Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Nós teremos o maior prazer em recebê-lo no fórum e se precisar de qualquer ajuda, temos muitos membros e nossa equipe para ajudá-lo! Lembrando que você pode postar sua fanfic, seus desenhos ou edição de imagens, seu vídeo-detonado ou gameplay, participar de um RPG, postar e ler notícias do mundo Pokémon, tirar todas as suas dúvidas sobre todos os jogos de Pokémon, comentar sobre o desenho do momento ou apenas jogar um papo fora. Além de fazer amigos!
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!

Pokémon Legion

Ir em baixo

Pokémon Legion

Mensagem por The Magic Oz em Qui 23 Jan 2014 - 23:28


  • Nome da fanfic: Pokémon Legion.
  • Autor: The Magic Oz.
  • Faixa Etária: Acima de 12 anos.




O pequeno Connor


Uma multidão se reunião em volta de dois garotos que batalhavam intensamente enquanto a madrugada caia sobre a cidade. Havia muita pessoas formando um imenso circulo, o que dificultava a visibilidade de quem realmente estava interessado pela batalha, como era o caso de Connor que tentava subir no telhado de uma casa para assistir o evento incrível. Ele era apenas mais uma criança que era alucinada com pokémons, tinha apenas sete anos de idade e mal podia esperar para se formar na escola pokémon e assim partir em jornada por todas as regiões que se pudesse imaginar. Os gritos efervescentes da multidão só o deixava mais ansioso para tudo o que estaria por vir em sua vida. 

Já nervoso por não conseguir ver nada da batalha, apelou para uma tentativa meio arriscada. Vasculhou as paredes da casa mais próxima até encontrar um cano que pudesse leva-lo até o telhado e assim lhe dar visão de tudo. Logo agarrou o cano que servia para evacuar a água das chuvas que se acumulavam no telhado, e disparou a subir. Entrelaçando suas mãos entre os poucos centímetros da parede e o cano, foi aos poucos chegando aonde queria. Se ele tinha uma qualidade era aquela. O pequeno Connor Whity nunca desistia quando queria algo.


Quando chegou ao telhado pode finalmente ver a intensa batalha que acontecia logo abaixo. Dois treinadores distintos, um com um Charmeleon e outro com um Wartortle. O garoto poderia jurar que aquela era uma batalha típica de rivais. O lagarto avermelhado de porte médio tinha garras brancas reluzentes e seus olhos pareciam matar antes mesmo de atacar. Já a tartaruga azul, com aquele seu potente casco marrom, parecia preparada para qualquer coisa. Ambos já estavam batalhando a certo tempo, o que Connor podia perceber pelas feridas em seus corpos. Uma parte do casco do pokémon aquático estava lascado, e as garras do pokémon de fogo já estavam bem desgastadas.


- Charmeleon acabe com isso usando o lança chamas! - O treinador do lagarto avermelhado gritou com convicção para seu pokémon que astutamente obedeceu a ordem. Primeiramente as patas dele se fincaram no chão para que pudesse ter mais equilíbrio ao atacar, depois ergueu levemente a cabeça e finalmente a abaixou de forma que as chamas acertassem em um único golpe.


- Wartortle, jato d'água! - O outro treinador gritou para seu pokémon, que da mesma forma que o oponente, obedeceu mais do que imediatamente o comando. Fazendo praticamente a mesma sequência que seu inimigo, logo lançou uma poderosa rajada de água continua.


Connor estava encantado ao ver aquela batalha. Ele já tinha visto muitas outras, mas era sempre perceptível e claro quando dois treinadores batalham inteiramente com a alma. O garoto era jovem, entretanto era capaz de perceber coisas que somente treinadores de nível médio conseguiriam perceber. Dizem que no mundo pokémon existem dois tipos de pessoas: aquelas que nascem com o dom de saber, e aquelas que aprendem a ter o dom. Aquelas que já possuem o dom sempre se desenvolvem mais rápido e têm a tendencia a sempre se superar. Já as que aprende a usar o dom, geralmente tem mais dificuldades para se desenvolver e se conectar com os pokémons, mas possuem a capacidade de chegarem ao mesmo nível dos outros. Connor se encaixava nos que já nasceram com o dom.


Os pais sempre falaram que ele era um prodígio. Conseguia pensar rápido, entender rápido e descobrir rápido. Nada era impossível para ela, isso é, a menos que ele quisesse que não fosse. Tinha a capacidade de entender cada movimento de cada pokémon e a forma com a qual as pessoas os treinavam, isso o ajudava bastantes em certos momentos na escola pokémon, principalmente nos testes práticos.


Quando deu por si, o local da batalha já estava encoberto por uma névoa densa e que impossibilitava a visão de ambos os treinadores. Entretanto, da posição em que estava, ele era capaz de ver os dois pokémons que olhavam para os lados perdidos. Os treinadores estavam tão tensos com o evento inesperado que acabaram esquecendo de tentar reagir. Connor ficou apreensivo, quase louco para saber o final daquela batalha. Foi então que notou um leve sorriso no rosto do treinador do Wartortle... "É hora do final", Connor pensou.


- Vamos nessa! - O treinador da tartaruga azul gritou. - Use calda d'água! 


Charmeleon estava tão perdido entre a névoa que mal sabia como reagir, e muito menos seu treinador. Connor praticamente já sabia qual seria o resultado, o pokémon aquático ganharia em dois golpes. A tartaruga entrou para seu casco deixando apenas a calda para fora, e, rodopiando no chão, começou a ativar seu golpe. A calda d'água foi acompanhando seu giro o que dissipou a névoa e atingiu o oponente com tudo. O lagarto avermelhado caiu no chão quase que inconsciente, e antes mesmo que ele pudesse reagir Wartortle saltou em sua direção.


- Termine isso! - O seu treinador ordenou com toda a convicção. - Use o pulsação de água!


- Não dessa vez! - O outro treinador gritou determinado a não perder, mas Connor tinha quase certeza de que a vitória já tinha sido definida um movimento antes. - Charmeleon use o fúria do dragão!


Se tinha algo que o jovem Connor não esperava era um movimento tão suicida daqueles. Pela maneira que ele pensava, os golpes iriam se colidir, e, levando em consideração o nível do golpe usado por Charmeleon e o nível do golpe usado por Wartotle uma explosão fatal se formaria entre eles e o máximo que o treinador do pokémon de fogo conseguiria era um empate, isso caso tivesse sorte.


Quando o garoto assustou, um jato azul escuro saiu da boca do lagarto avermelhado, ele podia jurar que paria com um dragão saindo em fúria para se salvar. Os golpes, como imaginado, se colidiram, porém algo inesperado ocorreu. O fúria do dragão pegou mais força com a explosão e atingiu Wartortle, que mesmo se virando e se protegendo com seu casco, ficou inconsciente e gravemente ferido. Charmeleon ao ver o resultado da batalha se ergueu soberano e rugiu ferozmente enquanto o sangue escorria de suas feridas. Logo os treinadores convocaram seus pokémons para suas pokebolas e assim trocaram um aperto de mãos caloroso e afetivo. Por fim saíram juntos até o centro pokémon mais próximo. 


- Uau! - Connor não conseguiu segurar um som de admiração. De fato ele não esperava por aquele resultado. Por mais que ele conseguiu entender tudo o que se passava na em uma batalha ele quase nunca sentira o verdadeiro gosto de uma batalha, principalmente contra alguém que fosse como aquele treinador do Charmeleon... Alguém que pudesse fazer a batalha virar do avesso.


De uma coisa ele tinha certeza, as batalhas pokémon iam muito mais além do que ele imaginava. Ele ainda era jovem demais, o que poderia ser mais um empecilho que evitava aquela sensação fervorosa de uma batalha real. Tão jovem e cheio de preocupações consigo mesmo... Esse era o pequeno Connor. Logo depois de se por no lugar, decidiu voltar caminhando para casa. Logo na manhã seguinte começaria o semestre mais esperado por todos os alunos. As primeiras batalhas escolares!




♦♦♦

O pequeno Connor acordou com o barulho do Arcanine de seu irmão mais velho. Ao se levantar, logo vestiu o uniforme escolar. Uma blusa branco com uma espécie de águia desenhada em preto com várias formas irregulares, uma calça jeans preta e um tênis detalhado de vermelho. Se olhou no espelho e passou a mão nos cabelos castanhos os desalinhando completamente. Seus intensos olhos verdes pareciam cansados, afinal, custara a dormir na noite passada lembrando da batalha entre o Charmeleon e o Wartortle. Tentando não pensar muito naquelas ideias que insistiam em rodopiar sua mente, foi para fora do quarto.
Logo ao abrir a porta sentiu aquele cheio de ovos mexidos. Foi correndo para a cozinha e viu sua mãe preparando o café da manhã, mas o que mais chamou sua atenção não foi aquilo. Quase deu um pulo para trás ao ver o irmão mais velho, Carlile Whity, o atual líder da elite quatro de Kanto, bem ali sentado na mesa como se não fizesse mais de um dia que estivera fora de casa.
- Irmão! - Connor gritou em animação e correu para abraçar o homem que ele mais admirava em sua vida. - O que faz por aqui?
A semelhança entre os dois era quase evidente. A única diferente era a cor dos olhos, que diferentemente de Connor, Carlile tinha olhos azuis como o mar. Estava trajando seu coleto vinho sobre a blusa branca, as calças jeans pretas surradas, e o velho tênis marrom. Parecia o mesmo de sempre, porém era percebível as grandes diferenças psicológicas que sofrera nos últimos três anos. 
- Vim fazer uma visita, oras! - Carlile falou sarcástico. - Não posso mais vir aqui? 
- Não! Quer dizer, claro que pode, mas não foi nesse sentido que eu falei! - O caçula tentou se explicar. - Faz três anos que não te vejo cara-a-cara, e sem mais nem menos você aparece.
- Vamos, sente-se, Connor - a mãe ordenou. - Conversem enquanto tomam o café.
Depois de dar um beijo na testa de ambos os filhos, a senhora Whity saiu da cozinha e se sentou na sala para assistir TV, assim poderia deixar os filhos mais à vontade. Desde sempre Connor se apegara muito ao irmão mais velho, com isso sempre arrumavam um jeito de se entender. E acabaram também por desenvolver uma certa forma de conversar entre eles. Nada de linguagens diferentes, mas sim um jeito só deles de dialogarem.
- Para ser sincero - Carlile começou a falar -, eu queria ter voltado a mais tempo. Entretanto, quando assumi a liderança da elite de nossa região me deparei com problemas tão alarmantes que até você ficaria assustado ao ouvir... Mas de qualquer forma, mesmo com esse atraso, consegui um tempo para vir te ver, e além disso tenho umas coisinhas para resolver no Colégio Asa.
Connor ficou se perguntando o que tinha segurado o irmão mais velho por três anos inteiros, sera que eram problemas tão preocupantes assim? E, afinal, o que Carlile queria com a escola do pequeno Whity? Como já era de se esperar o caçula se mergulhou naquele mar de perguntas e questionamentos que sempre o faziam pensar melhor antes de dizer certas coisas e de tomar certas atitudes.
-  Bem - o pequenino finalmente começou a dizer algo -, por que não vem comigo até a escola? Tenho meu primeiro teste prático e gostaria muito que você assistisse.
- Não é má ideia - Carlile confessou. - Porém tenho tenho que ir até o líder daqui e lhe perguntar algumas coisas... Se não me engano é o Kaios, correto?
- Perfeitamente... Ele mesmo.
O líder da elite cochou a barba que estava por fazer. Seu olhar era pensativo e distante o que só deixava o caçula mais alarmado. Mesmo assim o dia prometeria muitas coisas, principalmente o teste prático que seria realizado no Colégio Asa. Pelo o que parecia as turmas competiriam entre si, para fazer algo mais amigável e até mesmo com mais rivalidade. Connor estava bastante ansioso e não podia mentir quando dizia que queria muito ter o irmão lá para assisti-lo.
Logo que acabaram de tomar o café da manhã delicioso. Acabaram de se arrumar para irem a seus destinos. Despiram da mãe quase que ao mesmo tempo, e ela sorridente, continuo assistindo o super festival de Sinnoh que estava acontecendo ao vivo naquele momento. Passaram pelo Arcanine de Carlile que teve que ficar em casa nos últimos anos, pois teve uma ferida muito grave e não poderia retornar a batalhas em tão pouco tempo. Connor sempre cuidava dele com muito amor, mas mesmo assim não era a mesma coisa do que ter seu próprio pokémon.
- Eu irei até o ginásio, depois passarei pelo Colégio - o irmão começou a explicar -, talvez de tempo de assistir seu teste.
- Tudo bem! - Connor confirmou alegremente. - Espero por você...
Assim ambos seguiram para caminhos distintos. Connor foi para o Colégio Asa, e Carlile para o ginásio de Saffron...




Nota do Autor:
Olá meus caros amigos do PM! Este é meu primeiro trabalho aqui e espero que gostem bastante. Sei que a fanfic não começou lá muito animada, e tenho certeza que muitos de vocês já imaginaram mil e uma hipoteses para o futuro da história. Entretanto só digo uma coisa: vou surpreender vocês! Faria muitas batalhas eletrizantes, terá um ótimo mistério, coisas mais realistas do que o normal em pokémon... E uma aventura que, pelo menos no que eu sei, não tinha sido feita antes... Comentem bastante, critiquem e espero contar com vocês!
Ass: Oz!
avatar
The Magic Oz
Membro
Membro

Masculino Idade : 28
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 17/12/2013


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum