Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Nós teremos o maior prazer em recebê-lo no fórum e se precisar de qualquer ajuda, temos muitos membros e nossa equipe para ajudá-lo! Lembrando que você pode postar sua fanfic, seus desenhos ou edição de imagens, seu vídeo-detonado ou gameplay, participar de um RPG, postar e ler notícias do mundo Pokémon, tirar todas as suas dúvidas sobre todos os jogos de Pokémon, comentar sobre o desenho do momento ou apenas jogar um papo fora. Além de fazer amigos!
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!

PERSONA 5 【ペルソナ5】

Ir em baixo

PERSONA 5 【ペルソナ5】

Mensagem por Mikh em Sab 26 Jan 2013 - 23:08





Essa fic não é apropriada para menores de 14 anos.

Plot

O ano é 2014. A gigante capital de Naniwa, onde muitos veem oportunidades de vida, é o cenário onde nosso herói, Kai Motley, começa a viver. Logo ao chegar na cidade, é envolvido num roubo de banco, e "salva o dia", usando seu Persona. Porém, uma mulher destrói ele completamente. A estranha e enigmática Nyarlathotep, que o avisa sobre o mundo dos espelhos e os shadows.






Scenes




Prologue


???
VELVET ROOM TRAIN

O trem passa rapidamente pela gigantesca névoa, sem nem pensar por um segundo se iria parar. Seus passageiros, dois homens e duas mulheres. Uma borboleta é a coisa que chama mais atenção, quieta e silenciosa. Como se fosse parte do ambiente. Todos andam no trem sem expressão em seus rostos, até que algo inesperado aconteceu. Após 2 anos sem nenhum visitante, um jovem rapaz aparece. E esse jovem rapaz sou eu. Kai Motley.

A exuberante cor azul cobria todo o vagão que eu estava, que parecia ser o do homem que dirige. Falando nisso, quem dirigia o trem inteiro era um velho meio estranho. Nariz grande. Careca. Com um sorriso na cara... e com um lindo terno. Não diria lindo; mas era bem bonito. Ao seu lado, uma jovem moça, com um chapéu escrito V em ouro, e que sorria. Mas não que nem o homem – ela sorria que nem um humano. Ele, porém, sorria que nem um desenho animado. Era meio estranho comparar os dois, pareciam tão diferentes... Até que algo me acordou de meus pensamentos. Uma voz.

– Bem-vindo ao Velvet Room... – O homem disse. Seus lábios não se mexiam, seu sorriso continuava lá. Era meio assustador. – Esse lugar existe entre os sonhos e a realidade... Mente e matéria. Meu nome é Igor... E todos que entram nessa sala são forjados com um contrato. – Ele deu uma risadinha. Novamente, sem mover os lábios. E novamente, ainda assustador. – Essa é uma das minhas assistentes, Marie.

– Hey. Legal de te conhecer. Bem-vindo. – Ela disse, para logo depois continuar a ler seu livro estranho, que ela rapidamente pegou de uma das cadeiras.

Eu iria abrir a boca para me apresentar, mas antes disso acontecer, Igor me interrompeu.

– Não precisa se apresentar, senhor Motley... eu sei muito bem quem você é. Você é o garoto que decidirá não só o futuro do mundo, mas o futuro do Velvet Room. Você terá, de todos os visitantes que passaram aqui, a aventura mais difícil. Sua escolha poderá ser a última. – Ele deu outra risadinha. Meio estranho... mas eu não via nada de mais agora. – Então. Você tem que ir... Até que nos encontremos novamente.




UM DE MARÇO
BUS STOP

Acordei no meu ônibus. Direção... Ninawa. Aparentemente, havíamos chegado, finalmente – depois de longas 20 horas de viagem. Peguei minha única mala, e rapidamente fui embora do ônibus. A razão por eu estar aqui é meio idiota. Meus pais brigaram e me mandaram pra cá para pararem de cuidar de mim – e compraram um apartamento e tudo. Logo quando eu ia começar a cursar o terceiro ano. Pior que tudo isso, é que... sinceramente, eu estou um “pouco” triste. Provavelmente algo passageiro.

O céu está meio nublado. Mas não vejo como nada de mais. Para falar a verdade, eu só quero ir ver como é esse lugar. Provavelmente uma merda, mas... quem sabe. Talvez não seja um buraco. Ou talvez eu seja um idiota por acreditar que vai ser algo melhor do que eu esperava. Agora, a casa ficava no centro... e eu não tenho dinheiro para o táxi. Maravilha. Paramos no meio do nada, aparentemente. Muito obrigado por absolutamente nada, pai e mãe.

Vejo um banco próximo do ponto. Ainda tenho o cartão de crédito que eu ganhei... talvez eu possa tirar algum dinheiro lá. Fui até lá andando lentamente, sem muitas preocupações. Queria ganhar o sentimento de uma cidade grande.




UM DE MARÇO
BANK

Esse banco é bem grande. Para falar a verdade, um pouco maior do que eu esperava, realmente. MUITO maior. Várias pessoas em vários caixas, muitos atendentes... três andares. Chique. Caro. Eu aposto que isso deve ter sido roubado um monte de vezes, mas conseguiram recuperar com o dinheiro babaca deles. Tanto faz. Entro numa da fila dos caixas, atrás de uma garota jovem com cabelos longos e negros. Quando ela se vira, vejo seus olhos azuis.

- Vê se não olha minha senha, estrangeiro. – Ela me avisa, rapidamente. – Pff. Palhaço.

Ela me vê como alguma forma de ameaça só por que sou de outra cidade? E como ela SABE que eu sou de outra cidade? Essa cidade é enorme!... Urgh. Parece que uma coisa nunca muda – o racismo japonês. Mas tudo bem, eu já estou bem acostumado. Eu não sou tão japonês assim, então as pessoas confundem. Descendente de italiano. Meio que um saco. Mas para mim é bem... normal.


Mas algo me alerta quase que instantaneamente. Um dos homens de terno, justamente o do caixa ao lado, pega um revólver e atira no céu. Outros homens de terno, uns 6 deles, também pegam seu revólver. Ótimo. Um assalto. Excelente primeiro dia. Todos colocam sua mãos pro alto, e alguns gritam e correm.

- Calados, filhos da puta! – Um diz, atirando dois tiros ao ar. – Isso é um assalto!

Sem merda, Sherlock. Eu sei que isso é uma porra de assalto. Minhas mãos já estão no ar quando eu vi a bosta do seu revólver. O que é uma coisa terrível. A garota a minha frente, agora, está aterrorizada. Não consegue mover um músculo, ainda com as mãos ao ar. Eu não tenho palavras pra expressar o quanto eu odeio tudo agora.

“Você está gostando disso tudo?”, uma voz na minha cabeça aparece. Uma voz feminina. Alguns tiros, alguns gritos, algumas palavras horríveis. Coisas horríveis. O tempo parece ir mais lento. Eu consigo ouvir meus batimentos... tudo está ficando muito estranho. O que está acontecendo...?

Uma única palavra sai da minha boca, que eu não conhecia. Eu só falei. Por puro instinto.

“Persona...”


- ATIRA NO FILHO DA PUTA! – Um deles disse. Logo quando ele falou isso, milhares de tiros foram em minha direção. Porém, meu Persona ou sei lá o que me protegeu de todos eles, e logo começou o ataque. Ele conseguiu quebrar a cabeça de um facilmente, e logo o mandou voando para outro, que quebrou a parede com tanta força. Os outros quatro que sobraram, tentaram fugir. Mas meu persona usou uma espécie de ataque de gelo, que congelou os quatro e logo os quebrou em pedaços.

“Are you enjoying yourself...?”, uma voz. A mesma voz que eu ouvi antes. Mas dessa vez, essa voz saiu de outro lugar. O espelho. O gigante espelho no teto. De lá, milhares de mãos negras caíram, e destruíram meu Persona. Eu não pude nem ver o que aconteceu direito. Foi tudo muito rápido.


- Fufufu... – Uma garota, no terceiro andar, começou a rir. Ela era loira, com olhos amarelos. Ela era meio velha, mas não podia falar que não era linda. Com seios grandes e uma máscara estranha. – Meio cedo de mais para seu Persona, caro Kai. Você já matou algumas vidas hoje, como eu gosto de ver... Você será um excelente cachorrinho. Mas no futuro. Esse foi só seu teste. Eu sou Nyarlathotep. Just like that. E eu moro no outro mundo. O mundo das sombras... Mas isso é meio que cedo. Muito cedo. Que tal... uma semana? Sim. Uma semana será o suficiente. Fufu... Até algum dia, cachorrinho.

E logo, ela entrou para uma porta, e sumiu. Esse dia foi meio... corrido. Até para mim. O que diabos havia acontecido? E...

Para onde foi todo mundo?




NOTAS DO AUTOR:
Sim, esse capítulo foi corrido. Antes que façam essa crítica. Não foi feito na pressa, mas foi corrido. Foi rápido. E adivinha? Esse é o capítulo mais rápido de quase toda a fic, então sim, teremos episódios lentos. Isso foi só um dia, e ainda tem muitos mistérios para o Kai e tudo mais. A misteriosa moça, Nyar (vou chamar ela assim, é um saco falar o nome dela inteiro... é um dos meus personagens favoritos.

Enfim. Para quem não entendeu porra nenhuma, também será explicado algumas coisas nos próximos capítulos. Então sim, mistério. Deal with fucking it. Isso deveria ser uma fic de escolhas, mas acho que implementarei esse sistema mais tarde. Talvez no cap 2 ou 3...



Black: Fanfic trancada por inatividade. Caso queira reabrí-la mande uma MP a qualquer Fanfic Moderador.
avatar
Mikh
Membro
Membro

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 02/05/2011

Frase pessoal : You stopped being you.


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum