Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Nós teremos o maior prazer em recebê-lo no fórum e se precisar de qualquer ajuda, temos muitos membros e nossa equipe para ajudá-lo! Lembrando que você pode postar sua fanfic, seus desenhos ou edição de imagens, seu vídeo-detonado ou gameplay, participar de um RPG, postar e ler notícias do mundo Pokémon, tirar todas as suas dúvidas sobre todos os jogos de Pokémon, comentar sobre o desenho do momento ou apenas jogar um papo fora. Além de fazer amigos!
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!

Rex

Ir em baixo

Rex

Mensagem por Joeh em Qui 4 Abr 2013 - 21:56

Sobre.
Acho que, algo inovador seria inovador (para mim). A minha primeira FanFic foi cancelada, sim, porém, vi que a história estava se repetindo. Nessa vou continuar, porque já fiz minha base. Espero que gostem.

#00 - Combustão [Prólogo].
Fim de tarde. Na região de Blackwood relampejava, estava frio, nublado, chuvendo. Tudo o que se podia ver em meio ao vão era uma pequena chama de uma lamparina, fraca, quase inexistente. Ante à ela, ouviam-se passos, passos fortes e rápidos, como os de um cavalo. Sobre tal, montava um pequeno rapaz, que voltava de sua última viagem, à pedidos comerciais paternos. À frente estava uma pequena cidade, provavelmente, a única coisa que se podia ver, porém, apenas porque parecia uma enorme fogueira.
Chegando à entrada, desmontou, e, correndo, foi em direção à sua casa. Durante, apenas se ouvia gritos de agonia, choros ecoando por seus ouvidos, relinchos e mugidos dos gados. Via-se apenas pessoas, pessoas mortas, machucadas, dilaceradas. Se questionava onde estava a esperança, onde estava a felicidade que, normalmente, se imperava naquele local. Quem teria tamanha crueldade, e, em quantos seriam para tamanha devastação?
Sem perceber, seu rosto estava molhado... de lágrimas. Ele se sentia responsável por tudo, talvez porque não pudera estar lá para salvá-los. Foi ficando cada vez mais fraco, sem energia, o fogo o causava imenso calor, estava suado. Sua última lembrança foi a de um relâmpago e, depois, mais nada. Caiu ao chão, desmaiado, em som oco.

Sim, sei que foi pequeno, mas, maior que isso não deu, tentei. Espero que gostem.


Última edição por Troppher em Sex 5 Abr 2013 - 13:29, editado 1 vez(es)
avatar
Joeh
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 25/12/2012

Frase pessoal : Deserved.


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por laser queer em Qui 4 Abr 2013 - 22:38

Por mais que pequeno, o prólogo foi muito satisfatório. Sua escrita é perfeita, parabéns, não peca em nada. A história mínima narrada foi muito gostosa de ler, e a narração do cenário me lembrou um pouco Senhor dos Anéis, na parte em que o Frodo e amigos vão à aquela instalação, por mais que não tenha nada a ver. E claro, como a maioria, deixou um ar misterioso. Não tenho muito o que falar, só gostei.
Boa sorte aí. ;s
avatar
laser queer
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 16/12/2011

Frase pessoal : Freeze? I'm a robot, not a refrigerator.


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por jujuba em Sex 5 Abr 2013 - 19:47

Pequeno, porém, grande em questão de estória, gostei, amo faroeste!, você tem futuro para esta fic!
avatar
jujuba
Membro
Membro

Masculino Idade : 16
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 03/02/2013

Frase pessoal : kkk q isso victor


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por Joeh em Sab 6 Abr 2013 - 15:59

Comemtários escreveu:Date: Heh, obrigado, mas, não sou muito fã de SdA, então não lembro que cena é essa. -q
Elazul: Obrigado².

#01 - Nasce aqui um amaldiçoado.
Já era dia, o fogo havia cessado e, aos poucos, seus olhos foram se abrindo, porém, apenas enxergava embaçado. Tudo o que via eram vultos, vultos rápidos, com pressa, passando em sua frente, carregando outros vultos. Seriam aqueles os saqueadores? Seus braços e pernas doíam muito. De repente, sentiu alguém bater em seus rosto, com fortes tapas.

- Ei, você aí, vagabundo. Acorde! - dizia, ao berros. - Talvez você possa me dizer o que há de bom para se roubar por aqui, porque, mesmo depois de queimarmos tudo, não achamos nada descente.

Abriu então completamente seus olhos. Pode ver que aquele era um homem, e os vultos eram seus capangas carregando o que sobrara da destruição. Olhou para seus membros doloridos e percebeu que ambos estavam amarrados em duas pilastras de madeira. Seu peito então começara a arder, aquele patife havia queimado tudo e todos e, no final, ainda tratar com desprezo tudo o que ele amava? O ódio lhe subiu a cabeça e, com todas as suas forças, tentou se libertar das amarras. Aqueles apenas riam e riam, debochando, falando que todo esforço era inútil. Levantou-se então, e, provocando, cuspiu na cara do "comandante".

- Ora, ora, ora. É só isso que pode fazer a mim? - falava enquanto enxugava seu rosto. - Homens, segurem-no.

De uma pequena maleta, o chefe tirou um chicote. Por horas, Rex fora torturado e, para não se deixar levar, nem ao menos soltou um gemido, uma lágrima. Apenas... aguentou. Apenas quando a mão do "carrasco" estava com calos, desamarram-no, vendaram seus olhos e carregaram-no até algo, em que disseram ser uma carroça. Três deles ficaram na sua vigia e, sem mais nada a poder fazer, adormeceu.
Antes que pudessem lhe bater de novo, acordou quando sentiu que havia parado. Um dos três o pôs nas costas e seguiu rumo à algo inclinado, pelo que parecia. No final, libertaram-no de tudo o que lhe prendia, e, à sua frente, viu quatro pessoas. Começou então a chorar. Aquelas quatro pessoas eram sua família e todos eles seguravam algo: sua própria cabeça.

- Rex, Rex, Rex... Mesmo sendo novo, você é um homem corajoso. Viajando por terras desconhecidas apenas por negócios miseráveis. - dissera para ele, com expressão de pensamento. - Para morrer digno do que foi na vida, rap... - Foi interrompido com um tiro, que acertou, em cheio, seu braço. Tal vinha de Rex, que, sem perceberem, havia roubado a pistola de um dos "guardas".

Sem pensar em consequências, se jogou colina à baixo. Se contorceu todo, ficando em forma de "bola". Enquanto descia, ouvia tiros e mais tiros à suas costas, além de berros xingando-o. Por sorte, conseguiu chegar à planície vivo, porém, exausto, não conseguia correr, estava com medo de ser apanhado. Ao longe, avistou um acampamento de camponeses e, usando seu último resquício de força, gritou "Socorro", e, novamente, caiu ao chão.

Esse capítulo foi bem maior que o outro, e era o que eu queria fazer. Este é sobre sua fuga, apenas achei um pouco complicado de pensar na parte da colina.
avatar
Joeh
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 25/12/2012

Frase pessoal : Deserved.


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por laser queer em Qui 18 Abr 2013 - 17:25

Ok, não sei bem por que não comentei antes.

Bom, digo o mesmo que o primeiro comentário. Capítulo objetivo, mas cheio de conteúdo, e ainda sem se perder na narração. Acho que essa é uma das coisas mais difíceis de se fazer, principalmente por que é muito fácil de deixar a narração bastante confusa. E, parabéns, você domina essa técnica.

O Rex é tipo um Matrix, só que mais hardcore. A fuga, por mais que um pouco exagerada (ah, foi sim, temos que admitir u.u) ficou bem legal e tudo mais.

Espero que não abandone a fic e tal. Boa sorte. :3
avatar
laser queer
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 16/12/2011

Frase pessoal : Freeze? I'm a robot, not a refrigerator.


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por Joeh em Sab 4 Maio 2013 - 22:24

Comentários escreveu:Malvo: Obrigado. Tento focar ao máximo na narração, pois é isso que deixa a história compreensível.
Deve ser, mesmo, hue. Se fosse moderno, ele podia usar umas capas pretas, gel e óculos, qq. E a fuga tinha que ser um pouco pra caracterizar o ambiente típico de montanhas...
E, demorei um pouco para postar o segundo capítulo, mas, tá ai. Valeu.

#02 - O acampamento dos refugiados.
Acordou repentinamente, desnorteado. Tentando se localizar, olhou para os lados e viu aquele mesmo grupo de camponeses, só que agora, armados. Porém, não estavam contra ele, estavam lutando para salvá-lo daqueles capangas do comandante. Já ferido, se esforçou para se mover para fora da batalha, até que um dos camponeses veio lhe ajudar. Tinha aparência velha, trajes rasgados e empunhava uma lança de madeira com ponta de ferro. Olhando-o, escutou:

- Acalme-se, meu jovem. Você não irá morrer. - disse o senhor, apontando para uma pequena cabana rústica, com crianças e mulheres.
Calmo e, agora, com mais esperanças, conseguiu se levantar e andar em direção à cabana. Ninguém o seguia, todos os que tentavam eram atacados por um pequeno grupo.

Duas crianças, sem permissão materna, vieram correndo na direção do agora pistoleiro e o apoiaram até a "casa". Lá dentro, notou que haviam poucas pessoas, algumas machucadas, assim como ele. Rex gemia enquanto apertava o ferimento. Logo, uma mulher, que se auto-denominou Madalena, deu ordem para sentarem-no em uma das únicas poltronas de lá. A mesma, alguns instantes depois, veio e lhe pôs um pano na testa e curativos no sangramento. Imobilizado, não pode fazer nada além de ficar sentado, torcendo junto com os outros para que o comandante fosse derrotado. Apenas observava aquele lugar. Via que seu estoque de comida e bebida eram escassos, tirando que não tinham armas de fogo. Estavam vulneráveis.
Algum tempo depois, ouve-se um grito proclamando "Vitória!". Intrigados, rapidamente olham para fora, onde veem o capitão e seus homens recuando, rumo à montanha. Os camponeses permaneceram neutros... sua glória não era algo para se comemorar naquele momento. Homens, bons homens morreram naquele confronto. Em prol, jogaram suas armas no chão, agacharam-se e fizeram silêncio por um tempo, até que um deles se levantou e foi em direção à cabana, chorando. Abriu a porta e duas meninas vieram em sua direção. Abraçaram-se e, olhando para o pai, disseram:

- Papai, a mamãe estaria muito orgulhosa de você, agora.

Pouco a pouco, todos aqueles antes lutadores, voltaram para à cabana, agora, pais de família ou viúvos, machucados, alguns carregados por outros. Todos se cumprimentavam, comentavam, riam, choravam, até que voltaram seu pensamento para Rex. Estavam com dúvida de quem seria aquele "forasteiro", se seria contra ou com eles. O líder, que se diferenciava por usar uma bandana vermelha, aproximou-se da poltrona e perguntou:

- Quem é você? - disse, olhando sério.
- R-Rex.

Se entreolharam. Ninguém o conhecia.

- O que quer por estas bandas, forasteiro?
- Minha cidade, minha família... todos mortos, queimados, por estes mesmos que vos atacaram, senhores. Me pegaram também, mas, pelos deuses, consegui escapar.

As lágrimas voltaram aos seus olhos, a emoção voltou aos seus peitos. Um deles, se aproximando de Rex, disse:

- Nós somos refugiados, meu amigo. Nossas casas, nossos animais, nossas plantações, tudo e todos foram queimados, também. Conseguimos escapar pois já estávamos fora da cidade quando houve o ataque. Este mesmo desgraçado que te atacou nos atacou, e esse foi o único motivo de te protegermos. Desde aquele dia, nós temos treinado apenas para matar este homem e fazê-lo sofrer o mesmo quanto nós. Meu nome é Marcos, e não pense que só porque te acolhemos, somos seus amigos. A partir de agora, você, forasteiro, vai nos ajudar. Você nos deve sua vida. - cochichou, com olhar de ódio.

Rex apenas concordou, temendo pela vida. Era apenas um jovem com sorte de ter escapado vivo daquilo tudo, tinha de obedecer.
Já estava de noite quando tudo acabou. Todos se ajeitaram em fileiras dentro da cabana, viraram-se e dormiram, alternando entre vigias de uma em uma hora. Para de manhã, Rex precisava fazer muitas coisas se realmente quisesse ter sua vingança.

É isso. Parece grande apenas pelo espaço que o Nightmare sugeriu entre as falas. Valeu e... comentem aí. Very Happy


Última edição por Tropp em Dom 5 Maio 2013 - 15:36, editado 1 vez(es)
avatar
Joeh
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 25/12/2012

Frase pessoal : Deserved.


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por Nightmare em Dom 5 Maio 2013 - 15:33

Olá, tudo bem?
Como o capitulo anterior, gostei muito deste novo, porém eu tive um pouco de dificuldade de ler pelo fato de ter deixado falas e narrações muito coladas umas com as outras, deixe um espaço entre elas para facilitar a leitura de outros leitores, mas isso é o de menos, o capitulo em si está ótimo, curto mas com um conteúdo muito bom, continue assim!

Boa sorte com a fic.
avatar
Nightmare
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 28/04/2013


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por Black~ em Dom 5 Maio 2013 - 22:16

Bom, vamos lá.

Sua fic é boa, gosto de histórias de faroeste e essa não está me decepcionando, o cara querer vingança e tudo mais.

Bom, porém uma coisa que considerei como um "problema" foi o final do capítulo 01, sei lá, ele ficou muito irreal e também não deu pra entender muito bem, acho que poderia ter descrito melhor. Ai o capítulo 02 já começou de uma maneira "tosca", mas enfim.

Esses camponeses também são bem "malignos", parecem que vão explorar o Rex, coitado -q. Mas eu quero ver essa vingança deles com esse cara, e também gostaria de mais detalhes sobre esse cara, pois ficou meio sem detalhes, mas enfim.

Erros eu não vi nenhum, se vi, foi um ou outro bem bobinho, nada de mais. Uma coisa que não considero bem como um erro, mas senti que você não descreveu os personagens, nem colocou imagens, ou seja, dá uma impressão vaga sobre o personagem, sem sabermos como ele é e tudo mais, mas enfim.

Quero ver o que vai acontecer com eles nos próximos capítulos.

Creio que seja só isso e boa sorte com a fic.
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por Joeh em Qui 9 Maio 2013 - 13:54

Respostas:
@Nightmare escreveu:Olá, tudo bem?
Como o capitulo anterior, gostei muito deste novo, porém eu tive um pouco de dificuldade de ler pelo fato de ter deixado falas e narrações muito coladas umas com as outras, deixe um espaço entre elas para facilitar a leitura de outros leitores, mas isso é o de menos, o capitulo em si está ótimo, curto mas com um conteúdo muito bom, continue assim!

Boa sorte com a fic.

Heh, valeu. Eu ajeitei lá quando você falou, também pus "créditos" nos comentários finais.

@Black~ escreveu:Bom, vamos lá.

Sua fic é boa, gosto de histórias de faroeste e essa não está me decepcionando, o cara querer vingança e tudo mais.

Bom, porém uma coisa que considerei como um "problema" foi o final do capítulo 01, sei lá, ele ficou muito irreal e também não deu pra entender muito bem, acho que poderia ter descrito melhor. Ai o capítulo 02 já começou de uma maneira "tosca", mas enfim.

Esses camponeses também são bem "malignos", parecem que vão explorar o Rex, coitado -q. Mas eu quero ver essa vingança deles com esse cara, e também gostaria de mais detalhes sobre esse cara, pois ficou meio sem detalhes, mas enfim.

Erros eu não vi nenhum, se vi, foi um ou outro bem bobinho, nada de mais. Uma coisa que não considero bem como um erro, mas senti que você não descreveu os personagens, nem colocou imagens, ou seja, dá uma impressão vaga sobre o personagem, sem sabermos como ele é e tudo mais, mas enfim.

Quero ver o que vai acontecer com eles nos próximos capítulos.

Creio que seja só isso e boa sorte com a fic.

Obrigado, Black. Bom, eu fiz um "desenho" no Paint pra ver se você entendia melhor:
Spoiler:

Bom, brincadeiras a parte, eu não achei um jeito melhor de descrever o que eu queria... Também não pensei que isso fosse interferir no outro capítulo. E o objetivo era esse mesmo, deixá-los assim para descrição futura, você verá nesse novo capítulo.
Capítulo #03
O forte da fonte

Já era de manhã. Os raios do sol penetravam pela janela - sem cortina - como um tiro. Rex estava se debatendo no chão, gemendo baixinho, suando frio. Em sua mente, sua alma vivia toda sua história de novo e de novo. Acordou repentinamente. Voltava finalmente a seu estado sã. Todos, já acordados, se assustaram, porém, não deram atenção. Percebeu que estavam com um mapa na mão, logo foi chamado para se juntar à eles. Foi se levantando aos poucos. Sua visão estava normal, não mais embaçada como antes. Pode ver que todos eles usavam as mesmas roupas simples, de pano velhos e sujos, rasgados. Alguns usavam chapéus, outros um cinto junto à calça. As mulheres com seus vestidos do mesmo tecido, as crianças não ficavam mais atrás. Tentando ser sutil, não comentou nada. Apenas se aproximou e viu que o suposto mapa em que olhavam era de um forte. Forte Bennington.

- O que é isso, senhor? - perguntara, demonstrando respeito.
- Forte Bennington, meu jovem. Sabe este medíocre do capitão? Sua base é lá. Porém, ela está desprotegida estes dias, levando em conta que ele está fora dela. - respondeu - Um dos soldados deixou cair e recolhemos após a batalha. Não nos serve de nada.
- Espere! - exclamou - Vamos para este forte, o que acha? Está desprotegido e, por ser uma base, talvez tenha suprimentos, armas e até algumas armas de fogo.
- O quê? Está louco, rapaz? É um forte, acima de tudo. Mesmo estando desprotegido, deve ter alguns soldados lá ainda. Nós somos poucos. Os homens são meus e você não vai levar nenhum deles!

Abaixou a cabeça e, com um ar de "com licença", pegou o mapa, botou suas roupas semi-estilhaçadas, sua velha pistola com algumas balas e seguiu seu rumo.

- Não me esperem. Talvez eu não volte, ou não queira. Se alguém quiser vir comigo, venha.

Neste momento, um jovem, pouco menor que Rex, se levantou também. Rex, porém, não demonstrou nada. Apenas o olhou enquanto pegava duas espadas e alguns milhos.

- Levem dois cavalos... Aqueles homens fugiram e deixaram-nos os seus. Temos de sobra por agora.

Saíram da pequena cabana, colocaram as celas em dois dos animais, montaram e seguiram viajem. Olhando para o seu atual guia, perceberam que não era tão longe dali. Talvez fosse um dos motivos para que fora levado para lá.
Durante, os dois não falaram nenhuma palavra, até que surgiu a pergunta:

- Por que decidiu vir comigo? - perguntou, intrigado.
- O nosso "chefe" é meu pai. Ele sempre gosta de superestimar as pessoas, achando que ninguém além dele é capaz de nada. Sempre quis mostrar para ele que estava errado. Aquilo não é certo. Minha primeira oportunidade foi essa, e te agradeço muito, Rex.

Nenhuma palavra mais foi solta, até que pararam. Lá estava ele. Um lugar velho, com paredes quebradas, rodeado por uma vegetação rasteira. Realmente, lá não haviam muitas pessoas guardando-no, apenas, no máximo, uns doze soldados, todos com a mesma vestimenta que se lembrara segundos atrás: roupas azuis com um cinto e botas de couro. Desceram do cavalo e os espantaram para que não fossem notados antes do previsto. Observaram o forte por um tempo, até que discutiram sobre o plano, escondidos.
Foram juntos pelo lado direito, agachados, "raspando" na parede. Como esperado, um dos lugares havia pólvora e, no teto, alguns vigias. Adentraram ao lugar e, com duas pedras, bateram-nas até que as faíscas virassem fogo. Acenderam. Largaram-nas ali mesmo e saíram correndo. Pronto. Estava feito. Três vigias tinham ido embora naquela explosão. O lugar todo ficou em alerta, sem dúvida, estavam sendo atacados. Trataram logo de pegar seus armamentos, enquanto, aos berros, discutiam:

- Seu imbecil, não é para entrar na sala do chefe! - dizia o suposto líder, que se diferenciava pela cor vermelha nas vestimentas.
- Mas apenas lá temos pistolas! - insistia o outro capanga.
- Não me faça repetir, ora!

Se conformando, todos se espalharam. Antes que pudessem chegar nas suas respectivas posições de "defesa", Rex tratou logo de atirar. Foram seis tiros, ambos em cheio. Agora, sobravam apenas três. O outro menino, empunhando duas espadas, tampou-as em dois "soldados comuns". Agora, só sobrou o "principal", o mais importante da cena. Com cautela e passos firmes, se aproximaram dele. À medida que chegavam perto, ele ia se ajoelhando e largando sua arma no chão. Quando estavam frente a frente, revistaram-no, estava limpo. Trataram logo de ir para o interrogatório:

- Quem é seu chefe e onde ele está? - perguntou Rex.
- Crianças tolas. Acham mesmo que vou lhes contar? Não tenho medo de vocês! - respondeu, em tom de deboche.
- Tudo bem, vamos fazer do seu jeito. - tirou novamente a pistola do cinto e mirou-a na cabeça do homem - Quem é seu chefe e onde ele está?
- E-ei, calma aí, moleque. - estava nervoso, suava intensamente - O nome dele é M-martinez. Ele saiu faz a-alguns dias, disse que ia saquear mais cidades.

A mão do pistoleiro se espremia a cada palavra, enquanto o capanga de encolhia de medo. Finalmente, tomou coragem e apertou o gatilho. *Tek*

- Heh, parece que é seu dia de sorte. Está descarregada. Agora, vá passando as chaves deste lugar. - falava enquanto ria.

Sem hesitar, foi logo tirando o molho de chaves do bolso e entregando para eles. Segundos após entregar, foi nocauteado com um chute e deixado ali mesmo, no chão. Calmos, se dirigiram para a "sala principal". Abriram-na e, como esperado, havia algumas pistolas, dois rifles, munição e suprimentos, além de algumas cordas. Trataram logo de reunir recipientes e colocaram tudo o que podiam lá dentro, levando as pistolas e os rifles consigo mesmos. Pegaram os cavalos e amarram-nos neles. Montaram e seguiram viajem, voltando para a cabana.

- Aliás, qual seu nome, garoto?
- Billy, senhor. E o seu?
- Prazer, Rex.
avatar
Joeh
Membro
Membro

Masculino Idade : 18
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 25/12/2012

Frase pessoal : Deserved.


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por Black~ em Qua 15 Maio 2013 - 20:51

Bom, vamos lá.

Capítulo interessante, porém dava pra melhorar bastante nele. O Rex indo até lá na outra cabana do "time inimigo" foi bem interessante, porém digamos que você não deu a devida descrição/narração das coisas.

Por exemplo a parte que o chefe (?) da gangue do Rex diz sobre a cabana do outro time. Tipo, a sua narração deu a entender que era uma base dessa mesma equipe. E também tipo, as coisas foram muito rápidas. O cara acaba de sair, depois já ta na base oponente e tals. Sei lá, tenha mais cuidado com essas coisas.

Uma coisa que eu achei sem sentido, foi o chefão mandar o seu soldado mais inexperiente pra ver o que tinha lá. Sendo que poderia ter vários tipos de perigos. Mas como o Rex é o bonzão conseguiu se virar com 12 caras '-', mas enfim.

Erros não vi, apenas como já disse, a narração ficou "fraca". Só tenho isso a dizer. Boa sorte com a fic.


Black: Fanfic trancada a pedido do autor. Caso queira reabri-la mande uma MP a qualquer FFM.
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rex

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum