Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Nós teremos o maior prazer em recebê-lo no fórum e se precisar de qualquer ajuda, temos muitos membros e nossa equipe para ajudá-lo! Lembrando que você pode postar sua fanfic, seus desenhos ou edição de imagens, seu vídeo-detonado ou gameplay, participar de um RPG, postar e ler notícias do mundo Pokémon, tirar todas as suas dúvidas sobre todos os jogos de Pokémon, comentar sobre o desenho do momento ou apenas jogar um papo fora. Além de fazer amigos!
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!

Astral Zero

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4

Ir em baixo

Re: Astral Zero

Mensagem por DarkZoroark em Ter 12 Abr 2016 - 9:08

@Rush escreveu:DZ!

Me perdoe pela demora do comentário... Para ser honesto eu havia desistido do fórum, mas alguns membros como você, o Bakujirou e o Dei acabaram me incentivando a ficar, então é isso. Se o fórum morrer não vai ser por falta de tentativas, pois não irei sair daqui. Heh.

Bem, focando no capítulo, tenho que dizer que esse foi o mais intenso já postado. A forma na qual o Zoroark deu conta do Regigigas foi algo assustadoramente épico, e me fez lembrar-me de Shadows of the Colossus, grande jogo de ps2. Não esperava que o titã fosse apanhar tanto sem causar dano em troca com tanta dificuldade como o que pude presenciar. Chego a aplaudir o Zoroark por suas habilidades de batalha, porque puta merda, ele merece.

Gostei também da conversa entre Taiyou e Valentina. Quer dizer que a Liguria realmente morreu? Ela foi apenas substituída por alguém tão talentosa quanto? Rapaz, eu achei isso dark pra caramba. Eu achava que ela havia sido ressucitada de uma forma bem zumbi amaldiçoada mesmo, sabe? Tipo sei lá, o provável Montanha do Game of Thrones, mas pelo visto é algo além. Eu não entendi qual é o desejo de Valentina, mas pro Taiyou ficar daquele jeito deve ser bem tenso. Não entendi mesmo, pois ela não havia realizado esse pedido no passado? Porque diabos isso de novo?

A cena da batalha com certeza foi uma das coisas mais épicas que eu já pude presenciar em muito tempo. Ainda não me conformo em como o Zoroark conseguiu fazer o Regigigas de bobo, dando uma surra nele enquanto o colosso não podia contra-atacar. De qualquer forma, o titã se vingou com aquela cena da perna... Cara que aflição de imaginar aquilo. Já vi gente colocando o osso no lugar quando ele se desloca, mas o osso QUEBRADO? Isso deve ser MUITO mas MUITO agonizante.

Ainda bem que a Silver Witch está lá com seu Gallade maroto para curar!

Ah, achei bem egoísta da parte da Valentina fazer o que ela fez com o Taiyou por curiosidade. Ok, ela foi comandada por alguém, mas ela deixou claro que só o fez porque também queria medir a força do rapaz. Aquilo poderia ter o matado, e se tivesse acontecido isso? Ela ia ficar de boa?

Enfim, a fic está frenética. Falta só mais um cap para a conclusão do volume e eu mal posso esperar para lê-lo. Quero ver o resultado dessa luta, que esta sendo absolutamente épica!

Eu aguardo ansiosamente o próximo capítulo DZ, um abraço! Até mais!

Rush o/
Nem se preocupe com a demora em comentar, visto que em geral eu também levo um tempo considerável  para escrever um capítulo. Fico feliz que não tenhas desistido do fórum. Somos dois que vamos ficar aqui o quanto der. Também me alegra saber que gostaste do capítulo. Então, para a batalha entre o Zoroark e o Regigigas eu me inspirei bastante tanto em Shadow of the Colossus quanto em algumas Boss Battles de Bayonetta. Eu levei bastante em conta a velocidade e as habilidades ilusórias do Zoroark durante a batalha, por isso a vantagem. Dá para considerar um confronto no estilo Davi e Golias, na falta de um exemplo melhor. Não sei como uma Liguria Aquallir impostora seja mais macabro que uma versão zumbi dela - embora uma versão zumbi seria 10x mais épico. Em relação ao pedido da Valentina, as dúvidas e a reação do Taiyou vieram do fato de que ele não se lembra do que ocorreu durante o período em que ela o teria feito. Tanto isso quanto a razão de ela ir atrás de um novo desejo serão explicadas mais para frente durante a história. Fico feliz que o resultado da batalha tenha sido tão bom assim. Eu empaquei uma ou duas vezes porque não sabia como desenvolver a cena, então fico feliz que tudo tenha fluído com naturalidade. A cena do osso quebrado eu me inspirei em um dos primeiros episódios de Gundam Wing. Quanto a Valentina ter feito o que fez apenas por curiosidade... Bem, ela é uma personagem que considera os próprios interesses acima de tudo. Ela tem um carinho e respeita o Taiyou, mas também preza o que pode aprender. Na mente dela, era impossível que ele fosse morto por alguém, digamos, "tão fraco" quanto um membro raso da Murders. Espero que gostes deste capítulo.




Capítulo XIII - Black Knight

Outrora tingido em laranja, o coliseu mais parecia uma pintura em preto em branco. Relâmpagos negros dançavam pelas arquibancadas, intercalados por uma esmagadora luminescência branca. Um sentimento conjunto de serenidade e apreensão preenchia o local. Um show bruxuleante e hipnotizante de luz e trevas. No epicentro da energia, Taiyou fitava distraidamente as costas de suas mãos. Ilustrados sobre elas residiam um par de círculos mágicos. Um era de tom ametista e representava uma meia-lua e uma estrela; o outro apresentava duas espadas entrecruzadas no centro de um anel azul-prateado. Símbolos antigos decoravam o contorno das ilustrações. Uma quantidade exorbitante de energia emanava no interior dos selos e percorria todo o seu corpo. A sensação era revigorante; cinco anos de poder mágico acumulado agora atravessavam cada uma de suas células. Dizer que estava surpreso era pouco. Sentia o olhar perplexo das garotas às suas costas. Também era capaz de ver de soslaio a combinação de uma expressão leve e sorriso arrogante presentes no semblante do Zoroark. Aquilo era o mais próximo de alívio que poderia esperar do vulpino sombrio. A muralha de chamas ilusória tornara-se fumaça por conta da falta de concentração do animal, mas Regigigas não avançou. Algo o deixara paralisado. Medo, apreensão, suspeita, cautela, cansaço... Não se importava nenhum pouco com o que seria, apenas com a reação. O colosso o reconheceu como ameaça; pouco provável que sua atenção voltasse às moças agora. Também confirmava suas suspeitas anteriores; era possível aniquilá-lo com suas Viralts. Não entendia a razão de subitamente voltar a ser capaz de conjurá-las, mas no momento era insignificante.  Com um sorriso estreito, cerrou os olhos e retesou os músculos de seus braços. Estendeu a mão direita primeiramente.