Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Por favor, não perca mais tempo, inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Nós teremos o maior prazer em recebê-lo no fórum e se precisar de qualquer ajuda, temos muitos membros e nossa equipe para ajudá-lo! Lembrando que você pode postar sua fanfic, seus desenhos ou edição de imagens, seu vídeo-detonado ou gameplay, participar de um RPG, postar e ler notícias do mundo Pokémon, tirar todas as suas dúvidas sobres todos os jogos de Pokémon, comentar sobre o desenho do momento ou apenas jogar um papo fora. Além de fazer amigos!
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Aguardo.
Feliz Natal e Ano novo!

As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Página 3 de 8 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Black~ em Qui 5 Set 2013 - 20:31

Bom, vamos lá.

Capítulo bem legal esse, cheio de acontecimentos. Mentira, nem teve tantos acontecimentos, mas ele foi bom de qualquer forma -q, tendo rolado toda essa putaria ai no restaurante -qq, mas enfim.

Esse Juan nem imaginava que ele tivesse ganho no ginásio, sei lá, na(s) outra(s) aparição(ões) dele, ele parecia um fracassado, um inútil na vida, pois parecia se lamentar. Mas acho que foi depois do Kyle, já que nem teve tanto destaque na cidade, ou ele é realmente um bosta desconhecido -q.

Parece que não sou só eu que faço modificações nos ginásios de Kanto, né? -qq. Nunca me passou pela cabeça ter um líder de ginásio em Seafoam Islands -q, ainda mais sendo do tipo fogo (supus que fosse esse tipo), vamos aguardar a luta dele contra o Kyle -qqq, mas enfim.

Coitado do Kyle, tomou logo um chifre da menina que na verdade nem é nada dele, mas tomou um chifre mesmo assim -q. Aposto que ela só tava lá por causa da fama dele, porque nem se interessa por ele, só pelo dinheiro. Que biscate e.e, mas enfim.

Esse líder Miguel é bem mimado pro meu gosto, ficou dando esses pitis só por ser famoso. A mulher tava errada. Pô, entrar com um Zweilous no negócio é mancada né =/, o bicho nem cabe dentro do restaurante e a menina vai provocar -q, mas enfim.

Fiquei surpreso com esse Pidgeotto no final, mas não entendi se ele pousou no braço do treinador dele, ou no braço do Kyle. E acredito também que ele será um personagem "frequente" na fic, ou talvez não né -qq, mas enfim.

Erros nem vi nenhum, talvez só uma bobeirinha.

Enfim, é só e boa sorte com a fic.
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Rush em Qua 11 Set 2013 - 14:48

@Shindou Hajime: Hajime! o/ A comédia ainda não se foi, vou tentar implementá-la com mais frequência agora. u.u O Seth vai aparecer nesse capítulo, e ele não será tããão cusão assim, ele só vai ser filho da [palavra censurada], como ele sempre foi. Então, não vou dar spoiler nenhum dessa fic, até porque, até eu irei me surpreender com ela no futuro. Só digo que a Brenda é vegetariana sim, mesmo os Oddish e os Bulbasaurs serem uns animais vegetais. AUEHAUE' A BRUNA ERA PRA SER GOSTOSA NO SPRITE :/// AUEHUAHE' Valeu cara, de coração, espero que continue lendo. Um abraço, até mais. c:


@Sir. Black: Black! o/ Acho que enrolei demais na cena do restaurante. Não aconteceu nada de importante, apenas uma introdução. Essa que vai ser a graça do Juan, ele vai ser um cara forte, mas que ninguém bota fé, o que acaba fazendo ele ser "invisível". Afinal, todos temos aquele amigo que é bom em tudo, menos em ser reconhecido pelos outros, não? AAUHEUAE' Então, desde o início o Kyle não iria ter chances com a Bruna, mesmo se ele não tivesse dado PT, alguma coisa iria acontecer. É o destino, e os 11 anos de diferença. AUEHA' Muito obrigado cara, de verdade. Espero que continue lendo! Um abraço, até mais. (:








~>x<~




O capítulo está mais curto dos que os demais, creio eu. Como eu desisti de vez da Gonryu, eu irei postar um capítulo novo aqui semanalmente, e sempre será nas Quartas-Feiras. Lembrando que mesmo sendo do gênero aventura-comédia/ação, eu tentarei deixar tudo BEM realista, e esse capítulo será uma prova disso.


Já ressalto que não haverá nenhum personagem novo, nenhuma batalha e nenhuma informação que tenha peso na história, a não ser... ADIOS PALLET. 


É isso, muito obrigado por lerem, espero que tenham uma ótima leitura! (:
















~>x<~








Ainda era cedo, a neblina fresca que tomava conta do local não era muito densa, mas impedia as pessoas a terem uma visão do horizonte. Como sempre, o frio estava em cima do zero grau no termômetro, fazendo com que os cidadãos de Pallet vestissem pesadas roupas de lã para se aquecerem.
 
Com Kyle não era diferente. Estava coberto com diversas roupas de moletom, acompanhadas de um grande cachecol de lã. Seu chapéu de palha continuava em sua cabeça, como sempre. Com ele, estava Brenda, Megan, Aoki e Nero. Todos trajados com roupas para se aquecer daquele maldito frio que amaldiçoava Pallet nesses últimos meses.
 
 
- Não acredito! – O rapaz dizia empolgado, acelerando o seu passo, enquanto carregava diversas malas consigo.
 
- Ei! Não seja tão apressado! – A loira o repreendia, também carregando uma mala de carrinho em sua mão esquerda, enquanto a sua graciosa Vulpix descansava em seu braço direito.
 
- Haha! Como não ser? – Sorria dando pulos e risadas, que pareciam ser contagiantes para seu Bulbasaur, que o acompanhava saltitando e brincando como um filhote abobalhado. – Aoki também está ansioso!
 
Nero, por sua vez, ficava sério, apenas caminhando ao lado de Brenda enquanto carregava uma mochila com sua boca. O Growlithe era tão generoso, orgulhoso e obediente, que sem reclamar, parecia ajudar seu treinador as bagagens. Porém, não demonstrava ser tão brincalhão como Kyle e seu Bulbasaur, sempre se mantendo na retaguarda, indiferente.
 
Brenda suspirava, vendo a infantilidade do amigo. No fundo também estava feliz. Kyle havia vencido o ginásio, não teria tido nada com Bruna e estava seguindo seus sonhos. Além de ter se demitido, finalmente tinha tomado a atitude de seguir rumo a sua jornada, se tornando um verdadeiro Treinador. A loira também estava empolgada, já que iria viajar por toda Kanto, fazendo novas amizades, vendo lugares raros e exóticos, contemplando cenas que provavelmente nunca iria esquecer-se. É claro que iriam precisar de mais pessoas em sua equipe, mas iriam encontrar, afinal, ambos juntos já eram um Treinador e uma Médica.
 
Ela então fechava seus olhos verdes, abrindo um grande sorriso ao ver Kyle e seu Bulbasaur pulando enquanto riam.
 
 
 
 
 
 
 
As crônicas de um Gyarados Voador!

 

Kyle Adventures.
 
 
 
 
Capítulo X – Goodbye, Pallet!  
 
 
 
 
 
Já era tarde, por volta das duas horas. O clima ainda se encontrava frio, mas pelo menos, estava mais calor do que de manhã. O sol brilhava no céu, mesmo que estivesse coberto de nuvens carregadas de cinzas. Kyle e Brenda estavam numa espécie de prédio, na recepção. O lugar parecia bem movimentado, e se assemelhava muito a um aeroporto, mesmo que não fosse. Ele na verdade era uma estação de Trens-Bala, que transportava passageiros de Pallet até Viridian, Pewter, Cerulean, Celadon, Vermillion e Saffron.


Na recepção onde se encontravam, várias atendentes davam atenção aos jovens, onde apenas Brenda parecia conversar e tirar dúvidas, já que Kyle ficava distraído, contemplando a grandiosidade do local. Podia ver que em cima do balcão onde estavam, possuía um enorme mapa de trilhos do subsolo, e os caminhos em que iriam percorrer. Cada um de uma cor, mostrando quais estavam disponíveis e quais não.
 


- Kyle! – Sua amiga o repreendia, fazendo uma cara de emburrada pelo garoto nem estar prestando atenção.


 
O rapaz levava um susto, e rapidamente olhava para uma das recepcionistas, que seria uma jovem bonita e ruiva. Ela se vestia formalmente e tinha uma espécie de fone no ouvido esquerdo. O garoto se apressava, pegando na mochila de suas costas vários documentos, entre eles, um aparelho vermelho com um botão azul em seu canto lateral.


 
- Muito obrigado senhor. – A atendente respondia com um sorriso, pegando a sua Pokédex e vasculhando informações dela, como os dados de seu treinador, seus Pokémons registrados, as insígnias que já obteve, entre outras. Aquilo o deixava inseguro, já que a garota poderia encontrar fotos inadequadas que o rapaz guardava dentro das pastas da Pokédex. – Pronto. – Dizia, após poucos minutos analisando o aparelho. – De acordo com sua Pokédex, você é Kyle, possui um Bulbasaur e um Growlithe registrados, e tem uma passagem só de ida para Viridian. Confere?
 


Os dois apenas acenavam com suas cabeças, confirmando a pergunta. Após mostrarem mais alguns documentos, e preencherem alguns formulários, finalmente conseguiam obter as suas passagens, fazendo com que pegassem suas malas e andassem até um lugar em especifico, onde sairia um Trem-Bala após quarenta minutos.
 


- Isso é tão empolgante! – O rapaz de chapéu de palha dizia em tom baixo, bem animado e ansioso com tudo aquilo. – Finalmente vamos sair de Pallet! Ouvi dizer que Viridian tem dois ginásios e está cheio de Pokémons raros!


- Pff. Você sabe que isso não é verdade. – Brenda respondia, sorrindo. – O ginásio clandestino que havia lá foi fechado recentemente por ser ilegal. Mas ouvi dizer que há hotéis e restaurantes lindos nessa cidade.


 
Com essas palavras, o Bulbasaur começava a cantarolar e saltitar, feliz em saber que iria poder saborear comidas estrangeiras e deliciosas, aquilo fazia seus olhos brilharem. Megan, ainda nos braços de Brenda, apenas bocejava, com sono já que haviam acordado cedo para poderem viajar para Viridian.


 
- E o mais importante... Vou conseguir minha segunda insígnia! – Kyle comemorava, ficando mais animado, sempre contagiando o pequeno Aoki.
 


Não demoravam muito, até ouvirem um chamado. Os dois paravam de caminhar e olhavam para trás, curiosos. Afinal, todas as amizades que tinham da escola já se distanciaram, não tinham mais ninguém além de um e o outro. Era bem raro encontrar mais algum aluno andando por um lugar se não no Shopping de Pallet, o Castelo de Vidro ou na grande praça verde.


Para a surpresa de ambos, era um rapaz em cima de um Dodrio, que parecia apressado em tentar alcança-los.


 
- Seth? – O rapaz de chapéu de palha perguntava não muito feliz em vê-lo. – O que faz aqui? Não tem jornais para entregar não?


- Seu merda. – Parava por um momento para sair de seu Dodrio, acariciando o seu corpo para agradecer a carona que a criatura teria lhe dado. – Você está saindo de Pallet mesmo? Vai tentar ser um treinador?


- Sim. – Respondia enquanto vasculhava algo em seu bolso, mostrando as passagens que tinham comprado para ir a Viridian. – Já avisei meus pais, e até pedi conta no trampo.


- Eu sei. – Dizia rapidamente, surpreso com tudo aquilo. – Mas cara, eu ainda não acredito. Ser treinador era algo impossível na nossa cabeça, lembra? Como você vai tentar ser um?


- Eu já sou. – Kyle ficava sério, enquanto mostrava a insígnia do tufão que guardava dentro de seu casaco. – Seth, eu não vou perder essa oportunidade dessa forma. Não aguento mais ser entregador de jornais. Não aguento mais Pallet. Você quer ficar nessa vida pra sempre?
 


Seth não respondia, apenas olhava sério para o colega. Na verdade, todos sabiam que o rapaz que montava um Dodrio apenas trabalhava para manter um hobby. Dinheiro era o que menos faltava em sua conta bancária, já que ele seria o herdeiro de uma enorme fazenda de Tauros. Kyle notava a tristeza nos olhos de seu amigo, que rapidamente ficava cabisbaixo ao ver que aquela noticia era verdadeira.
 


- Eu vou sentir saudades, Seth. Mesmo você sendo um babaca. – Falava, estendendo a sua mão para poder selar a amizade que tinham com um aperto de mão. Porém, naquele momento, o colega dava um tapa na mão do rapaz de chapéu de palha.


- Você não vai ser treinador sozinho, cara. – Dizia em tom sério, com lágrimas nos olhos. – Se você quiser sair de Pallet, abandonar seus amigos, 
tudo bem. Mas eu não vou deixar isso passar batido. Eu vou virar um treinador também.


- Set- Kyle tentava acalmá-lo, enquanto era interrompido.


- Não, cara. Eu não estou falando por falar, eu estou falando sério. Eu vou me tornar um treinador melhor que você. Pode ter certeza.
 


Os dois se olhavam, a por fim, acabavam abrindo um sorriso enquanto seus olhos se enchessem de lágrimas, ambos emocionados ao ver que a amizade entre os dois continuava a mesma coisa, desde sempre. Então Kyle estendia a sua mão, fazendo com que Seth a segurasse, desta vez selando a amizade que os dois mantinham para que ela continuasse mesmo que eles seguissem caminhos diferentes em sua jornada.
 


- E vocês vão se beijar quando? – Brenda caçoava, enquanto esperava os dois acabarem para ela e Kyle poderem ir a Viridian.


- Haha... A gente vai se encontrar durante a nossa jornada, pode ter certeza. – Seth dizia, ficando sério agora. – E quando isso acontecer... Eu vou chutar a sua bunda, como eu sempre chutei nos tempos de escola.
 


Kyle abria um sorriso confiante, se virando e pegando as malas, para continuar seu rumo até o seu Trem-Bala. Seu Bulbasaur estranhava o rapaz ignorando o amigo, mas continuava andando também, mesmo que olhasse para trás para checar a reação de Seth.


 
- Vamos ver. – Suspirava, erguendo a sua mão esquerda e exibindo o seu dedo do meio para trás, a mesma atitude que havia tido com Juan. Aquilo fazia seu rival ficar irritado, porém contente ao saber que ser Treinador agora era um sonho alcançável. Um sonho que ambos não iriam desistir. Estavam felizes, pois sabiam que estavam crescendo, amadurecendo e criando um rumo em suas vidas, fugindo da rotina que tinham em Pallet, e saindo para viajar no mundo, buscando insígnias, enfrentando perigos e vivendo aventuras inesquecíveis. Aquilo seria o fim da vida que viviam em Pallet, e o inicio de uma nova outra vida. Uma vida que desta vez, seria um sonho a ser realidade.
 
Seu Bulbasaur soltava um chicote de cipó de seu bulbo, e acenava para Seth e seu Dodrio, mostrando que ele também iria sentir saudades. Neste momento, um Poliwag saia da mochila nas costas do rival, e pousava no ombro de seu treinador. Mesmo estando avulso de toda a discussão, ele acenava com a sua cauda de girino.
 
 


~>x<~
 


 
Estava impaciente. Seus cabelos castanhos estavam grandes e bagunçados, enquanto uma pequena sobra de barba se formava em seu rosto. Aquilo ainda era cedo para sua idade, ainda estava em sua adolescência. Estava no alto de uma colina, enquanto observava duas pessoas entrando na grande Estação de Trens-Bala de Pallet, uma garota loira e outro rapaz com um chapéu de palha. Ele não dá muita atenção para aquilo, mesmo percebendo o Bulbasaur e o Growlithe que acompanhavam os jovens.


De repente, um Pidgeotto aparece piando, enquanto planava até pousar sobre o seu braço, trazendo uma carta que o garoto rapidamente lia. Ele então abria um sorriso e olhava para os dois jovens que entravam na enorme estrutura.
 


- Treinadores, hun? – Perguntava para si mesmo, enquanto acariciava a crista rosa de seu Pidgeotto. Logo descendo da colina em que estava sentado, para seguir ambos.
 






~>x<~




Eventos importantes:
Eventos importantes:

- Kyle e Brenda largam seus empregos, seguindo rumo em uma jornada. Ambos decidem ir para Veridian, para Kyle desafiar o ginásio da cidade, e encontrar novos companheiros para se unirem à jornada.

- Seth também decide se tornar um treinador, prometendo ser um treinador melhor que o protagonista.

- Uma das atendentes da estação é ruiva.

- O cara desconhecido fica interessado em Kyle e Brenda, pelo fato de ele achar que ambos são treinadores.








 
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Black~ em Qua 11 Set 2013 - 21:06

Bom, vamos lá.

Esse capítulo foi bem menor que o comum (ainda bem), e também não teve ação nem momentos de destaque, foi mais aquele melodrama de saída de jornada, as lembranças, a vida na cidadezinha e tudo mais -q, mas enfim.

Eu já citei uma vez aquela coisa de Pallet ser rural, mas não ser bem assim -q. Tipo, as cidades parecem ter um tamanho real, mas considerado grande pro mundo pokémon, porque tipo, tem um trem que liga as cidades, porque eu sempre achei estranho percorrer um monte de cidade a pé -q, mas enfim. E também Pallet é uma cidade rural que tem um shopping, caramba, ta desenvolvido mesmo -qq.

Essa relação do Seth e do Kyle é meio estranha, parece o John e o Lurly na minha fic, os caras se matam, se xingam, mas mesmo assim são amigos -q. No começo eu achava que o Seth era tipo um Gary e o Kyle era tipo um Ash -qq, mas enfim.

Quero ver como vai ser essa jornada toda atrapalhada da Brenda e do Kyle. O Kyle parecia mais maduro no começo, mas ele demonstrou ainda ser bem infantil nesse episódio, todo serelepe porque vai para uma jornada e tals -q, mas enfim.

Erros eu não vi nenhum que prejudicasse a leitura.

Portanto é só e boa sorte com a fic.
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Shindou Hajime em Qui 12 Set 2013 - 2:10

Bu!

E aí Rush! Estou um pouco atrasado na Mythology por conta de umas coisas na escola, mas já estou arrumando meu tempo. u_u' De qualquer forma, vamos falar do capítulo em que - FINALMENTE - Kyle e Brenda deixam Pallet!

Primeiramente eu gostaria de ressaltar o Growlithe, ele é bem legal cara. Diferente do seu treinador e o Bulbasaur, o Pokémon de fogo é mais sério e calculista, eu diria que ele tem um ar de "realeza" por assim dizer. XD

Essa ideia de ter um trem que liga a várias cidades é incrível. o_o' Sempre pensei o porque de terem que ir a pé de local em local, pelo menos desse modo os personagens não ficam cansados e evitam o famoso arco "Pegamos o caminho errado".

A amizade do Kyle e do Seth é basicamente um "Gosto amargo", eles podem brigar e se xingar várias vezes, só que no fundo gostam um do outro bastante, e agora podemos esperar uma batalha do rival contra a Aurora, só não sei se você nos mostrará a batalha deles, contudo acharia interessante caso fizesse isso. 8D

Erros não vi nenhum, o tamanho do capítulo está bom, afinal não tinha muita coisa para colocar, se ele ficasse grande demais seria encheção de linguiça, né não? KLALKSAKSA'
No mais é isso, estou no aguardo para o próximo.
Até! o/


avatar
Shindou Hajime
Membro
Membro

Masculino Idade : 22
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 28/03/2010

Frase pessoal : Aquele cara que gosta de laranja, né?


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Detcher em Qui 19 Set 2013 - 15:10

Olha eu Again! =3
Há muito tempo que eu não comento, né? Já tava com saudades!

Cara, eu realmente deveria ter comentado (e lido) antes. Mas acontece que eu sou MUITO preguiçoso. Enfim, espero que não me espanque, Joffrey. Eu juro que lerei e comentarei regularmente agora.
Os últimos capítulos têm sido muito legais, cara! Adorei ver a evolução do Kyle, e adorei os novos personagens introduzidos na história, e já tenho um novo preferido: o Treinador Misterioso. Só por ele ter um Pidgeotto e ler cartas (que esse Pokémon traz), já me convenceu de que ele é EXTREME FUCKING DA HORA. Sério, eu sou assim. Gostei muito da garota do Deino (ou seja lá qual for o nome daquele Pokémon), ela parece bem patricinha (e chata). O líder de ginásio parece mais um otário do que um líder, e ele parece um crianção! Também achei interessante o cara do Pikachu ficar puto, e estar carregando um livro. Eu já até imagino pra que seja, mas não vou comentar, porque "vai que...".
Achei muito EXTREME FUCKING DA HORA² a luta do Kyle no ginásio. Cara, você descreve as cenas de um jeito muito mítico! E aquele Growlithe, meu Deus, ele é muito EXTREME FUCKING DA HORA³. E o Aoki brilhou muito também! E parece que ele é (BEM) mais forte que seu companheiro canino, já que quase não levou dano (mesmo tendo lutado pouco), e ainda assim derrotou o Pokémon rival de maneira mítica.
Legal o Kyle ter sua primeira experiência com bebidas, e o Juan não fugir do desafio. Ele me lembrou um pouco o Black ✩ Star, de Soul Eater. Mas eu ainda espero ver uma batalha entre os dois!
Legal ver que o Kyle ficou confiante em ser treinador. E ressalto aqui uma coisa que percebi (ou pode simplesmente ser coisa da minha cabeça): o Kyle parece ter "crescido" desde a introdução dele à história. Sério, eu não sei porque senti isso, mas me pareceu que houve uma grande mudança na personalidade dele. Achei muito interessante!
Agora eles estão indo para Viridian! O que será que os aguarda naquela cidade, hein, hein?
Bom, os capítulos ficaram ótimos, e a história está ficando melhor ainda! Ah, mais uma coisa: eu adorei Pallet. Sério, eu adoro chuvas. E a cidade com esse estilo meio depressivo e muito chuvoso me fez ficar interessado e meio que "apaixonado" pela mesma. Espero que existam mais cidades assim durante a jornada de Kyle. Enfim, é isso. Até mais, cara! o/
avatar
Detcher
Membro
Membro

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 25/05/2011

Frase pessoal : daora a vida.


Ver perfil do usuário http://atsushisbar.blogspot.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Caio. em Qui 19 Set 2013 - 16:03

Cara, cara, curti demais esses dois últimos capítulos. Quer dizer, até agora só li o penúltimo q Sempre comento parte-a-parte. Eu achei o Miguel bem interessante, embora tenha odiado o jeito idiota dele de ser. Ele deveria morrer u.u A Sofia parece muito interessante. E essa Ninetales lilás /slow Tô de olho hein, cuidado pra ela não tretar certo dia com nenhuma Rapidash fantasma por aí /slow /slow

Eu imagino o quanto Kyle não ficou ferrado após ter bebido. Mas slá, eu acho tão idiotas cenas do tipo. Eu queria que ele fosse mais uma criancinha infantil, ia ser mais clichê. O Juan me dá raiva, na boa .-. Ao menos me deu nesse. E você soube falar de uma maneira tão lekalz sobre os pokés do Kyle acompanhando ele, slá, achei bem divertido rere.

Eu ri de mais dos resumos, cara (agora li de ambos os caps). O Seth realmente me cativa, me dá ódio. Bom personagem. Ele fica nesse intenso vai e vem, logo, provavelmente foi bem feito por ti (eu ao menos acho que foi super bem trabalhado). Eu curto a Brenda, ela é tão... Ela xD E olhos verdes, puro amor. Esse treinador desconhecido... Só observo. É ele que é baseado naquele cara lá?

Enfim, tá bom, cara. Espero que continue, sério.

@EDIT: Detcher, não fala do Black Star, pqp, ele é muito chato ;-;
@EDITEDIT: Combina com o Juan -q
avatar
Caio.
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/06/2010

Frase pessoal : A noir. E blanc. I rouge. U vert. O bleu.


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por DarkZoroark em Sab 21 Set 2013 - 10:45

Rush o/
Cara, antes de qualquer coisa relacionada ao capítulo, peço-lhe desculpas por ter passado esses últimos tempos sem comentar aqui. Tava meio tenso a escola - fiquei com 5.5 em Química no trimestre - e aí tive que passar um tempo estudando. Os capítulos eu cheguei a ler, mas o comentário sempre acabava deixando em segundo plano. Malz aí. Consegui dar uma recuperada com os trabalhos desse trimestre + um simulado que aumentava em 1.0 a nota, então deu para dar uma desestressada por enquanto. Bom, chega de lero lero e vamos ao review:
Capítulo bem legal e tudo mais. Como tu mesmo disseste, foi curto e não rolou muita ação, mas isso não é algo com que eu me incomode ou chegue a prezar em excesso. O que mais gosto de ver durante o rumo de um capítulo são mistérios e enigmas ocorrendo, e isto nunca esteve em falta nos seus.
Quarenta minutos para um trem bala chegar? Barbaridade... Nesse meio tempo já tava indo a pé pra Viridian XD. Achei legal isso, tanto por ser uma inovação tecnológica em Pallet quanto por pular a Route 1. Fica um pouco melhor para o leitor, acho. Sem falar que torna o enredo mais original. Nem sabia que dava para por fotos em uma Pokédex. Só imagino o que o Kyle não tem guardado lá para ter tido medo que a atendente visse o conteúdo... Altas tretas iam rolar.
Legal do Seth também ir em jornada, obviamente rivalizando o Kyle. Como o Black~ citou mais cedo, esse tipo de coisa é bem comum tanto em Fanfics quanto em animes, mas ainda assim é um recurso que deixou de ser explorado de uns tempos para cá, tornando-o bem renovador. Vou esperar para ver como que tudo irá se desenrolar, mas pelo que pude perceber os Pokémons deles possuem uma relação muito melhor do que eles próprios. Aquela última frase de um pro outro ficou bem da hora, tendo sido posta em um momento muito oportuno.
Erros... Não sei se é ou não, mas reparei em algo que ficou meio estranho:

King Joffrey escreveu:O clima ainda se encontrava frio, mas pelo menos, estava mais calor do que de manhã.
Ficou um tanto incorreto gramaticalmente "mais calor". Creio que substituir a segunda palavra por "quente" remediaria a situação, mas enfim...
Sua escrita continua simplesmente fantástica. Descrição e narração muito acima da média, sendo um exemplo para muitos escritores novatos e um antigo aqui. Acho que já cheguei a falar isso, mas devias pensar em abrir uma escola ou pelo menos fazer um tutorial para dar uma ajuda aí pro pessoal. Realmente acho que faria bastante sucesso.
Vou tentar - e provavelmente conseguir - criar um comentário maior na próxima vez. Fico no aguardo do capítulo XI. ninja 
avatar
DarkZoroark
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/04/2011

Frase pessoal : Let's Play!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Rush em Ter 8 Out 2013 - 21:52

@Black: Black! o/ Poxa, Pallet é rural sim, mesmo que tenha shoppings, e outras coisas. A sua fonte de economia seria as plantações e cabeças de Tauros, logo, seria Rural. Você entendeu sobre as cidades... Eu realmente quero fazê-las num tamanho realista, e dando Spoiler mesmo, eu pretendo fazer que a jornada por toda Kanto dure mais ou menos três anos. Eu acho que a amizade entre Kyle, Seth, Lurly e John são um exemplo de amizade boa. Por mais que se xinguem, elas se preocupam um com o outro. Enfim, espero que você goste desse capítulo! Muito obrigado e continue lendo!


@Shindou Hajime: Hajime! o/ Sim, finalmente, isso que eu cortei todas as partes "extras" de Pallet. Tipo a introdução da Brenda, Gabrielle, Juan e Christopher, as batalhas desnecessárias de Aoki e Nero e outras coisas, que serão apenas citadas durante os capítulos. Mas enfim, o arco de Veridian será um dos mais importantes de todos, já que todos os treinadores vão ter que ser FORTES MESMO - Sim, será mostrada como é a força dos verdadeiros Pokémons dos VERDADEIROS treinadores. Enfim, espero que você goste do capítulo! Muito obrigado e continue lendo!




@Detcher: Detcher! Tava com saudade de você aqui. :/ Como eu tinha dito no início da fic, serão MUITOS personagens, tanto que eu fiz outro tópico pra colocá-los, para que nem eu me perca ao desenvolvê-los. Sempre terá um treinador misterioso, praticamente, mas esse do Pidgeotto será um dos mais marcantes, creio eu. Eu ainda estou tentando desenvolver a "evolução" dos personagens. Algo que eu tirei aqui mesmo da PM, com a frase, "Evoluindo com seu Pokémon" kkk'. Espero que você goste das futuras batalhas, eu vou dar uma atenção melhor a elas, já que esse especial do Pokémon origins me deixou inspirado a criá-las. Espero que você goste do Capítulo! Muito obrigado e continue lendo!




@Caio: Perry! o/ O Miguel é lindo cara. É que ele ainda não teve muita importância, mas no futuro mostrará que ele terá uma enorme importância para esse arco - que será um dos maiores, já que terá mais de 20 capítulos, provavelmente. E poxa, uma das coisas que você verá na fic, é em como as crianças agem como "maduras", mas elas ainda serão crianças. Tipo, um treinador de 12 anos querer pagar de transão ou coisa do tipo, mas no fundo, eles são apenas crianças. O Seth é um babaca, e sempre será um babaca, esse é o seu charme AUEHAUEH' Já a Brenda nem teve uma aparição importante, vamos assim dizer. Ela será a mais importante do grupo, já spoilando. Enfim, espero que goste do capítulo! Muito obrigado e continue lendo!




@DarkZoroark: DZ o/ Estava com saudades de você por aqui também. :/ Esse projeto do Gyarados Voador possui tantos mistérios que nem eu sei como tudo vai acabar. Ao contrário da Gonryu, eu vou tentar me administrar mais sobre tudo isso, afinal, é bom ter ordem em tudo. Eu também, acho que ir apé seria até melhor para encontrar um Pokémon raro ou coisa do tipo, mas pelo fato de eu ter feito Kanto baseado num continente real - País, por assim dizer -, o tamanho das cidades e a distância entre elas é MUITO grande. Como disse pro Black, a jornada deve durar entre 2 ou 3 anos. Sobre a Pokédex, eu tentei deixá-la realista também, fugindo um pouco de seu principal objetivo como Enciclopédia Pokémon, e passando apenas para um armazenador de dados. Esse "Mais calor" ficou bem feio mesmo, irei tentar revisar melhor nos próximos capítulos. Muito obrigado cara, espero que continue lendo e goste do capítulo! Um abraço, até mais! 






~>x<~



Esse capítulo teve bastantes informações, por isso ficou um pouco longo. Só teve ação no começo e no final, sendo que o recheio dele foi apenas "spoilers" sobre o que precisa acontecer no futuro. Também, deixarei MUITOS Easter Eggs, que podem passar por despercebido. Também foram introduzidos quatro novos personagens e revelado a identidade de um já introduzido - O treinador misterioso.

Espero que gostem do capítulo, demorou bastante para eu desenvolve-lo, já que me deu outra crise em que eu não conseguia escrever nada que me deixasse satisfeito. 

Isso aí, se curtir se inscreve no meu canal, dá joinha e favorite. 





~>x<~



Olhava para cima, confuso. Observava uma grande quantidade de nuvens negras e pesadas se aglomerando e dominando os céus lentamente. Aquilo fazia com que pessoas nas ruas se apressassem para sair do trabalho e voltar para casa, já que pensavam que aquilo seria o inicio de uma forte tempestade
 
 
- Nesta época do ano? – Murmurava, enquanto era esbarrado por um desconhecido qualquer, que estava correndo para voltar para seu lar e não ser atingido pela grande quantidade de chuva que aquelas nuvens prometiam expelir.
 
 
O homem de cabelos negros apenas olhava feio, vendo a falta de educação presente em Veridian. Não a falta de educação em si, mas sim no egoísmo e na raridade de ter alguém pensando no próximo. O rapaz fechava seus olhos, ignorando o acontecido, e começava a caminhar, ainda confuso, para procurar algum abrigo.
 
 
 
 
 
 
 
As crônicas de um Gyarados Voador!

 

Kyle Adventures.
 
 
 
 
Capítulo XI – A wild team-member appeared!
 
 
 
 
 
Kyle e Brenda saiam do trem, cheios de bagagens. Ambos tiveram dificuldades em sair pela porta estreita do veículo, o que chamava a atenção de algumas pessoas que tentavam adentrar no mesmo, causando maus olhares. Não demorou muito até que conseguissem sair com todas as malas.


Vendo a falta de costume dos garotos de Pallet, chamou a atenção de um moleque – de provavelmente quinze anos -, que corria em direção dos dois, com um sorriso no rosto.

 
- Vocês querem ajuda, senhores? – Ele perguntava. Seu cabelo era escuro e bagunçado, enquanto trajava uma camisa verde com um raio estampado, e uma calça folgada de moletom, da cor azul. Mesmo sendo mais velho que os Palletianos, ele tentava mostrar um respeito forçado.

- Nem chegamos a "Viridian" direito e já nos tratam com dessa forma! Cortesia de "Viridian"! – Kyle respondia também sorrindo, enquanto entregava uma das malas para o garoto.
 


O cidadão de Veridian segurava a mesma com dificuldades, já que ela era pesada, mas por prática, segurou-a de uma forma em que fosse mais confortável e fácil de carrega-la, e então não esperou nem um segundo, e começou a correr. Aqui fazia Brenda ficar desesperada, chegando a dar um tapa na cabeça do amigo, derrubando o seu chapéu de palha. Aquela cena não parecia intrigar nenhuma das pessoas que caminhavam por ali, mostrando que aquele tipo de coisa era bem comum na cidade.

 


- Vocês deveriam ler as placas. – Um rapaz dizia, enquanto saia de um trem. Ele apontava para um aviso grande, com letras negras num fundo prateado. Nele dizia, “Não dê sua mala para ninguém”.

- Idiota! – Brenda resmungava dando outro tapa no companheiro. Sendo desta vez no ombro. – Agora perdemos todas as nossas roupas, mapas e documentos! – Ela colocava as mãos em sua cabeça, tentando pensar em alguma solução.

- Relaxe, garota. – O estranho dizia, enquanto sorria. – Já estou acostumado em ver esse tipo de situação. Eu irei ajuda-los desta vez. “Cortesia de Viridian”. – Ele ria, zombando de Kyle.
 


Os dois apenas olhavam para o garoto, que aparentava ter uns dezesseis anos. Seus cabelos castanhos eram volumosos e um pouco espetados, dando um ar de desleixo no mesmo, e a sua barba mal feita dava um toque de desempregado em sua imagem.

Ele retirava uma esfera azulada do bolso de sua blusa de moletom, apertando o seu botão central, o que fazia a mesma triplicar de tamanho. Neste momento, ele a lançava no lar, fazendo com que uma criatura saísse de lá, e o objeto redondo voltasse para a sua mão. O Pokémon liberado seria uma ave bege com um topete rosado. Parecia ter algumas marcas negras debaixo de seu olho, como se tivessem sido maquiadas. Era um Pidgeotto.

 


- Aerys, ataque rápido! – O misterioso rapaz comandava, enquanto colocava uma de suas mãos no bolso de sua camisa de moletom, sem demonstrar nenhuma preocupação, já que estava seguro de que seu Pokémon não iria o decepcionar.
 
 


 
O pássaro gritava enquanto abria as suas asas, ainda no ar. Neste momento, ele as batia apenas uma vez, numa força incrível, que o lançaria como um torpedo. A criatura alada chegava a uma velocidade surpreendente, chegando a desviar de todas as pessoas que entravam em sua frente com facilidade. Aquilo mostrava em como a ave seria bem treinada e habilidosa.

Em menos de dez segundos, o Pidgeotto atingia o seu alvo que ainda corria, o derrubando com somente uma investida. O moleque gemia de dor ao cair no chão, e o pássaro segurava a mala sem esperar que seu treinador a comandasse, como se tivesse escutado o evento de dentro de sua Pokébola. Ela então voltava voando numa velocidade bem mais calma, devolvendo a mala para Kyle.
 


- Isso foi incrível! – O rapaz de chapéu de palha dizia, com brilho nos olhos. Ele observava o Pidgeotto pousando no braço de seu treinador, e não perdia tempo em deixar as outras malas caírem para ele poder acariciar e examinar aquele novo Pokémon. – Ele é lindo!
 


O Pidgeotto não demonstrava nada. Apenas observava o garoto com um olhar curioso, chegando a curvar sua cabeça um pouco, analisando Kyle.
 
 






~>x<~
 






Já era tarde, por volta das seis horas da tarde. O trio parecia relaxar em uma espécie de restaurante aberto, contemplando os milhares de luzes acesas dos postes e das casas, num visual que se assemelhava muito a Paris. Numa mesa redonda de madeira, revestida num pano branco, uma variedade de comidas estavam ali. Vários pratos vazios, para ser mais específico. Apenas farelos e ossos sobravam para mostrar que Kyle e Brenda satisfeitos.


 
- A comida daqui é incrível! – Kyle suspirava totalmente cheio. Ele dava as sobras da comida para Aoki, que se lambuzava com farofas e doces de chocolate, deixando sua boca toda suja, mas sorridente.

- Não te falei? – Brenda sorria, terminando de beber um copo de suco de laranja, enquanto observava o grande hotel em que iriam ficar. – Não acredito que ainda sobrou dinheiro pra bancar esse hotel. – Ela dizia feliz com isso.
 
- Bem, vocês podiam conseguir dinheiro extra bem fácil. – O rapaz comentava, enquanto palitava os dentes. – Vocês são treinadores, não? Pois bem, deveriam criar uma equipe para viajar, coletar insígnias e quem sabe vencer a liga. Com sorte conseguem um patrocinador ou se juntam a uma equipe famosa, por aí.

- Bem, Morgan. – Kyle o respondia, revelando o nome do até então desconhecido rapaz. – Eu sou o treinador daqui.  A Brenda é a médica! – Ele então terminava de dar as sobras para Aoki, e empilhando todos os pratos para se organizar, tendo mais espaço na mesa.

- Isso é bom. Já é meio caminho andado. – Morgan abria um sorriso, botando ambas as mãos na mesa, com os dedos entrelaçados. – Agora vocês precisam de um Guia, um Cozinheiro, um Mecânico e essas coisas.
 




Kyle tirava o seu chapéu de palha, colocando-o na cabeça de seu Bulbasaur – tapando-o por completo, praticamente. O Growlithe apenas olhava para seu treinador, esperando a hora para eles saírem de lá. Obediente, não fazia nenhum barulho, só observava as coisas ao seu redor.
O jovem treinador coçava a sua nuca, pensando em como arranjaria pessoas que ocupassem aquelas profissões citadas.
 




- Eu até entendo um cozinheiro... Mas um mecânico? – Brenda perguntava, colocando o copo vazio do suco que havia bebido perto dos pratos empilhados.

- Mas é claro! – Morgan dizia, com o braço apoiado na encosta da cadeira, olhando para o céu escuro, cheio de nuvens carregadas. – Ele poderá concertar as Pokébolas, caso elas deem defeito, e muitas outras coisas. Mas só por poder concertar as Pokébolas, eles já são necessários na equipe.

- As Pokébolas dão defeito? – Kyle perguntava, retirando a sua única e velha esfera de captura, que demonstrava ferrugem. A sua pintura negra estava desbotada. Aquela bola havia sido usada muitas vezes em sua vida, sempre falhando nas suas capturas.

- Vocês são novos nesse ramo de viagem, né? – Morgan ria um pouco, dessa vez apoiando os dois braços na mesa. – Pokébolas tem uma validade, dependendo de sua qualidade. Imagina perder todos os seus Pokémons, por eles não serem presos pelo recipiente de DNA das esferas? Tanto que você precisa fazer uma revisão de seis em seis meses. Uma jogada de Marketing.

- Errm... – Aquilo seria muito complexo, e era difícil de planejar, já que agora sabia que se ele não tivesse um Mecânico na equipe, significaria que poderia perder as Pokébolas de seus Pokémons a qualquer momento.

 


O rapaz recém-conhecido apenas abria um sorriso, fazendo o sinal pra um dos garçons trazerem a conta de tudo o que haviam comido. Ele retirava um cartão de uma carteira que estava em seu bolso.


 
- Bem, por sorte, vocês encontraram um cara que se encaixaria na sua equipe como um Guia. E posso ajudar a vocês encontrarem as outras profissões aqui em Veridian mesmo.


 




~>x<~


 


- Como assim, “Eu recuso”? – Perguntava furioso.
 


Miguel estava num ambiente que parecia uma academia abandonada. Não era muito grande, mas possuía muitos pesos e uma pequena arquibancada atrás de um ringue de boxe.  O lugar estava mal iluminado, sendo que a única fonte de luz seria uma lâmpada pendurada a uma corrente, no centro do local.

Ele passava a mão por seus cabelos azuis, mantendo-os em pé, como um topete. Ele estava acompanhado de Sophia e seu Zweilous, que pareciam assistir a cena encostados à parede.


 
- Já disse. Já me aposentei desse ramo, não viajo mais. – O homem questionado respondia, sem demonstrar nenhuma preocupação. Ele tinha uma pele bronzeada e cabelos castanhos claro, se assemelhando a uma cor alaranjada. Seus olhos eram cor de mel.


 
O Homem trajava um casaco aberto mostrando o seu corpo bem definido. Seu peitoral era coberto por pelos, mas eram em pequenas quantidades em sua barriga, sendo que era possível ver o seu tanquinho. E por fim, usava uma calça larga e esverdeada. Ao lado dele, estava um Pokémon humanoide, trajando algo que parecia ser uma saia e luvas de boxe azuis. O Hitmonchan não demonstrava dar muita atenção, mas ele estava cauteloso a respeito daqueles dois estranhos que questionavam o seu colega. Ele apenas ficava disfarçando, enquanto dava socos num saco de pancadas.


 
- Você é o lendário Jason-Sem sobrenome. – O líder de ginásio dizia. – Mesmo não sendo famoso, você é bem conhecido pelas raízes. Você e a sua aberração aí.

 
Neste momento, o Hitmonchan dava um soco tão forte, que o saco de pancadas estourava e saía voando até a parede, causando um forte estrondo que balançava a pequena lâmpada pendurada por uma corrente, fazendo com que as sombras dos objetos e pessoas ficassem se movendo por um instante. Sophia ficava impressionada com a força daquele Pokémon, mas Miguel e Jason não pareciam se impressionar.


 
- Acalme-se, Rocky. – O amigo dizia, sem olhar para o parceiro, focando seu olhar nos olhos de Miguel, demonstrando desgosto em sua face.
 


Miguel ria, vendo o Hitmonchan irritado.
 


- É, Rocky. Escute seu dono. – Aquelas palavras faziam o Pokémon olhar para trás sem mover muito o rosto, permanecendo de costas para os humanos. Ele começava a ranger seus dentes, até finalmente se virar completamente, preparando para atacar o rapaz de cabelos azuis.

- O nome é Russel, sua bicha! – O Hitmonchan gritava, fazendo com que ambos seus punhos – mesmo revestidos com aquela luva de boxe azul – pegassem fogo, no momento em que ele começava a correr.

- Anni, Triturar! – Sophia rapidamente comandava o seu Pokémon para contra-atacar o lutador, assustada com o evento repentino.
 




O dragão de duas cabeças planava com suas duas fortes asas, deixando um pequeno rastro de penas negras para trás. A criatura abria as duas bocas para morder o Hitmonchan, que rapidamente se abaixava , desviando do ataque. Russel então disferia um soco no queixo de uma das cabeças, do Dragão, fazendo-o voar para cima, em direção do teto.
 




- Anni! – A sua treinadora ficava assustada com tamanha agilidade do adversário, ignorando o fato dele simplesmente ter falado.

- Essa coisa... Fala? – Miguel se surpreendia, arregalando os seus olhos enquanto assistia a batalha.

- Sim. – Jason respondia, secamente. – Ele não é meu Pokémon, é meu parceiro. Ele não gosta que mandem nele, muito menos confundi-lo como um animal de estimação.
 


O Hitmonchan dava um salto, para alcançar o Zweilous. Ainda no ar, o Pokémon lutador disferia diversos socos no corpo do Dragão, numa velocidade inacreditável. Enquanto atingia o seu oponente, o humanoide parecia contar o número de socos que dava, em voz baixa. A velocidade seria tão grande, que era impossível entende-lo. A criatura com quem ele lutava apenas gritava de dor, não tendo nenhuma chance de sair daquele combo de murros.
 


- Duzentos e noventa e oito, duzentos e noventa e nove, e trezentos! – Russel gritava, dando um último soco, que mesmo lento, era visivelmente mais forte, já que afundava na pele do Zweilous, o jogando como um torpedo contra o chão, o que levantava uma grande quantidade de poeira e fazendo com que o chão tremesse.
 


Ao pousar no chão, o Hitmonchan respirava fundo, estando o seu pescoço. Ele rapidamente se acalmava e o fogo de seus punhos cessava. Sophia corria para resgatar o Zweilous derrotado. Miguel olhava assustado para o homem, recuando um passo.

 
- Como eu disse já me aposentei. – Jason dizia, com um olhar sério, cuspindo no chão, ao lado de Miguel. – Agora saía da minha vista, moleque.
 


Miguel olhava inconformado para aquele homem. Havia sido humilhado. Sua parceira havia sido humilhada. Seus olhos se enchiam de ódio, enquanto ele dava as costas para o homem, observando as sobras dos objetos e das pessoas finalmente ficarem fixas, já que a pequena lâmpada parava de se movimentar.

 
- Você vai pagar por isso, mecânico de merda. – Ele resmungava, enquanto parecia apertar uma esfera de captura em uma de suas mãos. Ele ficava parado, até Sophia apressar o passo e ficar ao seu lado, para que ambos pudessem sair do local.

- Vamos, Miguel... Essa academia inunda está me dando nojo. – Sophia dizia, sendo ignorada pelo colega e os adversários. Ela havia retornado o seu Zweilous para dentro da Pokébola, já que ele era pesado demais para ser carregado e estava totalmente inconsciente. 
 


Jason ficava parado, na medida em que seu Hitmonchan caminhava até o canto do cômodo, segurando o resto do saco de pancadas que havia sido destruído pelo seu soco.
 


- Você sabe que você arrumou uma briga sem fim com o moleque mimado, né? – O Pokémon perguntava se aproximando de seu parceiro.

- Estou de boa. – Jason respondia, sorrindo para o companheiro. – Não vou trocar Clarice por uma jornada. – Ele então abria um sorriso ainda maior, se levantando para fechar aquela academia, já que passava das dez horas da noite.



~>x<~
As crônicas de um Gyarados Voador!
 










Eventos importantes::


Quatro novos personagens introduzidos:












Yusei, quer dizer, Joshua, o cara sem importância nenhuma nesse capítulo. Nem a porra do Gabite dele apareceu.


O ladrãozinho de merda. 

~>x<~



Morgan e Aerys, os guias.

~>x<~


Jason Sem-Sobrenome e Russel "Rocky", o Hitmonchan falante. 









Eventos:

- Kyle e Brenda são roubados pelo Ladrãozinho de Merda por causa da ignorância de Kyle, que não leu a maldita placa. 

- O treinador desconhecido revela seu nome, "Morgan", e ainda conversa com os Protagonistas sobre formar uma Equipe de Jornada, dizendo ser necessário ter um Guia, um Cozinheiro e um Mecânico na equipe. Ele se torna o Guia.

- Miguel está formando uma Equipe de Jornada, mesmo sem motivo aparente. Ele tentou recrutar o lendário "Jason Sem-Sobrenome", sendo que seu convite foi rejeitado.

- Kyle fala Veridian errado, ele é uma besta.

- Aoki e Nero nem participaram do capítulo direito.

- O Hitmonchan chamado "Russel" pode falar.

- O Homem que esbarra em Joshua no começo do capítulo estava atrasado para chegar em casa, durante o jantar, já que ele está brigado com sua esposa por não dar atenção o suficiente para ela. Isso é porque ele trabalha demais, e não da a atenção apropriada para ela e seus dois filhos, Maria e Johnny, de 9 e 6 anos. Seu casamento está quase indo por água a baixo - Sim, no Crônicas de um Gyarados Voador nós usamos essas gírias -, e ele estava correndo para chegar a tempo em casa e poder ter um bom jantar com sua família. Infelizmente, quando ele chega lá, ele percebe que sua esposa tem más noticias. Ela está traindo ele com um homem chamado Ricardão, já que ela estava carente. Ele chora, mas ela está decidida de que quer divorciar-se dele. Eles então dão a noticia para seus filhos, que também caem aos prantos. Será que esse homem vai superar o divorcio? Será que Ricardão é um treinador ou um jardineiro? Será que o homem irá aparecer nos capítulos futuros? Não perca em "As crônicas de um Gyarados Voador"!.

-Jason é um mecânico.

 
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Detcher em Qua 9 Out 2013 - 14:23

As crônicas de um Gyarados Voador!

Capítulo XI – A wild team-member appeared!


E eu com certeza não fui o único a imaginar as cenas em estilo anime.

Cara, esse capítulo foi MUITO, MUITO, mas MUITO [palavra censurada] mesmo. Sério, eu imaginei cada cena descrita como se fosse em um anime, ao estilo Pokémon Origins.
Muito legal quando eles saem do trem, totalmente atrapalhados. Sério, eu meio que ri com essa cena.
O Kyle sendo roubado (cara idiota) foi muito da hora! Principalmente porque, pelo que descreveu, já dava pra imaginar que o garoto iria tentar alguma coisa do tipo. Dá pra ver que o Kyle ainda vai se ferrar bastante se continuar sendo inocente assim. E a Brenda é tão amável.
E aquele Morgan? Meu Jesanás, ele provou que é EXTREME FUCKING DA HORA. E o Aerys não fica desmerecido.
Acho que um dos easter eggs que você colocou é, provavelmente, a história de arranjar pessoas pro grupo do Kyle, isso me lembrou One Piece. Muito legal essa nova dinâmica que você colocou, de precisar de cozinheiros, mecânicos e tudo o mais pra seguir jornada, e poder formar times e "bandos". Também foi muito interessante a história das Pokébolas, que têm "prazo de validade". Só não entendi uma coisa: se sua Pokébola quebrar com seu Pokémon dentro, ele desaparece?
Cara, o Jason Sem-Sobrenome é EXTREME HARDCORE FUCKING MASTER DA HORA!!! E o Russel é EXTREME HARDCORE FUCKING MASTER DA HORA ELEVADO AO CUBO DO OITAVO CHIFRE DE JESANÁS! o/ E eu vi uma certa "semelhança" entre o Jason e o Shanks (ou Gildarts) de One Piece. Espero estar certo!
A "batalha" do Russel foi MUITO [palavra censurada] cara, e o Pokémon da menina chata apanhando foi demais. E o fato dele falar só deixa ele mais legal ainda. [Não posso comentar isso aqui, porque provavelmente você pensou nisso]. Meu, ele FALA! Ele derrotou facilmente um Pokémon que parecia muito forte, imagina se ele fosse um líder de ginásio! o/
E ele calou a boca do Miguel! AEHOOOOOO! o/
E a história do cara que está prestes a se separar é triste. =s

Capítulo muito bom, cara. Esperando por mais~
avatar
Detcher
Membro
Membro

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 25/05/2011

Frase pessoal : daora a vida.


Ver perfil do usuário http://atsushisbar.blogspot.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Black~ em Qua 9 Out 2013 - 21:57

Bom, vamos lá.

Capítulo legalzinho, mostrando a chegada deles em Viridian, mostrando na verdade como é ser treinador na sua fic, o que eu achei bem interessante, todos os aspectos destacados. Primeira vez que vejo esse negócio de grupo pra poder fazer jornada.

Mecânico, guia, cozinheiro... Cara, de onde você tira essas coisas? -q, tipo, as fics são sempre os adolescentes ou crianças, que não sabem nem cozinhar um miojo e que saem em jornada. Achei interessante essa distribuição de funções.

Será que o Jason vai ser o mecânico da equipe do Kyle? -qq. Achei bem interessante esse negócio de pokébolas todas estragadas e depois de um tempo, sei lá, nunca foi prestar a atenção nisso, bem diferente mesmo todo esse troço -q.

Cara, o Kyle é muito burro, não consegue ler uma placa? - que suponho que seja gigante, afinal estava na estação de trem - ainda bem que tinha o Morgan com seu Pidgeotto e salvou o imbecil do Kyle e a Bruna -q.

Esse Hitmonchan é bem sinistro. O bicho fala e ainda dá trezentos socos de uma vez só. Achei interessante e bizarro essa história dele não se achar um pokémon, falar, e ser um pseudo-humano. Mas Hitmonchans são muito estranhos para serem pokémons mesmo -q.

Erros eu não vi nenhum que fosse prejudicial à leitura.

É só e boa sorte com a fic.
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por DarkZoroark em Qua 9 Out 2013 - 23:09

Rush o/
Outro ótimo capítulo, mais uma vez recheado de mistérios e enigmas. Bem, vamos ao review:
Aparição especial de personagem de anime na Fanfic? XD Yusei aparecendo no capítulo foi realmente muito legal - embora não seja ele realmente. Apesar de que muita gente vai me tacar pedras por falar isso, sempre achei ele o melhor protagonista de Yu-Gi-Oh! por ter tido uma história mais bem trabalhada e tudo mais. Anyway, vamos voltar ao foco principal do comentário.
Kyle bem ingênuo mesmo. Meio que passou aquele "jeito caipira" que é tão difundido pela literatura e televisão brasileiras. Entregar as malas para alguém que nem conhece num súbito ataque de confiança foi uma besteira das grandes. Mas graças a Arceus o Morgan conseguiu recuperar tudo para ele.
Agora vamos falar da parte que me deixou mais surpreso - e intrigado - dentre as revelações do capítulo de hoje; a formação de uma equipe para viajar. Na hora que eu vi as funções e talz eu meio que me lembrei de jogos de RPG - houve alguma inspiração daí ou é só loucura minha? Com certeza vai ser muito interessante de ver os novos acompanhantes do Kyle e da Brenda. Só achei meio sem graça serem todos já de Viridian. Sei lá, acho que ficaria mais divertido eles irem encontrando eles enquanto viajavam, mas ficou bem original de todo modo.
Outro ponto interessante é a função de mecânico. O fato de as Pokébolas deixarem de funcionar após algum tempo é algo realmente inovador e que deve dar muita história boa. Imaginei algo como o Clemont e o Kurt para o papel, mas creio que só aguardando para saber.
Achei interessante o Hitmonchan e o Jason Sem-sobrenome - pareceu coisa de filme - e o mistério que tem por de trás deles. o Fato de o Pokémon lutador conseguir falar e dar 300 socos em poucos instantes é realmente assustador. Me fez pensar que o cara é um Ex treinador super-famoso ou quem sabe da Elite 4, mas vou deixar para tirar conclusões mais adiante.
Uma observação rápida é que a história do homem que esbarrou no Kyle lembrou um pouco a do Michael em GTA V? Creio que seja mera coincidência, pois apesar das semelhanças há ainda mais diferenças.
Erros eu não encontrei nenhum e, como de costume, sua escrita continua maravilhosamente bem. Quanto a isso de demorar até conseguir algo que te deixe satisfeito, acho que é algo de todos os escritores. Sempre procuramos algo que não conseguimos, mas no fim o capítulo acaba ficando melhor do que o esperado. Enfim, vou deixando o comentário por aqui. Aguardo seu próximo capítulo ninja 
avatar
DarkZoroark
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/04/2011

Frase pessoal : Let's Play!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Rush em Qua 16 Out 2013 - 18:52

@Detcher: Detcher! Muito obrigado! (: Então, se a Pokébola quebrar com um Pokémon dentro, o código genético que liga o Pokémon com sua Pokébola também é quebrado. Ele não vai sumir, mas ele vai sair da Pokébola e será "selvagem" novamente. Se ele não tiver afeto algum pelo treinador, ele irá fugir ou até mesmo atacar seu treinador, caso ele goste, ele irá ficar perto de seu treinador até a Pokébola ser concertada. O único problema, é que ele poderá ser capturado por outra pessoa. AEUHAUE' Tenho que admitir que sim, me baseei um pouco em One Piece, mas esse não foi um dos Easter Eggs. AUHEUAe' Muito obrigado cara, fico muito feliz que esteja gostando dos personagens e da história. Continue lendo! Valeu! *-*


@Black: Black! Muito obrigado! (: Sim, eu pensei no seguinte... Os treinadores adolescentes saem em suas jornadas, mas eaí? E se ficarem com fome, irão comer o que e como? Se ficarem doentes no meio de uma rota, irão milagrosamente ficar melhores no dia seguinte? Como eles sabe os caminhos corretos e que cidade possui um ginásio? Por isso eu distribuí essas funções. UAHEUAE' Espero que não fique muito viajado, até porque, isso é Pokémon e não One Piece, e provavelmente será bem complicado em manter tantos personagens ao mesmo tempo em um mesmo local. E tadinho do Kyle, ele é lerdo só, poxa. :/ AUEHAUHE' Muito obrigado cara, espero que continue lendo! Um abraço, até mais!


@DarkZoroark: DZ! Muito obrigado! E você encontrou o primeiro Easter Egg! UAHEUAHEUAE' Esse personagem, o Joshua, foi baseado na aparência do Yusei, só que com o cabelo bem mais curto e um pouco mais cheinho. Mas ele não terá nenhuma relação com o personagem original, eu só achei que ele combinava com essa aparência mesmo. Sim sim, eu pensei em atributos de RPG mesmo, tanto que cada um terá sua função, suas vantagens e desvantagens. E calma cara, eles não serão todos de Veridian não. AUEHUAHE' Eles estarão espalhados em cada cidade. E sobre o Jason e seu Hitmonchan, vou deixar no mistério, até porque eu creio que eles vão surpreender você. AUEHAUE' Muito obrigado rapaz, espero que continue lendo! Um abraço, até mais!






~>x<~





Esse capítulo teve bem pouca ação, mas pelo menos teve, ao contrário de alguns capítulos passados. Creio eu que esteja num tamanho pequeno, mas eu acho que exagerei um pouco na narração e nos detalhes. Acho que a primeira parte ficou bem desnecessária, mas preferi não retirar por se tratar de algumas informações úteis, até.


Espero que esteja tudo bem e não tenha nenhum erro. Muito obrigado e tenham uma ótima leitura!

















As brancas nuvens se aglomeravam rapidamente, colorindo-se num tom mais escuro e profundo em pouco tempo, conforme os ventos vindos do sul aceleravam o processo ainda mais. Em questão de minutos, aqueles antes pedaços de algodão, se tornavam num mando sombrio que variava do azul-escuro para o cinza, ameaçando descontar toda a sua ira na cidade de Veridian, enquanto pesados trovões podiam ser soados.

Os cidadãos, no entanto, voltavam calmamente sem apressar o passo. O mês inteiro havia sido a mesma coisa, fazendo jus ao ditado popular, “Cachorro que late não morde”. Não depois que anoitecia, no entanto. Sempre que a escuridão engolia a cidade – que era apenas iluminada pelos postes de luz e pelas lâmpadas das casas -, uma tempestade encharcava aquela floresta de concreto.

Kyle sempre gostou de chuva, desde criança. Porém, aquela tempestade estava atrapalhando os seus planos, suas intenções.



 
- Que porra! – Ele gritava, vendo os diversos pingos de chuva sendo lançados como a munição de uma metralhadora, apenas aumentando a intensidade. – Faz três semanas, e ainda não recrutamos ninguém!

 
Os três jovens estavam hospedados num dos hotéis perto do centro de Veridian.  Era bem simples, mesmo sendo considerado um dos melhores. Nele consistia um grande cômodo, que seria a sala, uma pequena cozinha e quatro quartos – todos com camas de casal. Na sala, além de ter dois sofás luxuosos que formavam um quadrado, possuía um enorme tapete de couro de Ursaring, e uma grande lareira. É claro que ela estava acesa, acalmando os garotos com o som de lareira sendo consumida aos poucos.

 


- Relaxa. – Dizia Morgan, sentado no sofá de pernas cruzadas, enquanto se apoiava com os dois braços no encosto do móvel. Seu pescoço também descansava, fazendo com que seu rosto ficasse para cima. Ele estava com os olhos fechados, se não tivesse dito nada, iria parecer que estava dormindo.

- Como relaxar?! – Kyle perguntava, dando as costas para a janela e caminhando até o sofá, onde Morgan e Brenda se encontravam. – Já faz uns três meses que decidi sair nessa jornada, e só possuo uma insígnia! – Completava, se sentando no confortável móvel.


 
Neste momento, ele observava o Bulbasaur dormindo em cima do tapete de Ursaring, encolhido. Claramente ele estava se deleitando no extremo conforto em que se encontrava, usando o calor da lareira a seu prazer. Kyle retirava o seu chapéu de palha, e segurava seu Growlithe que estava sentado ao lado do móvel, o colocando em seu colo.



- Faz muito tempo que eles não batalham. – Kyle se lamentava, enquanto acariciava a cabeça de Nero, aproveitando e coçando atrás de sua orelha. 


O cão lentamente fechava os olhos e deitava, caindo no sono enquanto era mimado por seu dono.


- Escute o Morgan, Kyle. Estou ganhando um bom dinheiro nesse Centro de Veridian. É bem mais top que o de Pallet. – Brenda dizia sorrindo, enquanto aninhava a sua Vulpix, que já dormia.

- É, mas o dinheiro está acabando. – O rapaz respondia. – Somos três pessoas e quatro Pokémons agora. Muitas bocas pra alimentar.




 
Ninguém dizia mais nada, apenas refletiam naquela triste verdade que Kyle dizia. O som da madeira queimando deixava o clima bem prazeroso, mesmo que os jovens ficassem preocupados com o futuro.


 

As crônicas de um Gyarados Voador!

 

Kyle Adventures.
 
 
 
 
Capítulo XII – Trouble.

 
 
 
 
- Então você foi roubado? Por isso não podia sair de Pallet sozinho? – O rapaz de chapéu de palha perguntava, enquanto andava pela larga calçada da grande cidade de Veridian. Ele estava acompanhado de Morgan e Brenda, enquanto Aoki e Nero os seguiam.
 




O Bulbasaur como sempre estava alegre, saltitando e correndo ao redor de seu treinador, e seu Growlithe permanecia sério, caminhando ao lado do rapaz, sem olhar para os lados.
 




- Sim. – Morgan respondia, abrindo um sorriso sem graça enquanto coçava a sua nuca, como se fosse um garoto desastrado. – Roubaram alguns documentos meus... Ameaçaram-me também. Fiquei com medo e por isso esperei por vocês.


Brenda suspirava, se agachando para segurar Aoki.




- Você esperou três semanas para nos dizer isso? – Ela comentava, estranhando o adolescente de cabelos bagunçados. – Você seguiu a gente desde Pallet então?



 
Morgan repetia os movimentos que havia feito anteriormente, continuando com seu sorriso desastrado no rosto. Ele puxava o ar enquanto abria a sua boca, prestas a responder a pergunta da garota, quando uma grande quantidade de espuma atingia Kyle, fazendo com que seu chapéu de palha caísse no chão e ele cambaleasse para frente, devido o grande impacto.


Aquilo assustava Brenda e Morgan, que recuavam uns passos rapidamente, cautelosos, à medida que Nero dava meia volta e começava a rosnar para o autor daquele golpe. Seus pelos alaranjados ficavam pontiagudos, assim como seus dentes que ficavam a mostra enquanto ele rosnava para o oponente. Aquilo chamava a atenção de todos os cidadãos que caminhavam por aquela rua, inclusive de alguns carros, que estacionavam para ver no que aquilo iria dar. A pequena multidão fazia um círculo que bloqueava o caminho das calçadas, onde os jovens atacados ficavam no centro.

 


- Quem é você?! – Brenda questionava. Ela corria para auxiliar Kyle a se levanta. O rapaz estava com a cabeça cheia de uma espuma grossa e pesada.


 
Morgan ficava em estado de alerta, recuando alguns passos e deslizando lentamente a sua mão para dentro de seu bolso, segurando firmemente na Pokébola de seu Pidgeotto, para usá-lo, se necessário.

O rapaz se revelava, enquanto caminhava para dentro do círculo em que as pessoas estavam envolta. Era um garoto bem novo, de no máximo doze anos de idade. Seus olhos vermelhos pareciam refletir a luz do local, tornando-se bem intensos.  Seus cabelos azuis escuros eram levados com o vento, mostrando-se bem leves e bagunçados.


 
- Estou aqui para a minha vingança! – Ele gritava sério. Ao seu lado estava um pequeno Squirtle que o acompanhava, com as mãos na cintura e de peito estufado, para tentar mostrar que era orgulhoso e forte.


 
A multidão parecia conversar entre si, tirando suas próprias conclusões sobre o que se tratava tudo aquilo. Alguns riam pela situação que Kyle se encontrava, que estava encharcado com aquela espuma pesada, que parecia se tornar sólida aos poucos.

O desafiado se virava, ainda sendo auxiliado por Brenda, quando ele retirava uma quantidade daquela espuma com uma de suas mãos, jogando-a no chão. Ele olhava ao seu redor, vendo aquela grande quantidade de gente os observando, e então focava em Juan.
 

- Seu pedaço de bosta. – Ele resmungava, dando sinal para Aoki avançar. O Bulbasaur olhava triste para seu treinador, enquanto suas quatro patas começavam a tremer. Ele lentamente começava a caminhar, engolindo seco. - Eu vou acabar contigo! - Kyle terminava, com ódio em seus olhos pela humilhação pública, causada por aquele persistente e irritante garoto.
 


Juan sorria, e também fazia um sinal para seu Squirtle avançar. O seu Pokémon então concordava com a cabeça e dava vários mortais para frente, até ficar em posição de combate, como se fosse uma coreografia.
 




 
~>x<~
 


 
Miguel caminhava para o norte de Veridian, acompanhado de Sophia que andava a seu lado, sem o seu Zweilous fora da Pokébola, no entanto.
 


- Aquele mecânico sujo e vagabundo... – Ela resmungava, carregando uma esfera vermelha e branca em uma de suas mãos, transparente. Dentro dela, era visível o seu dragão de duas cabeças, cochilando. – Machucar Anni dessa forma! Ela não poderá batalhar tão cedo...  Só posso contar com Lara, a Sneasel. – Ela suspirava, dando um beijo na esfera e a guardando dentro de sua bolsa.
 


O rapaz de cabelos azuis suspirava decepcionado com a garota de cabelos rosa. Ambos pareciam caminhar até a saída da cidade, onde a mesma se despedia com um enorme arco de mármore com duas estátuas de Rhydons apoiando-o. Fora da cidade, podia-se ver uma breve rota que se dirigia até uma densa floresta de árvores gigantes. Era impossível ver além daquele local, é como se esse bosque fosse o fim da linha.

 


-Você me decepcionou, Sophia. – Miguel dizia sem dar atenção à garota. Enquanto caminhava, eles eram repreendidos por um garoto de trajes verdes e cabelos louros.
 


Ele estava de braços cruzados, impedindo a passagem dos dois jovens.


 
- Não posso deixar vocês prosseguirem! – Ele dizia confiante, demonstrando não ter medo de nenhum estranho. – Meu mestre me ordenou para que não deixasse ninguém entrar na floresta! Há algo muito errado lá!

- Errado? – Sophia se perguntava.

- Sim! Eu sou o guardião da floresta, e há uma criatura atacando viajantes que se aventuram dentre as árvores aqui em frente! É meu dever impedir que vocês sejam atacados até o meu mestre cuidar da criatura!
 


Miguel não parecia se importar com nada que o garoto dizia, então ele simplesmente colocava a mão na cabeça dele, e o jogava para o lado, o derrubando bruscamente e limpando o caminho. Sem se preocupar com a situação do moleque, ele seguia o seu rumo para a floresta de Veridian.

Sophia sorria e mandava um beijo soprado pra criança que estava caída, dando uma piscadinha. O tal “Guardião da Floresta” ficava corado e tentava se levantar com dificuldades, já que havia sido jogado de maneira brusca.
 








~>x<~




Notas:

Eventos importantes:

Novo personagem introduzido, o Guardião da Floresta.



- Juan está em Veridian. Ele humilhou Kyle e o desafia para uma batalha em meio de diversos cidadãos Veridianos. Kyle aceita o desafio, furioso.
- Miguel é um fdp.
- Morgan foi roubado por alguém que o ameaçou. Por isso ele estava em Pallet, e decidiu seguir Kyle e Brenda. 
- Sophia menciona que possui uma Sneasel chamada Lara.
- Algum Pokémon está atacando pessoas que adentram a floresta de Veridian. 
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Black~ em Sab 19 Out 2013 - 12:33

Bom, vamos lá.

Capítulo legalzinho, pequeno (ainda bem), mas foi importante, tendo o Juan voltando e desafiando Kyle, ele parece aqueles carinhas que vencem o fortão (o líder no caso), mas perdem fácil pro protagonista, que perde pro líder -qq.

O Miguel é bem filho da mãe mesmo, tomara que essa coisa estranha encontre com ele e mate-o e arranque o coração dele fora -q. Coitado do menino, só tava fazendo a função dele. Mas o Miguel já é um fdp desde sempre, parece que nem a surra que o mecânico deu nele adianta.

Cara, esses seus dramas que você coloca na fic acabam ficando engraçados. Tipo aquela parte que o Kyle conta que o dinheiro deles não é suficiente, e o narrador fala que todos concordam com a triste situação, sei lá, eu ri disso, talvez eu tenha problemas -q.

Bem que você disse que a jornada ia demorar bastante. Não sei se é bom ou se é ruim. É bom porque é diferente, é inovador, mas é ruim porque vai demorar pra caramba para ele ir pros lugares, haja paciência pra escrever tudo isso -q, mas enfim.

Erros eu devo ter visto um ou outro, mas nada de mais.

É só e boa sorte com a fic.
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Caio. em Qui 7 Nov 2013 - 15:38

Cara, eu realmente fiquei bolado quando vi no final o Yus... Joshua, porque não percebi quando ele apareceu. Aí depois eu saquei -q Eu ri do Ricardão, btw. Enfim.

Bom capítulo. Legal ver o ladrãozinho se [palavra censurada]. Finalmente o Jason Sem-Sobrenome apareceu, gostei bastante dele e do Russel. Espero que ele seja tão engraçado quanto aquele Machamp que planejamos algum tempo atrás kkkk

Eu notei no penúltimo cap que você repetiu algumas coisas, tipo chão, sendo que, etc. Paranóia minha provavelmente, so relax. Aliás, a pessoa com que Joshua esbarrou foi o Jason? Slá, falou algo de mulher, ele falou que não desistiria de Clarice, então lol

Eu gostei bastante do guardião da floresta. Fiquei com pena dele. Deveria aparecer mais, ele poderia ser aquele personagem baseado no Steel, hun? -qn Well, como te disse no Skype, dane-se se o capítulo tá pequeno, grande, etc. O negócio é passar a idéia que tinha para passar. E acho que cê passou, anyway. Um autor bom sabe o que falar, não faz nada mais, nada menos. Simples assim.

Well, that's it. Quero ver mais da jornada desses dois aí. E dos três.

Black: Fanfic trancada por inatividade. Caso queira reabrir, mande uma MP a qualquer FFM.
avatar
Caio.
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/06/2010

Frase pessoal : A noir. E blanc. I rouge. U vert. O bleu.


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Rush em Qui 27 Mar 2014 - 18:08

Black: Não zoe o Juan ou o Kyle, eles vão fortões sim. u.u AUEHAUEH' E tu ri do drama dos caras, imagina você com 14 anos viajando pelo mundo e batendo de cara com a desgraça do dinheiro? AUEHAUHEAUEHUAHEU' Muito obrigado pelo comentário cara, espero que continue lendo mesmo com a demora dos capítulos. :c Valeu, um abraço!

Caio: Você é lindo, sabia? Eu gosto demais do Russel, espero explorar mais ele no futuro. Só te digo que o Jason e o Russel vão aparecer mais vezes, mwahahah. Muito obrigado pelo comentário, continue lendo. <3


~>x<~

Sei que ninguém irá ler, mas sei lá. Gosto da fic e gosto de postar capítulos. Também gosto da galeria de personagens. <3 Então é isso, obrigado por ler, se você estiver lendo, é claro. 


~>x<~






- Seu pedaço de bosta. – Ele resmungava, dando sinal para Aoki avançar. O Bulbasaur olhava triste para seu treinador, enquanto suas quatro patas começavam a tremer. Ele lentamente começava a caminhar, engolindo seco. - Eu vou acabar contigo! - Kyle terminava, com ódio em seus olhos pela humilhação pública, causada por aquele persistente e irritante garoto.
 



Juan sorria, e também fazia um sinal para seu Squirtle avançar. O seu Pokémon então concordava com a cabeça e dava vários mortais para frente, até ficar em posição de combate, como se fosse uma coreografia.
 
 
 
 
 

As crônicas de um Gyarados Voador!

 

Kyle Adventures.
 
 
 
 
Capítulo XIII – Theoretical frustration.
 
 
 
 
 
Os cidadãos de Veridian pareciam empolgados com aquele evento não tão incomum que presenciavam. Faziam um círculo ao redor dos dois treinadores que estavam furiosos um com o outro, querendo descontar a sua raiva numa batalha convencional.
 
Kyle ainda estava coberto de espuma em seus ombros. Ele abanava o seu chapéu de palha com força, tentando retirar aquilo de seu capelo. Rangia os seus dentes, tentando se controlar para não partir para cima daquele moleque de cabelos azuis.
 
- Aoki, Pó do Sono! – O rapaz gritava, sem dar cerimônia para começar a batalha.
 
Seu Bulbasaur engolia seco e respirava fundo, criando a coragem necessária para poder dar o primeiro movimento. Então ele abria seus olhos vermelhos, enquanto a ponta de seu bulbo apontava para a tartaruga azul em sua frente. Um enorme jato de um pó verde era expelido.


- Kami, Giro Rápido! – Juan respondia em sintonia, como se já esperasse por isso.
 
Seu Squirtle dava um sinal com sua cabeça, sorridente. Ele então pulava e entrava em seu casco, girando numa velocidade surpreendente. Facilmente, a tartaruga bloqueava o golpe, que se espalhava pelo asfalto, sem atingir seus treinadores.
 
- Aoki, Chicote de Cipó! – Kyle aumentava o tom de sua voz, querendo acabar com aquela batalha o mais rápido o possível. Diante tal comportamento, Brenda cruzava os braços, vendo que aquela fase temperamental poderia fazer seu amigo se dar mal na batalha.
 
O Bulbasaur então soltava um par de vinhas de baixo de seu bulbo, e as lançava em direção do Squirtle, que ainda girava dentro de seu casco.
 
- Agora o morda! – O moleque de cabelos azuis respondia, abrindo um sorriso maroto.
 
O Pokémon aquático saia de seu casco ao momento em que ele parava de girar. Neste ponto, as vinhas do Bulbasaur estavam bem próximas. Ele aproveitava para morder uma delas com toda a sua força.
 
- Saaaur! – Aoki gritava de dor, enquanto lágrimas de desespero escorriam de seu rosto esverdeado. Imediatamente o Pokémon de grama parava de lutar, para fugir e tentar se livrar do Squirtle.
 
Kyle olhava a cena com raiva, vendo o seu pequeno Bulbasaur sofrendo daquele golpe baixo que o pegara desprevenido.
 
- Morder, sério? – Ele perguntava ajeitando o seu chapéu de palha, tentando não se abalar ou demonstrar qualquer tipo de fraqueza. – Aoki, aproveite para usar mais uma vez o Pó-do-Sono!
 
O inicial de grama parava de correr, engolindo o choro. Uma pequena lágrima escorria de um de seus enormes olhos vermelhos, que eram instantaneamente fechados na medida em que virava para voltar à batalha.
De seu bulbo, ele expelia mais um jato de um pó esverdeado, que refletia a luz do ambiente, emitindo pequenos e belos pontinhos brilhantes.
 
- Kami, intercepte com jato de bolhas! – Juan rapidamente respondia ao comando do inimigo, enquanto apontava o seu dedo indicador em direção do campo de batalha.
 
O Squirtle abria a sua boca, soltando uma das vinhas do Bulbasaur. A mesma havia ficado vermelha e um pouco inchada devido à força da poderosa mandíbula da tartaruga. Então o Pokémon de água inflava o seu peito, ainda no ar, soprando uma grande quantidade de espuma em direção do oponente.
 
- Aoki, saia dai! – Kyle gritava, vendo que aquela espuma parecia superar facilmente o jato de Pó-do-Sono de seu Bulbasaur, e naquele ritmo, iria facilmente atingir o seu Pokémon em cheio. – Use o Chicote de Cipó para enfrenta-lo no ar!
 
Aoki parava de soltar aquela quantidade de pó, fazendo-os cair no campo de batalha lentamente. Ele então soltava o par de cipós debaixo de seu bulbo, os pressionando contra o solo. A pressão do movimento seria tão grande, que o pequeno corpo do Bulbasaur era lançado para cima.
Neste exato momento, o jato de bolhas atingia o chão, fazendo uma linha de espuma no meio do campo de batalha, que seria o asfalto da rua.
 
Na multidão de cidadãos Veridianos que assistiam àquela batalha, havia um homem que estava admirado com as estratégias dos dois garotos, principalmente pela idade deles, já que eram muito jovens.
Ele tinha cabelos negros com alguns ornamentos dourados nele. Ele então retirava uma esfera de seu jaleco azul-marinho, contendo um Dragão bípede dentro, que ficava confuso ao perceber que seu treinador o tirava do bolso.
 
- Veja, Maximillian.  Ele suspirava para a Pokébola, enquanto o seu Dragão observava a batalha confuso.
 
- Agora use Chicote de Cipó nele! – Kyle dizia, com um sorriso no rosto.
 
O Bulbasaur ainda estava no ar, já que havia sido propulsionado pelo próprio golpe. Estava na mesma altitude do Squirtle, que caia lentamente. Aoki então lançava o par de vinhas em direção da tartaruga,
Aquele comando fazia com que os a multidão que assistia a batalha trocassem sussurros entre si, lembrando de que a última vez em que o Bulbasaur havia usado o Chicote de Cipó, o Squirtle havia se defendido com uma forte mordida.
 
- O que será que o seu namorado tem na cabeça? – Morgan perguntava, colocando ambas as mãos em sua nuca.
- Ele não é meu namorado. – Brenda o respondia, um pouco brava. – Mas eu não sei. Kyle é muito inteligente, então ele deve estar pensando em alguma coisa.
 
Juan assistia o par de vinhas se aproximando de seu Squirtle. Ele sorria, e mesmo não tendo tempo de pensar em algum contra-ataque, ele sabia que iria resultar na mesma coisa que havia acontecido alguns minutos atrás.
- Kami, o morda! – Ele comandava, com um sorriso no rosto. – Sério que você vai cair nessa de novo? – Ele perguntava, enquanto colocava ambas as mãos em sua cintura, se achando.
- Aoki, Pó-do-Sono! – Kyle respondia imediatamente.
 
O Squirtle inclinava o seu corpo para frente para tentar morder uma das vinhas do Bulbasaur, mas o Pokémon de planta entendia o plano de seu treinador, e também inclinava o seu corpo para frente, jogando as suas vinhas para baixo e desviando do golpe da tartaruga.
Neste momento, o seu bulbo apontava para o oponente e um jato de Pó-do-Sono era lançado em direção do Pokémon aquático, que estava alguns metros à distância.
 
- Ah não! – Juan rangia os dentes, fechando os pulsos com força. – Não irei cair nesse truque idiota! Kami use giro rápido, vai!
 
O Squirtle perdia o equilíbrio ao tentar morder o Bulbasaur, mas ele imediatamente escutava o comando de seu treinador, e entrava no seu casco, girando numa velocidade incrível.
Por ele estar girando horizontalmente, um pouco dos fragmentos de Pó-do-Sono entravam nas aberturas do casco do Squirtle. Eram poucos que faziam um efeito muito menor, mas aquilo causava um grande efeito na tartaruga d’água.
 
- Heh. É tudo uma questão de angulação. – Kyle ria, apontando para os Pokémons ainda no ar, caindo lentamente. – Aoki, use Derrubar!
 
O Bulbasaur soltava as suas vinhas que rapidamente laçavam o Squirtle, que parava de girar imediatamente, o que fazia um grande impacto, já que o Squirtle não conseguia mais executar nenhum movimento, atordoado.
 
- Kami! – Juan gritava, ao ver o Squirtle imobilizado pelos chicotes de vinha do Bulbasaur, que o puxavam em direção do corpo do oponente. – Use Quebra Crânio!
 
A tartaruga aquática não respondia, permanecendo dentro do casco, enquanto o Pokémon de grama o puxava, usando a gravidade para auxiliar no seu dano.
 
Quando os dois corpos estavam bem próximos, o chicote de vinha de Aoki deslaçava o casco de Kami, e os Pokémons se colidiam. Com uma forte cabeçada, o Squirtle era jogado contra o chão, também causando uma grande dor no Bulbasaur, que recebia o impacto do casco em sua cabeça.
Os dois então eram instantaneamente nocauteados, caindo ao chão sem poder fazer nada.
 
- Mas que porra foi essa. Kyle? – Brenda se perguntava brava, enquanto observava o seu amigo desesperado para pegar seu pobre Pokémon antes da criatura cair no chão. – Você tinha a batalha ganha! Pra que usar um golpe como esse?!
Os espectadores trocavam sussurros entre si, enquanto alguns se viravam para ir embora, já exaustos por ficarem aquele pouco tempo de pé, assistindo tal batalha.
 
Kyle segurava o seu Bulbasaur, mesmo que ele caísse com o impacto. Ele não estava contente, mas não podia esconder o orgulho que sentia por seu Pokémon, vendo em como ele teria se saído bem durante a luta.
 
- Você se saiu muito bem, Aoki. – Kyle dizia em voz baixa, enquanto o Bulbasaur, já desmaiado, apenas roncava e babava em seus braços.
 
~>x<~
 
 
Morgan suspirava, vendo o por do sol da janela de seu quarto. Não podia esconder a sua preocupação, principalmente naquele dia que fora praticamente inútil. Não tinha arranjado ninguém para entrar em sua equipe. Nenhum mecânico, nenhum cozinheiro.
 
Mas não era aquilo que estava preocupando o rapaz. Havia algo a mais dentro daquele olhar distante direcionado à janela do hotel. Ele apenas via o céu alaranjado, com a silhueta de alguns Pidgeys que voavam em bando para o sul, fugindo daquele frio anormal.
 
- Tá pensando no ladrão que roubou as suas coisas? – Brenda perguntava se aproximando do rapaz, sentando-se ao seu lado no sofá em que ele se encontrava.
 
Morgan respondia com um sorriso no rosto, vendo que a loira se preocupava com o seu bem estar. Ele então colocava ambas as mãos em sua nuca e se inclinava para trás, jogando todo o seu peso em suas costas, enquanto relaxava naquele confortável sofá marrom.
 
- Pois é. – Dizia. – O maldito roubou algo bem valioso pra mim.
 
- Hum... O que seria? – A garota se aproximava mais do rapaz. Ela não podia negar a imensa curiosidade que sentia no momento. Aquele tal de Morgan, em si, era uma pessoa muito misteriosa. O trio estava unido há quase um mês, e nem Kyle ou Brenda sabiam alguma coisa sobre esse guia.
 
 
Ele mais uma vez sorria, desta vez jogando a sua cabeça pra trás, no encosto do sofá, relaxando enquanto fechava os olhos.
 
- Amanhã a gente resolve isso. – Terminava então a conversa, rapidamente caindo no sono.
 
~>x<~
 
 
Jason estava numa pequeno escritório mal iluminado e bem bagunçado. Ele parecia estar sentado enquanto mexia em alguns objetos de metal numa escrivaninha. A superfície de madeira estava suja de óleo, assim como esses objetos de metal, que variavam de chaves de fenda a pequeninas engrenagens.
No canto do cômodo, o Hitmonchan de luvas azuis estava jogado numa cadeira, enquanto dormia de boca aberta, roncando. Era possível ver um fio de baba saindo de sua boca.
Após um tempo, uma mulher entrava no local, abrindo a porta com delicadeza para não fazer muito barulho. Ela vinha com uma bandeja cheia de comida, acompanhado com dois copos com suco de laranja.
 
- Montando uma Pokébola? – A mulher dizia abrindo um simpático sorriso no rosto. Seus cabelos eram castanhos e estavam presos. Seus olhos eram azuis-ciano.
- Nah. – Jason sorria, limpando suas mãos num pano cor-de-mel para retirar o excesso de graxa. Ele pegava uma espécie de caneta-maçarico e uma esfera prateada com alguns parafusos. Ao apertar um botão da caneta, uma faísca atingia a esfera, fazendo com que um olho se abrisse em seu centro.
 
Quando isso acontecia, um par de imãs era atraído para a esfera prateada. A criatura começava a flutuar, havia recebido vida.
 
- Um Magnemite. – Jason respondia sorrindo. O Magnemite flutuava em direção da mulher, enquanto a contornava, como se estivesse a analisando, o que fazia rir com tal criação.
 
- Isso é incrível! – Clarice dizia, maravilhada com a inteligência de seu marido. – Você é incrível.
 
O homem apenas ria, sem graça. Ele limpava mais uma vez as suas mãos naquele pano cor-de-mel, tentando retirar o excesso de graxa que ainda estava impregnado em suas mãos, ele então se levantava e pegava a bandeja, colocando sobre a mesma em que trabalhava.
 
 
- Eu o construí pra você, sabe? Te proteger. – Jason falava enquanto a segurava pela cintura.
- Seu idiota. Eu não vou mais ser assaltada. – Clarice sorria, ficando corada.
- Agora não vai mesmo, haha.
 
A mulher sorria, dando um beijo no belo homem. Ela então virava o rosto para baixo, demonstrando tristeza em seus olhos.
- Você nunca deveria ter desistido de sua jornada por mim. Sei que você sempre sonhou em viajar por Kanto... Ser reconhecido.
- Ser reconhecido não. – Jason ria. – Deixe isso pra lá. Estou aposentado. Nunca encontrei nenhum treinador com quem gostaria de trabalhar.
 
Clarice forçava um sorriso, mesmo que a tristeza em seu olhar a entregasse. Ela não podia negar o amor que sentia por Jason. Ela estava completamente apaixonada por ele, e sabia que o sentimento era recíproco. No fundo, ela se culpava. Sentia-se triste ao saber que Jason desistira de seus sonhos por ela.
 Jason mesmo não admitindo, sentia uma enorme vontade de formar uma equipe, viajar por Kanto, conhecer culturas diferentes, conhecer ginásios e pessoas diferentes. Sonhava em um dia estar na Liga. Estar auxiliando um Treinador de Elite. Estar lá, vendo o seu esforço dando certo, ver a sua parte sendo cumprida. Escutando os aplausos, vendo sorrisos.
Coisa que acontecia apenas em seus sonhos.
 
 
- Bem. Eu já vou dormir. – Ele respondia, dando um profundo beijo em Clarice. – Quem sabe amanhã eu consigo vender aquela pedra para alguém responsável, algum colecionador.
 
- Aquela que você pegou daquele moleque? – Clarice perguntava não muito contente.
 

- Sim. Aquele maldito Rocket. – O homem suspirava, tentando se acalmar. – Tenho certeza de que ele ficará em Pallet por um bom tempo, já que seus capangas estão presos. 
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por DarkZoroark em Sex 28 Mar 2014 - 6:25

Rush o/
@Rush escreveu:Sei que ninguém irá ler, mas sei lá [...]
Até parece que quando eu visse que a fic tava de volta eu não ia dar uma passada pra ler e comentar XD. Enfim, achei legal que voltasse a postar os capítulos para dar continuação a uma história tão legal quanto essa. Acho que o último eu não tinha chegado a comentar porque quando fui fazer a fic já tinha sido trancada, mas não lembro mais. Sem mais delongas, vamos à análise:
A batalha entre o Kyle e o Juan - vai demorar até eu decorar todos os nomes de novo... - ficou realmente legal. Achei nostálgico o uso de mordida para parar um chicote de cipó - nem lembro qual episódio foi, só que é antigo pacas. Usar Giro Rápido para impedir Pó-do-Sono, mas dependendo da posição em que se encontra também foi muito original. Tinha achado que mesmo com a vantagem o Aoki ia acabar perdendo para o Kami, mas um empate foi algo que eu não esperava, se bem que era pro animal-planta vencer.
A parte do diálogo entre o Morgan e a Brenda foi, por definição, mais pra me encher a cabeça de teorias do que qualquer outra coisa. Tenho lá umas cinco ou seis ideias do que fora roubado, mas vou deixar por baixo até ter uma ideia melhor.
A introdução do fragmento com o Jason meio que me lembrou a cutscene no começo do primeiro Devil May Cry. O tal Hitmonchan que eu esqueci o nome foi o ponto alto de comédia, dormindo e roncando. Parece ser um personagem muito interessante. Mais interessante ainda foi o fato de ele ter construído um Magnemite. Achei muito, mas muito fascinante e original a inclusão em uma Fanfic de que pessoas podem criar Pokémons - algo que eu só havia visto antes nas Pokédex Entries. Fico imaginando quais outros em que essa lógica será aplicada. Estou meio que imaginando que a tal pedra trate-se de uma Mega Stone, mas vou ter de esperar para confirmar. Tenho a sensação de que o tal ladrão já apareceu na história.
Erros eu creio ter encontrado apenas um:

@Rush escreveu:Os cidadãos de Veridian pareciam empolgados com aquele evento não tão incomum que presenciavam.
Não seria Viridian?
A descrição e a narração acho que dispensam comentários - visto que mantenho a mesma opinião de sempre. Vou deixando o comentário por aqui. Aguardo pelo próximo capítulo.  ninja 
avatar
DarkZoroark
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/04/2011

Frase pessoal : Let's Play!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Black~ em Sex 28 Mar 2014 - 15:22

A JIARADOS VOADOR (olha o pleonasmo, seu Rush) VOLTOU!!11!11!! CHUPA RÚSSIA, CHUPA ESTADOS UNIDOS!!!11!!!!1!

O capítulo foi bacana, com o encerramento da batalha entre os dois noobs (não, eles não são fodões, desculpa -q). Com aquele mistério do que foi roubado do Morgan e com o final do Jason-sem-sobrenome e a sua esposa/peguete/ficante, ou qualquer etc.

Cara, como o Jason constrói um fucking Magnemite? Tipo, ficou muito daora isso, porque tipo, o Magnemite é um ímã, uma invenção do homem, então ele não pode ser encontrado na natureza. E essa sua ideologia foi boa -q, mas enfim.

A batalha foi interessante, cheia de estratégias, e bem "lá e cá", com altas reviravoltas e um final surpreendente. Mas tipo, o golpe que "nocauteou" os dois foi o Derrubar? E que golpe é esse Derrubar? É o Take Down? -q, mas enfim.

O capítulo foi bom e não vi nenhum erro, só achei que aquela frase do "esfregava as mãos no pano cor-de-mel pra tirar a graxa" (algo assim) não era necessário repetir logo depois, mas enfim, nada tão surpreendente.

É só e boa sorte com a fic.
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Rush em Seg 7 Abr 2014 - 17:10

@DarkZoroark: Muito obrigado! *-* Fico feliz que você não tenha desistido de ler o projeto. Fico feliz também em você ter gostado das ideias, como construir um Magnemite e as estratégias. Sobre o correto, Viridian seria fora do Brasil, e de forma brasileira temos Veridian. Eu acabei confundindo com isso, e fiz com que Kyle diga Viridian mesmo sendo Veridian. AUHEUAHEUAHEUA'


Muito obrigado pelo comentário, continue lendo. *-*


@Black: Black! *-* Muito obrigado, fico feliz também que você continue acompanhando. Eu sou o rei dos pleonasmos de escrever coisas no mesmo sentido. (ba dun tss), o Kyle é fodão sim. u.u Só tá noob ainda. BEM noob. AUEHUAEH' Sobre construir um Magnemite, tentei explicar que existe uma "caneta da vida", que quando encosta no bicho, dá "vida" a ele, e até sentimentos/dor. Ainda será mais explicado no futuro. O golpe foi Take Down mesmo. AUEHAUE'


Muito obrigado pelo comentário. Continue lendo! *-*








~>x<~




Espero que gostem do capítulo, pois nele será introduzido um personagem MUITO importante para o decorrer da fic. Ele é bem bizarro, na minha opinião, e então não sei como vocês vão reagir a ele. Muito obrigado por lerem, eu adoro vocês. <3




~>x<~








- Chupa seu otário! – Berrava, o que fazia a multidão gritar comemorando a sua vitória. Ele então jogava o seu chapéu de palha para cima, enquanto várias pessoas que o assistiam o levantavam, para mostrar o novo campeão daquela pequena casa de torneios.
 
Kyle estava num lugar grande em uma parte movimentada de Veridian. Era um Ginásio, mas não um Ginásio oficial. O local parecia um grande Pub ou uma casa de eventos, onde era pouco iluminado com várias luzes coloridas que piscavam em sintonia com as batidas de músicas eletrônicas e hits do momento.
No campo onde batalhava, estava Nero sentado, aguardando seu Treinador o chamar de volta, enquanto um enorme Tauros estava caído, nocauteado. No lado oposto, em cima de uma arquibancada, o Mestre de Cerimonia da casa de eventos cruzava os braços, abrindo um suave sorriso no canto do rosto, que mostrava a sua satisfação ao ver a clientela mais que animada graças à batalha que acabara de presenciar.
O treinador rival retornava o seu Tauros, saindo do campo de cabeça baixa, rezando com todas as forças para que não desviassem a sua atenção para ele, sendo visto como apenas um veterano que perdeu para um novato.


Já o Mestre de Cerimonia do local descia as escadas para alcançar Kyle e o cumprimentar pessoalmente. Quando pisava no último degrau, um enorme Poliwrath pulava da arquibancada para o piso térreo, acompanhando o seu dono. O que mais chamava a atenção do grande girino era o fato dele estar calçando duas gigantescas meias e um par de luvas com uma estrela em seu punho.
 
 
 
 

As crônicas de um Gyarados Voador!

 

Kyle Adventures.
 
 
 
 
Capítulo XIV – Oportunity.
 
 


 


- Quem diria. – Comentava junto com um suspiro, enquanto passava a mão no leve e macio pelo alaranjado de sua Vulpix em seu colo. – Três meses atrás ele apanhou feio para Aurora. E hoje ele já é amigo de um dos maiores organizadores de eventos competitivos de Veridian.

- Pois é. – Morgan respondia, bebendo um copo de algo transparente, provavelmente vodca. – Esse garoto está evoluindo mais que os próprios Pokémons. – Dava uma pausa para outro longo gole, até acabar toda a bebida. – Está vencendo mais treinadores do que sua reputação pode aguentar. Quer dizer... Ele é um caipira de Pallet.

- Ei! – Brenda retrucava brava. – Eu também sou de Pallet.

- Você também é uma caipira de Pallet, você quis dizer. – Sorria, virando o rosto para uma mesa um pouco distante, onde Kyle e o mesmo homem de antes conversavam a sós.
 


Estavam numa espécie de restaurante, porém ainda estavam dentro da casa de eventos, mostrando em como aquele ginásio não oficial era sofisticado. O local estava lotado, com pessoas bem vestidas e chiques, parecia ser a área VIP.

O Mestre de Cerimonia do local era ninguém menos que Jöhan Falk. Um jovem adulto belo e bem sucedido de vinte e seis anos, que organizava eventos e administrava as várias casas de evento por toda Veridian, que se expandiam em outras cidades populares, como Celadon e Saffron.
Falk era alto, se aproximando dos dois metros de altura. Estava sempre bem vestido e arrumado. Seus cabelos louros curtos eram lisos, tampando um de seus belíssimos olhos verdes.  No seu lado, um enorme Poliwrath o acompanhava, como uma espécie de guarda costas. Ele era incrivelmente alto para a sua espécie, sendo até mesmo maior que o próprio treinador.
 


- Então, deixe-me ver se eu entendi. – Jöhan dizia em tom de riso, como se estivesse gostando da conversa. – Você está recusando minha oferta em ser um treinador oficial da minha casa de eventos “La Brise” para seguir rumo em uma jornada?

- Pode crer. – Kyle respondia, bebendo um grande copo de suco de laranja. – Mas poxa, eu tenho esse sonho desde moleque, e só agora tive a atitude de segui-lo. – Sorria, olhando para as Pokébolas transparentes em sua mão direita, contendo seu Bulbasaur e seu Growlithe que pareciam felizes em ver seu treinador.

- To ligado. – O loiro dizia, sorrindo. – Você foi um dos pioneiros que acabaram com essa grande “depressão” dos treinadores. Esse lance virou modinha novamente e está me rendendo bastante lucro.
 


Aquelas palavras chamavam a atenção de Kyle, que até ajeitava o seu chapéu de palha em sua cabeça, para melhor conforto. Ele se apoiava em ambos os braços que ficavam sobre a mesa e inclinava o seu corpo, para ter total atenção do que aquele empresário dizia.
 


- Claro que você vai seguir essa jornada, é lógico. – Jöhan continuava. – O problema é que isso é algo bem difícil e abstrato, entende? Não é seguro você simplesmente apostar em si mesmo enquanto tenta disputar na liga.

- Mas é o jeito. – Kyle interrompia. Estava um tanto aborrecido pela falta de fé por parte do loiro.

- Eu sei. Conheço um par de gente’ que pagaria apenas pra ver o “caipira de Pallet”, “o carinha que acabou com a grande depressão dos treinadores”, apenas para vê-lo batalhando na Grande Liga. – Interrompia em resposta. – Mas você tem algum mecânico, médico, ou até mesmo um criador?

- Tenho uma médica! A Brenda. E um guia também. – Cruzava os braços, ficando cada vez mais irritado com aqueles questionamentos. Não podia esconder o seu egocentrismo ao sentir-se orgulhoso com os membros em seu grupo.

- Ótimo. Embora um guia não seja muito... Útil, sabe? Um gasto a mais.

- Eu não vou dispensar o Morgan. – Dizia num tom sério, o que acabou em cortar Jöhan. Num tom tão sério que chegou a ser constrangedor, já que causava um silêncio desconfortável.
 


Ficavam sem falar nada por um momento, fazendo com que Kyle observasse o seu redor para tentar ignorar aquele momento de constrangimento. 

Observava várias garotas belas vestindo roupas curtas o encarando, provavelmente com grande interesse ao vê-lo com o dono de La Brise.
Por mais que quisesse se aproveitar daqueles cinco minutos de fama e transar com qualquer garota bonita que tivesse chance, sabia que era uma má ideia ao se lembrar do que houve com Bruna.
 


- Vamos fazer o seguinte. – Falk dizia inesperadamente, o que até assustava Kyle. – Eu realmente quero financiar a sua jornada. Quero sim. – Dava ênfase enquanto concordava com a cabeça. – Mas é algo arriscado, e até impossível neste momento. Então porque não contrata um mecânico? Tenho um ótimo em mente, ele seria perfeito na equipe.

- Sério? – Kyle perguntava com brilho nos olhos.

- Sim. Ele é o melhor que eu conheço, porém ele sumiu do mapa. – Aquelas palavras faziam o rapaz com chapéu de palha se desanimar. – Mas guarda um segredo? – Ele ironizava ao dizer em tom baixo, se aproximando do novato. – Eu sei onde é a sua academia. Sei onde ele se encontra.
 


O rapaz de Pallet exibia uma expressão surpresa em seu rosto, escutando cada palavra do loiro com toda a atenção que tinha. Uma gota de suor escorria por seu rosto junto com seu esforço de tentar decorar toda aquela informação em sua mente. Só faltava uma caneta e um pedaço de papel para completar a sua expressão.


- Ele é um brother meu. Não mantemos contato, mas né... Já fizemos algumas trocas de favores no passado. – Jöhan terminava enquanto dava uma piscadinha, como se quisesse que Kyle guardasse aquilo em segredo. – Se quiser, a gente cola lá agora.

- Agora? – Kyle se questionava, vendo que estavam em meio de La Brise, se divertindo. Pra ser sincero, não tinha ideia de que horas eram naquele momento.
 


 
~>x<~
 




A dupla caminhava pela densa floresta de Veridian, perdidos. Pareciam estar assustados, já que os seus passos estavam acelerados e suas respirações ofegantes. Estavam tentando correr, fugir de alguma coisa. Miguel, o Chama Azul, apressava o passo enquanto puxava a mão de Sophia, onde o seu braço direito batia na vegetação em sua frente para eliminar os obstáculos do caminho.

 


- Miguel, use a Vuur! – Sophia dizia em tom alto, cansada de correr. – Ou nós vamos morrer!

- Não seja tola. – Respondia seco. Tentava ocultar o seu nervosismo, mas não conseguia. – Se eu usar minha Ninetales a floresta vira pó. Conseguimos despistá-los a pé!
 


Naquele momento, a vegetação em sua frente ficava menos densa, revelando o caminho que percorria. O rapaz de cabelos azuis então se assustava com a imagem de um grande Pokémon esverdeado bloqueando o seu caminho.
 


- Saithá! – A criatura berrava dando um veloz golpe horizontal, que Miguel desviava imediatamente, por sorte. Aquilo fazia Sophia soltar um longo grito de desespero, o único sentimento que sentia no momento. O grito ecoava por toda a floresta.
 
 
~>x<~
 


- Ei, você não pode passar! – O garotinho com roupas de escoteiro repreendia um jovem que tentava avançar o caminho, uma estrada de mármore que guiava até o início da Floresta de Veridian.
 


Antes que o jovem pudesse reclamar ou retrucar a criança, o grito de desespero de Sophia era escutado, junto com o bater de asas dos pássaros nos galhos das árvores, assustados com aquilo. O garotinho loiro ficava paralisado enquanto um forte calafrio percorria a sua espinha, então não perdia tempo e corria para dentro da cidade.
 



- Mestre! – Ele gritava, sem olhar pra trás, parecendo até que iria tropeçar a qualquer momento de tão rápido que corria, usando todas as suas forças. – Mestre, os monstros estão atacando!



~>x<~



Jöhan Falk, o Mestre de Cerimônia. 
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Black~ em Qui 10 Abr 2014 - 14:53

Só fui ver que você tinha postado ontem à noite, ai li, mas tinha aulinha de manhã então fiquei com preguiça de comentar -q, mas quem se importa com isso? Mas enfim -qq.

Bom, o capítulo ficou legalzinho, ficou curto, mas ficou legal, cheio de acontecimentos loucos, como esse Jöhan Falk entrando na história como um empresário chato (pleonasmo) e com os fumantes do Miguel e da Sophia sem rumo na vida.

Então quer dizer que o Kyle revolucionou o mundo dos treinadores pokémon? Engraçado é que ele protagonista. Coin see then sea? Há choque não -q. Mas falando sério, é interessante isso de não ter quase nenhum treinador, e aparecer um fodão (não Rush, o Kyle não é fodão, mas vamos tomar esse exemplo -q) que sai ganhando tudo pela frente. É bacana ter esses torneios por ai também.

Achei bacana esse Johan, irritante, mas bacana. É legal também ver alguém sendo contratado pra batalhar, porque tipo, nas jornadas os caras saem e tiram dinheiro do rabo, porque andam por ai à toa, sem ganhar nada.

Agora vai começar uma busca do trio e mais o Johan atrás do cara sem sobrenome lá. Mas até agora não entendo a real necessidade do mecânico. Acho que você tinha falado que era pra consertar as pokébolas, né? Mas elas quebram assim, tão facilmente?

Não vi nenhum erro que pudesse prejudicar a leitura.

Então é só e boa sorte com fic
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por DarkZoroark em Sex 11 Abr 2014 - 8:38

Rush o/
Já tinha lido o capítulo quando postasse, mas só deu pra vir comentar agora em contra de algumas questões de natureza pessoal. Então, sem mais delongas, vamos a análise:
Kyle continua sendo, como sempre, um doce de pessoa ¬¬'. Não sei porque, mas quando li Pub fui pensar em um daqueles bares antigos irlandeses. Espero não estar fazendo confusão, mas enfim... o.O Cara, Nero tá mandando bem, hein? Detonou um Tauros e ainda fez com que o "caipira de Pallet" fosse consagrado campeão da Elite 4.
Quanto ao Johan, achei bem legal o personagem. Meio que me lembrou da Shiroyasha, que é uma personagem de uma light-novel. Os dois podem ser bem irritantes, mas sempre acabam por dar uma mão ao(s) protagonista(s). Poliwrath de meias é uma coisa de cômico. Quando vi a imagem no final do capítulo, não tive como ficar sem rir kkkk. O fato de ele também se dispor - digamos assim - a financiar a jornada do Kyle é outro ponto interessante, já que na maioria das histórias de jornada o pessoal que faz jornada parece ter o action replay do dinheiro infinito.
Cara, nem lembro o que que aconteceu com a Bruna, mas achei bem prudente do Kyle de não sair esbanjando a fama e tentar tirar proveito da situação - olha que é pouca gente que tem um caráter desses. Quero ver agora como que será o encontro dele com o Jason - imagino eu que seja ele, posso estar enganado no fim das contas - e a reação que não vai ter quando vir um Pokémon com capacidade de fala.
Admite aí Rush, tu tem algo com os Scythers. Na Gonryu mataram e devoraram um Samurott e aqui tão atacando um grupo de crianças e sendo chamados de monstros. Imagino que vá acontecer algum tipo de luta das boas nos próximos capítulos entre os protagonistas e esse bando de Pokémons selvagens. Arrisco até a dizer que possa acontecer uma captura no fim das contas, mas quem que vai protagonizá-la ainda não sei - se bem que do grupo principal é só o Kyle que parece interessado nisso mesmo...
Erros eu não encontrei nenhum e, como de costume, sua escrita está ótima.
Fico agora no aguardo do próximo capítulo para ver como que as situações irão se desenrolar.  ninja 
avatar
DarkZoroark
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/04/2011

Frase pessoal : Let's Play!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Mítico em Seg 14 Abr 2014 - 0:36

~Mítico entrando sem querer chatear ninguém~ (...)Esta fan-fic não deveria estar postada no seu respectivo tópico? Peço desculpa se me induzi em erro, mas é que um dia destes pode-me dar a gana de fazer uma dessas e entro em ressaca deprimente por não saber onde a postar Sad
Desde já agradeço a vossa compreensão ^-^
E por sinal estou a gostar imenso da tua fan-fic (do búlgaro sŭm krasiva).
________//_________

~Edição de uns dias depois...~ Esqueçam o que eu disse, a fan-fic tem os documentos todos na ordem, a culpa é das minhas cataratas minha, ando a ver mal ;_; Continuação de bom trabalho!  What a Face 
avatar
Mítico
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
3 / 103 / 10

Data de inscrição : 20/04/2011

Frase pessoal : Heaven, I'm in heaven- Adagio


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Rush em Seg 21 Abr 2014 - 21:26

@Black: Muito obrigado! Não tenha pressa de comentar, contanto que comente. AUHEUAHE' Zoa, mas é muito bom ver um comentário seu por aqui. UAHEAE' Ah man, o Jöhan é um cara legal. Ele só é muito forçado, mas é uma pessoa maneira e rica. Talvez ele seja tão maneiro assim porque ele é rico, e só por isso. Sobre o Kyle, é por isso que ele é o protagonista uai, por ser o pioneiro dessa revolução dos treinadores. AUEHAUE' Muito obrigado cara, continue lendo! Um abraço.


@DarkZoroark: DZ! Muito obrigado, cara. Eu to tentando fazer um mundo completamente realista, onde ser um treinador não é tão fácil como esses personagens de Action Replay. Acho que se isso existisse, com certeza seria um esporte como o Futebol. E você me pegou, cara. AUEHAUE' Eu AMO Scythers, acho que eles são vilões incrivelmente incriveis, sei lá. Eu tenho uma certa compaixão sobre eles. UAHEUHAEU' Muito obrigado cara, continue lendo! Um abraço!


@Mítico: Míííítico! ~Zégraçafeelings. Então cara, bagunçaram todos os tópicos, inclusive a Fan Fic. Muito obrigado pelo comentário, espero que você comece a ler e goste da Fan fic! (:




~>x<~








Então, estamos chegando ao final do primeiro volume. Espero que gostem!




~>x<~






Jöhan Falk estava caminhando pelas calçadas de Veridian, enquanto aproveitava a serenidade daquela noite junto da companhia de novos amigos em sua volta. Claro que a serenidade em sua cabeça era composta por barulho de carros passando pelas ruas e pessoas falando em seus celulares enquanto caminhavam de volta para as suas casas.
 
Seu Poliwrath gigante caminhava um pouco atrás de seu treinador. Agia como um segurança pessoal de Falk, e com certeza intimidava qualquer um que olhasse torto para o Mestre de Cerimonia. Mesmo sendo cômicas as luvas e meias no enorme anfíbio, ninguém iria se atrever de soltar uma risadinha sequer na presença daquela criatura de mais de dois metros forrada em músculos.
 
Ao contrário de Morgan e Brenda, Kyle não se importava com a presença do enorme Pokémon de água. Achava até interessante em como aquele mundo era diversificado com criaturas exóticas e bizarras. Mas o motivo de estar animado era a razão de estar seguindo Jöhan. Iria conhecer o futuro Mecânico de sua equipe, e para melhor ainda, iria ser patrocinado e financiado pelo Mestre de Cerimônias.
 
 

As crônicas de um Gyarados Voador!

 

Kyle Adventures.
 
 
 
 
Capítulo XV – Good Old Friends.
 
 
 
- Jöhan! Quanto tempo! – A mulher de cabelos castanhos o cumprimentava com um abraço e um beijo no rosto, enquanto abria ainda mais a porta para que seus convidados pudessem entrar, mostrando-se uma boa anfitriã.
- Eu sei! – O loiro respondia com outro beijo no rosto. – Você ainda está bonitona, Clarice. Ainda está com cara de dezenove.
- Ah, pare! – A garota o empurrava, sem graça.
 
Kyle olhava aquela cena sem graça. Dava pra ver que o Mestre de Cerimonias era bem amigo daquela mulher chamada Clarice. Ele entrava no pequeno cômodo, que parecia ser uma academia velha. No entanto, era possível ver que atrás de um ringue, possuía outra porta que dava acesso a uma pequenina residência, mostrando que a academia se juntava com a casa.
Naquele momento, um Magnemite aparecia flutuando em direção de Clarice, enquanto a pupila de seu olho ficava vermelha e se movia aleatoriamente analisando aqueles estranhos. Seus imãs pareciam se mover em direção deles enquanto ele fazia alguns zumbidos semelhantes ao seu nome.
 
- Bullseye! Eles são convidados. Faça café.
 
A pupila do Magnemite passava de vermelho para azul suavemente, enquanto se acalmava e o pequeno robô parava de analisar os estranhos, já os registrando como convidados em sua memória. Ele então zumbia mais uma vez enquanto dava meia volta e flutuava rapidamente em direção da cozinha.
 
- Não será necessário café, querida. – Falk respondia sorrindo. – Só viemos fazer uma incrível proposta para seu marido, sabe?
- Ah sim. Esses jovens bonitos são treinadores, eu suponho. – A mulher sorria para Kyle, Brenda e Morgan. Estendendo a mão direita para cumprimenta-los, seguidos de um beijo no rosto. – Meu nome é Clarice, prazer!
- Kyle! – O rapaz dizia, retribuindo os cumprimentos, assim como Brenda e Morgan. – É uma academia bem bonita aqui.
- Você gostou? Sempre achei um lugar mofado de tão pouco usado. – Ria, após terminar de cumprimenta-los. – Podem ficar a vontade, a casa é de vocês. E se precisarem, o banheiro é lá atrás.
 
Os três sorriam, enquanto  acenavam com a cabeça. Agradecidos pela cortesia da mulher.
 
- Não quero parecer rude, mas... Eu realmente preciso dar uma mijada. – Morgan dizia, fazendo com que os outros olhassem feio para ele, inclusive o gigantesco Poliwrath.
 
Clarice dava um sinal com o rosto, permitindo que ele pudesse ir ao banheiro, e ele então apressava o passo para os fundos, saindo do cômodo.
 
- Jason foi para Veridian. Parece que lá está tendo alguma atividade estranha com Pokémons perigosos. Nada tão incomum assim.
- Entendo. – O loiro a respondia.
 
 
~>x<~
 
Morgan apertava o botão da descarga e então lavava as suas mãos na pia, dando uma ajeitada em seu visual no belo espelho preso a parede. O lugar era bem humilde, mas era bem arrumadinho, sendo um ambiente bem agradável.
Ao sair do banheiro, ele observava um cômodo com a porta aberta. O chão estava sujo de graxa, então a curiosidade quase que obrigava a investigar o local. “Ela me disse para ficar a vontade, não é verdade?” pensava consigo mesmo, enquanto entrava furtivamente no local.
Ele tomava cuidado para que o Magnemite não o notasse, mas Bullseye parecia ocupado o bastante preparando café e biscoitos para os convidados, controlando a batedeira e o forno elétrico com faíscas de diversas intensidades.
Morgan percebia que o lugar se tratava de uma oficina, uma espécie de escritório, com direito a plantas de construção e até uma escrivaninha com vários objetos – de parafusos, e chaves de fenda, até placas de metal e martelos. - Mas havia algo que chamava a sua atenção.
 
- Não acredito. – Suspirava, enquanto seu coração batia desesperadamente e seu rosto ficava rapidamente branco de tão pálido. O rapaz avançava alguns passos em direção da escrivaninha, observando um pequenino objeto redondo reluzente, da cor castanha.
 
Ele a segurava com os dedos suavemente, checando para ver se era aquilo mesmo que ele pensava que era.
 
- Achei você. – Terminava, com um sorriso maior que seu rosto. Seu coração estava agitado, e não conseguia esconder a felicidade que sentia no momento. Ele então chacoalhava o seu rosto, tentando agir normalmente, e escondia a pequena esfera no bolso de sua calça.
 
~>x<~
 
 
Kyle abocanhava um dos biscoitos de chocolate que o Magnemite havia servido em uma bandeja metálica. Ficava com as bochechas cheias pelo tamanho do cookie, o que fazia Brenda olhar feio para ele.
 
- Cadê as boas maneiras, Kyle? – Ela brincava, enquanto mordia suavemente um pedaço.
- Em Pallet. – Ele respondia de boca cheia, enquanto bebia um copo de leite. – Ai você está Morgan! – Dizia, logo em seguida engolindo o biscoito. – Vamos para a Floresta de Viridian! É lá que Jason está!
 
Morgan caminhava lentamente em direção da saída, com um sorriso em seu rosto.
 
- Sim. Vamos para lá. – Dizia abrindo a porta e saindo, sem se despedir de Clarice, o que fazia Kyle e Jöhan se entreolhar, estranhando a situação.
- Bem, Clarice. Foi muito bom te rever. – Falk então a abraçava. – Mas iremos voltar quando encontrarmos Jason.
- Tudo bem! Irei estar esperando. – Ela respondia sorrindo. – Foi muito bom conhece-los, Kyle e Brenda! Digam a Morgan para ele comer um biscoito da próxima vez. – Brincava, fazendo os dois rirem de leve.
 
~>x<~
 
 
- Willian, escolte esses dois para dentro de Veridian agora! – Jason gritava, enquanto ficava parado na frente de Miguel e Sophia. Não parecia tão preocupado como eles, já que observava aquele grupo de Scythers com uma mão no bolso de seu jaleco enquanto mastigava um palito de dente.
 
O pequeno garotinho loiro que se autodenominava, “O Guardião da Floresta“, concordava com a cabeça, auxiliando Miguel e Sophia a se levantarem. Ambos estavam abalados e nem se deram conta que conheciam aqueles dois. Apenas concordavam com a cabeça e o seguiam.
Enquanto isso, Russel estava na frente de seu parceiro, em posição de combate.
 
- Um bando de Scythers atacando um casal esnobe que não seguiram as regras. Clichê, não? – O Hitmonchan brincava com Jason, sem manter o foco nas criaturas esverdeadas com lâminas em suas patas.
- Nem me fale. – Respondia em tom sério. – Mas me pergunto o porquê deles estarem agindo desse jeito. São territoriais, mas geralmente ficam na parte profunda da floresta.
- Nada que uma boa surra resolva. – O Pokémon brincava, enquanto ambos os punhos começavam a pegar fogo.
- Tente não bater muito, afinal, algo está errado... -
 
Antes que pudesse terminar a frase, os insetos planavam velozmente em direção do Pokémon humanoide, que contra-atacava perfeitamente com apenas um soco em cada criatura, acertando exatamente no rosto dos Scythers enquanto desviava em sintonia dos movimentos do inimigo.
Quando podia ver, o grupo de seis Scythers já tinham cinco quase nocauteados, assustados e recuavam em direção do líder.
 
- Merda, Rocky. – Jason o repreendia, vendo que o parceiro havia ferido as criaturas que ele acreditava serem inocentes.
- Você queria que eu fizesse o que? Virasse picadinho desses vermes? – Russel retrucava. Seus punhos ainda estavam em chamas, que não consumiam as suas luvas azuis. – Mas saca só esse golpe certeiro! – Ele dizia, lançando um soco no ar, que rapidamente criava uma onda de vácuo em direção do Scyther líder.
 
O Inseto não saia do seu lugar. Apenas inclinava o seu corpo para o lado e se desviava do movimento com facilidade.
 
- Heh. Parece que esse líder do bando é mais durão que você pensava. Tente não usar esses “golpes certeiros”. – Jason zoava o amigo, enquanto caminhava em direção das criaturas. – Eu tenho quase certeza de que algo está os incomodando, então, por favor, apenas repila esses bichos para dentro da Floresta.
- Você é muito chato, velhote. – O Hitmonchan resmungava, fazendo que o fogo em seus punhos ficasse bem mais intenso. Então ele começava a disferir os mesmos socos no ar, criando várias ondas de vácuo banhadas em calor que incomodava os Scythers.
 
Os insetos eram feridos com aquelas ondas de calor, então começavam a bater as suas asas e batiam em retirada.  Exceto pelo líder.
O chefe do bando era um tanto diferente. Parecia ter mais cicatrizes em seu corpo, inclusive uma que contornava o seu olho direito. Era um pouco maior que os demais e ao contrário destes, era um inseto calado que não parecia ser agitado e agressivo como os outros.
Ele, no entanto, encarava friamente para aqueles dois seres que ele considerava “intrusos”, mas não os atacava. Ele começava a bater as suas asas rapidamente, e então adentrava a floresta, tentando alcançar o seu bando.
 
- Ele quer que a gente o siga. – Russel comentava um pouco surpreso. Na verdade, estava muito surpreso com a atitude racional e incomum do Pokémon.
- Eu te falei. Era só ter um pouco de paciência. – Resmungava. – Apague esse fogo e vamos segui-lo.
 
O Hitmonchan concordava com a cabeça, logo fazendo o fogo em seus punhos cessar. Jason então começava a correr para tentar alcançar o bando, e assim descobrir o porque deles estarem agitados.
 
~>x<~

 
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Black~ em Ter 22 Abr 2014 - 16:12

O capítulo foi curto, mas foi bacana, com todos esses acontecimentos, com o quase encontro entre Jason Sem Sobrenome e o trio de protagonistas, e desse incidente na Floresta de Viridian, e dos sem rumo na vida Miguel e Sophia.

Não sei, mas parece que o Jason começou a virar meio protagonista ultimamente, não sei se é por causa que ele vai virar mecânico do Kyle, mas sei lá, ele começou a ter mais destaque na história, e ainda mais dele sair investigando esses Scyther, é interessante eu acho -q.

Essa esfera que o Morgan pegou foi bem misteriosa cara. Tipo, ele reconheceu tão facilmente. Será que era alguma pokébola que ele perdeu? Bom, não sei, gostei desse mistério. Só quero saber o que o Jason vai achar quando ver que "roubaram" isso dele.

Não tem muito pra falar. Então é só e boa sorte com a fic.
avatar
Black~
Fanfic Mod
Fanfic Mod

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 27/02/2011

Frase pessoal : The winter has come


Ver perfil do usuário http://pokemonblackrpgforum.forumeiros.com./

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por DarkZoroark em Ter 29 Abr 2014 - 11:12

Rush o/
Demorei um pouco, mas cheguei enfim. Fiquei meio atrapalhado e com preguiça esses últimos dias, mas agora que estou de boa resolvi passar aqui para dar meu parecer. Então, sem mais delongas, vamos ver este review:
Bem, assim como dito pelo Black~, o capítulo foi curto, mas isso não atrapalha em nada a qualidade do mesmo. Melhor pequeno do que um enorme que três quartos do conteúdo é filler (tipo assim... todo anime do Naruto), afinal faz com que a história se desenvolva. Achei interessante a visita dos protagonistas a casa do Jason Vorhees Sem Sobrenome. A tal esfera misteriosa que foi roubada - ou pelo menos assim eu acho - pelo Morgan parece que vai ter um grande impacto no desenrolar da história. Aliás, toque bem legal e original, principalmente em histórias de Pokémon, ter um protagonista que seja metido a ladrão. Com certeza vai dar o que falar mais para frente.
Achei interessante o Magnemite ter sido apelidado de Bullseye. Meio que me lembrou do vilão das histórias da Marvel. Acho pouco provável, mas teve alguma inspiração daí?
Russel mostrou para que está lá, hein? Tocou o terror em cinco Scythers na maior facilidade com um Heat Wave improvisado. Aliás, achei interessante o fato de eles estarem buscando "ajuda" para o que quer que esteja perturbando eles. Imagino que vá haver alguns problemas quanto ao que Jason irá encontrar no próximo capítulo, mas só aguardando para ver.
Bem, como o capítulo foi curto mesmo, não há muito mais que eu possa falar. Aguardo pelo seu próximo capítulo.  ninja 
avatar
DarkZoroark
Membro
Membro

Masculino Idade : 20
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 11/04/2011

Frase pessoal : Let's Play!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Rush em Seg 19 Maio 2014 - 20:57

@Black: Valeu! *-* Sim. Eu particularmente adoro o Jason, e ultimamente, estou dando bastante atenção para ele. Pelo menos por enquanto nesse momento de Veridian e tal. Acredito que o mistério de Morgan irá ser revelado ainda nesse capítulo, se você quiser ligar os pontos e arriscar com as provas mostradas. AUEHUAE' Enfim, muito obrigado cara. Espero que continue lendo. *-*

@DarkZoroark: DZ! Valeu *-* Eu sempre falo isso, cara. Não precisa ter pressa. Sempre demoro mais ou menos um mês pra postar o capítulo. xD Eu odeio Fillers. Odeio assistir Naruto por causa disso. Sobre o Bullseye, sim, eu peguei esse nome em base do vilão da Marvel. AUEHAUE'. Espero que você goste desse capítulo, provavelmente você e o Black irão descobrir o segredo de Morgan. Enfim. Muito obrigado cara, continue lendo. *-*





~>x<~






É isso ai. Porradaria vai comer solta. Não usem drogas.


~>x<~



Era mais uma noite comum em Veridian. A cidade ainda estava iluminada com diversos logos de empresas e de divulgação, e como sempre, estava bem movimentada. O Sul de Veridian, no entanto, era um lugar escuro e silencioso. Era onde ficava a enorme floresta que fora motivo de muitos protestos para manter-se ali. Uma floresta que existia muito antes da própria cidade ser construída.
 
 

As crônicas de um Gyarados Voador!

 

Kyle Adventures.
 
 
 
 
Capítulo XVI – Vs. Russel parte 1.
 
 
 
- Aaaaargh!
 


Aquele grito ecoava por toda a floresta. Fora tão repentino e intenso que fazia algumas aves abandonarem os galhos em que descansavam com medo de um possível predador.  Era bem provável que todo ser vivo naquela floresta tivesse ouvido tal brado.
 


- O que aconteceu? Estão todos bem? – Jöhan perguntava espavorido.
 


O grupo estava dentro da floresta de Veridian, ainda procurando Jason. Brenda como sempre estava carregando a pequena Megan em seus braços, que havia sido apertada com o susto que a loira havia levado naquele momento. Morgan estava ofegante e cauteloso, ao contrário do que ele sempre é. Aquele grito havia feito ele quase ter um ataque no coração. Ares, o Poliwrath gigante de Falk, estava em posição de combate com os olhos arregalados.


Kyle era o único que não parecia assustado, já que havia sido o dono daquele berro. Uma cachoeira de lágrimas escorria de seus olhos enquanto ele acariciava a sua mão esquerda, que estava vermelha e inchada.
 




- Uma Butterfree me mordeu! – Ele respondia, em tom choroso.
 




Após dizer isso, a borboleta que havia sido jogada longe, batia suas asas, grunhindo ferozmente para afastar os jovens. É claro que o único intimidado foi Kyle, que se escondia atrás de Brenda, fazendo com que o inseto voasse para longe do local.
 




- Nunca em minha vida eu pensei que veria alguém sendo mordido por uma Butterfree. – Falk comentava, rindo com a situação. Queria esconder o medo e o susto que havia sentido naquele momento, e por isso forçava sua risada.

- Caralho, Kyle. Só fode mesmo. – Brenda suspirava, fechando os olhos. Ela acariciava sua Vulpix que quase morrera sufocada nos braços da dona.

- Heh. – Morgan suspirava, enquanto tentava esconder a raiva que sentia do colega.
 






~>x<~


 
- Escutou isso? – Russel perguntava para seu amigo, enquanto ambos se escondiam atrás de árvores, tentando passar por despercebidos naquele bando de Scythers.

- Como poderia não escutar? – Jason respondia nervoso com o autor daquele berro. Aquele som havia deixado os Scythers mais cautelosos, fazendo até alguns sobrevoarem para patrulhar o seu território. – De qualquer forma, deve ser algum moleque idiota que ignorou os avisos de Willian. Que tal você ir verificar o que aconteceu?

- Ah. – O Hitmonchan suspirava. – Sempre acaba sobrando essas coisas pra mim. De boa, velhote. Só não morra pra esses Scythers, ok?

- Pode deixar comigo, Rocky.
 


O Hitmonchan sorria como resposta, se levantando e correndo em direção de tal grito.
 




~>x<~
 




Kyle segurava a sua mão com consternação em seus olhos castanhos cor-de-mel. Estava meio afastado do pequeno grupo, já que eles estavam bravos pelo susto que haviam levado com o seu grito. Mesmo achando que não era a sua culpa, ele tentava não estragar mais nada, mantendo uma curta distância deles. O rapaz de chapéu de palha então segurava a Pokébola de Aoki, observando a miniatura de seu Bulbasaur o encarando, entediado.


 
- Calma, Aoki. – Kyle suspirava triste. – Também estou no tédio aqui. Até esqueci o porque estamos andando nesse ninho de borboletas assassinas. – Dizia, olhando cabisbaixo para os seus pés.

 


O Pokémon esverdeado aparentava rir dentro de sua esfera, o que deixava o seu treinador bravo. Tal sentimento logo era descartado quando escutava um arbusto se movendo em uma distância consideravelmente curta.

Ouvindo o som, Kyle rapidamente ficava pálido, enquanto um calafrio escorria por sua espinha.  Ele institivamente apertava o botão de sua esfera de captura, fazendo com que o objeto triplicasse seu tamanho. É claro que o Bulbasaur não gostava nada da ideia, se encolhendo para o canto oposto de Kyle, como se estivesse tentando se esconder.
 


- Merda! – O adolescente gritava ao ver um vulto pulando do arbusto em sua direção. Parecia uma criatura bípede com fogo em seus punhos, onde apontava um deles em direção do rapaz, para que ele evitasse qualquer movimento brusco.

- Shhh! Olha o tom, seu retardado! – O Hitmonchan respondia em cochicho. – Tu não sabe que aqui tem dezenas de Scythers super territoriais procurando algum invasor para ser fatiado por suas afiadíssimas lâminas?
 


Quando Russel dizia aquilo, Kyle ficava boquiaberto. O rapaz não perdia tempo e pegava a sua Pokédex, dando uma cambalhota de costas para poder se esconder numa árvore próxima dele.
 


- Puta que pariu, um Hitmonchan falante! – Ele dizia, enquanto apontava o aparelho avermelhado para o Pokémon, como se estivesse tirando fotos ou gravando, já que no visor da parte detrás da dex estivesse com uma lanterna acesa e um pequeno pontinho vermelho piscando ao seu lado.
 


O Hitmonchan suspirava, enquanto uma gota de decepção escorria em sua cabeça. Ele fechava os olhos e chacoalhava a cabeça negativamente, enquanto baixava os seus punhos flamejantes, já que aquele garoto não parecia uma ameaça.
 


- Sim, moleque. Eu falo. Eu sou esperto. Eu penso. Surpreso? – Resmungava, de mal humor. – Só porque eu sou um Hitmonchan eu não posso falar? Quer que eu batalhe por você? Quer que eu soque coisas por você? – Ele questionava ainda num tom raivoso.

- Sim, isso seria incrível! – Kyle respondia, ainda o gravando com a Pokédex.

- Ótimo! – O Pokémon bípede então dava um forte soco em outra árvore próxima dele, facilmente quebrando o seu tronco em dois, fazendo com que alguns Pidgeys voassem de seus galhos. – Feliz?! – Ainda não terminando, disparava outro murro em uma grande pedra, causando profundas rachaduras, mas não a destruía por completo.

- Incrível! – O garoto do chapéu de palha se aproximava, filmando os movimentos da criatura em vários ângulos. Estava com brilho nos olhos, totalmente admirado.
 

Enquanto o Hitmonchan perdia a linha, destruindo tudo a seu redor  - mas não demonstrando nenhum perigo a Kyle -, Morgan voltava acompanhado pela presença do gigantesco Poliwrath de Jöhan, para ver se algo havia acontecido com Kyle, já que ele havia gritado mais uma vez pouco tempo atrás.
 


- Por favor, não me diga que outro Buterfree- Morgan estava totalmente desanimado e de saco cheio quando formulava a pergunta, ficando totalmente em choque quando via o Hitmonchan ao lado de Kyle. O Pokémon que vestia luvas de boxe azuis também parava de fazer o que estava fazendo quando via a presença de Morgan. Ficando totalmente mudo e paralisado, apenas o olhando com seus olhos arregalados e cheios de surpresa.
 


Nesse momento, tudo ficava em câmera lenta e em silêncio para Morgan. Kyle não havia entendido nada, já que olhava para o amigo e para o Pokémon confuso.
 


- Seu merda. – Russel proferia, fazendo com que o fogo em seus punhos ficava ainda mais intenso, chegando a cobrir um terço de seu braço.

- Ares, um Pokémon louco! – Morgan advertia, enquanto dava meia volta e saia correndo o mais rápido que podia. Ignorava se Kyle estava bem ou se o Hitmonchan o seguia, apenas corria o mais rápido que podia na direção oposta.
 
 
 
O Pokémon humanoide dava um forte salto para poder executar um golpe final no garoto que fugia, mas o enorme Poliwrath de meias interferia, entrando na frente e segurando no punho do Hitmonchan.

Quando bloqueava ao segurar a mão do oponente, uma fumaça acompanhada de um som estridente era vista saindo de suas luvas. Ares sentia seus dedos sendo queimados pelo fogo que Russel criava, então para evitar mais dor, o jogava no chão com uma força monstruosa, fazendo com que o inimigo quicasse pela força do golpe.

 


- Bosta! – O humanoide brandia ao sentir o impacto da queda. Mesmo sendo doloroso, ele tentava ignorar, dando uma rasteira no anfíbio enquanto ele ainda estava no chão, sendo tão potente, que fazia o Poliwrath perder o equilibro, mas não foi o suficiente para derrubá-lo.
 


Ao executar a rasteira e ver que o inimigo perdia a guarda, o Hitmonchan dava um giro horizontal com o auxilio de suas mãos, num movimento que se assemelhava muito a uma dança de rua. Sem perder tempo, ele usava o impulso de seus pés para dar um salto combinado com um soco no rosto do anfíbio.

Dessa vez a força do golpe fora muito superior, fazendo com que o azulado voasse para atrás até atingir uma árvore.
 


- Heh. Tu é forte, mas não é dois. – Rocky zombava com um sorriso no rosto. Seus punhos paravam de pegar fogo, já que aquilo não era muito eficiente contra tal oponente. Ele então ficava em posição de combate, e um barulho de estática podia ser escutado.  Dava um soco em seus próprios punhos para o som ficar ainda maior.
 
- Incrível! – Kyle admirava, ainda filmando com a sua Pokédex. Ele sentava no chão, fazendo com que seu Bulbasaur saísse da sua Pokébola e assistisse a luta ao seu lado, também admirado com a força dos Pokémons.
 


O Poliwrath chacoalhava o seu rosto para poder se recompor. Ele então parava de se apoiar na árvore em que foi jogado e entrava em posição de combate, fazendo os seus músculos ficarem mais fortes e rígidos.
 


- Aumentar massa? – Russel ria, colidindo ambos os seus punhos neles mesmos, fazendo uma enorme eletricidade ser emanada deles. Terminando tal técnica, saia correndo em direção do Poliwrath, pronto para acabar com aquilo.


O primeiro murro era facilmente desviado quando o anfíbio se agachava, fazendo com que o golpe acertasse a árvore atrás dele. Aproveitando a posição, o Poliwrath esticava ambas as pernas, o que jogava o seu corpo para frente em consequência. Nesse mesmo movimento, ele agarrava o Hitmonchan e usava o seu peso para dar várias cambalhotas verticais, finalmente o lançando quando o impulso acabava.
Russel era lançado como uma pedra, voando até colidir-se com uma árvore em uma bela distância dali.
 


- Maldito... – Gemia, se levantando com dificuldades após o forte impacto que havia sofrido. Ao ficar de pé, ele estalava seu pescoço, abrindo um sorriso no canto do rosto. - Heh.
 


A eletricidade de seus punhos ficava mais intensa, e o seu corpo muito mais leve. Impulsionava o seu corpo para frente, e numa velocidade incrível, corria em direção do Poliwrath de meias.

Ares se preparava, ficando em posição de combate.
 




~>x<~

 


- Brenda, temos que voltar! – Jöhan gritava, ao escutar o som de várias colisões, indicando que havia algum atrito ali atrás.
 


A loira que segurava a bela Vulpix em seus braços concordava com a cabeça. Ela dava meia volta bruscamente por estar assustada, se surpreendendo com Morgan correndo em sua direção e esbarrando nela. O impacto derrubava facilmente a garota.
 


- Morgan! O que aconteceu?! – Ela perguntava ainda caída. Ela observava o amigo que corria sem ao menos olhar para trás, para certificar que ela estava bem. Nenhuma palavra, nenhum aviso. Ele apenas corria.

- Você está bem? – Jöhan perguntava, auxiliando Brenda a se levantar. O louro era muito mais alto que a garota, o que fazia com que ela tivesse que olhar para cima para falar com o homem.

-Sim... Mas algo deve ter acontecido. Morgan fugiu para dentro da floresta. – Ela comentava, enquanto limpava a sujeira de terra e mato em Megan.
– É perigoso demais.
 


Falk concordava, botando a mão no queixo. Ele então observava o caminho percorrido, que iria dar para a batalha entre seu Poliwrath e o outro Pokémon desconhecido, e depois olhava o caminho que Morgan iria que eram as profundezas da floresta.
 


- Vá atrás dele. – Ele ordenava. Com uma expressão séria em seu rosto. – Eu irei acabar com esta batalha e te seguir. Será rápido.

- Certo. – Brenda concordava. Também estava séria, para assim tentar esconder o medo que sentia. Seus olhos verdes a entregavam, no entanto.
 




~>x<~

 




Os sons de várias colisões podiam ser escutados por toda a floresta de Veridian. Todos os Pokémons que ali moravam ficavam agitados, já que aquilo só podia significar o duelo de dois titãs. Os Scythers não ficavam diferentes. Estavam assustados, voavam de um lugar para outro, sem sair de seu território.
 


- Rocky, seu maldito. O que será que você encontrou? – Jason resmungava, ainda escondido atrás de uma árvore. Não demorou muito para que os Scythers percebessem a sua presença e por isso, não pensou nem duas vezes para sair correndo dali. – Droga!
 


Ofegante, o homem desviava de arbustos e galhos que pudessem bloquear o seu caminho. Os insetos quase o alcançavam quando ele quase tropeçava numa pedra, caindo de um alto morro enquanto os Pokémons territoriais desistiam da caça.

Sentia uma forte pancada na cabeça ao finalmente parar de capotar morro abaixo, fazendo com que quase perdesse a consciência. Quando ele olhava para cima, podia ver uma gigantesca árvore de tronco mais grosso que uma torre de vigia. Na superfície de tal tronco, estava alguma espécie de inseto absurdamente enorme.
 


- É você que está causando problema pros Scythers, ein? – Jason perguntava em tom baixo, vendo a carapaça marrom-claro do gigante inseto que parecia estar se alimentando da seiva de tal árvore.
avatar
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : The king can do as he likes!


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As crônicas de um Gyarados Voador - Kyle.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 8 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum