Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Nós teremos o maior prazer em recebê-lo no fórum e se precisar de qualquer ajuda, temos muitos membros e nossa equipe para ajudá-lo! Lembrando que você pode postar sua fanfic, seus desenhos ou edição de imagens, seu vídeo-detonado ou gameplay, participar de um RPG, postar e ler notícias do mundo Pokémon, tirar todas as suas dúvidas sobre todos os jogos de Pokémon, comentar sobre o desenho do momento ou apenas jogar um papo fora. Além de fazer amigos!
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!

Pika Pika Colony

Ir em baixo

Pika Pika Colony

Mensagem por Benitez em Qui 4 Out 2012 - 21:40

Algumas coisas antes, rapidinho. Essa é uma fic de comédia com um objetivo bem simples: proporcionar uma leitura leve e divertida. Para isso ela tem algumas características um pouco diferentes do que andei vendo por aqui. Eu sempre usei sprites para representar os personagens em minhas estórias, não por preguiça, mas para tentar deixar a narrativa mais leve. É meio chato porque quebra as linhas, então prometo usar esse recurso com muita moderação. Claro, se incomodar MUITO, tipo de verdade eu tiro.
Os capítulos não são extensos, em média umas seis páginas no word. Espero que vocês se divirtam lendo da mesma maneira que eu me divirto escrevendo. Boa leitura Very Happy
--------------

PIKA PIKA COLONY

Capítulo 1 – Fora dos Limites

Não era possível definir o local. A única iluminação do ambiente era uma luz fraca, emanada de uma pequena lâmpada no teto. Um garoto estava sentado no chão, escrevendo num caderno.

“Caso não consiga sair daqui, quero deixar registrado tudo o que me aconteceu. Minha intenção em fazer isso é matar minha mãe de peso na consciência pela sacanagem que ela me fez. Existe limite para tudo na vida, até para um castigo.”
“Antes de começar, algumas coisas de extrema importância. Eu NÂO vou deixar minhas camisas de futebol do Celadon Celtics para ninguém! Quero elas enterradas comigo, entenderam? Se meu desejo não for cumprido, juro que volto para assombrar todos vocês!”
“Prosseguindo. Meu nome é Jimmy Klutch, tenho 14 anos e moro em Celadon, no continente Kanto, com a minha mãe. Não me pergunte do meu pai, odeio falar nesse assunto. Numa bela e ensolarada tarde das minhas merecidas e conquistadas férias, acabei tendo um leve atrito com alguns garotos da minha rua durante uma amistosa partida de futebol. Foi aí que tudo começou.”


- Não acredito que você fez isso! – começou minha mãe.

“Nós estávamos na sala lá de casa. Eu estava sentado no sofá enquanto que ela ficava na minha frente andando de um lado para o outro.”

- Acertar o menino com um pedaço de pau?

- A parte que ele quase quebrou minha perna dando um carrinho ninguém comenta, né? – me defendi.

- Isso não justifica esse tipo de comportamento. Aliás, isso já está virando rotina! Semana passada deixou o nariz de outro garoto sangrando também por causa de futebol.

- Eu disse que a cotovelada foi sem querer!! Se não quer contato, que vá jogar golfe!

- Sempre te incentivei a jogar futebol porque é um esporte coletivo, onde você aprenderia a trabalhar em equipe. Mas estou vendo que não é isso que está acontecendo. Tomei uma decisão! Vou te mandar para um lugar em que você fará outras coisas além de bater nos garotos da rua: a Pika Pika Colony!

“Naquele momento meu mundo tinha acabado. Não que eu tivesse alguma coisa contra pokémons, mas eles não eram minha praia. Nunca havia tido interesse pelos bichos. Nem passou pela minha cabeça quando fiz 12 anos tentar me tornar um treinador.”
“O lugar para onde minha mãe queria me mandar, a Pika Pika Colony, era uma colônia de férias pokémon. Lá, garotos e garotas de todas as idades passam um mês inteiro aprendendo sobre pokémons. Era o castigo mais absurdo do mundo, fora dos limites do bom senso. Me colocar para estudar no mês de férias e ainda sobre uma coisa que não via graça?”
“Fiquei revoltado na semana que antecedeu minha ida para o lugar. Tentei falar para minha mãe que ela estava jogando o dinheiro dela fora, ameacei tacar fogo no meu dormitório, mas nada disso a convenceu de desistir da ideia.”
“Quando o fatídico dia chegou, fomos de carro para Fuschia, local em que o navio partiria. Isso mesmo: NAVIO! Como se não bastasse, essa colônia ficava numa ilha, impossibilitando qualquer plano meu de fuga. E pra completar aquele dia perfeito, o calor estava insuportável. Foi o dia mais quente do ano.”
“O porto da cidade estava entupido de gente que ia para a Pika Pika Colony. Já dava para ter uma noção da galera com quem iria conviver nas próximas semanas. A maioria era mais nova que eu, provavelmente aspirantes a treinadores querendo adquirir experiência, porém havia alguns da minha idade e até uns mais velhos. Na hora fiquei imaginando qual seria a história de cada um para estar indo, mas concluí que somente eu deveria estar indo por obrigação.”
“Um senhor era muito visado pelos pais presentes. Se tratava do diretor da colônia, o Sr. Johnson, que estava conversando com os responsáveis das crianças e dando detalhes da viagem que faríamos.”


- É uma das embarcações mais modernas que existe. – ele dizia para um pai. – Nós passaremos a noite em alto mar e temos previsão de chegada para o início da tarde de amanhã. Manteremos o senhor sempre informado.

“Fiquei no meu canto, observando toda movimentação. Um indivíduo extremamente afeminado me abordou. Ele se identificou como monitor da colônia e me ofereceu ajuda.”

- Quando subir no navio procure pelas listas nos corredores dos dormitórios. Elas indicarão em qual acomodação o senhorzinho irá permanecer durante nossa magnífica viagem.

“Nem me simpatizei por esse cara. Ele foi o primeiro a entrar na minha lista de malucos a evitar durante o mês. Pouco depois o Sr. Johnson anunciou que o momento de partir havia chegado.”

- A embarcação irá partir em poucos minutos! Seus filhos estão prestes a iniciar uma bela experiência em nossa colônia de férias. Podem estar certos de que durante esse mês de estadia na Pika Pika Colony, suas crianças participarão de diversas atividades e aprenderão bastante sobre os maravilhosos pokémons.

“Em seguida, todos começaram a se despedir de seus pais e caminhar em direção ao navio. Nem dei muita moral para minha mãe. Ela não merecia uma despedida calorosa depois deste castigo sem noção. Após subirmos no navio, todas as crianças ficaram no convés para acenarem aos seus pais antes de partirem, enquanto que eu fui imediatamente procurar meu quarto para deixar minha bagagem.”
“Cada aposento abrigaria quatro pessoas. Demorei um pouco para achar o meu, depois de andar meio perdido pelos corredores do local. Assim que entrei encontrei outro garoto dentro, mexendo em sua mala.”


- Olá! – ele cumprimentou. – Você é um dos meus companheiros de quarto, certo? Meu nome é Max.

- O meu é Jimmy. – respondi, estendendo a mão para cumprimentá-lo de volta.

- É melhor não demorarmos muito aqui. Daqui a pouco terá a apresentação dos monitores no convés.

“Coloquei minha mala em cima de uma cama encostada na parede e segui com o garoto para o convés. Ele me pareceu ser normal e naquela hora entrou para lista de candidatos a conviver pelo próximo mês.”
“Quando chegamos ao nosso destino, nos juntamos a praticamente todos os tripulantes do navio. O monitor afeminado que eu tinha conhecido mais cedo estava conversando com todos ao lado de uma monitora e um monitor vestido de capitão .”


- Vocês estão prontas, crianças? – perguntou o terceiro.

- Estamos, capitão!! – responderam a maioria das crianças no local, porém não todas, o que reforçou minha esperança de conhecer gente normal lá.

- Eu não ouvi direitooo!!

- Estamos, capitão!!!

- Ohhhh...vive no abacaxi e mora no mar... (brincadeira)

“Nesse momento consegui dar uma observada no naipe da galera com quem eu conviveria. A maioria era muito nova, como havia constatado anteriormente, mas alguns, como Max, se encaixavam perfeitamente no estereótipo de treinadores pokémon. Realmente deveria valer a pena interromper os treinamentos por um mês e ir para a colônia.”

- Meus queridos. – começou a mulher. – Esse mês será muito mágico e especial no coração de cada um de vocês. Quero que por um momento todos parem, fechem os olhos e reflitam sobre o que irão passar no próximo mês.

- Nossa, tia monitora. – disseram a maioria, respirando bem fundo e fechando os olhos calmamente.

“Quinze segundos depois...”

- CHEGA DE RELFETIR!!! Quero todo mundo indo para seus respectivos quartos, AGORA, e sem fazer bagunça!!

“Todos ficaram paralisados olhando para a monitora.”

- VOCÊS ESTÃO SURDOS????

“Iniciou uma correria generalizada para os quartos. Se Max não tivesse me puxado, provavelmente eu teria sido engolido pela multidão frenética correndo desordenada para a área dos quartos.”
“Não foi muito difícil chegar à conclusão de que ficar longe dos monitores era essencial para manter a sanidade durante o mês. No caminho, decidi puxar assunto com meu colega.”


- Você não me parece uma criança feliz. Por que está indo para a Pika Pika Colony?

- Pelos motivos óbvios que qualquer treinador iria.

- Tipo? O mundo pokémon não faz muito parte da minha vida, nunca passou pela minha cabeça um dia me tornar treinador.

- Prepare-se. – respondeu ele me olhando preocupado. – A Pika Pika Colony oferece uma estrutura impressionante para se aprender sobre pokémons. Serve não só para aspirantes, mas para veteranos também. Tem aulas e tudo mais.

“Lembro que fiquei muito feliz com a parte das aulas. Só que não.”

- E você no caso é um veterano?

- Sim, estou a dois anos em jornada. Sou natural de Viridian e estou a duas insígnias de atingir o mínimo para disputar a Liga de Kanto no ano que vem.

“Antes que a conversa evoluísse muito, chegamos ao nosso aposento. Dentro dele, um outro garoto se encontrava mexendo em sua mala. Assim que nos viu, se pronunciou.”

- Saudações, nobres treinadores! Meu nome é Sir. Fonzie Liberatus Forensis Segundo. – disse ele, se curvando. – Neste momento estou organizando meus valiosos pertences para esta viagem, que certamente será muito agradável e proveitosa a todos nós.

“Tive um ataque de risos imediatamente. Deitei na minha cama e fiquei dando risada. O garoto nem desconfiou que ele fosse a piada. Max ficou sem graça com a situação. Minhas gargalhadas só foram interrompidas quando outro elemento entrou no quarto.”

- E ai, galeraaa!! – começou ele. – Tudo de boa com vocês?

“Max foi cumprimentá-lo, enquanto que apenas acenei de longe. Fonzie interrompeu suas atividades, se curvou novamente, e rapidamente voltou ao que estava fazendo.”

- Caramba, vei! Eu não acredito, vei! Que agente tá indo mesmo, vei! É muita emoção, vei! – começou o garoto, empolgado. – Essas férias vão ser demais, vei! A melhor de todas, vei! Sem noção, vei!

- Calma! – disse Max, segurando-o. – Qual é seu nome?

- Meu nome é Pete, vei! P-E-T-E! P de Psyduck, E de Ekans, T de Tyranitar e E de Ekans de novo! Pete! Deu pra entender? Pete!

- Não. Repete? – pedi.

- P de Psyduck, E de...

- Não precisa!! – interrompeu Max. - Você não acha que tem que arrumar suas coisas? Você não quer perder nenhuma atividade no navio, quer?

- Claro que não! Claro que não! Claro que não! Mas é claro que não!! Vou arrumar minhas coisas agora mesmo! Agora mesmo!!

“O garotinho só jogou sua mala em cima da última cama disponível e saiu correndo para fora. Do quarto havia uma janela de onde se observava o mar. Naquele momento já não tinha mais jeito, pois ou era uma fuga a nado ou estava oficialmente indo para a Pika Pika Colony. Admiti que estava indo para a colônia.”
“Todos meus companheiros de quarto saíram, me deixando sozinho no recinto. Abri minha mala, peguei minha bela camisa dourada do Celadon Celtics e fiquei olhando para ela, me lembrando de como era gostoso assistir uma partida de futebol num estádio lotado. Principalmente num dia de verão.”


- Vou sentir saudades. – pensei.
avatar
Benitez
Membro
Membro

Masculino Idade : 17
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 23/09/2012


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pika Pika Colony

Mensagem por CalrosHenrique em Qui 4 Out 2012 - 22:04

Porra, essa fan Fiction é sua? Tá bom.

Já perdi as contas de quantas vezes eu já vi esta Fan Fiction aqui. Já li ela muitas e muitas vezes, pra que plagiar rapaz? É só criar uma ou no máximo criar um Re-make com os créditos necessários. Sabe, não sou Fan Fic Mod, mas se fosse eu com certeza iria trancar este tópico e te dar no mínimo 2 alertas por plágio. Na boa, cara. Exclui esse tópico antes que sua moral baixe mais do que já abaixou.



Post abaixo apagado por ser flood
avatar
CalrosHenrique
Membro
Membro

Masculino Idade : 19
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 18/02/2010

Frase pessoal : Lady lady love me cause I love to lay you lazy


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pika Pika Colony

Mensagem por Benitez em Qui 4 Out 2012 - 23:38

Ok. Clone = Benitez, Benitez = Clone.

Mais uma vez desculpa pela confusão..


Última edição por Benitez em Sex 5 Out 2012 - 23:01, editado 1 vez(es)
avatar
Benitez
Membro
Membro

Masculino Idade : 17
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 23/09/2012


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pika Pika Colony

Mensagem por Pokaabu em Sex 5 Out 2012 - 0:09

Por mim, nem li, se você tem 62 anos e continua escrevendo fic de pokémon, fazer o que... Se for realmente sua, espero que termine o que começou, porque, como disse antes, com 62 anos, se num terminar agora, num termina mais não.

By~Murilo: Trancado para averiguações

Fic reaberta. Os membros Clone e Benitez são a mesma pessoa, portanto não há problema em recomeçar uma fanfic antiga.
avatar
Pokaabu
Membro
Membro

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 02/07/2011


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pika Pika Colony

Mensagem por Benitez em Sab 6 Out 2012 - 17:56

Tudo resolvido, aqui está o segundo capítulo da minha fic, espero que gostem. Respondendo:

CalrosHenrique: Tomara que essa seja a última vez que você vê essa fic aqui. Chega de recomeços. Hehe. Espero que você goste e acompanhe mais uma vez.

Pokaabu: Eu não tenho 62 anos, né? Kkkk. Se eu não tiver terminado essa fic com 62 eu desisto de vez, sem erro.

É isso. Boa leitura a todos. ^^

----------------
Capítulo 2 – Família

“No capítulo passado você viu o início de tudo, quando minha mãe aplicou o castigo mais sem noção do mundo. Você também viu o início da minha viagem para a Pika Pika Colony.”
“Estava pensando aqui. Quando acharem meu corpo abandonado e apodrecido será que vão fazer um documentário baseado nesses registros? Já fica a dica do título: Jimmy Klutch, uma vítima da opressão parental que morreu lutando. Mas enfim, vamos continuar.”
“Após um breve momento de nostalgia no meu quarto do navio, decidi sair e procurar por Max. No meio de tanta gente doida seria bom me aproximar de alguém que fosse normal. Perto do convés havia um aglomerado considerável de crianças. Imaginei que todos estariam naquele local e me misturei.”


- Muito bem, criançada! – começou o monitor afeminado, se aproximando. – Quem quer ser o primeiro a se apresentar para todos?

“Só nessa hora percebi que era o único da minha idade no lugar. Todos, exceto a mim, levantaram a mão desesperadamente para serem escolhidos. Precisa nem dizer quem foi o escolhido, né?”

- Parece que temos um garotinho muito simpático aqui. – continuou o monitor, me levando para frente. – Qual é seu nome?

“Como quero que meu documentário seja visto por pessoas de todas as idades, desde as crianças oprimidas até os pais torturadores, não vou escrever o que pensei em dizer naquela hora.”

- Meu nome é Klutch, Jimmy Klutch.

- Ooooi Klutch, Jimmy Klutch!! – cumprimentaram os garotinhos em coro.

- Que nome bonito! – continuou o afeminado. – Agora nos fale o quanto você está feliz por estar indo nessa maravilhosa aventura.

- Feliz? Eu to querendo a morte por ter que ir pra esse lugar! Minha mãe me fez vir aqui por obrigação e se pintar alguma oportunidade, nem que seja de jangada, eu vou fugir dessa colônia de férias.

“Todos ficaram me olhando paralisados. Os olhos das crianças chegaram a encher de lágrimas e o monitor ficou sem saber o que fazer. Vi Max se aproximando.”

- E é por isso que o esporte ajuda a manter as pessoas longe dos entorpecentes. Muito obrigado! – disse, saindo devagarzinho.

- Você deve ter dado um discurso muito inspirador. – comentou meu companheiro de quarto. – Eles estão sem reação.

“Em seguida, Max me convidou para ir às arenas pokémon do navio. Ele disse que queria batalhar contra outros treinadores para não perder o ritmo de treinamento, alguma coisa assim. Aceitei acompanhá-lo. Em sua posse estava um guia da embarcação, o qual peguei emprestado para ler.”
“O local para os treinadores batalharem era consideravelmente grande. Havia cinco arenas e diversos bancos em volta para espectadores se sentarem. Quando chegamos não tinha nenhuma batalha em andamento e todos os presentes estavam em volta de um garoto pedindo desesperadamente pelo seu autógrafo. Entretanto, ninguém estava obtendo sucesso.”


- Não, eu não vou dar nenhum autógrafo! – dizia ele, tentando se desvencilhar da multidão.

“Quando me virei para perguntar ao meu companheiro de quarto quem era o garoto tão visado, vi seus olhos brilhando. Não consigo descrever precisamente o que Max parecia estar sentindo naquela hora. Era um olhar de admiração, mas desafiador.”

- Ashton Symons, te desafio para uma batalha! – gritou ele meio que instintivamente.

“O barulho no local morreu e todos ficaram calados. Deu agonia do silêncio que se formou, parecia um enterro. Ninguém acreditou no que havia acabado de ouvir. Eu, sem entender nada, havia desistido de entender alguma coisa e fui para o banco mais próximo continuar lendo o guia.”

- Só você, nesse navio cheio de fracassados, teve coragem para me desafiar. – começou o garoto. – Admiro sua loucura, mas prepare-se para ser humilhado!

“Assim que o desafio foi aceito e ambos os treinadores foram se posicionar na arena bem à minha frente, a multidão de garotos foi à loucura. Todos ficaram em volta para assistir o que estava para acontecer.”

- Por que essa galera está tão histérica? – me perguntei baixinho.

- Tal esbórnia é perfeitamente justificável, nobre amigo! – disse Fonzie em pé ao meu lado, me matando de susto. – O cavalheiro dos cabelos dourados é simplesmente a maior revelação entre os treinadores pokémon do mundo. Ele alcançou a glória máxima ao vencer duas vezes consecutiva a Liga Sinnoh numa idade que ninguém jamais conseguiu.

“Definitivamente não fiquei impressionado. Ele só conquistaria minha atenção se tivesse conseguido ser duas vezes seguida artilheiro da Copa Nacional de Kanto. Como não era o caso, retornei à minha leitura cativa.”

- Vai, Wartortle ! – ouvi Max gritar.

- Vai, Empoleon ! – ouvi Ashton gritar em seguida.

- Ahhh moleque!!! – deu pra ouvir Pete gritando em meio à multidão. – Eu não acredito, vei! É muito emoção pra um dia só, vei! Vou ver o Ashton em ação pessoalmente, vei! Oquemaiseupoderiaquerernavida??

“Praticamente tudo o que se ouvia em seguida era o barulho de água voando para todo lado e os espectadores vibrando freneticamente com que estavam presenciando. Volta e meia conseguia entender comentários de um dos meus companheiros de quarto.”

- O insano desafiante está sendo bastante pressionado pela monstruosa força do campeão absoluto. Quanto tempo será que ele vai agüentar? – falava Fonzie sozinho.

- Ahhhh!!! Não acredito que o Wartortle conseguiu desviar dessa!! – gritou Pete.

“Alheio a tudo que se passava, terminei o guia. Além das arenas e dos inúmeros dormitórios, o navio ainda possuía um refeitório imenso, uma sala de jogos, uma enfermaria e um centro pokémon. Campo de futebol nem pensar!”
“Um tempo considerável já havia passado desde o início da viagem para a colônia e nada tinha me chamado atenção. Nada até aquele momento.”


- Posso me sentar aqui? – perguntou uma voz muito bonita.

“Uma menina muito linda estava parada na minha frente. Imediatamente disse para que ela se sentasse.”

- Prazer, meu nome é Jimmy. E o seu?

- Lyla.

“Imediatamente meus conceitos sobre fugir da Pika Pika Colony foram revisados. As férias haviam acabado de se tornar um pouco interessante. Eu já não tentaria fugir da ilha em qualquer jangada, por exemplo. Numa canoa? Talvez.”

- Gosta de batalhas? – puxei assunto.

- Não muito, apesar de amar pokémons. – ela respondeu. – Só vim para cá porque ouvi pessoas comentando que alguém desafiou meu irmão. Geralmente outros garotos correm dele ou ficam pedindo seu autógrafo. Ninguém tem coragem para desafiá-lo.

“Muito interessante como dois irmãos podem ser completamente diferentes. Enquanto o Ashton aparentava ser extremamente xarope, sua irmã era muito simpática e agradável.”

- COMO ASSIM??? – gritou Pete desesperado. – O Wartortle acertou dois golpes seguidos no Empoleon e está tomando controle da batalha!!

“A vibração dos espectadores no local se tornou mais intensa. Ninguém acreditava que meu companheiro de quarto estava conseguindo fazer frente ao poderoso bicampeão. Mas nada disso me interessava. Continuei conversando com a garota, contando como havia ido parar indo para a colônia.”

- Sua mãe está te obrigando? Haha! Não acredito. – disse Lyla, encostando a mão no meu braço.

“Fiquei meio idiota quando ela me tocou. Sua mão era lisa e muito macia. Por alguns segundos, apenas a encarei, sem responder nada. A irmã do xarope não entendeu meu silêncio repentino e fez uma cara de confusa.”

- SEN-SA-CI-O-NAL!! – Pete gritou novamente. – Eu não acredito, vei! Achei que isso fosse impossível, vei! Nada mais faz sentido, vei!

“Para acabar com o breve momento constrangedor, virei a cabeça e vi o que estava acontecendo. O pokémon de Ashton estava caído no chão, fora de combate, enquanto que o Wartortle, bem acabado, é verdade, permanecia em pé.”

- Você esteve péssimo! Empoleon, volte! – disse o bicampeão, retornando seu pokémon para a pokébola, enquanto que Max foi abraçar o seu.

“Todos começaram a gritar o nome do meu companheiro de quarto. Era compreensível essa reação do público, afinal, um treinador desconhecido até então havia acabado de derrotar uma sensação global.”

- Vamos sair daqui, Lyla! – disse Ashton, surgindo de repente e puxando a irmã.

- Ai! Larga de ser chato. Não dá pra vencer todas! – respondeu ela, indo junto. – Até logo, Jimmy! Te vejo na ilha.

“Isso foi SIM uma insinuação para mim. Definitivamente eu tinha alguma coisa por aquela garota. Ela era linda e muito simpática. Meu pensamento foi procurá-la assim que chegássemos à colônia.”

- Agora sim o quebra-cabeça está completo. – disse Fonzie repentinamente ao meu lado, me dando outro susto. – O ilustre campeão foi acometido por um sentimento de ciúmes em relação à irmã, abrindo espaço para que nosso nobre amigo pudesse obter êxito na peleja. O foco do campeão estava ofuscado. Finalmente tudo fez sentido!

“Em seguida ele se afastou falando sozinho. Provavelmente Fonzie estava certo em sua análise, mas nem cheguei a cogitar essa hipótese perto de Max, que saiu carregado das arenas. Isso também direcionou meus pensamentos para o fato de que Ashton poderia ser um problema em relação à minha futura aproximação de Lyla. Eu com certeza queria ter algo com ela. A princípio não me preocupei com isso e fiquei um tempo pensando na bela garota que havia acabado de conhecer.”
avatar
Benitez
Membro
Membro

Masculino Idade : 17
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 23/09/2012


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pika Pika Colony

Mensagem por TheSniper_ em Dom 7 Out 2012 - 0:14

Clone! Como vai?

Juro que eu já li quase toda a tua fic na Myutsu e na R1, membro oldschool here. Eu queria pasar por aqui primeiramente para reler a estória, mas eu acabo me encontrando sem tem o que comentar. Claramente é um bom enredo, ótima gramática e o uso de imagens na fic chega a seer agradável. Bos sorte com o re-post.
avatar
TheSniper_
Membro
Membro

Masculino Idade : 21
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 24/09/2012

Frase pessoal : Boom, Headshot


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pika Pika Colony

Mensagem por -Murilo em Dom 7 Out 2012 - 10:43

Olá! Felizmente é a primeira vez que leio a sua fic, então não sei nada do que pode acontecer. Cara, sua fic é muito divertida! A narração em primeira pessoa ficou muito legal, porque os comentários do menino sobre as coisas é que deixa tudo mais engraçado. Não sou muito a favor de usar imagens no meio do texto, sorry. Pelo menos os dos pokémons não precisa por. É muita poluição para um texto só. Os personagens até agora são bem interessantes. Fiquei aqui imaginando a maneira doida como Pepe fala, e a voz traveca do monitor lá. Apesar de tudo, a fic ainda está longe de ser perfeita. Enquanto nas narrações do menino você é muito bom, ainda sinto falta de um pouco mais de descrição. Descrição dos lugares, das pessoas, e de seus sentimentos. Tudo isso é essencial para uma fic. Espero que continue essa fic até o fim, porque eu gostei muito e achei muito engraçada. Boa sorte na sua fic e bye.
avatar
-Murilo
Membro
Membro

Masculino Idade : 24
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 01/03/2011

Frase pessoal : Pq ñ podemos fugir da realidade se ela é uma droga


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pika Pika Colony

Mensagem por Benitez em Seg 15 Out 2012 - 0:03

Devagar e sempre eu chego lá. Hehe. Aqui está o terceiro capítulo da minha fic, espero que gostem! =D

TheSniper_: Pois é. M2, R1, vou fazer tudo que for possível para que a Mythology seja o destino final da fic. Fico muito feliz em ver mais um leitor antigo por aqui, espero que continue acompanhando.

Murilo_Marcos: Em relação aos sprites acho que arrumei uma solução, vou continuar deixando a dos personagens e vou linkar a dos pokémons que aparecerem, assim o texto quebra menos. Eu acho os spirtes dos pokémons importantes para pessoas tipo eu (que acompanhou forte só até a segunda geração), já aconteceu várias vezes comigo de não conhecer algum pokémon enquanto lia fics. Sobre a fic estar longe de ser perfeita eu concordo plenamente, até porque o objetivo dela nunca foi esse. Tudo que eu quero aqui é apresentar uma história divertida, que fuja dos clichês e proporcione agradáveis 5 minutos aos leitores que vierem a cada capítulo novo. A falta de descrições é em parte proposital porque a narrativa da fic é uma história sendo contada pelo Jimmy, então é critério dele os detalhes que possuem um foco maior e os que são ignorados. Isso também justifica o motivo de não haver pensamento de mais ninguém além dele da fic, espero que isso não seja motivo pra você parar de acompanhar. Hehe.

Boa leitura a todos. ^^

-----------------
Capítulo 3 – Coração de Pedra

“No capítulo passado você viu meu companheiro de quarto, Max, vencer uma batalha pokémon contra um bicampeão da Liga Sinooh chamado Ashton. Você também me viu conhecer a irmã do treinador derrotado, Lyla.”
“A noite já havia caído e o céu em alto mar estava muito bonito, todo estrelado. Só encontrei meus companheiros de quarto novamente quando fui ao refeitório jantar, após a batalha que parou o navio durante a tarde.”


- Saudações, nobre amigo! – cumprimentou Fonzie quando me sentei à mesa. – Sinta-se à vontade para desfrutar de sua refeição em nossa humilde presença.

“Imediatamente procurei por Lyla no local, mas não a encontrei. O assunto continuava sendo a inesperada vitória de Max.”

- Acabei desafiando-o por impulso e entrei na batalha sem expectativa de vencer.

- Vei, você foi d+, vei!! – admirava Pete. – Tomara que eu fique no mesmo dormitório que você na colônia!! Isso não seria d+, na verdade, isso seria +QD+, vei!!

“Futuramente as expectativas da bateria humana seriam frustradas. Os dormitórios na ilha eram separados por idade, impedindo o garotinho de dormir no mesmo quarto do seu novo ídolo, quatro anos mais velho.”
“Depois da refeição todos foram orientados pelos monitores a regressarem aos dormitórios. Não haveria nenhuma atividade naquela noite e ninguém poderia ficar andando pelo navio.”
“Óbvio que ninguém dormiu quando chegamos ao quarto. Eu tinha levado um baralho na mala e passei a noite toda ensinando aos amantes de pokémons jogos de cartas que não fossem TCG Pokémon.”
“No dia seguinte fomos acordados da pior maneira possível.”


- Acordem!!!! – gritava o monitor afeminado, quase quebrando a porta de tanto bater. – Estamos quase na ilha!!!

“Apesar dessa maneira absurda de tirar alguém de um belo e profundo sono, ninguém mais ficou revoltado. Os três levantaram rapidamente e ficaram extremamente animados por estarem chegando à colônia de férias.”

- Eu não acredito! Eu não acredito! Eu não acredito! Eu não acredito! – Pete ficava repetindo enquanto tacava suas coisas de qualquer jeito na mala e saia correndo do quarto.

- Cavalheiros, com a licença de vós, me retiro. – disse Fonzie apressadamente, saindo pouco depois.

“Minha cama estava muito gostosa.”

- Vai ficar aí morrendo mesmo? – perguntou Max antes de sair também.

“Sozinho e abandonado, comecei lentamente a me arrumar. Cerca de cinco minutos depois fiquei pronto e fui para o convés. Todos estavam no local embaixo do sol. Os olhos dos treinadores e futuros treinadores brilharam para a Pika Pika Colony. Faltava pouco mesmo para chegarmos.”
“A ilha era imensa. Havia uma montanha no meio, uma floresta enorme na lateral esquerda e as instalações, perto da praia, na direita. Era impossível ver o outro lado. De longe já dava para perceber que a estrutura era impressionante.”
“Lyla estava ao lado do irmão, que parecia um cão de guarda. Evitei até olhar e fiquei junto de meus companheiros de quarto. Quando faltavam apenas alguns instantes para desembarcamos, os monitores se aproximaram.”


- Prestem atenção, marujos! – começou o capitão. – Nós iremos ancorar em breve na bela ilha da Pika Pika Colony. Assim que chegarmos peço que vocês desçam do navio de forma ordenada e tranquila, ok?

“Ninguém obedeceu de primeira, claro. Os garotinhos, incluindo Pete, saíram da embarcação correndo desesperados, se empurrando bastante. Os mais velhos em sua maioria até corresponderam ao pedido.”

- PODE PARAR AGORA, SEUS IDIOTAS!!! – gritou a monitora. – ELE MANDOU VOCÊS DESCEREM ORDENADAMENTE OU COMO UM BANDO DE MANKEYS DESCONTROLADOS?? OBEDEÇAM!!!

“Todas as crianças mais novas pararam imediatamente e ficaram olhando com cara de choro para a mulher. Elas só continuaram, da mesma forma de antes, quando o afeminado prometeu que haveria sorvete na ilha.”
“Guiados pelos monitores, nós seguimos do porto, que ficava na praia, por uma rápida trilha até as instalações. O primeiro lugar que chegamos foi ao “Chafariz da Alegria”, um grande chafariz com um Pikachu e dois Pichus esculpidos. Para os dois lados desse local havia duas grandes construções.”


- O dormitório masculino é o da esquerda. O feminino o da direita. – explicou o monitor afeminado. – Na porta de cada quarto há uma placa com o nome de seus ocupantes. Vocês têm vinte minutos para se acomodarem e retornarem para este local. Em seguida, vamos iniciar nossas atividades. Estão animados?

“Segui junto de Max, obedecendo às instruções. Quando chegamos descobrimos nossos nomes indicados no mesmo aposento. Os outros dois ocupantes, que ficariam conosco durante todas as férias, já estavam arrumando suas coisas dentro do quarto. Seus nomes eram Mat e Ronald .”

- E ai, galera!! Beleza? – entrei primeiro, tentando fazer contato.

- Outro feliz... – comentou o primeiro, sem me dar muita atenção, aumentando minhas esperanças de encontrar mais gente normal na colônia.

- Tudo beleza!! – respondeu o segundo, no mesmo tom.

“Ambos foram cumprimentar Max pela vitória no navio quando o viram entrar em seguida. Enquanto esperava ele terminar de arrumar suas coisas, li seu guia da colônia para saber o que me aguardava no meu primeiro dia na Pika Pika Colony, o lugar mais alegre e empolgante do planeta. Inicialmente, pela manhã, teríamos um tour pelo lugar e à tarde participaríamos de uma atividade chamada “Meu Primeiro Pokémon”.”

- Tanta coisa que eu podia estar fazendo agora. – comentou Mat consigo mesmo em voz alta, despertando minha curiosidade.

- Você não faz parte da galera que está morrendo de felicidade por estar aqui? – perguntei.

- Mais ou menos. Essa colônia deve ser até legal, mas não pretendia passar minhas férias aqui. Apesar de ter pokémons não quero passar minha vida como um treinador. Vim para cá porque apostei numa batalha com meu irmão. Tinha certeza que meu Pidgeot ganharia do Kyogre dele.

- O que?!?! – gritaram Max e Ronald surpresos.

- Calma, gente! Esse é só o nome do Lapras que ele tem. Caramba, que stress!

“Quando estávamos saindo do dormitório, indo encontrar com o resto do pessoal, eles me contaram o motivo da surpresa. Achei meus companheiros lerdos por terem se surpreendido. Um pokémon com esse porte todo provavelmente é impossível de ser capturado. Lembro que na hora até comentei que caso eu conhecesse o líder de alguma organização maligna que tivesse tentado tal feito, iria rir da cara dele.”
“Assim que todos se reuniram novamente no chafariz, com exceção de Lyla e Ashton (que nem no dormitório masculino iria dormir), os monitores deram início ao passeio.”
“As instalações na ilha eram organizadas da seguinte maneira. À frente do chafariz, seguindo reto, tem o prédio principal, onde ocorreriam as aulas. Ele tinha quatro andares e era consideravelmente grande. Dando à volta nesse edifício tinha um imenso jardim, cheio de flores, árvores, pokémons insetos e um lago no centro. À esquerda desse lago se encontrava o prédio da diretoria e à direita era onde ficavam as arenas, a enfermaria e o centro pokémon. Indo reto pelo jardim você chegava no limite das instalações em ocasiões comuns. Nós iríamos além daquele ponto só em eventos ou passeios.”
“Já estava na hora de almoçar quando o maravilhoso tour terminou. Nós fomos guiados pelos monitores até o refeitório, no primeiro andar do prédio principal. Sentei junto de meus companheiros de quarto.”


- Nossa, eu estava com muita saudade dessa colônia de férias. – suspirou Ronald, com um sorriso estampado no rosto.

- Como assim? – perguntei.

- Esse lugar é maravilhoso! Tudo que conquistei na minha carreira devo à Pika Pika Colony. É a sexta vez consecutiva que venho para cá.

“Max cuspiu o suco que estava tomando e Mat começou a engasgar. Ainda bem que não havia nada na minha boca quando ele contou esse absurdo. Fazer carreira na colônia de férias era algo que impressionava até os treinadores pokémon.”
“Assim que terminei de comer segui sozinho para o dormitório. Queria ligar para minha mãe, contar um pouco dos malucos que havia conhecido e ver se ela mandava me buscar. No caminho encontrei com a minha paixão do momento. Lyla vinha caminhando sozinha na minha direção.”


- Oi, Jimmy! Você por acaso viu meu irmão? Estou procurando por ele.

- Não.

- Se encontrar com ele, avisa que já estou indo ao refeitório almoçar?

“Naquele momento não tinha como me oferecer para acompanhá-la. A garota tinha acabado de me ver andando na direção contrária do prédio principal. Apenas me despedi, olhando meio bobo enquanto ela se afastava. Retomei meu caminho.”
“Quando estava chegando ao dormitório masculino, ouvi a voz de Ashton. Pelo tom de voz ele parecia estar bem irritado. Lentamente fui me aproximando de onde ouvia o barulho.”


- É ASSIM que você pretende me representar??

“Fiquei escondido atrás de um arbusto para observar a cena. O xarope estava extremamente nervoso com um Tyrogue. Havia vários ferimentos pelo corpo do pequeno pokémon e ele se encontrava de joelhos, apoiado com as mãos no chão para não cair.”

- Você é um fracasso como pokémon e não me merece como seu treinador! – continuava Ashton. – Te dei várias oportunidades para demonstrar que tinha potencial de ser treinado por mim, mas agora chega! CHEGA! Não quero mais continuar com você! Nem dos desafios mais fáceis você dá conta! A partir de agora você é um pokémon livre de novo! Aproveite!

“Em seguida Ashton virou as costas e saiu, sem me notar. O Tyrogue, com lágrimas nos olhos, não agüentou se apoiar por muito tempo e caiu desmaiado. Agi por impulso naquele momento. Peguei o pokémon em meus braços e saí correndo desesperado para o centro pokémon. No caminho passei por Max, que começou a me acompanhar.”

- Enfermeira..!! Pokémon..!! Morrendo..!! – gritei, tentando me expressar.

“Imediatamente a enfermeira pegou o Tyrogue de mim e o levou para uma sala dentro do centro pokémon. Fiquei parado junto do meu companheiro de quarto no saguão do lugar, que estava vazio, recuperando o fôlego.”
“Apesar da minha falta de interesse em pokémons eu não podia ter deixado o Tyrogue na situação em que o encontrei. Até hoje me dá certa raiva lembrar a cena que presenciei naquele dia. Foi extremamente desumana a atitude de Ashton com o pequeno pokémon. Isso me levou a concluir que o bicampeão de Sinooh tinha, na verdade, um coração de pedra.”
avatar
Benitez
Membro
Membro

Masculino Idade : 17
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 23/09/2012


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pika Pika Colony

Mensagem por Pokaabu em Seg 15 Out 2012 - 23:41

Oi idoso Benitez tudo baum? A coisa que eu mais gosto na sua fan fic é o jeito simples com o que você descreve as coisas, não é rápido mas também não é muito lento. Simplesmente é gostoso de ler, apesar de eu não ter me acostumado com a penca de personagens que tem a sua história ela continua sendo muito boa. Espero que a minha preguiça deixe eu ler o próximo capítulo e até a próxima.

PS: Não se esquece de tomar seus remédios inclusive o Calcitran B12 pros ossos, ninguém aqui quer que você morra antes de terminar a fan fic.

Edit by Bragato: Fic trancada por inatividade, caso queira reabrir contate um fanfic mod.
avatar
Pokaabu
Membro
Membro

Masculino Idade : 23
Alerta Alerta :
0 / 100 / 10

Data de inscrição : 02/07/2011


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Pika Pika Colony

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum