma, interessado. A delegada não disse mais nada, apenas deixou a garota continuar.

- Ela está tramando um plano… ela vai escapar da prisão, e enquanto perdemos tempo aqui ela já pode estar perto de conseguir! Eu tentei fazer com que todos ficassem de olho nela, queimando o muro do museu, mas tudo virou uma bola de neve! - a garota começou a soluçar, limpando os olhos cheios de lágrima com a manga da camiseta. - Eu não aguento mais, eu não quero mais sonhar com essa joia todo dia!
- Mas, Emma… Por que você não simplesmente avisou a polícia local? E como você sabe que Burnign está tentando escapar?

A garota olhou nos olhos da delegada, sentindo-se sem opção. Ao abrir a boca para falar, porém, Emma foi interrompida por um estampido. Ela olhou para baixo, vendo sua camiseta se encharcar de sangue na área do abdômen.

Foi ouvido outro tiro, que acertou um pouco mais para cima do primeiro, manchando ainda mais a blusa branca da garota de sangue.

Nos primeiros segundos, ninguém soube o que fazer. Aquilo foi inesperado, e apenas quando o corpo de Emma tocou o chão, eles se tocaram do que tinha acabado de acontecer.

A garota se contorcia de dor no chão, enquanto perdia cada vez mais sangue. A delegada virou-se para trás, olhando para todos os policiais.

- QUEM FOI!? - berrou ela, mas os policiais apenas ficaram se olhando, procurando quem foi o responsável pelos tiros que atingiram Emma.

Pines e Natt foram os primeiros a correr em direção à Emma, agachando-se para tentar ajudá-la. O primo da menina quase não conseguia falar, estava desesperado, apenas procurando algo para fazer que pudesse ajudar. O pescador já tinha esquecido da sensação de felicidade que sentira agora há pouco ao ver o seu pokémon evoluir, conseguia agora apenas sentir medo, enquanto tentava estancar o sangramento na barriga de Emma, não conseguindo. Ao lado deles, o Whismur da garota tentava chamá-la para levantar, provavelmente sem entender a gravidade do ocorrido.

O professor Nutwood tentou correr para ajudar, mas cambaleou e quase caiu, sendo segurado por Leavanny. Gray e Konshe também saíram correndo para ajudar a menina.

As mãos de Natt estavam todas sujas de sangue quando os outros chegaram para ajudar, e ele apenas pôde colocá-las no rosto da garota, sujando-a também. Ele não sabia o que fazer, sentia-se como se a única coisa que podia fazer era ficar lá, olhando para os olhos dela.

- Me desculpe. - ela disse, enquanto Gray, Konshe e Alpha a levantavam para levá-la ao hospital. Natt foi o único que continuou parado no lugar, apenas olhando para a grande poça de sangue que ficara no lugar em que Emma caiu.



avatar
-Ice
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 03/02/2010

Frase pessoal : </∆>


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Rush em Sab 25 Mar 2017 - 16:47

Que coisa linda ver duas das minhas fics preferidas sendo atualizadas. <3

O capítulo ficou bem parecido com o anterior, que na minha opinião também foi curto, mas perfeito em relação do timing dos acontecimentos e pontes entre eles. Acho que se esse for o tamanho base dos capítulos, você vai conseguir fazer um trabalho impecável. Os capítulos estão completos, não está faltando nada neles.

Em geral, esse capítulo na minha opinião, foi aquela famosa expressão: Quando a merda bate no ventilador. Embora alguns acontecimentos mínimos tenham sido bons, e outros numa importância considerável (Descobrimos o paradeiro da Joia dos Sonhos, provavelmente a mãe de Beedle vai aceitá-lo de volta, BEEDLE EVOLUIU), ele continuou predominadamente triste. Juro, -Ice, não esperava que o capítulo fosse seguir um rumo tão... Pesado.

Peço desculpas se o comentário sair curto, mas você realmente conseguiu me deixar BEM chocado. Estou tentando imaginar o que está passando na mente de Natt nesse exato momento, como se ele fosse uma pessoa na vida real, e não um simples personagem. Fiquei muito mal pelo garoto.

Tenho que também comentar a cena do beijo. Eu honestamente não sei o que Natt esperava com aquilo. Ele estava suando, vermelho, ofegante, e Emma estava indo no caminho de ser presa... E mesmo se ela tivesse o beijado, o que aconteceria depois? Natt iria dizer o que estava acontecendo e ajudá-la a escapar? Eu acho que o garoto iria decidir o caminho que iria percorrer, fazer sua escolha, de acordo com as consequências daquela atitude.

Eu achei ela um pouco... Grossa? Não, não é a palavra. Não sei escolher uma palavra melhor, provavelmente "cusona", embora seja uma não tão ética para ser usada. E agora, fico EXTREMAMENTE TRISTE, porque não sei se o Natt iria ajudá-la se ela o beijasse, mas provavelmente teria sido sei lá... Bem linda a cena. Meio que deu pra transparecer toda a paixão que Natt estava sentindo pela menina, imaginando as possibilidades. Fugir com ela, embora tudo desse errado. Fugir com ela e até mesmo desistir de sua jornada, sei lá. EU TO MUITO FEELS ICE, PORQUE VOCÊ FEZ ISSO?

Não vou comentar essa cena final para não causar nenhum spoiler no comentário, porque isso pra mim... Foi a cena mais chocante da fic. Eu estou... Sem palavras, senhor -Ice.

A música me lembrou os jogos de TWD da telltale, por ser um estilo meio country do grande Bob, embora essa música seja um cover MUITO BEM FEITO.

Eu agora vou fumar um cigarro olhando uma paisagem bonita e filosofar em como uma história pode me deixar mal desse jeito.
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Slow em Dom 26 Mar 2017 - 12:16

Acho que vou ter que começar a revisar comentários também, não fez sentido nenhum aquilo. Eu quis dizer que achei que era o quinto dia (logo, você estaria cumprindo o cronograma) e depois me toquei que era o sexto dia.


Ice, Ice...


Talvez eu ainda estivesse considerando o Gray suspeito e olhando o TM como algo que... deixasse ele suspeito. De qualquer forma, acho que eu não imaginaria isso mesmo -q

Você soluciona um mistério, ou um "caso", criando outro, sei nem quantas vezes isso já aconteceu aqui. Sempre tem algo para que eu fique tentando descobrir. Acho difícil a polícia ser tão retardada a ponto de deixar um dos capangas, Landom ou Burnie se infiltrarem nesse curto período, então acho que veremos Coldy surgir agora. Só quero ver como ele escapa, pois acho que não vão deixar os 8 policiais suspeitos irem para casa tomar chá.

Embora Emma não tenha conseguido explicar tudo, acho que ela tem um motivo convincente. Se tivesse conseguido fugir teria falhado, pois ela que seria a maior suspeita e desviaria os olhos da (até então) dupla de foragidos. Hey, ela vai ficar bem, né? ;-;

Agora prevejo um Natt extremamente feels e sem vontade de fazer nada ou um Natt extremamente puto caçando os culpados, se é que ele pode. Enquanto ele seguia Emma, tudo o que eu pensava era "Natt, não seja burro, não faça nada estupido", com medo que ele avisasse sobre o que tinha lá em cima. Agora penso que, mesmo que ele ficasse ainda mais sujo na história, teria sido melhor.

É isso, até  tchau (o sorriso do gatinho disfarça as lágrimas pela Emma).
avatar
Slow
Membro
Membro

Masculino Idade : 17
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/01/2015

Frase pessoal : Don't go crying to your mama


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por -Ice em Qua 29 Mar 2017 - 22:32

Acharam que eu não ia cumprir o cronograma, logo eu? -q Esse capítulo foi foda de se escrever, logo eu precisei dar uns retoques pra ficar menos ruim antes de postar, e aqui estou eu! Antes de tudo, claro, vamos aos

Comentários:
Rush: Oe -q Na verdade, eu não diria que esse tamanho será o tamanho base dos capítulos, mas posso afirmar que eles terão essa média (tirando batalhas de ginásio e afins), pois eu quero acabar com algo que eu fazia na primeira temporada, que é deixar um capítulo pequeno para que ele possa terminar em um cliffhanger para o próximo capítulo, ao invés de juntar os dois e fazer um capítulo de tamanho médio. A segunda temporada ainda terão cliffhangers (do jeitinho que eu adoro), mas eles não serão tão covardes quanto na primeira, os capítulos agora serão completos, e funcionarão sem a necessidade de se ter lido o anterior.

SIM, hahah, nesse capítulo a merda bateu no ventilador como nunca tinha acontecido na fic (nem os dois capítulos do titã conseguiram trazer esse peso), fico feliz que tenha notado isso. A minha única preocupação ao escrevê-lo foi que acontecimentos como essa tragédia do final abafassem outros acontecimentos como a evolução de Beedle, mas creio que isso não tenha acontecido, e todos os eventos chave tiveram o seu espaço.

Na cena do beijo, eu tentei me imaginar no lugar no Natt para conseguir escrever direito, pois sempre há esse medo de os personagens ficarem artificiais demais, sem sentimentos como os nossos, então eu imaginei que, na cabeça em conflito do pescador, ele ia querer saber se a Emma também gostava dele antes que ela fosse presa ou algo do tipo, por isso o beijo (ou a tentativa dele). Como foi dito no começo da fanfic, quando Natt saiu de casa, o garoto é muito impulsivo, e geralmente age pelos sentimentos sem ouvir a razão, e isso faz com que ele faça coisas como tentar beijar uma garota todo suado e ofegante husahsu.

Eu nem pensei nos jogos de TWD (já joguei as duas primeiras temporadas, e estão no topo da minha lista de melhores jogos), mas agora que disse, lembrou mesmo, sempre no fim dos episódios tocava aquela musiquinha que sugava a sua alma te fazendo lembrar do personagem que morreu.

Bom Rush, obrigado pelo comentário, espero que continue acompanhando e gostando, até mais!!!

Slow: Eaeee Slow =P

Fala aí, essa do TM foi bem pensada, né? Hahah, brincadeiras a parte, desde o começo algumas coisas já estavam boladas, e por isso coloquei aquele mistério da parede queimada no comecinho da temporada anterior, e todos pensaram na Burnie e no Titã de Água, mas no final foi um Whismur -q Já percebeu que eu adoro esses mistérios, né? Praticamente todas as minhas fics tem esse "caso", já que eu sou um amante de Plot Twists (quando bem usados) e adoro ter pelo menos uns cinco em cada fic kkk

Sobre o tiro, você pareceu estar certo que o disparo foi feito por um dos líderes traidores ou pelos fugitivos, imaginando que só poderia ser o Coldy, né? Curti o raciocínio, me parece o tipo de coisa que eu faria, mas talvez a resposta não esteja tão facilmente acessível assim, meu amigo husahus. Ou talvez sim, quem sabe o que se passa na minha mente  Surprised

Realmente, com a Emma eu quis trabalhar a ambiguidade, uma garota que faz o errado com as intenções certas, logo suas explicações foram bem plausíveis, e acabaram se mostrando certas, né, afinal Burnign realmente escapou. Só nos resta saber qual será o destino da garota Nutwood, afinal, um crime ainda é um crime né, independente das justificativas.

Também fica como uma incógnita o que será de Natt, como será que o garoto reagirá ao ataque à Emma Nutwood, principalmente quando, como você disse, ele teve a chance de evitar. É isso, Slow, espero que continue acompanhando e gostando, até =P

Olá galera. Primeiramente, eu gostaria de pedir desculpas se o capítulo parecer chato, é que, depois do grande baque que foi os últimos dois, esse daqui pode parecer meio sem sal, por ser um capítulo de transição entre o que já aconteceu e o que vai acontecer, mas eu tentei ao máximo fugir disso. É só isso, não sei porque disse primeiramente.

Ajoelhado no sangue, Natt não sabia o que sentir. Ele achou que choraria, mas não estava com vontade de chorar. Ele não estava exatamente triste, estava… desanimado. Era como se nada disso tivesse acontecido, era estranho demais para ser verdade. Quanto mais pensava no que tinha acabado de acontecer, mais parecia difícil de acreditar. Depois de um tempo, Natt começou a ponderar se as lembranças que tinha do ocorrido realmente eram lembranças, ou apenas criações da mente dele.

Acontecera tão rápido… a adrenalina que seu corpo produzia era tão grande que agora, quando estava sozinho na cobertura do prédio, ele já não tinha mais certeza de nada. A parte que Emma Nutwood pedira desculpas, aquilo realmente aconteceu ou Natt simplesmente queria que tivesse acontecido, e aquilo fizera parte de um dos seus vários devaneios?

Ele temia estar ficando louco.

Ajoelhado no sangue, Natt conseguiu ouvir a sirene de uma ambulância lá em baixo. O grito abafado de todos revelava o desespero deles ao saber que Emma Nutwood tinha sido baleada.



Capítulo vinte e quatro:
Os piores dias

Dois dias tinham se passado desde o grande incidente.

Os oito policiais que acompanhavam a delegada Snow na cobertura da Ciatteil Corps foram entrevistados, um por um, assim como a delegada, e todos foram dados como inocentes até que se provasse o contrário. Não aguentando a pressão, alguns deles pediram as contas, o que fez com que a investigação em cima desses aumentasse.

Konshe foi o primeiro a sair da cidade. Após uma pequena investigação, apenas para ter certeza de que o líder, que estava no dia e na hora do disparo contra Emma, era inocente. Após provada a sua inocência, ele foi liberado para voltar ao ginásio de Knothole, desejando melhoras para a neta do professor, que ainda estava em estado crítico no hospital.

Gray, entretanto, decidira ficar na cidade. Após o acontecimento, ele não teve nenhuma oportunidade de trocar palavras com Natt, que esteve dormindo na casa de Carlie Cooper durante esses dias.

A garota e sua mãe, Ammelia Cooper, ficaram sabendo da tragédia pelo telejornal, que a noticiou minutos depois do tiro que foi ouvido de todo o centro da cidade. Após saberem disso, as duas deixaram Natt ficar na casa delas por uns dias.

Um dia depois da tragédia da Ciatteil Corps, logo pela manhã, o professor Nutwood apareceu na TV, apenas para avisar que sua neta não resistira, e que o enterro dela estaria aberto para todos, no dia seguinte.

No mesmo dia, foi noticiada a morte de um segurança no museu de Relical, assim como a fuga de Burnign da prisão da cidade, fazendo com que Alan Phaet fosse obrigado a voltar para o museu, deixando a Joia dos Sonhos com o professor, permitindo que Emma fosse enterrada junto com a gema.

Agora, Natt estava sentado do lado de fora da casa de Carlie, contemplando o amanhecer. Quanto mais o tempo passava, mais ele refletia sobre como poderia ter evitado a morte de Emma, simplesmente falando para a garota não entrar no prédio, ao contrário de convencê-la, como havia feito.

Ouviu a porta atrás dele abrindo, mas não olhou para trás. Ammelia Cooper caminhou até ele, sentando-se do seu lado no gramado.

- Você não vai comer, querido? - perguntou, mas Natt apenas negou com a cabeça - E que tal comprar umas roupas? Eu posso pagar por algumas.

Ele apenas abraçou suas pernas, apoiando o queixo nos joelhos, enquanto olhava para o nada. Sabia que estava com a mesma camiseta branca suja de sangue, mas não era como se aquilo importasse. Ele só queria voltar para casa agora, pescar um pouquinho no mar de Blue Coast sempre o ajudou nesses momentos.

- Pelo menos uma camiseta preta você precisa, para o velório. - comentou Ammelia, esperando não ter tocado em um assunto delicado.
- Eu não vou nisso. - respondeu o pescador, tentando não falar muito mas também não ser mal-educado com a mulher que o acolhera.


~//~


Natt voltava do shopping center com uma sacola em cada mão. Por onde passava, as pessoas apontavam para sua camiseta rasgada e manchada. Estava sem boné e sem jaqueta, Ammelia se oferecera para lavar os dois. Depois de uma dúzia de comentários, o garoto se escondeu em um beco, arrancando a camiseta e jogando-a na lixeira mais próxima. Em seguida, trajou a preta que a mãe de Carlie o tinha o persuadido a comprar.

Com a outra camiseta, ele conseguiu escapar dos olhares da maioria, jogando o cabelo negro rebelde para trás e passando a mão no rosto para tirar algumas manchas. Ninguém olhou para ele pelo resto do caminho, exceto por uma pessoa.

- Ei, garoto. - era um hippie sentado no chão de uma das praças da cidade. Ao seu lado, estava um pano esticado com alguns colares e correntes feitos a mão. Ele carregava uma câmera fotográfica. - Você é um treinador, certo?

Natt assentiu.

- Posso tirar uma foto sua com algum pokémon seu? - perguntou, educadamente - É um projeto que estou fazendo, quero mostrar o amor e a felicidade entre um treinador e um pokémon.
- Olha, eu estou meio correndo e…

O homem no chão apenas assentiu, devia já estar acostumado com desculpas. Aquilo fez com que Natt aceitasse a proposta, apenas para fazer algo de legal por alguém pra variar.

O hippie pediu para ele tirar o seu pokémon da pokébola. Ele pensou em tirar uma foto com Mikau, mas a relação que tinha com o Totodile não era exatamente de amor e felicidade, então tirou com Muddy. O pequeno Tympole deitou-se em seu ombro, sorrindo e contagiando o seu treinador com aquela felicidade, fazendo com que o pescador não conseguisse conter um sorriso também.

Após tirada a foto, o homem apenas mostrou-a para Natt, antes de a colar em um mural atrás dele onde tinha fotos de vários outros treinadores. Apesar de simples, aquele pequeno acontecimento fez com que o pescador conseguisse, ao menos, esboçar um sorriso enquanto voltava para a casa das Cooper, aproveitando para acariciar o seu pokémon, com quem não teve muito contato nos últimos dias.


~//~


- Estamos aqui hoje para honrar a morte de nossa querida Emma Victoria Nutwood, que morrera no trágico dia vinte e cinco de outubro de dois mil e treze, vítima de um acidente no topo da famosa Ciatteil Corps.

Natt não teve interesse em ouvir o resto do discurso do rapaz da funerária. Tudo parecia muito plástico, chamar um cara sem nenhuma relação com Emma apenas para ler um papel e depois fazer todos darem as mãos para rezar às divindades… O pescador começava a achar tudo aquilo patético.

A cada cinco minutos, alguém abordava o professor Nutwood, apenas para apertar a sua mão e dizer que sentia muito pela menina, o que parecia ser muito irritante, principalmente considerando que o professor tentava prestar atenção no que o cara da funerária dizia. Não parecia que os pesares de um desconhecido fosse ajudar no luto do professor. O pescador começava a questionar seu humor no dia, tudo parecia estar o irritando.

Depois de todo o procedimento padrão, houve o momento em que Pines e o professor levaram à urna funerária (que Natt conhecia apenas pelo nome popular de caixão) até o cemitério, onde houve o enterro, que foi outra cerimônia forçada e desnecessária.

Apesar de estar no meio de todos os outros trajados de preto, Natt não conseguia chorar como eles. Também não conseguia fingir chorar como algum deles. Apenas conseguia pensar em como os dias em que esteve em Ciatteil foram os piores dias.

Às vezes, ele também se odiava. Não conseguia entender como a morte de Emma perdera o significado tão rapidamente. Ele não estava mais triste, apenas estava bravo, por saber que poderia ter evitado, e ainda mais bravo ao lembrar que viu a menina morrendo na sua frente, e agora tudo isso era indiferente. Sua indiferença carregava um pouco de desânimo, como se ele precisasse apenas descansar um pouco e já estaria dez.

Sem que ele se percebesse, o funeral já tinha acabado. Todos iam embora, depois de dar os seus pesares ao professor, é claro, até que tinha menos de dez pessoas rodeando a lápide onde estava gravado “Neta e prima amada - Emma Nutwood”.

O coveiro estava para fechar o buraco, quando foi interrompido pelo professor.

- Com licença, mas nós vamos enterrar isso junto com ela.

Atrás dele, Pines levava ao buraco no solo uma caixa de plástico fechada.

- O que tem aí dentro? - perguntou o homem, voltando a tapar a abertura no solo.
- Algo que você não ia querer ver, e te garanto que não vale nada. - disse Pines.

O coveiro deu de ombros.

- Mais educação, garoto. - disse o professor, rispidamente.
- Mais educação? - Pines gritou - Emma está morta e a culpa é da sua falta de cuidado!

Ninguém presente disse nada, culpar outras pessoas era comum nos primeiros estágios do luto. Apenas alguns dos presentes ficaram incomodados e foram-se enquanto o rapaz continuava a berrar com o seu avô. Pines nunca tinha parecido tão acabado antes. Quando Natt o vira pela primeira vez, era um rapaz gordinho de jaleco e cabelos penteados para trás. Agora, era nítido o seu emagrecimento, o crescimento de alguns pelos faciais e cabelo desarrumado.

- Continue com o seu projeto Retype, mas eu estou fora!

O rapaz virou as costas para o professor, indo embora sem olhar para trás. Depois dele, Natt decidiu sair também.

- Ei, cara…

Antes de ter a chance de sair, o pescador olhou para o lado. Um rapaz loiro usando um terno preto olhava para ele. O cabelo de Gray parecia estar bem maior e descontrolado do que o do líder do restaurante nas semanas anteriores. Natt apenas virou as costas para ele.


~//~


- Você tem certeza que já vai?

Natt arrumava sua mochila para partir. Não que ele tivesse muita coisa para arrumar, mas estava na hora de ir, colocou de volta o seu boné e a sua jaqueta vermelha de pescador, não se esquecendo de dar um abraço apertado em Ammelia Cooper.

- Muito… obrigado! - disse ele, ao envolver a mulher com os braços. Se teve alguma coisa que tinha sido boa em sua estadia em Ciatteil, essa coisa foi Ammelia. A mulher foi como a mãe de Natt, e ele queria, no final, ter ficado por mais tempo com ela.

Junto com o pescador, Carlie também ia. A garota tinha que voltar para o seu trabalho em Knothole, e já estava ensaiando algumas desculpas pelo atraso enquanto caminhava para fora de casa junto com o amigo.

- Sabe, Carlie, foi bom te conhecer. - Natt sorriu, enquanto andava e olhava para frente. No final de tudo, apenas a menina continuou com ele - Admito que talvez eu chore um pouco quando nos separarmos.
- Sério?
- Não, eu tô exagerando. Mas vou sentir sua…

Antes que ele terminasse, seu celular começou a vibrar, era uma chamada de vídeo do professor Nutwood, que ele atendeu.

- Natt! - cumprimentou o professor. Ele parecia mais alegre do que no dia anterior, o que era ótimo - Então você já está partindo para Sparklage?
- Sim, prof. Estou no quadragésimo dia da minha jornada, já tá na hora de ganhar a segunda insígnia.
- Oi professor! - Carlie entrou na frente de Natt, acenando para o celular.
- Ah, Carlie, você também está aí! - disse Niels Nutwood, também cumprimentando a garota - Então talvez não tenha problema se você vier com o Natt fazer uma visitinha pra esse velho aqui, né?


~//~


Natt abria a sala do professor Nutwood, seguido por Carlie.

O lugar estava mais organizado do que da última vez, e por isso parecia maior. O dono da Ciatteil Corps estava lá, sentado em uma cadeira ao lado de sua Leavanny, que sorria simpaticamente para os visitantes.

Do nada, uma das pokébolas de Natt começou a balançar. Ele apertou o botão em seu centro, liberando um inseto flamejante. Ao contrário dos últimos encontros, ambos os pokémon puderam se conhecer melhor. O pescador ficou feliz por Beedle, que finalmente estava conseguindo se entender com a sua mãe, que parecia grata pelo heroísmo do Swadloon há três dias.

- Sim, professor? - perguntou.
- Achou mesmo que ia sair sem se despedir desse velho homem? - disse Niels Nutwood, abrindo os braços e envolvendo Natt e Carlie em um abraço - Sei que tivemos pouco tempo para nos conhecermos, mas adorei saber que acompanharam Em… minha neta.

Houve um silêncio constrangedor entre os três. O pescador pensou em perguntar como o professor ficara sabendo, mas preferiu não comentar nada.

- Bom, Natty, eu pensei em dar a você um luxo que poucos treinadores têm… - Nutwood encaminhou-se para um velho computador com um ultrapassado sistema de teletransporte de pokébolas - Bom, imagino que você vá querer mais do que apenas seis pokémon, então criei para você uma conta no meu sistema de armazenamento, assim você pode enviar seus pokémon para mim e pegá-los de volta sempre quando quiser!

O pescador caminhou para o aparelho, passando a mão na máquina. Ficou tão feliz que ignorou o apelido de garota que o professor deu para ele e apenas sorriu, tirando um pouco da poeira do computador com os dedos.

- Legal! Isso vai ajudar pra caramba!

Enquanto o menino se divertia olhando para a máquina empoeirada, o professor virou-se para Carlie.

- Bom, Carlie, já que está aqui, o que acha de ligar para Knothole e avisar que está voltando?
- Boa ideia, professor!

Após alguns minutos, os dois conseguiram ligar para o Day Care de Knothole pelo aparelho de telefone que o professor tinha. Na tela, apareceu o rosto de um homem calvo e de aparência mal-humorada.

- Sr. Richard! Sou eu, Carlie!
- Senhorita Cooper? - perguntou o velho, colocando um óculos e aproximando-se da tela do computador - Era pra você ter voltado há mais de duas semanas!
- É, eu sei, vacilo… - Carlie coçou as costas, envergonhada - Mas o ovo está entregue… quer dizer… mais ou menos.
- Mais ou menos?
- Ele meio que… se chocou no meio do caminho.

Estupefato, o velho se afastou da tela, com os olhos arregalados. Já Carlie fechou os seus, pronta para o sermão que ia levar. Nat e o professor Nutwood se entreolharam, sem dizer nada.

- Eu tô perdoada? - perguntou ela.

O chefe do Day-Care bufou.

- Você está demitida, garota! Venha pegar a sua papelada assim que possível! - e desligou.

Os três presentes na sala se entreolharam.

- Caramba… é o quinto… - disse Carlie - Parece que eu não pego o jeito pra coisa…

O professor se aproximou da garota, colocando a palma da mão no ombro dela.

- Ei, o que você acha de um estágio aqui na Ciatteil Corps? Pines se demitiu, então acho que preciso de alguém pra me ajudar com esse tipo de coisa e…
- Sim! - disse a menina, pulando e abraçando o professor, que apenas sorriu pela felicidade dela.

No canto da sala, Beedle e sua mãe ainda conversavam enquanto repetiam seus nomes em uma língua que só eles entendiam, ao mesmo tempo que Carlie ainda abraçava o professor Nutwood.

- Ah, e antes que eu me esqueça, Natt, tem uma surpresa pra você ali.

O velho apontou para uma porta, para a qual o pescador se dirigiu enquanto Carlie se desculpava por quase ter derrubado o professor no chão.

Ao abrir a porta, Natt se deparou com uma sala de espera, onde tinha alguém esperando por ele. Um rapaz alto e loiro, usando uma calça jeans e uma camisa branca sob um colete verde, substituindo o antigo terno da mesma cor que ele costumava usar.

Ele olhou para o professor, e então para Gray, e sorriu.

- Foi você? Você que falou pra ele me chamar?
- E você mordeu a isca. - Gray riu.

O pescador se sentou ao lado do ex cozinheiro.

- Por que você me ignorou, Natt?

O garoto sentiu algumas lágrimas quentes descerem pelo seu rosto, lembrando-se do verdadeiro motivo.

- Eu me declarei pra Emma, um pouco antes de… - ele soluçou - Ela disse que “preferia” você.
- Isso é ridículo, Natt… Ela estava nervosa.

O pescador se levantou, limpando os olhos.

- Me pareceu convincente… vocês dois até que dariam um belo casal. - Natt estava quase saindo da sala, quando Grayson levantou-se e o segurou.
- Olha, cara… - o loiro suspirou com os olhos fechados, como se escolhesse com cuidado o que ia falar - Eu meio que… sou gay, tá?

O pescador não conseguiu expressar nenhuma outra reação além de arquear as sobrancelhas, com os olhos igualmente arregalados.

- Você?
- Eu não costumo sair espalhando. - justificou-se - Os rapazes geralmente acham que eu vou dar em cima deles. Eu tinha medo que pensasse isso de mim.

Natt riu.

- Acho que minha auto-estima não está tão em cima assim ultimamente.
- Eu só não queria que nada atrapalhasse a nossa amizade. Ainda somos parceiros de viagem, certo, amigo?

Ele estendeu a mão, mas Natt ignorou a mão do rapaz, abraçando-o o mais forte que pôde. Oficialmente, aquele era o dia em que ele mais tinha dado abraços. Gray retribuiu o gesto, dando alguns tapas na costa do amigo.

- Então agora é Sparklage? - perguntou o pescador.
- Agora é Sparklage. - confirmou o cozinheiro.

O relógio do celular de Natt apitava quando dava exatamente meio dia, como se avisasse ao garoto que estava na hora de recomeçar a sua jornada a caminho da segunda insígnia.




A grande sala era escura, e os poucos fios de iluminação que recebia vinham da janela semiaberta, que mostravam um carpete vermelho no chão, e uma prateleira de madeira envernizada na parede forrada por um papel preto. O fio de luz batia diretamente em uma coroa dourada na prateleira.

Essa coroa parecia estar em um lugar especial, pois além de tudo estava guardada por um vidro em cima de uma pequena almofada amarela. O objeto extremamente dourado parecia comum, exceto pelo fato de que tinha seis cavidades redondas em sua superfície, como se houvesse algo para ser encaixado lá.

Uma das portas gigantes da sala se abriu, finalmente iluminando todo o lugar, mostrando mais dezenas, talvez centenas, de artefatos raros espalhados por prateleiras, pelo chão, teto e mesas. Tudo parecia incrivelmente caro.

Entraram duas pessoas na sala. Primeiro, como se fosse o anfitrião, um velho esguio. Era calvo, de modo que só tivesse cabelo nas laterais da cabeça, e tinha um grande nariz pontudo. Andava com o pescoço curvado, fazendo com que seu tronco parecesse um arco.

Atrás dele, um rapaz de cabelos negros, usando um avental de laboratório surrado com algumas manchas de sangue.

- Você vem de longe, Pines Nutwood - disse o velho com uma voz esganiçada - O que o fez me procurar?
- Espero que não comece com perguntas, senhor Lector. - disse Pines, rispidamente - Vim apenas me livrar de algo, e você é o lixão de Eyarn.
- Garanto que eu estaria bem ofendido se a sua oferenda não fosse algo de tanto valor.

O velho estendeu as mãos. Pines tirou do bolso algo redondo envolto por vários pedaços de flanela, mesmo que ainda fosse possível ver o brilho rosa que o objeto emitia. Lector suspirou de felicidade ao ver aquilo, estendendo a mão para pegar. Pines recuou, tirando o objeto do alcance do velho.

- Minha prima morreu por isso. - disse - Todos acham que isso está enterrado com ela, então é bom que não fique fazendo alarde por aí.
- Não precisa me dizer o que fazer, garoto.
- Só estou dizendo que… isso é perigoso, e eu só a quero longe de mim.

O velho riu.

- Sabe que isso custaria uma fortuna, não sabe? - perguntou, analisando o objeto na mão do rapaz.
- Espero que recebê-la de graça faça você calar o bico.

Pines jogou a Joia para cima, fazendo com que Lector quase escorregasse tentando pegá-la ainda no ar.

- Cuidado!

O neto do professor Nutwood apenas virou as costas.

- Não faça merda com isso, Colecionador.

Ao dizer isso, Pines saiu da sala, fechando a porta gigante pela qual tinha entrado, fazendo com que apenas um fio de luz vindo de uma fresta da janela continuasse iluminando a sala.

Esse fio de luz passava exatamente pelo rosto do Colecionador, mostrando um sorriso diabólico na cara do velho.




- Eu realmente não vejo graça nessa cidade, Rats.

Um garoto caminhava pelas ruas de Ciatteil, olhando para todos os lados. Tudo o que tinha na cidade eram carros, prédios e praças com fontes de pokémon de pedra, nada que pudesse ser interessante, nenhum ginásio, só alguns clubes de batalha vagabundos, um completo desperdício de espaço. O Rattata no ombro do rapaz concordava com a cabeça.

O plano dos dois era passar reto pela cidade, e assim chegar logo no próximo ginásio, que era o da cidade de Mountyore.

- Ei, treinador, qual é o seu nome?

O rapaz olhou para o lado, vendo um hippie sentado no chão com alguns brincos e colares feitos à mão, e uma câmera fotográfica pendurada no pescoço.

- Nico… Por que?

O hippie passou uns cinco minutos apenas explicando sobre o seu projeto de tirar fotos para mostrar o amor e a felicidade entre treinadores e pokémon. Nico apenas fingiu que entendeu e deixou o homem tirar uma foto dele com Rats.

Após revelada a foto, o hippie prendeu-a em um mural com várias outras fotos de treinadores com seus pokémon.

- Estou quase conseguindo encher isso. - disse o hippie, apontando para o mural. O garoto aproximou-se, olhando para a foto que foi tirada antes da sua. Um jovem de cabelos negros e rebeldes com um Tympole em seu ombro. Nico sorriu.


Continua
avatar
-Ice
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 03/02/2010

Frase pessoal : </∆>


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Rush em Qui 30 Mar 2017 - 17:49

-Ice!!

Fico bastante feliz que esteja seguindo o cronograma tão fielmente. Isso é melhor pra mim, pra ser honesto, pois tenho certeza de quando um capítulo será postado! *-*

Ao contrário do que você comentou sobre o próprio cap, eu gostei bastante e o achei BEM essencial na história. Ok, não teve ação, mas houve um trabalho impecável sobre os relacionamentos entre alguns personagens, que com certeza terão o conteúdo enriquecido. Eu gostei MUITO entre o relacionamento de amizade entre Grey e Natt, eles estão começando a ficar GRANDES AMIGOS mesmo, daqueles que é uma sorte imensa em ter.

Notei apenas um "erro", que foi mais um sinônimo indevido, logo no começo:

Os oito policiais que acompanhavam a delegada Snow na cobertura da Ciatteil Corps foram entrevistados, um por um, assim como a delegada, e todos foram dados como inocentes até que se provasse o contrário. Não aguentando a pressão, alguns deles pediram as contas, o que fez com que a investigação em cima desses aumentasse.

O correto seria "interrogado", para ter uma definição melhor descrita. Tirando isso, não notei nenhum erro gramatical, escrita linda como sempre.


O primeiro parágrafo sobre Natt foi algo MUITO... Não sei explicar. EU JÁ SENTI ISSO, e achei que SÓ EU tivesse tido essa impressão. Essa coisa chocante que é tão fora da rotina, que você acaba não crendo se foi verdade ou uma situação que você criou na cabeça ou apenas teve um pesadelo ruim com isso. Eu achei sensacional você conseguir ter descrito isso, e estou totalmente estupefato em compartilhar o sentimento com Natt, um personagem. Hahah! Isso o deixa muito mais humano, e com certeza um dos personagens mais desenvolvidos e explorados da área de Fics.

Eu fiquei MUITO chateado e surpreso ao ver que Emma faleceu. Achei que ela ficaria internada por alguns capítulos, melhorar, receber alta e ligar para Natt, dizendo que o ama e estava muito nervosa no momento. Infelizmente, isso nunca irá acontecer. ç.ç Isso aumentou o realismo do capítulo em nível catastróficos, não só por eliminar o protagonismo imortalista, como mostrar que nem sempre o amor - Ou forte atração, no caso uma paixão - não pode ser correspondido. Talvez seja tão platônico, que sua mente cria uma esperança e falsa certeza que daria certo, mas nós não podemos escolher quem irá gostar da gente. Infelizmente, Natt teve uma experiência muito mais traumatizante do que seria normalmente.

E falando em trauma, eu imagino a sequela emocional que isso irá causar nele. O capítulo mostrou que ele está um pouco... Fora de si, mesmo que de uma maneira sútil. Ele colocou a culpa nele mesmo, e acha que ele foi o verdadeiro "assassino", tudo por ele poder ter evitado tudo aquilo. Porra, Natt. Não foi sua culpa, cara. :/ Não tinha como você prever o futuro.

Eu SEMPRE SOUBE NO FUNDO QUE O GREY ERA HOMOSSEXUAL. Sério, ele é elegante demais para ser hétero. Eu já tive a impressão que ele estava tendo alguma coisa com Konshe, mas isso já não tenho certeza.

Agora a jornada se resume em Natt e Grey. Fico ansioso para o próximo capítulo cara. Infelizmente, ainda me sinto bem abalado com a perda de Emma. Ainda mais quando penso em Teddy, que é tão inocente que nem imagina o que aconteceu. ://

É isso, Ice. Adoro demais essa Fic. Aguardo o próximo capítulo ansiosamente.


Sei que é bem aleatório, mas o que acha em eu fazer uma fic sobre Dragon Ball?
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pokémon Project Retype

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum